Shared posts

06 Oct 02:40

A fear submitted by Neni to Deep Dark Fears. Thanks!The new Deep...

A fear submitted by Neni to Deep Dark Fears. Thanks!

The new Deep Dark Fears book is available now at Amazon, B&N, IndieBound, iBooks, and Google Books, your local bookstore, and wherever books are sold!

05 Oct 12:30

The GameCube’s shape is perfect for a unique dual paint job like this.

by Gergo Vas

The GameCube’s shape is perfect for a unique dual paint job like this. It’s Hyrule and its parallel universe from The Legend of Zelda: Twilight Princess by artist Zoki 64.


05 Oct 10:20

QGCON Is A Free Two-Day Conference For LGBQT+ Gamers

by John Walker

The third Queerness And Games Conference takes place at UC Berkley on the 17-18th October, and sounds like it could be properly interesting.

Obviously when it comes to queer gaming conferences, the big name is GaymerX (which is also happening 11-13th December for it’s third year, and a growing success). QGCon – which I confess I’ve not seen before – looks to me to be the more academic alternative, describing itself as something that will “bring academic work on LGBTQ+ experiences and game design into conversation with activism and fandom.”

Oh, and it’s free!

… [visit site to read more]

01 Oct 09:00

Classic development cycle

by sharhalakis

by misterjposts

30 Sep 17:50

Coding Rhapsody

by CommitStrip

Queen – Bohemian Rhapsody

29 Sep 03:10

A fear submitted by Simon. Thanks! The new Deep Dark Fears book...

A fear submitted by Simon. Thanks! The new Deep Dark Fears book is now available for pre-order at Amazon, B&N, IndieBound, iBooks, and Google Books

Also, There’s about 24 hours until I draw the winners of some original artwork from my comics! Click here for more information! It’s a free contest, and it’s open worldwide!

One more thing… if you’re in the LA area, I’ll be signing copies of my book and talking about comics at Skylight Books tomorrow at 7:30. Hope to see you there!

29 Sep 18:24

Meanwhile, on Mars – #8

by CommitStrip

25 Sep 18:10

Netflix To Air Black Mirror Series 3

by JLister


Joining a string of TV shows that have moved from broadcast networks to streaming services, Charlie Brooker’s dystopian sci-fi series Black Mirror has been picked up by Netflix for a third series.

The move follows Netflix picking up the rights to stream the seven episodes that were made for previous seasons and originally shown on the UK’s Channel 4. The 12 new shows will be available on all Netflix regions except the UK and Ireland, which presumably implies they’ll still premiere on televison there.

For those who’ve not yet seen the shows, they are self-contained dramas that generally relate to the effects of technology (particularly communications) on society, usually in ways that aren’t yet possible but are at least plausible. Previous episodes covered themes such as people having the ability to store and replay their entire life PVR-style, bereaved people getting an avatar made of their deceased partner using their social media history to power the artificial intelligence, and an estranged father being the subject of a restraining order that literally prevents him from seeing his daughter, even in photographic or video form.

The show also made the headlines this week for reasons we shall let you search for yourself; suffice to say the debut episode’s Prime Ministerial/porcine storyline gained an unexpected relevance.

The post Netflix To Air Black Mirror Series 3 appeared first on Geeks are Sexy Technology News.

25 Sep 09:00

Wrong tool for the job

by sharhalakis

by ruxit - @ruxit

18 Sep 00:00

Proton Earth, Electron Moon

by xkcd

Proton Earth, Electron Moon

What if the Earth were made entirely of protons, and the Moon were made entirely of electrons?

—Noah Williams

This is, by far, the most destructive What-If scenario to date.

You might imagine an electron Moon orbiting a proton Earth, sort of like a gigantic hydrogen atom. On one level, it makes a kind of sense; after all, electrons orbit protons, and moons orbit planets. In fact, a planetary model of the atom was briefly popular (although it turned out not to be very useful for understanding atoms.[1]This model was (mostly) obsolete by the 1920s, but lived on in an elaborate foam-and-pipe-cleaner diorama I made in 6th grade science class.)

If you put two electrons together, they try to fly apart. Electrons are negatively charged, and the force of repulsion from this charge is about 20 orders of magnitude stronger than the force of gravity pulling them together.

If you put 1052 electrons together—to build a Moon—they push each other apart really hard. In fact, they push each other apart so hard, each electron would be shoved away with an unbelievable amount of energy.

It turns out that, for the proton Earth and electron Moon in Noah's scenario, the planetary model is even more wrong than usual. The Moon wouldn't orbit the Earth because they'd barely have a chance to influence each other;[2]I interpreted the question to mean that the Moon was replaced with a sphere of electrons the size and mass of the Moon, and ditto for the Earth. There are other interpretations, but practically speaking the end result is the same. the forces trying to blow each one apart would be far more powerful than any attractive force between the two.

If we ignore general relativity for a moment—we'll come back to it—we can calculate that the energy from these electrons all pushing on each other would be enough to accelerate all of them outward at near the speed of light.[3]But not past it; we're ignoring general relativity, but not special relativity. Accelerating particles to those speeds isn't unusual; a desktop particle accelerator can accelerate electrons to a reasonable fraction of the speed of light. But the electrons in Noah's Moon would each be carrying much, much more energy than those in a normal accelerator—orders of magnitude more than the Planck energy, which is itself many orders of magnitude larger than the energies we can reach in our largest accelerators. In other words, Noah's question takes us pretty far outside normal physics, into the highly theoretical realm of things like quantum gravity and string theory.

So I contacted Dr. Cindy Keeler, a string theorist with the Niels Bohr Institute. I explained Noah's scenario, and she was kind enough to offer some thoughts.

Dr. Keeler agreed that we shouldn't rely on any calculations that involve putting that much energy in each electron, since it's so far beyond what we're able to test in our accelerators. "I don't trust anything with energy per particle over the Planck scale. The most energy we've really observed is in cosmic rays; more than LHC by circa 106, I think, but still not close to the Planck energy. Being a string theorist, I'm tempted to say something stringy would happen—but the truth is we just don't know."

Luckily, that's not the end of the story. Remember how we're ignoring general relativity? Well, this is one of the very, very rare situations where bringing in general relativity makes a problem easier to solve.

There's a huge amount of potential energy in this scenario—the energy that we imagined would blast all these electrons apart. That energy warps space and time just like mass does.[4]If we let the energy blast the electrons apart at near the speed of light, we'd see that energy actually take the form of mass, as the electrons gained mass relativistically. That is, until something stringy happened. The amount of energy in our electron Moon, it turns out, is about equal to the total mass and energy of the entire visible universe.

An entire universe worth of mass-energy—concentrated into the space of our (relatively small) Moon—would warp space-time so strongly that it would overpower even the repulsion of those 1052 electrons.

Dr. Keeler's diagnosis: "Yup, black hole." But this is no an ordinary black hole; it's a black hole with a lot of electric charge.[5]The proton Earth, which would also be part of this black hole, would reduce the charge, but since an Earth-mass of protons has much less charge than a Moon-mass of electrons, it doesn't affect the result much. And for that, you need a different set of equations—rather than the standard Schwarzschild equations, you need the Reissner–Nordström ones.

In a sense, the Reissner-Nordström equations compare the outward force of the charge to the inward pull of gravity. If the outward push from the charge is large enough, it's possible the event horizon surrounding the black hole can disappear completely. That would leave behind an infinitely-dense object from which light can escape—a naked singularity.

Once you have a naked singularity, physics starts breaking down in very big ways. Quantum mechanics and general relativity give absurd answers, and they're not even the same absurd answers. Some people have argued that the laws of physics don't allow that kind of situation to arise. As Dr. Keeler put it, "Nobody likes a naked singularity."

In the case of an electron Moon, the energy from all those electrons pushing on each other is so large that the gravitational pull wins, and our singularity would form a normal black hole. At least, "normal" in some sense; it would be a black hole as massive as the observable universe.[6]A black hole with the mass of the observable universe would have a radius of 13.8 billion light-years, and the universe is 13.8 billion years old, which has led some people to say "the Universe is a black hole!" (It's not.)

Would this black hole cause the universe to collapse? Hard to say. The answer depends on what the deal with dark energy is, and nobody knows what the deal with dark energy is.

But for now, at least, nearby galaxies would be safe. Since the gravitational influence of the black hole can only expand outward at the speed of light, much of the universe around us would remain blissfully unaware of our ridiculous electron experiment.

24 Sep 12:29

Awesome ‘Metroid’ Graffiti Found Under Bridge

by Remy Carreiro


You know that song “Under the Bridge” by the Red Hit Chili Peppers? This is like that (because it was found under a bridge in an undisclosed location). Some urban decay mixed with some classic Metroid. Very cool stuff.


The post Awesome ‘Metroid’ Graffiti Found Under Bridge appeared first on Geeks are Sexy Technology News.

22 Sep 22:00

100 Movie Dance Scenes In One

by JLister


No matter the genre, it seems that — with a little careful editing — everyone wants to get down to Bruno Mars in this gloriously silly mash-up.

The post 100 Movie Dance Scenes In One appeared first on Geeks are Sexy Technology News.

16 Sep 21:00

How Save And Restore Classic Videogames

by Tom Bennet

“Hunting for distribution rights is essentially detective work,” says Marcin Paczyński, Head of Product at GOG. “Rights can repeatedly change hands or be split up between different parties, and it’s our job to get to the bottom of what happened.”

Preservation of old games involves more than just an extra patch. The journey from dusty unplayable relic to polished, cross-platform installer is a minefield of technical and legal obstacles. The team at Good Old Games remain the industry leaders in the restoration of classic PC games, tasked with reverse engineering code written more than 20 years ago, unraveling knotty licensing issues left behind by defunct development studios, and battling lethargy on the part of skeptical publishers. It’s a thrilling and, at times, gruelling process, but – as the GOG team will testify – it never fails to surprise.

… [visit site to read more]

23 Sep 21:45

Como e por que estou tentando usar menos o Facebook

by Renato Cerqueira

Uma viagem de volta aos leitores de feeds

Continue reading on Medium »

14 Sep 17:49

Mr Robot, my girlfriend and me [SPOILER S01E01]

by CommitStrip

14 Sep 17:00

Você tem os requisitos?

by ProgramadorREAL
Inclua essa tirinha em seu site
Fonte: Vida de Programador

real historia;
string sender;
sender = "Hans Vledder";

Chefe: Quanto tempo você demora pra implementar um discador para o sistema de alarmes dos clientes em C++?
Programador: Você tem os requisitos do sistema para eu dar uma olhada?
Chefe: Não, mas é só um discador. Quanto tempo?
Programador: Eu não tenho como estimar se eu não sei o que o sistema tem que fazer
Chefe (irritado): Bom, o sistema de alarme tem uma EPROM de 2k. Daí leva quanto tempo?
Programador: Eu posso preencher a EPROM com zeros e uns, daí leva uns 15 minutos. Ou ele teria que fazer algo em especial?
Chefe: Claro que sim! Você é burro? Eu já disse que O CLIENTE PRECISA DE UM DISCADOR!!!
Programador: Hmmm, ok…
Programador: Você tem os requisitos do sistema para eu dar uma olhada?

Camiseta: I’m not nike to just do it

The post Você tem os requisitos? appeared first on Vida de Programador.

14 Sep 14:07

Saturday Morning Breakfast Cereal - Dream Control


Hovertext: Personally, I consider this a pretty solid apocalypse.

New comic!
Today's News:
02 Sep 16:49

Porque você deve usar o Telegram

by Edgar Araújo

Saiba porque o Telegram é melhor que tudo que você já usou, conheça o melhor mensageiro da atualidade.

Continue reading on Medium »

08 Sep 14:44

Bored People Quit

by rands

Much has been written about employee motivation and retention. It’s written by folks who actively use words like motivation and retention…

Continue reading on Medium »

06 Sep 21:35

Três jogos foda com protagonistas mulheres

by Bruna Accioly

Que tal dicas de jogos de video game foda? Melhor só se eles tiverem protagonistas mulheres, né?

Left Behind


Introduzido primeiramente como um DLC (um conteúdo adicional ao jogo principal) de The Last of Us, Left Behind passou a ser disponibilizado neste ano em versão stand alone, ou seja, sem que seja necessário possuir o jogo principal para jogá-lo. Left Behind é um prequel da história iniciada em The Last of Us e conta sobre a amizade entre Ellie e Riley durante o período pós-apocalíptico zumbi.

Após dias sumida, Riley está de partida para fazer parte do grupo conhecido como Fireflies, um movimento de resistência que luta contra a opressão do governo, mas antes disso, ela retorna ao seu campo de quarentena para reencontrar Ellie. Durante as quase 3 horas de jogo, o grande enfoque é a relação entre as meninas; as duas passeiam por um shopping abandonado, revivem memórias, contam piadas e falam sobre seus sentimentos, mesclando sempre momentos leves e descontraídos com situações pesadas e de tensão. Alguns pontos da história vão ficar soltos para quem decidir jogar sem ter completado The Last of Us, mas isso não deve diminuir o valor da experiência.

Um dos grandes feitos de Left Behind foi ter retratado uma história de amizade e amor entre duas adolescentes em uma franquia de peso. Ainda são pouquíssimos (poucos mesmo, quase nada, 0,000001%) os jogos com grande produção que se arriscam a sair do padrão de protagonista homem-hétero-cis-branco-atirando-em-tudo-que-vê-pela-frente.

Left Behind está disponível para PS3 e PS4.

Gone Home


Em 1995, Katie retorna para casa após passar uma temporada na Europa. Ao chegar à porta de entrada, ela encontra um bilhete de sua irmã mais nova Sam, “Por favor, não revire nada tentando descobrir onde eu estou. Eu não quero que ninguém saiba”, é o que pede a adolescente. No papel de Katie, você entra na sua casa e descobre que ela está vazia, sem sinal dos seus pais ou da sua irmã. O jogo não possui um objetivo, nada informa ao jogador sobre o que deve ser feito, não existe um caminho a ser seguido ou grandes quebra-cabeças a serem resolvidos. Contrariando o pedido de Sam, a única coisa que você pode fazer é revirar e explorar a sua casa tentando descobrir o que aconteceu com a sua família. Ao encontrar cartas, bilhetes, diários, você vai descobrindo e entendendo coisas sobre a vida de seus familiares, principalmente de Sam. Detalhes sobre a sua vida, a relação com sua amiga Lonnie, seus questionamentos. É impossível não se importar com Sam e a sua história, a cada registro de seu diário, a cada confidência sobre os seus sentimentos, pessoalmente, é tudo é tão real e tão próximo da minha própria experiência de infância e adolescência em uma época onde jogos eram cartuchos de Nintendo.

Gone Home é um jogo curto que pode ser terminado em apenas algumas horas, mas é uma história e uma experiência que eu vou guardar com carinho por muito tempo.

Gone Home está disponível para PC e MAC.

Life is Strange


Life is Strange é um jogo episódico baseado em decisões, ou seja, o jogador é apresentado a uma variedade de decisões no decorrer do game e cada uma delas terá uma consequência diferente, a curto ou longo prazo. A história é centrada em Max, uma estudante que, após anos vivendo em Seattle, retorna para sua cidade natal, Arcadia Bay, para cursar a escola de fotografia. Max reencontra sua melhor amiga de infância, Chloe, e, durante esse reencontro, descobre que tem o poder de voltar no tempo. A amizade entre as duas representa um papel importante na história. Chloe revela a Max que sua amiga Rachel está sumida e, juntas, as duas meninas tentam solucionar o mistério por trás desse sumiço.

O primeiro episódio passa a sensação de que estamos jogando uma série teen; Max conversa com seus colegas, anda pelo campus e reata laços com Chloe. Mas no decorrer dos episódios (4 lançados até agora, de um total de 5), o jogo lida com temas bem pesados, como suicídio, slut shaming e abuso sexual. São esses temas difíceis que aproximam Life is Strange e seus personagens da realidade; assim como é fácil se identificar com eles, também é fácil se preocupar com o bem-estar deles. EU GENUINAMENTE SÓ QUERO QUE A CHLOE FIQUE BEM.

O episódio 5 ainda não tem data de lançamento confirmada, mas deve ocorrer entre setembro e outubro. É uma boa oportunidade para fazer uma maratona dos quatro episódios e ficar em dia para o final.

Life is Strange está disponível para PC, PS3, PS4, XBOX 360 e XBOX ONE.

18 Aug 21:37

Aceitando o próprio tesão

by Mari

G0y, highsexual, bro job e boner test são todas expressões surgidas nos últimos meses para falar de práticas sexuais entre dois homens que não se consideram gays. A princípio isso pode causar estranhamento (e risos diante de nomes tão bobinhos), mas a ideia está longe de ser nova.

Nos anos 40 o maravilhoso Doutor Alfred Kinsey criou uma escala, conhecida como Escala Kinsey, para definir o comportamento sexual das pessoas ao longo da vida. A escala serviu de base (e se modificou ao longo dos anos) para um dos maiores estudos sobre sexualidade humana já realizados.


A grande descoberta da pesquisa coordenada pelo Kinsey foi que a maioria da população estava entre o nível 1 e o nível 5 da escala, ou seja, com uma preferência sexual predominante, mas não “restrita”. Isso quer dizer que, ainda que consideremos ser hetero o padrão sexual, o espectro bi estava estatísticamente mais presente.

Obviamente que as descobertas, publicadas nos livros Sexual Behavior in the Human Male (1948) e Sexual Behavior in the Human Female (1953), chocaram muito a sociedade conservadora da época, o que acabou destruindo a carreira e a vida pessoal do Kinsey (tem um filme de 2004 sobre ele, pra quem se interessou).

A galera que fez a pesquisa

E esse isolamento do Kinsey serve como um indicativo de que a maneira como lidamos com a nossa sexualidade aos olhos do outro está diretamente relacionada com as possibilidades geradas pelo momento e pela construção social que nos rodeia. Quando, como no caso dele, não é possível sequer questionar a heteronormatividade, a sexualidade humana é levada para a clandestinidade.

Ou seja, a informação pode ser libertadora mas não é contagiosa. Ninguém vai sair pegando pessoas do mesmo sexo, se não quiser, apenas porque o mundo tem menos ódio. Da mesma forma, a ideia de que o material chamado “Escola Sem Homofobia” (e apelidado toscamente de “kit gay”) transformaria alguém em gay é, obviamente, só muito babaca. Mas, sim, poderia criar abertura para que mais pessoas vivessem sua sexualidade diboinha.

Claro que só isso não basta. Especialmente para nós, mulheres, que não somos contempladas com o branding do tesão (note que g0y, highsexual, bro job e boner test são todos sobre homens). E não somos porque existe uma falsa ideia de que temos mais liberdade para experimentar quando, na realidade, nossa sexualidade é tida como um tipo de entretenimento, algo que está à serviço dos homens. O que é especialmente duro para mulheres bi, como diz a Jamile Nunes nesse texto foda da Jarid.

Como mulher, a sociedade constantemente põe dificuldades em nossas sexualidades. Mas especificamente com bissexuais, somos ainda mais objetificadas e vistas como isca para aventuras sexuais por homens héteros. Além disso, existem mais desculpas para invalidar minha sexualidade, como o fato de que supostamente me declaro bissexual só para ‘chamar a atenção’ de outros caras, ou porque está ‘na moda’ ou é ‘moderno


Mas nem tudo está perdido. Uma pesquisa feita com habitantes do Reino Unido e recém lançada pelo YouGov mostra que, talvez, a pesquisa do Kinsey estivesse no rumo certo. Baseada na Escala ali de cima, ela traz números difíceis de imaginar em lugares onde a informação é controlada, como na Rússia, onde é proibida a “distribuição de informação direcionada para criar relações sexuais não tradicionais”.


*verde para completamente hetero ou gay *roxo para vários graus de bi

No gráfico é possível notar que, entre os mais jovens existe um quase equilíbrio entre quem se identifica como puramente hetero ou gay e quem se identifica como no espectro bi. Quanto maior a idade das pessoas, mais aumenta essa diferença. Ou seja, tanto lugares quanto momentos com mais acesso à informação possibilitam desenvolvimentos sexuais mais saudáveis, como o próprio YouGov esclarece:

Claro que essas figuras não medem bissexualidade ativa – no todo, 89% da população se define como hetero – mas te colocar no nível 1 da escala permite a possibilidade de experiências e sentimentos com pessoas do mesmo sexo. Mais que tudo, isso indica o aumento de uma abordagem mais mente aberta em relação a sexualidade.

E ser mais mente aberta está diretamente relacionado com a maneira como lidamos socialmente com a sexualidade (a nossa e a do outro). Com não condenar nem julgar comportamentos saudáveis baseados, somente, na nossa própria ignorância.

28 Aug 00:46

Conheça as beldades do esporte que são respeitadas

by Mari

Se tem evento esportivo, tem galeria de beldades. Pra dizer a verdade, não precisa nem ter evento pra ter site especializado em esporte diminuindo profissionais por serem, bom, mulheres.

Basicamente isso quer dizer que não importa o quanto uma mulher mande bem no que faz, esteja entre as melhores da sua categoria, ela vai ser objetificada em uma galeria de fotos criadas para e por babões que juram ser amantes do esporte.

Amigs, ser amante dos esportes é outra coisa. E envolve respeito.

E se tu acha que eu estou exagerando, vamos fazer uma ronda rápida pelo mundo das manchetes machistas:

Captura de tela de 2015-08-27 19:46:37Mas que grande honra passar a vida inteira se empenhando para estar entre as possíveis medalistas olímpicas e, bom, provocar calorão nos torcedores. Meu senhor, a dica é: busque tratamento pros calores, já que a babaquice parece crônica.


Captura de tela de 2015-08-27 19:45:50UFA! Que susto, achei que mulheres fora dos padrões de beleza podiam praticar esportes!


Captura de tela de 2015-08-27 19:46:08Essa é especial: além de serem beldades e brilharem, ainda recebem closes de bunda. Durante os jogos. “Amante do esporte” é o novo nome de guri babão, parece.


Captura de tela de 2015-08-27 19:46:26Pode ser beldade profissional, pode ser beldade amante dos esportes, só não pode é ser colocada como ser humano e não como adereço nas páginas esportivas.

Não deveria ser tão difícil de entender, a ideia é bem simples e envolve uma coisa muito básica: respeito. Respeito pela profissional que se empenhou tanto para ser uma atleta foda, pelas conquistas da atleta, pelo esporte, pelas pessoas. Colocar um ser humano como um objeto decorativo é desumanizar essa pessoa, ou seja, não é nada respeitoso.

Claro que nada disso tem relação nenhuma com sensualidade em si, mas com a obrigação de ser sensual. Se a atleta quiser tirar fotos sensuais, ok, mas só ser capaz de ver as mulheres como sensuais, o tempo todo, ignorando e diminuindo seu trabalho: é coisa de babaca.

Novamente, se tu acha que estou exagerando, acompanha comigo:

Captura de tela de 2015-08-27 21:03:43A Tatiana ganhou 4 medalhas de ouro, 3 de prata e 1 de bronze. A Tatiana não passa despercebida de ninguém que se interessa por patinação de velocidade e não faria sentido usar biquini no gelo. Marmanjos, amadureçam.

Mas o desrespeito não funciona só pela hipersexualização, ou seja, ele não fica só babando nas atletas, mas também cobra das mulheres que saíram desse padrão de beleza. O exemplo mais famoso é o da maior tenista do mundo, a Serena Williams. Vocês devem ter acompanhado a JK Rowling respondendo o tuiteiro babaca que disse que a Serena “tinha corpo de homem” mas, se não acompanharam, aqui está a resposta da escritora:

.@diegtristan8 “she is built like a man”. Yeah, my husband looks just like this in a dress. You’re an idiot.

— J.K. Rowling (@jk_rowling) July 11, 2015

(sim, meu marido fica igualzinho a ela num vestido. Tu é um idiota)

Eu, particularmente, acho a Serena Williams maravilhosa, inclusive fisicamente. Admiro o corpo definido dela, sempre achei lindo mulheres atletas. Mas, nem tão particularmente, eu sei que ela não tem obrigação de ser bonita.

Entendo que pra maioria dos caras isso seja uma novidade, então vou repetir, pra ver se fica claro:


Mas, além disso, o que esse idiota falou atende pelo nome de: machismo. Ele, e todos os outros que repetem esse tipo de textinho bosta, acham um absurdo uma mulher (ainda mais, no caso da Serena, negra) não precisar da confirmação deles para ser reconhecida como alguém tão foda.

Pode chorar, amigo, elas não precisam mesmo ;~~~

O problema é que nem todas as mulheres que são maravilhosas no esporte tem a chance de viver do que fazem, como a Serena. Então que os idiotinhas de tuiter fiquem nesse chororô de achar que o corpo de todas as mulheres do mundo precisa do alvará deles para ser funcional e lindo, azar. Mas um jornalista esportivo que reforce esse tipo de escrotidão deve saber que, além de não gostar nem respeitar os esportes e as mulheres, ele está ajudando a manter a maior parte das atletas longe da verdadeira profissionalização, que é se sustentar e ser respeitada pelo que fazem.

Melhorem, caras.

27 Aug 23:51

Destiny Nightfalls Are Getting A Total Overhaul

by Jason Schreier

Destiny, a video game about crushing the hopes and dreams of Peter Dinklage, is changing in just about every possible way when the next expansion launches this September. Even Nightfall strikes will be totally different.


27 Aug 02:58

O Cachorrinho Riu

by Clara

– Vamos lá pra casa?

Estava esperando esse convite fazia um tempo. Estávamos nos pegando há umas duas horas e eu já tinha dado a letra de que meus pais estavam ficando na minha casa, meus pais do interior, meus pais conservadores, meus pais.

– Mas eu quero te avisar de uma… Coisa. Um probleminha.

Ai, lá vem. É casado. Tem namorada. Tem alguma doença incurável. Mora com a avó. Mora numa pensão para rapazes. Tem só uma bola.

– É que eu… adotei um cachorrinho.

Oun, que fofo! Além de ser gato, cheiroso e ter pegada, ainda adotou um cachorrinho! Mas ué?

– Oun!

– Sim, ele é uma gracinha, mas… É que ele late.

– Bom, ele é um cachorro, folgo em saber que ele late.

– Ele late muito. Muito. Muito mesmo.

– Hum, que… chato?

– Ele acaba de se acostumar comigo, pra mim ele já não late mais, mas é que desde que adotei o Pantufa não levei ninguém em casa.

Oun! Pantufa!

– … E você está com medo da reação dele? Relaxa, eu gosto de cachorro. Gosto mais de gato, confesso, mas gosto de cachorro também.

– Que bom, que bom… Mas minha dúvida é se ele vai gostar de você. Quer dizer, não é bem isso, mas é que eu só tive cachorro quando era pequeno, sabe, e ele é novo lá em casa, eu não sei muito bem como ele pode reagir.

– Hm.

– Ele late muito. Muito mesmo. Sério.

– Bom, quer ir pra outro lugar?

– De repente era umas…

– Sério? Por causa do cachorro?

Confesso que já tinha dado uma esfriada no clima todo. Estávamos numa pegação pesada e esse negócio de ficar falando do Pantufa não era bem o que eu tinha em mente… Mas ele era gostoso, engraçado, inteligente e não me parecia ser do tipo que fica de papinho.

– É… Não, não. Não vou deixar de ir pra minha casa com você por causa do cachorro.

Aí sim.

Fomos. No carro começamos a nos pegar de novo e resolvemos manter a compostura depois que eu quase bati o carro meio que quase gozando. Melhor não fazer essas coisas em movimento, né? Melhor dar uma paradinha. Mas ele disse que paradinha ali melhor não, que era meio perigoso, que vamos logo pra casa que eu tô louco pra te chupar.

Uh, vamos.

Estacionei, entramos, subimos, as mãos dele por baixo do meu vestido, minha mão no pau dele por cima da calça, por dentro da calça, ele dizendo “mas e a câmera” “foda-se a câmera, o porteiro estava dormindo” e rimos e chegamos.

Chegamos no andar, no andar, e Pantufa começou a latir.

Pantufa começou a latir e nunca mais parou. Nunca mais. Nunca mais. Não é exagero: ele nunca mais parou. Entrei na sala. Sentei no sofá. Ele latia. Latia. Latia. Seu dono, constrangidíssimo, tentava falar alguma coisa, mas eu não conseguia prestar atenção, pois Pantufa latia, latia, latia. Ele (o dono) me pegou pela mão e me levou para o quarto, mas o Pantufa foi atrás, latindo, e se pôs a arranhar a porta fechada. Enquanto latia, é claro. Latia, latia, latia.

Até tentamos resgatar o clima do elevador, mas era impossível. Mal tirei o sutiã e já tinha desistido e já estava colocando de volta e dizendo que não ia dar, não. O apartamento era um quarto e sala bem bonitinho, porém apertadíssimo e sem qualquer lugar que pudesse manter Pantufa longe da porta por uma rapidinha.  Se eu soubesse o que me esperava tinha parado na rua mesmo. Sexo no carro teria sido melhor do que nenhum sexo por causa de cachorro. Ou teria ido pra minha casa com meus pais idosos, que nem iam acordar se eu fizesse escândalo.

E foi assim, queridas, que perdi a última foda do ano antes de ir viajar pra Fortaleza com meus pais.

Nunca mais nos vimos.

Mas às vezes eu sonho que o Pantufa está rindo da minha cara.


Ilustra de DW Ribatski


* Esta é uma história de ficção. Precisa sempre frisar, né?  

É escritora? Tem uns continhos ou uns poemas guardados mas não sabe onde publicar? Manda pra nós com o título “Ficção” que uma vez por semana vamos publicar. Nem precisa lembrar que tem que ser mulher, né? :D

24 Aug 21:58

Por que o Prêmio Hugo deve te interessar

by Lady Sybylla

Uma das grandes polêmicas de 2015 dentro da comunidade de ficção científica e fantasia foi sobre o Prêmio Hugo. Cunhado em homenagem a Hugo Gernsback, inventor e editor, além de autor de ficção científica, a ele é atribuído o próprio termo ‘ficção científica’, além da popularização deste gênero literário através da revista Amazing Stories, a mais famosa revista de FC do mundo.

Mas por que o Prêmio Hugo deve te interessar, você se pergunta?

Como funciona e qual é a polêmica

Qualquer obra, de qualquer idioma, pode ser indicado ao Hugo Awards, ou Prêmio Hugo. Qualquer pessoa que se torne membro da WorldCon e que pague U$50 ganha o direito de votar e de indicar obras e autores. Como membro, você recebe uma cópia digital das obras para poder avaliar e dar seu voto. Como o sistema é aberto, é comum que autores façam campanha junto de seus fãs para que eles votem no Hugo. Este sistema aberto privilegia o gosto do público, ao contrário de ter uma banca fechada, com pessoas que escolhem os indicados. O prêmio é estampado em capas e utilizado como indicador de qualidade por várias editoras.


Tudo seria bem bacana e funcionaria às mil maravilhas se algumas pessoas insatisfeitas não tivessem se utilizado dessa maleabilidade das indicações para se lançar numa campanha baseada no ódio e no preconceito. Autores homens, brancos, cisgêneros e heterossexuais de ficção científica lançaram dois painéis de indicados ao Hugo. A ala mais agressiva é a dos Rabid Puppies, liderava por Theodore Bale, conhecido como Vox Day e a ala menos agressiva é chamada de Sad Puppies, liderada pelos escritores Larry Correia e Brad R. Torgersen. Larry Correia tem também ligações com o Gamergate.

O ano de 2014 foi o que mais privilegiou mulheres, negros e comunidade LGBTQ no Prêmio Hugo. Foi quando Ancillary Justice, de Ann Leckie ganhou de melhor livro, onde ela aboliu os pronomes de gênero, por exemplo. Toda a comunidade de FC e Fantasia já vinha sinalizando nos últimos anos uma maior representatividade e diversidade, o que apenas beneficia o leitor. Infelizmente, boa parte dessa diversidade de obras e autores não chegam traduzidas por aqui.

Os Sad e Rabid Puppies ficaram incomodados com toda essa presença de pessoas diversas na premiação. Eles alegam que há uma conspiração de esquerda para colocar representantes de minorias nas indicações e que a velha ficção científica, aquela “de raiz”, com grandes aventuras espaciais, de narrativas épicas teria sido trocada por uma bancada política esquerdista. Por isso os Puppies escolheram autores que, segundo eles, trariam essa aventura perdida de volta.


Em um primeiro momento alguém pode dizer que os Puppies têm alguma razão em reivindicar que os prêmios sejam dados para as melhores obras. Infelizmente não é isso o que eles querem. Vamos conhecer melhor Vox Day, o líder dos Rabid Puppies. Theodore Beale é escritor de FC, já foi indicado ao Hugo e nunca ganhou. Ele já fez textos alegando que os direitos das mulheres são prejudiciais à sociedade e que negros não têm capacidade de desenvolver uma sociedade avançada. Segundo ele, a FC foi dominada por algo chamado “Pink SF”, que é a FC escrita por mulheres. Segundo suas próprias palavras:

Pink SF é um câncer. É uma perversão parasitária. É aquela morte pequena que mata todo sub-gênero literário. (…) Pink SF são as meninas vindo brincar na caixa de areia dos meninos e cagando nelas como gatos.

O texto original está no blog dele, mas para não gerar link, usei o

O escritor de ficção científica John C. Wright foi amplamente apoiado pelos Puppies. Seu nome apareceu cinco vezes entre os indicados deste ano e ele perdeu em todas. Para Wright os homens devem abominar homossexuais em nível visceral e as mulheres precisam ser femininas e delicadas, aquelas que serão salvas pelo herói na narrativa.

A premiação em 23 de agosto de 2015

Foi com muita alegria que as pessoas que acompanham a treta do Hugo de perto assistiram à premiação na madrugada de sábado para domingo. Houve recorde de votações este ano, 65% mais participação do que no ano passado. Categorias onde havia Puppies em peso, como Melhor Novela, Melhor Noveleta, receberam No Award, que é quando os votantes não concordam com os indicados e preferem não conceder prêmio a ninguém. E o melhor livro foi para o chinês Cixin Liu, com o livro The Three-Body Problem.

Fábio Fernandes, escritor brasileiro de ficção científica e tradutor de vários clássicos como Fundação, Laranja Mecânica e Neuromancer leu as obras indicadas pelos Puppies, como parte do pacote que recebeu para poder votar e foi categórico: as obras são ruins. Não só ele, como John Scalzi também leu e disse não haver qualidade alguma no que os Puppies indicaram.

Vários escritores se colocaram imediatamente contra os Puppies, como George RR Martin, que disse que eles haviam partido a premiação ao meio com a manobra que fizeram. Outros chegaram a se pronunciar para que removessem seus nomes dentre os indicados, pois não compactuavam com os painéis e com as alegações.

A ganhadora do Hugo 2015, Laura J. Mixon, na categoria de Best Fan Writer, fez um dos melhores discursos na noite da premiação:

Há espaço para todos nós aqui. Mas não há meio-termo entre ‘nós pertencemos’ e ‘você não’. Acredito que devamos encontrar maneiras menos tóxicas para discutir nossos pontos de vista conflitantes. Estou com as pessoas dos grupos marginalizados que procuram, simplesmente, serem vistas como seres humanos. As vidas dos negros importam.

O que os Puppies não perceberam, assim como todo mundo que apoiou os painéis (incluindo aí alguns autores brasileiros), é que não existe uma conspiração de esquerda. O que existe nestes últimos anos e na geração de autores e leitores é uma mudança de mentalidade. O mundo avançou – apesar de precisar de mais avanços – nas questões sociais, garantindo igualdade de direitos e maior visibilidade para as minorias que antes eram relegadas à obscuridade. Se Prêmio Hugo teve entre seus indicados livros que representem essa literatura, não é por uma conspiração, foi pelo gosto do público.


O ataque à ficção científica feita por eles não passa de preconceito disfarçado de preocupação com a qualidade. Não passa de misoginia, racismo, homo, lesbo e transfobia, coisa que estamos cansadas de ver.
Assim como o ataque às mulheres que trabalham com games, o ataque a qualquer mulher que critique esses espaços, as pessoas que lutam por diversidade e representatividade, que os Puppies chamam de Social Justice Warriors – são constantemente bombardeadas por comportamento agressivos e ameaças. Não é de hoje que o chilique destas pessoas vem acontecendo. Vários fóruns tem discussões do tipo “por que as mulheres estão destruindo a ficção científica?”, sendo que FC surgiu com Mary Shelley e sua incrível obra Frankenstein.

Fico com o discurso de Laura. Há espaço para todos nós aqui. Essas manobras são desonestas e podem ter rachado o prêmio daqui por diante, mas não será suficiente para nos calar.

Sobre o assunto, vale ler, também:

O sequestro do Hugo Awards

Representatividade importa, mas incomoda

Ficção científica e as aventuras dos garotos brancos

Anticast 178 – A polêmica do Hugo Awards

11 Aug 13:06

E se ao invés de Uber tivesse uma alternativa aberta, tipo um OpenTaxi?

by Lond

Curto a idéia do Uber: pagamentos pelo aplicativo, motoristas avaliados e essas coisas que meio que permeam a internet hoje em dia. Mas não curto a empresa, suas técnicas estão longe de ser “legais”: [The latest Uber scandal, explained] [Uber Driver Deemed Employee By California Labor Commission] [I was an undercover Uber driver]

E tem mais um ponto: eu sou a favor dos taxis serem agenciados pelo estado. Acho que taxi, como um transporte público que integra a malha de transportes do estado, também tem que ter suas concessões como parte do planejamento do estado de alguma maneira.

E aí eu andei pensando, e se a gente tivesse a união entre as duas coisas? Senta que lá vem viagem.

Imagina uma mistura entre Uber e EasyTaxi de código aberto. Esse software, que teria seu código disponível pra ser auditado por qualquer um, faria esse papel de controlar a frota e também teria aplicativos para as plataformas de modo que fosse possível chamar taxis por dentro dele, além de efetuar pagamentos também por dentro do aplicativo.

O ideal seria o software ser gerenciado (em termos de custos de manutenção pra manter tudo funcionando) em um esquema de cooperativa entre os taxistas participantes (ou ainda, aproveitando o que já existe, seria coordenado pelo sindicato dos taxistas de cada lugar).

Os custos do sistema seriam um custo fixo para o taxista (que seria pelo custo da infraestrutura) e um custo que viria do gateway de pagamento sendo escolhido pelo sindicato que estivesse mantendo aquela “versão” do aplicativo. Todo o dinheiro da corrida, tirando o custo do pagamento, iria para o bolso do taxista.

Para melhorar, o ideal seria que tivesse alguma maneira (boletos, cartões pré-pagos?) para que quem não tivesse cartão de crédito também pudesse pagar pelo aplicativo.

Todos os dados do sistema estariam disponíveis para serem auditados publicamente, tanto pelo estado, quanto pelos usuários. O estado fica mais eficiente sabendo quanto os taxistas estão ficando ociosos e a duração das suas corridas, e o usuário pode ficar mais em cima de problemas acontecendo nos taxis.

Ao fim de cada corrida, o usuário avaliaria o taxista e no caso de uma nota abaixo da média, informaria os problemas que seriam acumulados no perfil do taxista para uma auditoria posterior.

Claro que tem alguns problemas a serem resolvidos nessa idéia: será que ser gerenciado por cada cooperativa é uma coisa eficiente? Ou será que era melhor fazer uma fundação (tipo a Free Software Foundation) que ficasse responsável pela implementação e manutenção do sistema?

Acho que seria um caminho melhor e mais próximo do que eu acho ideal, mais próximo da socialização do uber. [Socialize Uber]

11 Aug 09:00

The very first time you are handed access to production

by sharhalakis

by @uaiHebert

05 Aug 18:46

If coders were football players

by CommitStrip

01 Aug 13:02

Engineer Creates Endless Slinky Stairway [Video]

by Geeks are Sexy

From Matthias Wandle:

This project started with some idle chatter with some guys I used to work with. Eric had this idea for a “slinky machine”, which would essentially become an escalator on which a slinky continuously descends. Years passed and I occasionally teased Eric about it. Eventually, I figured he’d never build it and it was fair game for me to do it.

[Matthias Wandel | Via LS]

The post Engineer Creates Endless Slinky Stairway [Video] appeared first on Geeks are Sexy Technology News.

03 Aug 17:32

A Very Common Coder’s Youthful Mistake

by CommitStrip