Shared posts

21 Mar 22:17

Produção: Guy Dreifuss (Afficoman), Adi Ezer  e Shmulik...



Produção: Guy Dreifuss (Afficoman), Adi Ezer  e Shmulik Bar-Dan
Direção: Alon Segal - http://Alonsegal.com/
Produção Musical: Amit Sagie
Edição: Guy Dreifuss

26 Mar 19:00

4gifs:Udder joy. [video]

Igor Santos

O NOME DA MÁQUINA É HAPPY COW!
ISSO É DE PROPÓSITO!



4gifs:

Udder joy. [video]

11 Mar 15:42

by Robbie and Bobby

04 Mar 01:45

Photo









12 Mar 02:15

4gifs:"Geronimo!" [video]



4gifs:

"Geronimo!" [video]

23 Mar 04:00

4gifs:Hello, strange, small cow. [video]



4gifs:

Hello, strange, small cow. [video]

23 Mar 05:04

A Double Eclipse of the Sun

Discover the cosmos! Each day a different image or photograph of our fascinating universe is featured, along with a brief explanation written by a professional astronomer.

2015 March 22
See Explanation.  Clicking on the picture will download
 the highest resolution version available.

A Double Eclipse of the Sun
Image Credit & Copyright: Thierry Legault

Explanation: Can the Sun be eclipsed twice at the same time? Last Friday was noteworthy because part of the Earth was treated to a rare total eclipse of the Sun. But also on Friday, from a part of the Earth that only saw part of the Sun eclipsed, a second object appeared simultaneously in front of the Sun: the Earth-orbiting International Space Station. Although space station eclipses are very quick -- in this case only 0.6 seconds, they are not so rare. Capturing this composite image took a lot of planning and a little luck, as the photographer had to dodge a series of third objects that kept, annoyingly, also lining up in front of the Sun: clouds. The above superposed time-lapse sequence was taken from Fregenal de la Sierra in southern Spain. The dark disk of the Moon dominates the lower right, while the Sun's textured surface shows several filaments and, over an edge, a prominence.

Gallery: Solar Eclipse
Tomorrow's picture: atlas launches < | Archive | Submissions | Index | Search | Calendar | RSS | Education | About APOD | Discuss | >

Authors & editors: Robert Nemiroff (MTU) & Jerry Bonnell (UMCP)
NASA Official: Phillip Newman Specific rights apply.
NASA Web Privacy Policy and Important Notices
A service of: ASD at NASA / GSFC
& Michigan Tech. U.

Expanded from APOD by Feed Readabilitifier.
02 Feb 11:29

Simple 4



Simple 4

23 Mar 12:46

AEP : Huxley to Orwell: My Hellish Vision of the Future is Better Than Yours (1949)

Igor Santos

Mesmer realmente influenciou o mundo, né?

orwell huxley

In 1949, George Orwell received a curious letter from his former high school French teacher.

Orwell had just published his groundbreaking book Nineteen Eighty-Four, which received glowing reviews from just about every corner of the English-speaking world. His French teacher, as it happens, was none other than Aldous Huxley who taught at Eton for a spell before writing Brave New World (1931), the other great 20th century dystopian novel.

Huxley starts off the letter praising the book, describing it as “profoundly important.” He continues, “The philosophy of the ruling minority in Nineteen Eighty-Four is a sadism which has been carried to its logical conclusion by going beyond sex and denying it.”

Then Huxley switches gears and criticizes the book, writing, “Whether in actual fact the policy of the boot-on-the-face can go on indefinitely seems doubtful. My own belief is that the ruling oligarchy will find less arduous and wasteful ways of governing and of satisfying its lust for power, and these ways will resemble those which I described in Brave New World.” (Listen to him read a dramatized version of the book here.)

Basically while praising Nineteen Eighty-Four, Huxley argues that his version of the future was more likely to come to pass.

In Huxley’s seemingly dystopic World State, the elite amuse the masses into submission with a mind-numbing drug called Soma and an endless buffet of casual sex. Orwell’s Oceania, on the other hand, keeps the masses in check with fear thanks to an endless war and a hyper-competent surveillance state. At first blush, they might seem like they are diametrically opposed but, in fact, an Orwellian world and a Huxleyan one are simply two different modes of oppression.

Obviously we are nowhere near either dystopic vision but the power of both books is that they tap into our fears of the state. While Huxley might make you look askance at The Bachelor or Facebook, Orwell makes you recoil in horror at the government throwing around phrases like “enhanced interrogation” and “surgical drone strikes.”

You can read Huxley’s full letter below.

Wrightwood. Cal.

21 October, 1949

Dear Mr. Orwell,

It was very kind of you to tell your publishers to send me a copy of your book. It arrived as I was in the midst of a piece of work that required much reading and consulting of references; and since poor sight makes it necessary for me to ration my reading, I had to wait a long time before being able to embark on Nineteen Eighty-Four.

Agreeing with all that the critics have written of it, I need not tell you, yet once more, how fine and how profoundly important the book is. May I speak instead of the thing with which the book deals — the ultimate revolution? The first hints of a philosophy of the ultimate revolution — the revolution which lies beyond politics and economics, and which aims at total subversion of the individual’s psychology and physiology — are to be found in the Marquis de Sade, who regarded himself as the continuator, the consummator, of Robespierre and Babeuf. The philosophy of the ruling minority in Nineteen Eighty-Four is a sadism which has been carried to its logical conclusion by going beyond sex and denying it. Whether in actual fact the policy of the boot-on-the-face can go on indefinitely seems doubtful. My own belief is that the ruling oligarchy will find less arduous and wasteful ways of governing and of satisfying its lust for power, and these ways will resemble those which I described in Brave New World. I have had occasion recently to look into the history of animal magnetism and hypnotism, and have been greatly struck by the way in which, for a hundred and fifty years, the world has refused to take serious cognizance of the discoveries of Mesmer, Braid, Esdaile, and the rest.

Partly because of the prevailing materialism and partly because of prevailing respectability, nineteenth-century philosophers and men of science were not willing to investigate the odder facts of psychology for practical men, such as politicians, soldiers and policemen, to apply in the field of government. Thanks to the voluntary ignorance of our fathers, the advent of the ultimate revolution was delayed for five or six generations. Another lucky accident was Freud’s inability to hypnotize successfully and his consequent disparagement of hypnotism. This delayed the general application of hypnotism to psychiatry for at least forty years. But now psycho-analysis is being combined with hypnosis; and hypnosis has been made easy and indefinitely extensible through the use of barbiturates, which induce a hypnoid and suggestible state in even the most recalcitrant subjects.

Within the next generation I believe that the world’s rulers will discover that infant conditioning and narco-hypnosis are more efficient, as instruments of government, than clubs and prisons, and that the lust for power can be just as completely satisfied by suggesting people into loving their servitude as by flogging and kicking them into obedience. In other words, I feel that the nightmare of Nineteen Eighty-Four is destined to modulate into the nightmare of a world having more resemblance to that which I imagined in Brave New World. The change will be brought about as a result of a felt need for increased efficiency. Meanwhile, of course, there may be a large scale biological and atomic war — in which case we shall have nightmares of other and scarcely imaginable kinds.

Thank you once again for the book.

Yours sincerely,

Aldous Huxley

via Letters of Note

Related Content:

George Orwell Explains in a Revealing 1944 Letter Why He’d Write 1984

George Orwell’s 1984: Free eBook, Audio Book & Study Resources

Hear Aldous Huxley’s Brave New World and 84 Classic Radio Dramas from CBS Radio Workshop (1956-57)

Aldous Huxley’s Most Beautiful, LSD-Assisted Death: A Letter from His Widow

Jonathan Crow is a Los Angeles-based writer and filmmaker whose work has appeared in Yahoo!, The Hollywood Reporter, and other publications. You can follow him at @jonccrow. And check out his blog Veeptopus, featuring lots of pictures of badgers and even more pictures of vice presidents with octopuses on their heads.  The Veeptopus store is here.


26 Feb 07:52

Jeito

18 Mar 23:48

taikonaut:humanoidhistory:Fifty years ago today, cosmonaut...

Igor Santos

“It was the most difficult thing"
Probably ever.







taikonaut:

humanoidhistory:

Fifty years ago today, cosmonaut Alexei Leonov made history when he stepped outside the Voshkod 2 spacecraft and became the first person ever to walk in space. As a small step, as a great leap, Leonov’s 12-minute spacewalk was an adventure for the ages — and it almost killed him.

The BBC has the story of how his spacesuit started inflating into a death trap:

At this point the cosmonaut realised something was wrong. The lack of atmospheric pressure in space had slowly caused his spacesuit to inflate like a balloon. He recalls:
"My suit was becoming deformed, my hands had slipped out of the gloves, my feet came out of the boots. The suit felt loose around my body. I had to do something.”
"I couldn’t pull myself back using the cord. And what’s more with this misshapen suit it would be impossible to fit through the airlock."
In five minutes he would be in the Earth’s shadow, and plunged into total darkness. Without telling ground control, the cosmonaut decided to bleed half of the air out of his spacesuit through a valve in its lining. This risked starving his body of oxygen, but if he couldn’t get back inside the capsule, he’d be dead anyway.
Leonov let out a little oxygen at a time to reduce the pressure. But as he did so, he started to feel the first hints of decompression sickness.
“I began to get pins and needles in my legs and hands. I was entering the danger zone, I knew this could be fatal.”
He started coiling the cord in order to haul himself back. When he finally reached the airlock, he pushed the camera in, grabbed the sides and lurched through head first.
The extreme physical exertion had caused his temperature to soar; he was now at risk of heatstroke and sweating uncontrollably. The globules filled his helmet, obscuring his vision.
Leonov was supposed to re-enter the airlock feet first. Getting in the wrong way meant he had to turn himself around in the cramped space to make sure the umbilical cord was inside and the hatch was locked.
He says: “It was the most difficult thing: I’m in this suit and I had to turn around in the airlock. But with the perspiration, I couldn’t see anything.”
"I don’t normally sweat much, but on that day I lost 6kg in weight.”
After curling around in his bulky suit, in such a narrow space, Leonov finally made it back inside the craft.

(BBC)

Jesus Christ that’s most of my phobia list right there.

15 Mar 13:41

RT @HistoricalPics: These two books contain the sum total of all human knowledge...

by Osias Jota
800px-Coturnix_coturnix_eggs_normal.jpg
Author: Osias Jota
Source: Twitter Web Client
RT @HistoricalPics: These two books contain the sum total of all human knowledge http://t.co/QYJESP5IPT
CAF8e6aWQAAg6oD.jpg:large
14 Mar 12:00

"Shoutouts to Cool Black Science Man, LOL!"

15 Mar 17:00

This Can't Be a Good Thing for an Ambulance to Do

Submitted by: (via BG C)

13 Mar 20:37

'Senhor Servo & Outras Histórias' de Leon Tolstoi foi...



'Senhor Servo & Outras Histórias' de Leon Tolstoi foi traduzido diretamente do russo para o português pela escritora Tatiana Belinky, nascida da Rússia em 1919 e falecida em São Paulo em 2013.

A primeira adaptação do Sítio do Picapau Amarelo para a TV foi feita por Tatiana e seu marido, Júlio Gouveia. É bem provável todos nós tenhamos  lido algum poema ou até algum livro dela durante a infância  pois a verdadeira Rainha dos Baixinhos escreveu mais de duzentos livros destinados ao público infanto-juvenil.

Dá gosto pegar traduções assim porque muitas obras em russo ou alemão publicadas no Brasil acabam sendo tradução de uma outra tradução (ou às vezes tradução de tradução de tradução), o que pode gerar uma perda bem significativa não só do estilo do autor como de nuances importantes do seu conteúdo.

Tolstoi morreu em 1910, aos 82 anos, pouco tempo depois de ter decidido de separar da esposa para viver em comunhão com um grupo anarco-pacifista-cristão.  Sorte a nossa que ele escreveu ‘Guerra e Paz’ e ‘Ana Karenina’ antes de ser tomado por crenças meio esquisitas e passar a defender coisas como a dissolução da propriedade privada e a castidade, pois em algum momento ele rejeitou as suas próprias obras e nem os direitos autorais queria mais receber.

'Senhor e Servo' é muito mais do que uma história sobre a relação de um patrão com um empregado, é um conto sobre a inclemência da natureza temperado pela beleza psicológica de Nikita, o servo. Delicioso de ler. É daqueles contos que transportam o leitor ao ambiente criado pelo escritor e lhe geram sensações praticamente físicas.

Leia com o ar condicionado desligado.

Beijos,
Meire

13 Mar 20:39

FIlme caseiro datado de 1908, realizado durante a celebração dos...



FIlme caseiro datado de 1908, realizado durante a celebração dos 80 anos de Tolstoi.

08 Mar 19:35

huffingtonpost: These baby bats swaddled like little burritos...

03 Mar 15:00

(via d0gbl0g:darksilenceinsuburbia:Tanja Brandt)

Igor Santos

Amizade taxidérmica.

05 Mar 20:48

(via unclefather)

Igor Santos

..a smooth criminal. pam pamram param rampam pamram rampam param ram pam pam



(via unclefather)

05 Mar 00:49

Photo



07 Mar 08:02

wolverxne:Wolf Challenges a feeding Bear | by: Anne-Marie Klaus...



wolverxne:

Wolf Challenges a feeding Bear | by: Anne-Marie Klaus 
07 Mar 15:11

hoodbypussy: Évolution inversée “It took me four years to...

















hoodbypussy:

Évolution inversée

“It took me four years to paint like Raphael, but a lifetime to paint like a child.”
― Pablo Picasso

12 Feb 16:41

Extremes of Human Nature Explored through Hand-Built Stoneware Animals by Beth Cavener Stichter

by Christopher Jobson
Igor Santos

Gostei do Coelho do Mal Versus Cobra Cianótica.

obaryion-1
Obariyon. 2013. Stoneware, antique hooks, glaze. 17 x 46 x 30″

Washington-based artist Beth Cavener Stichter sculpts human-sized animals from clay and other materials in both dramatically overt and subtly ambigous displays of emotion. Hung from ropes or pinned to walls, the anthropomorphic sculptures are infused with juxtapositions that depict the extremes of both human emotion and animalistic behavior: predator and prey, love and hate, fear and peace. “On the surface,” shares Stichter, “these figures are simply feral animals suspended in a moment of tension. Beneath the surface, they embody the consequences of human fear, apathy, aggression, and misunderstanding.”

Stichter collaborates with a variety of artists in her work, including Alessandro Gallo, who designed and painted the ornate Japanese tattoos on the nineteen-foot long anaconda snake depicted in Tangled Up in You seen below. There’s much more to see over on her website and several studio views on Hi-Fructose. All images courtesy the artist.

obaryion-2
Obariyon, detail.

obaryion-3
Obariyon, detail.

tangled-1
Tangled Up in You. 2014. Stoneware, mixed media. Tattoos designed and painted by Alessandro Gallo.

tangled-2
Tangled Up in You, detail.

tangled-5
Tangled Up in You, detail.

tangled-4
Tangled Up in You, detail.

sentimental
The Sentimental Question. 2012. Stoneware.

lamante-1
L’Amante. 2012. Stoneware, painted tattoos. 45 x 60 x 44″

lamante-2
L’Amante, detail.

question
The Question That Devours. 2012. Stoneware.

26 Feb 22:30

Photo

Igor Santos

O símbolo em todo interruptor de campainha é um sino.



















17 Feb 16:43

The Gifys

01 Mar 20:15

4gifs:Who put that there? [video]



4gifs:

Who put that there? [video]

03 Mar 05:15

(photo via evilsanta)



(photo via evilsanta)

03 Mar 05:16

Photo



28 Feb 22:38

Malleus Maleficarum - O Martelo das Feiticeiras, por Padre...

Igor Santos

Esse livro só me deu raiva. Especialmente porque parece que foi escrito ontem.





Malleus Maleficarum - O Martelo das Feiticeiras, por Padre Heinrich Kramer


O Padre Heinrich Kramer foi o escritor mais intelectualmente desonesto que já consultei em toda minha vida, e olhe que estou incluindo dos acadêmicos que distorcem a Teoria da Evolução aos pseudocientistas de plantão e certos militantes de sofá dos tempos áureos do Orkut. Eu não achava que seria possível encontrar tanta desonestidade junta em uma obra só.

Essa afirmação saindo de uma pessoa moderada como eu deve ser bastante significativa para quem me conhece.Não achei nenhuma redenção para o Padre Heinrich. Nem ignorância ou inocência podem ser apontadas como atenuantes, pois ele mesmo colocou argumentos bons e alguns até bem honestos contra o que defendia para depois refutá-los com um corolário interminável de falácias.

Quase infartei quando ele usou a semiologia de Avicena para defender a existência de bruxaria, sugerindo que era dessa sandice que o estudioso falava quando ensinava seus alunos a observarem o facies e o aspecto do olhar dos doentes para diagnosticá-los. Sério, deu dor torácica. Ele é tão desonesto que foi atrás de várias pessoas que gozavam de credibilidade para validar suas distorções.

O livro inteiro pode ser utilizado como fonte de estudo de falhas de discurso. Apenas por este motivo posso considerá-lo uma preciosidade. Quem quiser estudar e treinar lógica pode até fazer um blog só com esse livro que tem material para bastante tempo. Da Falácia do Espantalho ao Declive Escorregadio, passando pela Falácia do Escocês ao apelo para emoção, medo e autoridade, há de tudo. Tudo mesmo. O Padre não deixou escapar nada, exercitou a desonestidade ao extremo.

Para feministas o livro é um prato que transborda e não para de derramar.

Interessante e até apaziguador para mim foi saber que na Idade Média haviam muitas pessoas  que não acreditavam na existência de bruxas e tentavam persuadir grupos contra a ideia e outras que, embora acreditassem, não defendiam que bruxas tivessem tanto poder ao ponto de criar tempestades, dizimar rebanhos ou fazer pênis desaparecerem.

Eu não sabia que o controverso era significativo e daí via como generalizada a crença das pessoas em coisas como mau olhado atribuindo esse tipo de fé a uma ignorância pura e simples, até certo ponto justificada pela privação pedagógica e pela falta de conhecimento científico.

Mas não. Havia muita coisa produzida e de conhecimento público defendendo que o fato de um evento não ter causa conhecida não autorizava a Igreja a atribui-la ao Demônio, textos comparando crenças religiosas a superstições e outros ligando-as a um sincretismo entre diversas mitologias e o cristianismo. Sensacional. Muita gente hoje tem um nível de raciocínio lógico bem inferior a algumas pessoas da Idade Média.

Há muitos textos interessantes em língua inglesa sobre o Malleus, de como ele foi utilizado, da real importância que teve na época, sobre a proibição que não conteve suas reedições ou utilização… Quem se interessar pode dar uma procurada, mas eu gostaria de mostrar algumas coisas sobre ele.

No British Museum (que já tive o prazer de visitar pelo menos quatro vezes) tem seis edições do Malleus sem indicação de uma data correta e lugar de publicação, então elas foram datadas considerando que uma edição tende a corrigir os erros, sejam ortográficos ou outros, da anterior.

Hoje se defende (não sem controvérsias) que o Padre Sprenger foi acrescentado como coautor do livro por desonestidade de Kramer, que queria dar mais autoridade à obra. O autor se utilizou de uma Bula Papal que foi escrita ANTES do livro como se tratasse um aval para o mesmo e parece ter forjado um Certificado de Aprovação do Malleus por uma Faculdade de Teologia.

Essas três ações garantiram sucesso de vendas até a Igreja tentar barrar a publicação, mas aí já era tarde demais. Ele e os assassinos que já seguiam crença similar condenaram à humilhação, tortura e morte um número expressivo de pessoas. No que se refere à bruxaria, condenaram principalmente mulheres pobres, muitas das quais parteiras e outras vítimas de inveja, ciúmes, conflitos entre vizinhos ou simplesmente de maridos que queriam se livrar delas.

Uma das coisas que a Inquisição defendia é que enquanto a mulher não confessasse a tortura deveria continuar e que alegar inocência só falava mais contra a acusada. 

A orientação é que a mulher fosse torturada nua, com pelos raspados, e que se ela gozasse de pouca reputação no condado ou fosse pobre, que não recebesse qualquer informação sobre a pessoa que a acusou. 

Se fosse rica poderia ter mais direitos, embora as pessoas ricas raramente fossem a julgamento por Bruxaria pois os letrados, segundo a Igreja, gozavam no geral de imunidade contra o Diabo pois tinham a mente mais forte. Algumas Igrejas Evangélicas continuam com essa noção torta de susceptibilidade, tanto que nunca se vê um rico possuído pelo Demônio sendo chacoalhado por um Pastor e exposto ao vexame público, só os pobres são vítimas do Satanás?

O famoso Padre defendia também que o julgamento fosse sumário, que a pessoa não tivesse acesso sequer conteúdo do depoimento dos acusadores e que, preferencialmente não fosse defendida por um advogado, salvo em situações especiais.  Naquela época a Justiça já era baseada no contraditório e defesa (não tão ampla, mas tinha), ou seja, não havia justicativa para que o Inquisitor defendesse isso. E ele defendia que se a pessoa teve acesso a um advogado e conseguiu um Recurso, certamente o fez com ajuda do Diabo, então merece morrer. Óbvio, né?

Vocês sabem o que significa Herege? Segundo Padre Agostinho, herege é ‘aquele que dá origem a novas opiniões e as segue’. Na Idade Média os teólogos defendiam que a Igreja só pode considerar herege aquele que é cristão mas modifica suas crenças ou não aceita seus dogmas, passando a ter novas concepções. 

Mas foi justamente a Heresia que fez muitas pessoas não cristãs serem assassinadas, entre eles judeus e muçulmanos, pois embora tivessem outra religião e não devessem obrigação nenhuma à Igreja Católica foram condenados e assassinados pois um dos motivos da Inquisição foi expandir a Igreja e aumentar a sua riqueza. 

Ao contrário da possessão demoníaca, foi definido que a heresia não era mais comum em pobres e assim a Igreja arrumou uma forma de confiscar os bens dos ricos. Só quem estava relativamente protegido contra a Inquisição eram os homens cristãos.

Quando um homem cristão traia sua esposa era bem fácil resolver. Bastava dizer que foi enfeitiçado pela amante. Ela passava por todo processo e poderia ou ficar a pão e água o resto da vida ou morrer queimada. Mas com o homem que traia não acontecia nada, bastava ele admitir que agiu de modo contrário às Escrituras que estaria perdoado. Só poderia ser condenado se dissesse que não fez nada errado porque nesse caso seria Heresia.

A primeira parte do livro discorre sobre as condições para que a Bruxaria exista, que são o Diabo, a Bruxa e a permissão de Deus. Essa parte parece uma comédia de mau gosto e não se precisa chegar à terceira página para perceber as falácias clássicas brotando. A disfunção erétil é totalmente culpa da mulher, e por isso ela deve ser torturada. Tudo isso com a permissão de Deus e para a sua Glória. Assim é a Fé verdadeira.

"A que for considerada culpada, mesmo tendo confessado o seu crime, há de ser supliciada, há de sofrer todas as torturas prescritas pela lei (…)".

Na questão IV desta parte o Padre explica por que a mulher é mais predisposta ao pacto com o Demônio, pois ela tem a natureza perversa e traiçoeira, é fraca, mais carnal e tem menos inteligência. Aí a gargalhada alta vem quando ele fala que todos os Reinos caíram por culpa da uma mulher e tenta usar Helena de Troia como prova para sua premissa.

Como pode tanta desonestidade? Mesmo se a história fosse real, o que na época já se sabia que não era, Helena de fato era a vítima da história. Fruta que me partiu, a mulher foi sequestrada e mesmo assim o infeliz das costas ocas atribui a culpa do conflito a ela!

Na parte dois ele cita a metodologia das Bruxas, onde fica bastante clara a fobia contra mulheres e a fixação sexual do Padre. A mulher é a coisa imunda e o homem é o Santo tentado pela mulher, que é inclusive capaz de obstaculizar sua função reprodutora, tanto através de disfunção erétil quanto de esterilidade.

Esta parte trata também dos Exorcismos. O legal é que o Padre comenta que os amuletos são considerados ilícitos pela Igreja com base nos estudos de Santo Agostinho mas hoje são muito comuns entre católicos, como aquelas medalhinhas com Santos e correntes para o pescoço que contam com medalhas na frente e atrás. Elas eram usadas na Idade Média para espantar o Demônio e hoje são muito populares como souvenir religioso. 

Ele explica também como a pessoa faz o pacto com o capiroto e como se processam as relações sexuais e toda luxúria com Íncubos e Súcubos, definindo que o Demônio foi o pioneiro em fecundação artificial e sabe selecionar bem o sêmen, visto que homens nascidos de relações sexuais mediadas por demônios costumam ser grandes e ‘avantajados’ (referindo-se ao tamanho do pênis). E a história ‘real’ da bruxa que guardava os pênis dos homens em um ninho de passarinho?

A cópula com demônios e a confecção de pomadas feitas a partir de ossos de criancinhas batizadas eram, para os Padres Inquisitores da época, comum a todas as bruxas no entanto ninguém nunca viu a cópula nem viu a confecção das pomadas, já que eram feitas de modo secreto.  

Mulher que gosta de sexo? Lascívia diabólica.

"Não menos que quarenta e oito foram queimadas em cinco anos", disse ele acerca de um povoado onde mulheres com vinte anos de idade ou menos supostamente já não eram virgens. Imaginem o que é para um povoado pequeno, como eram os povoados à época, ver quarenta e oito de suas mulheres e filhas assassinadas? Se 48 foram condenadas a morte imaginem quantas foram condenadas a diversos suplícios e até à prisão perpétua…

No Capítulo XIII as parteiras, criaturas nobres que ajudavam mulheres de seu povoado a parir e que garantiam uma melhor sobrevida à mãe a ao filho do que os médicos da época, foram mortas aos montes.  A mortalidade infantil era alta, muitas mães morriam durante o parto ou morriam de febre puerperal, bem como muitos recém-nascidos morriam. Era assim. Más condições de nutrição e higiene ou simplesmente eclâmpsia, outras doenças maternas e doenças congênitas. Mas a culpa era das Parteiras e não adiantava um médico ou outro estudioso tentar defendê-las. E mais, se a criança tivesse alguma deficiência ou até fosse muito sapeca ou desobediente quando crescesse era tida como criança consagrada ao Demônio pela parteira. Imaginem aí as consequências também para as crianças, que eram ‘disciplinadas pela vara’ ou submetidas a exorcismos.

A terceira parte do livro trata dos trâmites legais propriamente ditos, discorre sobre a competência dos Julgamentos em casos de Heresia e/ou Bruxaria, colocando que a Bruxaria nem sempre se acompanha de Heresia, afinal só crê no Demônio quem também crê em Deus.

Nessa época a Igreja defendia que o Julgamento deveria ser feito na presença de um Inquisitor (Padre) e um Bispo, mas Kramer defendia que não seria necessário, bastaria uma pessoa para julgar e condenar. Aliás, esse foi um dos motivos pelo qual ele escreveu o livro, pois tinha desejo de provar ser capaz de julgar sem a presença de um Bispo.

Esta parte segue descrevendo como era a rotina da época, como as testemunhas eram ouvidas, de como a Bruxa deve ser presa, de como deve ser condenada e torturada nua, que deve ser interrogada de novo e torturada de novo e de como deve ser enganada para confessar, recebendo promessas falsas. O Padre ensina como dar a entender que a mulher seria exilada quando de fato ficaria a pão e água numa cela escura ou como é lícito um Padre fazer um acordo com ela para manter sua vida mas depois largar o caso, para que outro Padre possa mandar queimá-la. E também ocorria uma espécie de delação premiada mórbida.

Se dentre as testemunhas há um criminoso, o depoimento dele só tem valor se for para condenar a mulher. Se for para defendê-la, ele não pode ser aceito, já que até prova em contrário (quase impossível de se obter) a pessoa pode ser condenada inclusive por rumores do povoado então pouca coisa é suficiente para desqualificar a acusação.

Ele descreve que o Julgamento deve ser sumário, mas a tortura não. Orienta que ninguém se apresse na tortura, que se comece de modo mais brando e que um notário vá registrando o que a acusada falou e como estava sendo torturada na hora, porque depois isso vai ser testado novamente para confirmar a veracidade. Ele também recomenda que se o Padre ou Bispo sentir prazer na hora da tortura procure não demonstrar.

A mulher que se paralisasse diante dos abusos e do medo e não chorasse, era considerada ainda mais culpada, mesmo se caísse no choro quando a sessão de tortura acabasse. Essa capacidade de se manter quase catatônica durante a tortura só poderia mais uma ação do Demônio e era chamada de poder maléfico de preservar o silêncio.

Gente, poder maléfico de preservar o silêncio…

Isso ocorre com muitas mulheres enquanto estão sendo estupradas, é uma forma que nossa mente encontra para fugir de uma violação intensa à nossa integridade. Mas se a mulher chorasse enquanto muitas ‘evidências’ apontam para que seja Bruxa, também era considerada mais culpada por ter simulado o choro transferindo sua saliva através da bochecha para os olhos com ajuda do Demônio. Não tinha escapatória.

E por fim a obra traz os modelos de sentença para cada tipo de crime e para cada condenação. Quando uma mulher era considerada inocente eles tinham um cuidado de colocar na sentença que apenas não havia sido provado nada contra ela para que ela pudesse passar por todo processo de novo caso rumores surgissem ou ela fosse acusada pela mesma ou por outra pessoa.

Algumas pessoas condenadas pela Inquisição propunham a realização da Ordália, um tipo de prova mágica usada na Idade Média inspirada na Lei bíblica de Águas da Amargura. Isso mostra que eram pessoas crentes, que tinham esperança que Deus ouvisse seu clamor e concedesse assim a evidência de sua inocência e as livrassem de uma morte terrível. Mas isso nunca acontecia.

Em Números é descrito que uma mulher suspeita de adultério deveria beber água contaminada; se ela sobrevivesse seria considerada inocente e se fosse culpada, morreria.  Na Ordália o teste para a prova de inocência ocorria de acordo com a classe social do acusado, poderia ser por imersão de partes do corpo em água fervente ou por queimadura com ferro incandescente. O procedimento foi proibido em 1200 e pouco porque se descobriu que alguns Padres pagavam pessoas para andar em ferro suportamente em brasa visando enganar o povo, para que acreditassem que algumas pessoas não se queimavam por ação de Deus. Na verdade todo mundo se queimava então a Igreja considerou que Deus havia escolhido não se pronunciar nos Julgamentos e assim concedeu total autoridade aos Inquisitores.


Um beijo,
Meire

02 Mar 22:59

Lista de filmes de 2015 – fevereiro

by Igor Santos

Estou me divertindo deveras registrando aqui os filmes que vi em cada mês. No entanto, me conhecendo, não há de durar. Talvez no futuro eu apenas liste o que vi e fale alguma coisa só do que achei melhor.
Porém, este mês será como o passado e aqui vai a lista, os trailers e minhas impressões de tudo que vi em fevereiro.

Open Grave (2013)

Mais um filme novo que me agradou. Talvez ter um diretor espanhol e um protagonista sul-africano sejam parte do motivo.
Não vou dizer muita coisa para não estragar as surpresas (também não leiam a descrição da Wikipedia) mas direi o seguinte: finalmente uma nova visão de um gênero clássico dos filmes de terror.

Inglourious Basterds (2009)

História alternativa da Segunda Guerra onde um grupo de soldados americanos judeus se juntam para escalpelar nazistas e matar Hitler. Por Tarantino. Com Christoph Waltz e todos os outros homens bonitos de Hollywood (tem Mike Myers também, mas ele não estraga o filme).
Nunca vai ocupar o primeiro lugar em nenhuma lista de melhores (de ação, de humor, de guerra, de história alternativa, de Tarantino, etc), mas tem a melhor atuação de Brad Pitt desde que ele se meteu com Freddy Krueger no anos 80. E Christoph Waltz.

Kill Bill Volume 1 (2003)

Lembro de ter visto este filme no cinema logo após ter assistido a outro (possivelmente Lost in Translation ou o terceiro Matrix) e ter bebido três litros de água no intervalo entre eles (estava num período crítico de cálculo renal e hiperidratação era minha terapia de escolha). Como o filme tem duas horas, a única impressão que carregava era de não ter gostado, especialmente do duelo perto do final, quando já chorava lágrimas ricas em nitrogênio (nunca gostei de perder partes de um filme só porque preciso atender ao chamado das minhas necessidades fisiológicas urgentes).
Desta vez, no entanto, apreciei mais o cuidado de Tarantino com a composição (e homenagens) que já começa forte desde literalmente o primeiro segundo dos créditos iniciais. Tirando o “cabo fu”, que é meio decepcionante por chamar tanta atenção, todas as cenas são tratadas com um cuidado excepecional, especialmente os efeitos especiais práticos (sangue, desmembramento, maquetes, modelos, etc), uma marca registrada de Tarantino até hoje (pensem no escalpelamento em Inglorious Basterds e explosões em Django Unchained).
E o humor ultraviolento dele é contagiante. O filme é tão extremo que passa para o outro lado e se torna manso e reconfortante. Ou talvez eu tenha algum defeito.

Friday the 13th Part 2 (1981)

Para o que possivelmente é o pior trailer já lançado, a segunda parte da decalogia Vorhees é surpreendentemente um bom filme. Talvez até melhor que o primeiro e certamente infinitas vezes melhor que qualquer outro depois (exceto Jason no Espaço num dia bom), especialmente aquela abominação abortada por Michael Bay e sua produtora maldita que está refilmando clássicos do terror usando os mesmos nomes dos originais, forçando as pessoas de bom gosto a se referir aos seus filmes prediletos adicionando o sufixo “o original”.
Filosofando a respeito da série, me dei conta de que o primeiro filme tem uma reviravolta final (o assassino não é Jason, mas sua mãe *spoiler alert*) que só existe porque as pessoas se familiarizam com o conceito de Friday the 13th antes de assistirem ao seu primogênito. Na época, o plot twist ou não existia ou era apenas um resquício de sexismo do gênero, onde mulheres não podem ser matadoras seriais.

Bonnie and Clyde (2013)

Uma minissérie em duas partes que foi consolidada em um filme de três horas pelo Netflix. Tentei ver mas não consegui ficar acordado. Não por culpa do filme; eu realmente estava cansado e preferi dormir.
Meire viu e achou fiel à história real, então suponho que seja interessante.

Cube (1997)

O canandense Cube me me conquistou com a primeira cena. Pena que perde bastante a qualidade quando os personagens começam a se desenvolver e se flanderizam, chegando a extremos sem passar por etapas intermediárias.
A parte boa é que o filme fica sem muita explicação (o que poderia ferir seriamente a narrativa se tentassem explicar aquele conceito absurdo), que eu acho um artifício muito pouco usado em ficção científica, onde a maioria dos diretores (ou executivos, provavelmente) acha que precisa justificar uma situação inventada e acaba por atrasar a ação ou tirar a graça de algo que meu cérebro poderia explicar de forma muito mais interessante.
No fim das contas, Cube sofre do mesmo problema da maioria dos high concepts; uma premissa potencialmente excelente estragada por traços de personalidades clichês e/ou conflitos interpessoais desnecessários e desinteressantes. Eu vejo todos os dias querelas insignificantes entre pessoas chatas mas raramente vejo um cubo gigante cheio de armadilhas; por que não se focar mais nisto e menos naquilo?

Jurassic Park (1993)

O que dizer do filme com o melhor uso de CGI até o lançamento de District 9? Talvez “não é tão bom quanto você lembra”? O filme é bom, só não é tão bom quanto minha mente adolescente fez parecer.
Vale a pena totalmente mas me decepcionou um pouquinho. Nada grave, só a inexorável realidade da maioridade pesando um pouco sobre o filme.
E Sam Neill, que não consegue manter o sotaque quando está excitado (e um matemático que sabe mais de biologia do que dois paleontólogos).

The House of the Devil (2009)

Este filme tenta criar tensão mas acaba sendo mais um estudo do tédio adolescente do que um filme de terror. E, de todo jeito, tensão demais acaba virando chatice. E THotD é extremamente chato.
Como eu disse no Twitter enquanto via o filme, a parte mais perturbadora é ver Frances Ha comendo e a melhor cena são dez segundos de Night of the Living Dead que passa na TV e serve de premonição para uma perseguição num cemitério que tem perto do final.
Não fosse o satanic panic dos vinte minutos finais, isto nem poderia ser rotulado como terror. Talvez “filme de expectativa”, se o gênero existir.
Mas é inegável que o filme é bonito e tem estilo. Talvez seja uma boa alternativa à lareira do Netflix para deixar rodando na TV enquanto você tem visita.

Pontypool (2008)

Mais um filme canadense que me conquista com a primeira cena.
Da mesma forma que Open Grave, Pontypool dá uma guinada num gênero já estabelecido e cheio de clichês e finalmente nos dá algo original. Eu só não sei o que esse algo é.
Ainda não sei se gostei do filme porque ele é desses. É muito bem feito, bem atuado, bem dirigido, bem mixado, etc, etc e a estória é indubitavelmente original mas até agora eu não sei o que pensar dele porque não consegui entender a mensagem que o filme quer me passar.
Se bem que o fato de eu estar ansioso para revê-lo deveria ser uma indicação de que gostei do que vi. Recomendo que vocês vejam Pontypool (até o último segundo). E depois me contem.

Haunter (2013)

Ainda outro filme canadense. E este, do mesmo diretor de Cube, é totalmente excelente. A cada dia o Canadá me agrada mais. Parece que as pessoas lá são mais sabidas e gostam de coisas novas.
O que acho mais impressionante em Haunter é como Little Miss Abigail Breslin Sunshine é boa e carrega o filme. Seus colegas contracenantes são bons também, mas ela (em parte por obra do roteiro) está vários degraus acima. Quando ela tem medo, você tem medo. Quando ela decide agir, você não só concorda como torce e incentiva. Quando ela está em apuros, você se desespera por não ter como ajudar. Excelente atriz.
Tomara que a vida de atriz-mirim não estrague sua cabeça e ela não lindsaylohaneie. Seria uma pena perder uma atriz assim.
Haunter é talvez o melhor filme novo que vi este mês e é ainda outro que dá uma torcida num gênero. Recomendo fortemente.

One Flew Over the Cuckoo’s Nest (1975)

Clássico do terror psicológico (não normalmente, mas eu cresci com certa proximidade de pacientes mentais, então sou meio sensível a este tipo de ambientação) onde Jack Nicholson jacknicholsoneia à vontade no único papel que ele sabe representar bem: ele mesmo.
Não conheço a história da produção do filme mas creio que os atores tiveram aulas com psiquiatras ou até mesmo com pacientes porque todos eles são incríveis nos papéis de neuróticos, hipomaníacos, retardados e até um Doc Brown que é claramente um esquizofrênico na medicação errada. O que não me surpreenderia se fosse realidade e o diretor de elenco tenha só trocado o remédio de Christopher Lloyd.
Danny DeVito é tão bom neste filme que até agora eu não sei se aquilo é realmente ele ou só um doidinho qualquer que parece com ele e o diretor aproveitou para fazer uma pegadinha com a audiência (como nos créditos finais de Fargo – google it).
Muito se fala da enfermeira, chamada muitas vezes de “a pior vilã do cinema”, mas nunca achei que ela fosse má, apenas rígida com as regras que protegem não só a equipe da clínica como também seus pacientes (voluntários em sua maioria).
E, finalizando, OFOtCN tem uma ponta do meu monstro favorito, Michael Berryman, no que eu acredito ser seu primeiro crédito como ator, dois anos antes de conquistar Hollywood (nem tanto) em The Hills Have Eyes.
É um filme triste que nunca dá trégua e que acaba angustiante. Revi só confirmar isso.

Léon: The Professional (1994)

Primeiro filme de Natalie Portman (que, cinco anos mais tarde – e ainda uma criança – ficaria famosa por ser a única coisa boa em Star Wars) em que ela parece estar dando um José Wilker e overacting, mas Mathilda é uma garotinha tentando lidar com uma vida trágica se fazendo parecer mais velha e Portman faz isso perfeitamente. E mesmo assim ela é a adulta no relacionamento com o matador profissional que é bom com as mãos porque nunca perdeu muito tempo com o cérebro.
Gary Oldman mastiga o roteiro e cospe sua melhor performance até (não sei de Tinker Tailor Soldier Spy porque aquele filme não me deixa ficar acordado) Call of Duty.
Eu e a esposa queremos uma continuação, com Mathilda adulta recebendo a simbólica tocha de Léon, prestes a se aposentar. Eu adoro filme com mulheres duronas (You’re Next, estou olhando para você) e Meire gosta de ver mulher destruindo geral. Seria bem divertido. Talvez não tanto quanto um filme inteiro dedicado ao personagem de Oldman, no entanto.

A Fantastic Fear of Everything (2012)

Apesar da música que começa no trailler acima aos 36 segundos ser uma das melhores das últimas décadas (e não-creditada em lugar algum, tornando impossível saber de quem é), o filme não é lá essas coisas todas. Deveria ser uma comédia mas não é muito engraçada, tem elementos de terror que não assustam e uma premissa esquisita que dá impressão do filme ser o segundo episódio da terceira temporada de um seriado que eu deveria conhecer para que tudo aquilo fizesse sentido.
Não vejam. É chato.

Halloween (1978) com comentário do Red Letter Media

Valeu a pena ver o filme mais uma vez. Mas só pelo filme mesmo, visto que o comentário não é nem um pouco interessante (a não ser que você queira saber da vida dos comentaristas e quais casas famosas de filmes eles visitaram). Ainda estou esperando o blu-ray box set de John Carpenter com dezenas de horas de extras e várias camadas de comentários dos envolvidos com o filme.

Big Trouble In Little China (1986)

Um faroeste moderno/comédia de ação e outro que tinha visto pela última vez numa Sessão da Tarde dessas, cuja dublagem tira 70% da graça. É um filme excelente e que se sustenta muito bem hoje em dia (apesar de ser bem do seu tempo), especialmente no humor sutil de Kurt Russell, possivelmente o protagonista mais inútil do cinema até o aparecimento de Frodo.
A música que toca nos créditos é da banda de John Carpenter, The Coup de Villes, e é tão ruim que sempre achei que a banda fosse toda ruim, até achar este outro exemplo. Não vou procurar mais, vou deixar o placar empatado mesmo.
Vão ver BTiLC. Garanto que é divertido.

Re-Animator (1985)

O filme mais famoso de Stuart Gordon, influente diretor de filmes B (e idealizador de Querida, Encolhi as Crianças, fato que descobri agora há pouco). Supostamente inspirado em um conto de Lovecraft, este filme é muito ruim. Muito. Eu não acredito no conceito de “tão ruim que é bom” e nada nele chega a ser bom, só ruim.
Ele tenta se sustentar fortemente no conceito e no sangue mas esquece que continuidade e atuação são importantes. Mas não tanto quanto foco narrativo, que é absolutamente ausente do filme.
Talvez na época fosse interessante (mesmo Hammer Films já tendo feito praticamente tudo aquilo, e melhor, há pelo menos duas décadas) por causa dos efeitos da mesma forma que Avatar foi na época do lançamento, mas como é muito fraco em coesão e narrativa, só existe mesmo o saudosismo de alguns para manter este filme em listas de melhores.
Se bem que eu admiro a presença de espírito do pôster de Stop Making Sense, do Talking Heads, no começo do filme.

Dolls (1987)

Mais um de Stuart Gordon. Achei que seria melhor que Re-Animator e, talvez seja, mas continua não sendo bom. Começa com o velho clichê do carro quebrado perto dum castelo esquisito e entra em outro, o do casal de velhinhos aparentemente benevolentes para em seguida virar um festival de cenas bizarras onde pessoas más (nem Esopo tem moral tão rasa) são atacadas por bonecas que, apesar de ultraviolentas e impiedosas, estão fazendo o bem? Eu acho?
A apresentação dos creditos é extremamente perturbadora e as bonecas do título são extremamente bem feitas (sério, vale a pena encarar o filme só para ver os efeitos especiais envolvendo as bonecas), mas o filme tem valores de produção inexistentes, as atuações são nível presépio vivo (exceto o ator que faz o “adulto bonzinho” imune ao julgamento sumário dos monstros), o roteiro é abominável (“e se eles tiverem saído de casa por causa da tempestade!?“; “você vai gostar da minha mãe. Ela é jovem é beeeeem bonita“) e é difícil dizer para quem esse filme foi feito. Ele tem uma lição de filmes infantis (“seja bonzinho”, “nunca cresça”, etc) enquanto se apoia em violência gráfica e imagens assustadoras.
Bom, eu não me arrependo de ter visto Dolls (são só 72 minutos) como me arrependo de ter perdido tempo com Re-Animator mas acho que não verei outro Stuart Gordon por um bom tempo (me perdoe, Castle Freak, mas acho que não vou ver você arrancando o próprio ding-dong e removendo a mordidas o mamilo de uma prostituta).
Tem completo no Youtube se vocês quiserem ver as bonecas.

Le cochon de gaza (2011)

Uma suposta comédia que depende do público achar graça da desgraça alheia. Um pescador mulçumano palestino pesca um porco no mar e sua vida já miserável piora consideravelmente. Não aguentei ver até o fim mas, se algum de vocês assistir e gostar, recomendo ver também a igualmente triste comédia australiana Kenny.

Beetlejuice (1988)

Vendo este filme não tenho como não pensar “Genna Davis deveria fazer mais comédias”. Todos os atores (os que contam) são excelentes em seus papéis, desde o canastrão Otho à depressiva Lydia, passando pelo homônimo (quase) Betelgeuse (é mais um homófono), o ser mais repugnantemente vil do cinema. As performances são todas ótimas e bem afinadas, mas nenhuma se compara à de Geena Davis, reagindo ao fato de ter virado uma fantasma.
A atenção de Tim Burton aos detalhes é incrível, mesmo quando eles ficam meio segundo na tela e não chamam qualquer atenção para si (como o buraco na ponte da maquete) e Beetlejuice é seu melhor filme, sem dúvida (apesar de eu não ter visto Frankenweenie ainda). Todos os efeitos práticos funcionam (menos a dancinha de Winona Ryder no final, mas isso é mais culpa dela ter nascido branca) e o stop-motion eventual é tão esquisito que se encaixa perfeitamente na visão distorcida que Burton tem dentro da cabeça dele. Ainda bem que ele fez esse filme no anos 80, antes do chroma key virar realidade (mas parece que ele está produzindo Beetlejuice 2… #medo).
Recomendo. É um filme bem divertido.

The F Word (2013)

Ouvi coisas boas deste filme e realmente ele não é ruim. É bem dirigido, bem atuado e etc, mas é também bem conformizado e igual. É engraçadinho mas ordinário. Tenta ser mais esperto que os outros com os diálogos mas acaba voltando ao mesmo lugar de sempre (incluindo cenas de comédia física, desencontros, constrangimento, etc).
É mais do mesmo. Se você gosta de comédia romântica, vai gostar deste.

Seus Problemas Acabaram! (2006)

Vamos tentar esquecer que isso aconteceu.

Starship Troopers (1997)

Ah, a juventude! Tirando o gay de How I Met Your Mother (que está morta no final, o que chocou multidões apesar de eu achar que isso era a base na qual toda a sitcom se sustentava desde o primeiro episódio), todos os outros atores jovens parecem não se dar conta de que estão num filme satírico de Paul Verhoeven. E espero que Johnny “cicatriz desconcentrante no queixo” Rico e o filho da Gary Busey sejam tão agradáveis a olhos interessados quanto Denise Richards e Dina Meyer estão aqui.
Este filme certamente melhorou com a idade. A narrativa se fortaleceu (tendo sido feito pré “guerra ao terror”), a fluidez é excelente (tem mais de duas horas mas nunca fica cansativo), a mensagem continua bem forte (e beeeeem diferente da mensagem do livro no qual foi baseado) e vários outros aspectos continuam relevantes. Inclusive, por incrível que pareça, os efeitos especiais de CGI que são mesclados lindamente com efeitos práticos e findam num produto que nunca tira o espectador do mundo do filme.
Fora que é um excelente filme de ação. Com todos os clichês necessários.

Nightmares in Red, White and Blue (2009)

Um bom (mas não ótimo) documentário sobre a história do cinema de terror. Não chega a ser empolgante como eu gostaria que fosse e deixa de tocar em vários dos aspectos mais interessantes do gênero mas é uma boa fonte primária para quem se interessa por História e mostra o que alguns diretores têm a dizer sobre seus filmes, em primeira mão.
Recomendo.

Teenage Mutant Ninja Turtles (1990)

Parafraseando Roger Ebert, este filme é bem melhor do que deveria ser. Não é um bom filme; é um filme adequado. E para crianças.
Eu não tenho nenhuma ligação sentimental com as Tartarugas Ninjas (certamente fizeram parte da minha infância mas até hoje eu não sei qual cor vai com qual arma ou com qual renascentista) e, apesar de lembrar ter rido bastante quando o vi no cinema, não senti nenhuma nostalgia. É um filme para crianças. Gostei quando era uma, não me acrescentou coisa alguma hoje. E a cópia do Netflix ser a da distribuidora brasileira (com direito a logomarca no começo e tudo) não ajudou muito, por causa do som mexido para inserir a dublagem (vi com o áudio original).
Não recomendo para quem tenha vida sexual ativa.

Mês passado eu me dediquei um pouco a Cronenberg mas acabei lendo mais sobre ele e sobre seus filmes do que os assistindo. Desta vez eu decidi me aprofundar na obra de Tobe Hooper, autor do meu filme de terror favorito (no post anterior eu disse que estava no meu top 5, mas após revê-lo e me tremer todinho de medo, ele é mesmo o primeiro, inquestionável).
Tinha programado seis filmes dele mas depois do quarto eu desisti (vocês vão ler o motivo já já).

The Texas Chainsaw Massacre (1974)

Este é o meu favorito. Não só de Tobe Hooper, mas meu filme de terror favorito. Não acredito em sobrenaturalidades, então filmes de “assombração” (como diz minha mãe) e monstros não me atingem; sou versado em estatística e não tenho riquezas, por isso invasão domiciliar não me preocupa; não acampo nem vou a lugares estranhos e/ou inóspitos onde slashers habitam; etc. De todos os filmes de terror que tenho catalogados na cabeça, esse é o único que ainda aumenta minha frequência cardíaca e dilata minhas pupilas. Toda a situação (“ô de casa”, A PORTA!, opa, não entre aí, O QUE ELE VAI FAZER COM ESSA BACIA?, e por aí vai) é projetada para intensificar a experiência que o cartaz promete (“quem vai sobreviver e o que vai restar deles?“) e os personagens são bem escritos e agem como pessoas normais agiriam naquela situação. É intenso, muito intenso e, algo que me surpreendeu quando o reassisti agora, tem muito pouco sangue. A maior parte das cenas terríveis acontece dentro da sua cabeça. Uma das poucas vezes em que usaria o termo “genial” para descrever um filme. Genialmente intenso.
Num tempo antes de sustos baratos com barulhos altos e repentinos, os filmes tinham que trabalhar para dar medo na audiência e TCM faz isso como poucos. Do suor caipira e do calor texano ao realismo de um lugar que realmente parece bem vivido, não é à toa que este filme é figura cativa no primeiro lugar de mutas listas. Me dá vontade de tomar banho depois que o filme acaba. E rebobinar a fita enquanto crio coragem para assisti-lo novamente.

Body Bags (1993)

Acho que nunca me diverti tanto vendo um filme (supostamente) de terror. É uma antologia, é extremamente besta e a trama não importa mas, ei, esse aí é John Carpenter? É!
Wes Craven! Haha, que massa!
SAM RAIMI!? ÊÊÊ! Aaaaah…
Greg Nicotero? O que você está fazendo aqui, seu danado?
Sheena Easton? Debbie Harry! \o/ DUETO JÁ!
Olha! Aquele cara que era um programa em Tron e também o fotógrafo em The Omen!
Pera, isso é Luke Skywalker? É SIM!! Napier e Twiggy? Reencontro de Blues Brothers!
TOBE HOOPER E TOM ARNOLD!? #mindblown
São três estórias desconexas e inconsequentes que quase não deixam marca, mas mal posso esperar para rever. Se você é fã de filmes de terror e quer se divertir à beça, recomendo com dois polegares rigidamente eretos.
Da mesma forma que Poltergeist é de Spielberg, a estória que supostamente é de Hooper tem os dedos sujos de cigarro de John Carpenter em todas as cenas. Mas como aquele é creditado como diretor, achei por bem inclui aqui.
E, novamente, nada disso importa. O filme é um festival de diversões para um conhecedor veterano (não reconheci Roger Corman, mas também não sou muito fã dos filmes dele).

Lifeforce (1985)

O título original do filme (e do livro no qual aquele se baseia) é “Space Vampires”. Isso diz praticamente tudo que o filme é, exceto que a principal antagonista aparece vestida por apenas quinze segundos (e muito, muito nua no resto de suas parcas aparições) e, até os cinco minutos finais, só tem três frases. No entanto, o final do seu monólogo na última cena é possivelmente a frase nonsense mais sensacional da história da ficção de terror: “The web of destiny carries your blood and soul back to the genesis of my lifeform.” Pura poesia.
Os efeitos são magníficos, nível Industrial Light & Magic e o filme nunca fica lento. Reduz a marcha em lugares (como na cena totalmente desnecessária em que uma masoquista da pesada encontra um “voyeur inato”) mas nunca lentifica completamente. E faltando meia hora pro fim, vira um filme de zumbi estilo Thriller.
Recomendo.

The Texas Chainsaw Massacre 2 (1986)

Este filme me deu desgosto. O que o primeiro tem de bom, este tem de ruim. Tudo no primeiro filme é bem vivido enquanto no segundo é tudo tão artificial quanto o inferno dos filmes de Zé do Caixão.
Os gritos histéricos (na definição clássica de histeria) que criam tanta tensão no primeiro, aqui são só chatos, porque você não tem apego qualquer com a personagem nem para rir dela. Aliás, tudo neste filme é chato. Dennis Hopper só não é a pior coisa aqui porque tudo é a pior coisa. Argh, dá um gosto ruim na boca só de lembrar que vi isso.
Hooper tenta recriar o “humor vermelho” do primeiro filme mas só consegue fazer uma paródia escrachada e acaba com algo pior que Débi & Lóide. Subiu a quantidade de sangue, baixou a qualidade do impacto, aumentou a “comédia” e acabou com uma porcaria de filme que nem é assustador, nem tenso e muito menos engraçado. Só é chato.
Se, como eu sugeri ali em cima, Friday 2 é a melhor sequência, arrisco dizer que este filme é a pior. Nunca vi nenhum filme da série Leprechaun mas duvido muito que a distância de qualidade entre o primeiro e o segundo seja um milionésimo do abismo que separa TCM de TCM2.
Que fique claro: não estou julgando este só em comparação ao primeiro. Tudo que o primeiro fez certo, o segundo fez errado e este é muito pior por mérito próprio do que qualquer filme médio ruim por aí.
Deveria ter assistido a Spontaneous Combustion…

Não sei se formei opinião acerca de Tobe Hooper. Talvez precise ver outro bom para tirar o gosto ruim da boca.

E vocês, viram o que? Alguma dica para março?