Shared posts

15 Jan 13:06

Photo



26 Jan 06:12

ronbyrnegundy: !

22 Jan 14:15

COMO AFASTAR MULHERES E NEGROS DAS ÁREAS DE CIÊNCIAS QUANDO MAIS SE PRECISA DELXS

by lola aronovich
Este artigo de Jennifer Selvidge mostra algumas das dificuldades que uma mulher enfrenta na área tecnológica, uma área ainda vista como masculina. Pedi à querida Elis para que o traduzisse:

Todxs nós já ouvimos as notícias preocupantes: precisamos de um milhão de novos profissionais formados nas áreas de CTEM (Ciências, Tecnologia, Engenharia e Matemática), estamos em uma crise. [No Brasil também é assim: calcula-se que temos um déficit de pelo menos 40 mil engenheiros]. No entanto, nós, como sociedade, parecemos estar sofrendo de alguma espécie de dissonância cognitiva, porque com o mesmo fervor, ou ainda mais, estamos desencorajando sistematicamente mulheres e pessoas negras de buscarem formações e carreiras nos campos de CTEM.
Estou no último ano da minha graduação no MIT (Massachusetts Institute of Technology), sou engenheira de materiais, uma estudante com notas altas, e sou mulher. E também já ouvi centenas de vezes que não mereço estar onde estou. As decisões de admissão do MIT são divulgadas no dia 14/03 todos os anos. Às oito horas da manhã do dia 15, todo mundo na minha escola sabia que eu havia sido aceita. Muitas pessoas vieram me parabenizar naquele dia e posteriormente. Mas, estranhamente, elas pareceram insistir em me lembrar que “é muito mais fácil entrar quando você é mulher, porque eles têm muito menos candidatas mulheres".
A ideia de que havia algum tipo de cota para mulheres seria repetida para mim muitas e muitas vezes nos meses seguintes, e as coisas só pioraram quando cheguei ao MIT. Eu ouvia comentários maliciosos de meus colegas o tempo todo, variando de “estão forçando alunos negros e hispânicos que nem querem estar lá a fazerem faculdade” a “estão rejeitando candidatos qualificados em favor de candidatas menos qualificadas”.
Ingenuamente, imaginei que as coisas melhorariam conforme eu ficasse mais velha. Achei que a minha comunidade começaria a me respeitar e deixaria de atacar meu direito de estar ali. Pelo contrário, as coisas pioraram. Os professores, sem cerimônia, faziam comentários sobre a metalurgia ser um “campo masculino” e tentavam humilhar publicamente nossas poucas professoras. Um dos assistentes de ensino tentou me convencer de que pessoas negras são geneticamente inferiores em decorrência das práticas de reprodução empregadas na época da escravidão. Outro assistente tentou me usar como serviço de encontros online, pedindo que eu lhe desse o telefone de uma mulher que estava em uma foto comigo no Facebook e tentando me persuadir a ir à casa dele, o que configura assédio sexual.
A misoginia e o racismo que sofri e testemunhei no MIT se tornaram cada vez mais preocupantes, com professores fazendo piadas do tipo “voltem para a cozinha” e o que pareciam ser legiões de alunos de PhD assediando sexualmente alunas de graduação. Eu vi muitas de minhas colegas negras trocarem de departamento e ouvi histórias de terror sobre seus conselheiros que as pressionavam a fazê-lo. Ao mesmo tempo, as vi passar de alojamento a alojamento e por fim deixarem os alojamentos do MIT em busca de um lugar onde pudessem viver livres de assédio. 
E essas coisas têm consequências. Trocar repetidamente de departamento pode forçar as pessoas a se formarem com atraso. Trocar de alojamento com frequência dificulta encontrar um grupo fixo de amigos com quem estudar. Dinheiro e oportunidade vão pelo ralo. Como é que eu, minhas colegas e meus colegas negros podemos esperar prosseguir em doutorados, mestrados e conseguir trabalhar no setor, quando as pessoas que distribuem as aprovações, notas e cartas de recomendações, bem como nossos futuros colegas, nos veem como “pedaços de carne” e/ou geneticamente inferiores?
Neste ano, estou andando pelos corredores do MIT pela última vez e escrevendo minha tese. E enquanto eu certamente preencherei meus dias com a caracterização óptica (trabalho com óptica), minha mente também ficará cheia de preocupações com o futuro. Eu sei que meu nome -- Jennifer -– no topo do currículo terá um papel tão decisivo para determinar meu valor como candidata a um doutorado quanto os vários artigos em que sou listada como autora. E sei que mesmo tendo quase todas as notas máximas, ainda não serei bem recebida em minha comunidade científica e como engenheira. 
Competirei com homens brancos com desempenho inferior e menos experiência em pesquisa que provavelmente serão escolhidos em meu lugar, como acontece com os professores nos comitês de graduação. Afinal, alguns desses mesmos membros dos comitês das escolas de graduação provavelmente se lembram com nostalgia "daqueles dias em que homens eram engenheiros e mulheres eram comissárias de voo". 
Os problemas das áreas de CTEM são as pessoas dessas áreas. Eu não deveria ter que me esforçar para alcançar as pessoas, quando já estou na frente delas.
19 Jan 05:36

Hurr durr, I'm a dog

25 Nov 12:28

Malcolm X on "Progress"

09 Jan 15:00

The American School System in a Nutshell

18 Jan 03:30

If light was liquid [Via]

















If light was liquid [Via]

17 Jan 01:41

undergroundmonorail: cactiofficial: pyronoid-d: text-mode: Th...



undergroundmonorail:

cactiofficial:

pyronoid-d:

text-mode:

The Morris worm or Internet worm of November 2, 1988 was one of the first computer worms distributed via the Internet. It was written by a student at Cornell University, Robert Tappan Morris, and launched on November 2, 1988 from MIT.

It’s trapped on a floppy tho this is some dark shit it has been denied its purpose forever bound to this obsolete storage

am i glad it’s in there and we’re out here

people reading fantasy novels ask “why did the ancient ones seal the evil away for ten thousand years instead of just killing it” but then we go ahead and do this shit

17 Jan 17:55

Photo



17 Jan 11:32

Photo



















06 Jan 18:43

nope



nope

08 Jan 00:54

Video



14 Jan 21:49

pleatedjeans: The 24 Most Perfect Dad Moments in the History of...

15 Jan 10:29

This Girl Can

by Polly

O Sport England, órgão do ministério dos esportes inglês, lançou essa semana a campanha This Girl Can – essa garota pode. 

O vídeo mostra diversas mulheres comuns (por favor parem de usar o termo “mulheres reais” ou “mulheres de verdade”, somos todas reais, inclusive as saradíssimas) se exercitando:

Lindo, mas nada que a gente já não tenha falado antes, né? Sim, essa garota pode se exercitar. Essa garota pode dançar. Qualquer garota pode fazer o que quiser.

Mas mesmo assim, mesmo com essa campanha maravilhosa e com tantos textos por aí batendo nessa tecla sempre, ainda tem gente que não entende.

Muito bom o vídeo, mostrando que mulheres acima do peso também podem se exercitar e emagrecer, basta querer

Esse vídeo não é sobre emagrecimento. É sobre sair e se exercitar no esporte que quiser, sem se preocupar com as pelancas balançando ou com o que os outros vão pensar. É sobre reforçar a ideia de que qualquer mulher pode praticar atividades físicas e ser saudável, não só as saradas instafitness.

Não gostei da campanha, acho que dá a impressão que tudo bem ser gorda. E todo mundo sabe que ser gorda faz mal pra saúde.

Olha, mesmo que esse pensamento estivesse correto (não está) e ninguém pudesse ser gorda (pode sim), até uma pessoa babaca como você consegue perceber que melhor ser gorda e se exercitar do que ser gorda e não se exercitar, né? Então qual é exatamente o problema de uma campanha que incentiva a prática de exercícios por qualquer pessoa, não importa o tamanho?

Ai, agora vai encher de gordinha na academia achando que pode malhar.

Parabéns, você acabou de provar a necessidade de campanhas como essa. Agora volte para o início do tabuleiro no Jogo da Vida pois você não entendeu nada, seu merdinha de merda.

06 Jan 17:54

The Daily Routines of Famous Creative People

by Christopher Jobson

redo

The Daily Routines of Famous Creative People cleverly organizes the daily schedules of famous artists, philosophers, writers, and composers as recorded in their own diaries and letters. Not only does it show how they switched gears between creating, sleeping, and leisure time, but the chart is fully interactive including quotes from each individual. I would love to see a version of this with modern creatives (and more women) as well. (via Coudal)

Update: The information used to create the infographic comes from the book Daily Rituals: How Artists Work by Mason Currey.

28 Dec 22:45

liddo-cait: i reblogged this before but we actually started...





liddo-cait:

i reblogged this before but we actually started playing this game and it has resulted in spilled drinks, flying cigarettes, and friends getting hit in the gut with 5lb crystal balls

it is fantastic

09 Jan 22:46

219

by clay

depcom.219.col.400px

flattr this!

29 Dec 20:43

thelow-cal-calzone-zone: I’m pretty sure this is my favorite...











thelow-cal-calzone-zone:

I’m pretty sure this is my favorite quote from this show ever

29 Dec 17:26

Photo





04 Jan 00:09

Photo



28 Dec 11:56

Top 3 daily exercises.

by Lydia Marks
05 Jan 07:00

The Return Counter

I can give you the regular version, or for an extra $2.50 you can get the original Russian.
04 Jan 16:30

gifak-net: Happy New Year !    [ video ]



gifak-net:

Happy New Year !    [ video ]

03 Jan 00:35

Photo



20 Nov 07:35

Marvel Vs DC: Equivalent Characters

08 Dec 00:22

Photo



27 Dec 09:09

caffinatedbybossblack: my-graceless-heart: impuretale: lumos-o...

Courtney shared this story from Super Opinionated.



caffinatedbybossblack:

my-graceless-heart:

impuretale:

lumos-of-my-life:

thelegendofelectraheart:

actualteenadultteen:

The Hunger Games, Actual Teen style!

On the left, 15-year-old Josh Hutcherson.

On the right, 16-year-old Jennifer Lawrence.

Think how much creepier it would be to see them killing other kids when they look so squishy-cheeked and little.

"Think how much creepier it would be to see them killing other kids when they look so squishy-cheeked and little."

THAT’S THE POINT SUZANNE COLLINS WAS TRYING TO MAKE

Think about these cute squishy kids being forced into a romance in order to survive

And the threat of these cute squishy kids being forced into prostitution after the games are over. 

REBLOGGING THIS AGAIN WITH A REMINDER THAT FINNICK WAS 14 WHEN HE WAS REAPED/WON THE GAMES AND WAS FORCED INTO PROSTITUTION SOON AFTERWARD

REMINDER THAT THESE BOOKS ARE PRETTY FUCKING DEEP FOR POPULAR YA LIT.

27 Dec 20:30

Here Is the Doctor Who Theme As Performed By A Robot Orchestra - robots abound

by Alanna Bennett

There are a couple of humans there, too.
(via BBC)

Are you following The Mary Sue on Twitter, Facebook, Tumblr, Pinterest, & Google +?

27 Dec 06:44

arabellesicardi: Doesnt Frida Kahlo look so power here? Shes...

Courtney shared this story from Super Opinionated.



arabellesicardi:

Doesn’t Frida Kahlo look so power here? She’s all the way on the left. 

22 Dec 03:23

:D







:D