Shared posts

20 May 20:48

The Pencilsword: On a plate

This content is brought to you with funding support from New Zealand On Air.

23 May 05:00

Comic for 2015.05.23

New Cyanide and Happiness Comic
23 May 12:02

I Grew Up in Faraway Lands [Animated Comic]

by Geeks are Sexy
22 May 09:00

No post on devopsreactions for 4 days

by sharhalakis

by GPiotr

20 May 10:53

chronic

by Lunarbaboon

18 May 21:30

4gifs: The Meowtrix. [video]



4gifs:

The Meowtrix. [video]

20 May 18:00

TADAAAA! It’s Done! [Comic]

by Geeks are Sexy

tada1

The life of a frond end developer…

[Source: CommitStrip | Like CommitStrip on Facebook]

The post TADAAAA! It’s Done! [Comic] appeared first on Geeks are Sexy Technology News.

20 May 15:08

Three things that shaped how I think about writing about sexual abuse

by Robert Bennett

Because I’m a glutton for punishment, I thought I’d post a followup essay to my post yesterday. Whereas yesterday I wrote about questions writers should ask themselves when considering writing a rape scene, today I’m going to talk about three things that have shaped how I think about writing scenes like that.

Trigger warning for rape and hate crimes.

1. Nah, actually, you don’t know

When I was first dating the woman who would eventually be my wife, she once asked me to do something I found very strange: ”My sister needs to get gas,” she said. “Can you go with her to the gas station?”

This puzzled me. I was hanging out at her family’s place, and the idea that someone would need to assist her sister with going to get gas – the station was literally less than a quarter mile down the road – was strange to me.

“You mean, like, pay for it?” I asked.

“No,” she said. “I mean go with her. So she’s not alone.”

“Why wouldn’t she want to go pump gas by herself?”

“She didn’t ask for you to go,” she said, irritated. “I want you to go with her. And I want you to because she’s nineteen, it’s ten o’clock, and it’s a gas station.”

“What,” I said, laughing, “you think something’s going to happen? We’re out in the suburbs!”

She shook her head. “You’re such a boy. You don’t know anything about this. Just go.”

So I did. I sat in the car with her and stood with her while she pumped gas. It seemed an odd thing to do. But I started to wonder what it must be like: to be a small, young woman, alone, in the dark, with total strangers coming and going. I had never even considered such a place could be a threat to me. And, after all, it wasn’t quite the suburbs: her parents’ car had been broken into more than a few times.

Then, about three weeks later, there was a notice in the news: a young woman in Austin had been out jogging in an upscale, urban area, and someone had just snatched her off the street. They’d pulled up in a car, grabbed her, and drove off.

“See?” my wife said. “Do you still think I’m crazy to worry?”

I can’t remember if they ever found the woman.

***

It took me awhile to realize that not everyone lives the same way as me.

This seems like a vapid thing to say – we’re taught from day one that there are people different from you. But it’s another thing to realize that, for me, as a tall white dude, there are places I can go where other people can’t. There are situations I don’t worry about that other people absolutely have to. I can pump gas at 11:00 PM at night at nearly any gas station in the country and not feel anxious. I can walk down the street at night and feel just perfectly fine. I can go to a bar and drink away and feel quite certain I’ll wind up all right.

I’m not wanted. I’m not watched. I’m not sought after. I’m just some guy.

So yeah, I don’t actually know what it’s like to live under threat of sexual abuse or assault. To me it’s just some thing that happens in the papers or in the history books. It’s certainly not something that could ever happen to me.

I’ve never had to think about it. So I don’t really know.

So why is it showing up in books more and more these days?

2. Sexual abuse has been codified

When George RR Martin came out with Game of Thrones, his books were remarkable for three things, which every sucker on the planet stampeded to try and copy:

1. Lots and lots of characters, each with a chapter from their own POV, each tense and often ending on a cliffhanger. This is arguably the most-copied thing GRRM did: there are now plenty of books with 5, 6, or 7+ POVs where every other chapter moves to a different part of the action, always ending on a tense note. It creates a difficult-to-resist sense of tension and momentum where you just fall down through the pages and can’t stop.

2. The awareness that any character could die. No one was invincible because they were in the first opening pages. And there was a good chance they wouldn’t even die a meaningful death. Lots of main characters died miserably and pointlessly.

3. And the cherry on top of that last one – that anything could happen – would also mean that the plot would go places other books were too timid to attempt. Like, having a main character get castrated, or mutilated – or brutally sexually assaulted. Or having the main characters themselves commit sexual assault. There was a nihilistic grimness to his works that was sensational and lurid and shocking at the time – and still is.

But here’s the thing: now that GRRM’s stuff has become copied, codified, and has essentially become its own genre – the nebulous term known as “grimdark” – now, to a somewhat limited extent, sexual abuse is a standard of the genre. It’s expected. It’s almost like having a chase scene in a car movie, or sending a noir private eye to a bar. It’s a signal the writer sends to the reader telling them exactly what kind of literature this is that they’re reading.

And many writers and readers have become accustomed to it. “Rape exists in real life,” they say, “and it’s happened during times of war throughout history. Why shouldn’t we be allowed to write what we want to write, the way we want to write it?”

And yeah, absolutely, you’re allowed to write and read whatever you please. But I can’t bring myself to think of rape and sexual abuse as a genre standard.

3. I think about writing about rape the same way I would think about writing about a hate crime – like a lynching.

That is to say, very carefully.

Now, I’m not saying that rape is as horrific and damaging as slavery and the institutional racism and suffering America brought upon itself. I’m saying that there are some correlations between the two.

Both of these demographics – African Americans and women – have been the targets of incredible abuse. We know about the abysmal savagery of slavery and the Deep South (or maybe we just know the tip of the iceberg there, so we can sleep better at night), but it’s worth remembering that domestic violence and marital rape were just culturally accepted for decades, even centuries, throughout many levels of society. Remember how reluctant Elizabeth Bennet was to marry Mr. Collins in Pride and Prejudice? One reason for that might have been that marital rape was legal back then. Marrying someone you didn’t like, as a woman, came with a whole host of awful possibilities, all of them legal in the eyes of the law. And this went on for a long, long while.

Both of these demographics also lacked many basic human rights until just recently. Freed slaves got the right to vote in America before women did, though that’s not to say that those in power let them use it – if I recall my history classes correctly, the first black man who tried to vote in Texas got shot in the head before he could do so, in the town square, and his killer got off scot-free. But it makes you wonder about other parts of the country where racism wasn’t so virulent – did they just forget about women? And women today still aren’t guaranteed to make as much as their male counterparts, let alone the numerous reproductive issues still in debate, even mundane ones like maternity leave or pumping at work.

And today, members of both of these demographics are aware of everyday situations that make them fear for their safety – situations that I, personally, will never worry about. For women, it might be going on a blind date, going to a bar or a club, pumping gas at night, talking to a coworker alone in a room, or talking to a man on the internet. For African Americans, it could be a routine traffic stop, knocking on someone’s front door when they don’t expect it, or simply standing in a Walmart holding something that could be considered threatening.

For both of these demographics, our society isn’t completely safe – or, at least, not as safe as it is to a guy like me.

All of these histories, all of these anxieties, are all brought to a head when one brings up one of two acts that, historically, are entwined with oppression and systemic abuse – hate crimes or sex crimes. Both are expressions of superiority, those in power putting those that are powerless in their place.

So imagine writing a scene with a hate crime in it, like a lynching, and trying to explain to an African American colleague that, hey, this is in line with this character, with this world. “This is a really bad guy,” I’d say. “He’s a psychopath. So, you know. That’s why.”

I imagine that this colleague would say that to use an act so linked with a dreadful history, so entwined with a system of oppression that is still going on today, as just character-building or world-building is tone deaf at best, and morally irresponsible at worst. Actual human beings have and are suffering such fates right now, and to use this experience as a literary trope trivializes their suffering.

And then I’d feel like shit. Because I’d know that to be true.

I’d feel the same way about a rape scene.

If I were to write about such things, I would have to earn it. I’d have to think long and carefully about it. I’d have to be aware that I’m venturing into lives that I haven’t lived and probably have never even considered living.

Perhaps such subjects in fiction are a little like pumping gas at night. To some readers, it’s something expected, abstract, mundane. They read these things and they yawn. They’ve never really had to think about it. But to others, it’s fraught with horrendous and well-founded anxieties.

*

NOTE: Since yesterday my post on things you might want to consider before writing your rape scene got a lot of attention from A. Game of Thrones fans who thought I was disparaging the events of an episode I’d never even seen before, B. Internet people who had a lot of Todd-Akin-style questions about what does and does not count as legal rape, and C. some charming people who thought I should never write ever at all because I suggested people tread lightly when writing about raping a woman, I’m gonna go ahead and close the comments on this one. I take myself VERY seriously as an author THANK YOU VERY MUCH

19 May 16:27

Why are you writing a rape scene?

by Robert Bennett

UPDATE: I don’t give a shit about the episode of Game of Thrones in question. Not even a quarter shit. This isn’t about that rape scene, but all rape scenes. I don’t want to hear about Theon or whoever the hell.

UPDATE 2: You know what, forget it. Comments closed. There are other, better places to be stupid online.

Though if you want to read how I, personally, think about sexual abuse scenes, you can read it here.

The title of this post isn’t an accusation. It’s a genuine question. And it’s also a subject that’s been on my mind just about since I got started writing.

Trigger warning for all kinds of bad shit.

Rape is a thing in books. It’s been a thing in books for awhile now, but in the past 10-20 years, this horrific taboo has become more explored and prominently used in literature and art. It feels like it’s come to a head recently, what with yet another brutal, degrading rape in last night’s Game of Thrones, a show I’ve only ever watched occasionally but increasingly feels like a conga line of sexual violence.

A lot of people are mad about it. Other people say, “Well, it’s that world. It’s also in history, and in war. It’s perfectly justified to feature rape in a story. And that character is a monster.”

So here’s a thought exercise I’d like you to try.

You’re writing a rape scene. A woman gets brutally raped by a monstrous male character in one scene in your book. It’s scandalizing. It’s disturbing. It’s graphic. People are going to talk about this.

Okay. Now substitute another sex crime in its place – say, homosexual pedophilia.

Now instead of raping a buxom, weeping young woman, your Extremely Bad Dude is now raping a terrified six year old boy.

Does it still feel like it deserves to be there?

To use the usual fictional rape apologist arguments, there’s no reason this scene shouldn’t exist. Child rape exists, and no doubt happens in times of war. It probably happens even more in third world countries that are at war. Historically speaking, I’m sure there have been thousands of child rapes since the dawn of humanity. Maybe millions.

Practically speaking, it would be remiss not to include a child rape scene or two, right? It happens. We must be truthful to reality. It’s our duty.

Or, wait – is it possible you’re using this horrific, degrading, monstrous act as window dressing?

That’s why a lot of people feature rape scenes, it seems. “This is a very bad dude,” a writer might say, “and I need to prove it to the audience.” And the audience might say, “Yes, that character WOULD do that. That’s absolutely in line with their nature.” And so they’re fine with it.

Or maybe the writer just wants to signal to the reader that this world is extra, super-duper grim and gritty. The audience would then say, “Well, that’s the world this story’s set in. It’s monstrous and brutal. But them’s the shakes.” And so they’re fine with it. (This is basically adding ambiance to the story. “Let’s throw a little rape in the background,” the writer thinks, “so folks get the picture.”)

But while audiences seem willing to sit and watch a young woman get raped to make these points, raping a six year old boy suddenly seems… excessive, right? It’s way over the line. No one wants to watch a sobbing child get sexually violated. So why are we willing to sit and watch one awful sex crime but not the other?

And if you go through rape-heavy books, and swap out all the rape victims with young boys, then, shit howdy, you’d probably start thinking, “Whoa, what’s the fucking deal here? Why does this writer keep featuring scenes with this awful shit? Are they getting off on it? Do they think that I’m getting off on it?”

And that’s a tough question. Are you getting off on it? Are you including this rape scene for titillation, to be sensational, to set tongues a wagging? Are you using rape as a tool, a signal, a way to tell the reader that you mean business?

And is there no other way for you to do that? Do you have to make someone get raped for your story to work? Or do you just want to see it happen?

So here’s the things you need to ask yourself if you’re writing a rape scene:

  1. What am I trying to do with this rape scene? What is its function?
  2. Is this necessary to the plot? Will this book fall apart if this rape scene is not included?
  3. Will this story focus more on the rapist than the victim? Will the victim essentially be forgotten?
  4. If I swap out this rape victim with a young child, will audiences still accept this scene? Or will they find this scene wholly unnecessary, and condemn me for it?

Rape gets trivialized in the real world. It’s frequently hushed up or waved off. The victims are forgotten. So think long and hard about why you’re including it in your book. To use such a monstrous act as window dressing is to trivialize it further.

30 Apr 23:14

I secretly lived in my office for 500 days

Unable to pay rent in L.A., I slept behind my desk. But what began as a quick financial fix soon became a lifestyle






19 May 11:00

Death Parade Is About Life, Death, and the Darkness of the Human Heart

by Richard Eisenbeis
Renato Cerqueira

Taí um anime pra ver :)

Somewhere there exists a mysterious bar. When you arrive at it, you are forced to play a game—cards, bowling, darts, etc.—against another person. If you win, you get to leave. If you lose, however, you die.

Read more...








19 May 09:00

Lets add one more exception

by sharhalakis

by uaiHebert

18 May 11:00

Quatro mitos sobre a crítica de Marx ao Capitalismo (ou “o que a crítica marxiana ao capitalismo não é”)

by Paulo Pachá
Em 2011, na esteira de um renovado interesse por Marx e por sua crítica ao capitalismo, Terry Eagleton publicou um livro intitulado “Marx Estava Certo”. Cada um dos dez capítulos do livro apresenta uma crítica usual ao marxismo (na maior … Continuar lendo →
16 May 18:00

Shutting Down Your Computer Before Going to Sleep [Comic]

by Geeks are Sexy
15 May 22:00

Watch these Kendo Swordsmen Fight a Duel with Lightsabers! [Video]

by Geeks are Sexy

A pair of kendo swordsmen engage in a duel… with lightsabers. Now how cool is that?

May the force be with them!

[razziajazzy さんのチャンネル]

The post Watch these Kendo Swordsmen Fight a Duel with Lightsabers! [Video] appeared first on Geeks are Sexy Technology News.

14 May 09:00

bash: ls: command not found

by sharhalakis

by seqizz

13 May 13:20

Music Video Turns The NES Into A Deadly Weapon

by Mike Fahey

It’s mostly ‘80s nostalgia in the video for The Fjords’ “All In”—until the kid pulls out his NES Zapper and starts blowing people away.

Read more...








11 May 16:00

The Worst Video Game Controller Ever Made [Video]

by Geeks are Sexy

Press “Stort” to Begin!

Don’t you just hate those darn third party controllers? :)

[CH]

The post The Worst Video Game Controller Ever Made [Video] appeared first on Geeks are Sexy Technology News.

07 May 18:13

Tabela sem chave primária

by ProgramadorREAL
 

Recebi esse chat, do Paulo Amaral… Não sei se a “lógica” ou a ortografia confundem mais… 😀

tabela_sem_PK

(Desculpem-me, fiquei com preguiça de transcrever o diálogo da imagem)

The post Tabela sem chave primária appeared first on Vida de Programador.

10 May 19:35

Gamer Beats Mega Man X And X2 Together... Using The Same Controller

by Mike Fahey

Beating either Mega Man X or Mega Man X 2 is a satisfying feat. Beating them both at once is pretty amazing. Beating them both at once using the same game pad? Well that’s just nuts.

Read more...








10 May 05:00

Comic for 2015.05.10

New Cyanide and Happiness Comic
08 May 20:00

The T-1000: A Drink That Was Sent from The Future to Terminate Your Liver [Video]

by Geeks are Sexy

From my pal Rich over at Aggressive Comix:

Terminator Genesys inspired us to make a cocktail in honor of our favorite terminator, the T-1000

Ingredients:

1oz Gin
2oz Triple Sec
Seltzer
Silver Powder
Black Metallic Powder

Directions:

Shake the gin and Triple Sec in a Shaker tin. Follow that up by adding Seltzer water and Metallic powders. Do not add too much of the powder as it will over power the drink quickly. Once all ingredients are added to the drink stir.

[Aggressive Comix]

The post The T-1000: A Drink That Was Sent from The Future to Terminate Your Liver [Video] appeared first on Geeks are Sexy Technology News.

08 May 13:00

Custom Nintendo 64 Is A Fantastic Tribute To Ocarina of Time

by Gergo Vas

Belgian artist Vadu Amka completely covered a Nintendo 64 with a rock and moss motif to transform the console into an artifact from Hyrule.

Read more...








08 May 09:00

Explaining Puppet to management

by sharhalakis
image

by @dtsomp

Also: How the project manager imagines my work - by Stefan

03 May 21:05

Onde nasce a violência?

by negrobelchior

O Congresso Nacional Brasileiro está na iminência de aprovar a redução da maioridade penal de 18 para 16 anos. As palavras a seguir, do jornalista André Cavalieri, procuram esclarecer o motivo pelo qual a redução da maioridade penal ser um retrocesso.

 1

 

por André Cavalieri

 

Os deputados membros da Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) da Câmara dos Deputados aprovaram a admissibilidade da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) nº 171, de 1993, que tem por finalidade alterar a redação do Artigo 228 da Constituição Federal, que diz que: “São penalmente inimputáveis os menores de dezoito anos, sujeitos às normas da legislação especial.” Em outras palavras, o Congresso Nacional Brasileiro está na iminência de aprovar a redução da maioridade penal de 18 para 16 anos. As palavras a seguir tentam apontar o local no qual surge a violência na sociedade, e quais seriam as formas eficazes de combatê-la.

A violência na genética

Uma parcela da sociedade acredita que distúrbios de comportamento e psicológicos são fruto de uma predeterminação genética. Segundo essa visão, os genes seriam os responsáveis por determinar se um indivíduo é pacífico ou se é violento.

Professor de biologia, neurociência e neurocirurgia da Universidade de Stanford, Robert Sapolsky lembra de um estudo que refuta esta teoria: “Existe uma técnica na qual você pode retirar um gene específico de um camundongo, de modo que ele e seus descendentes não tenham mais esse gene. Você ‘extingue’ um gene. Um grupo de cientistas descobriu a existência de um gene responsável pela codificação de uma proteína relacionada à aprendizagem e à memória e, com esta demonstração, você ‘extingue’ o gene e o seu camundongo já não conseguirá mais aprender. A comunidade científica achou incrível: ‘Oh! Uma base genética para a inteligência!’ O que era ainda mais interessante, mas que foi desprezado neste memorável estudo, é que se criássemos os camundongos geneticamente deficientes num ambiente muito mais rico e estimulante que uma gaiola comum de laboratório, eles superavam completamente essa deficiência.”

James Gilligan – psiquiatra e autor da série de livros “Violence”, que ilustra a história de seus 25 anos de trabalho no sistema prisional norte-americano – indica outro estudo, envolvendo alguns milhares de pessoas, do nascimento aos 20 anos de idade, realizado na Nova Zelândia. Segundo ele, nesse estudo, identificaram uma mutação genética que tinha relação com a predisposição à violência, mas somente se o indivíduo também tivesse sido abusado na infância. Em outras palavras, crianças com este gene anormal não estariam mais propensas que as outras a serem violentas e, de acordo com o psiquiatra, contanto que não fossem abusadas na infância, elas apresentavam um índice de violência menor que o de pessoas com genes normais.

“Se você acredita em predeterminação genética, poderia dizer: ‘não há nada que possamos fazer para mudar a predisposição que as pessoas têm em se tornar violentas. Tudo o que podemos fazer é puni-las, prendê-las ou executá-las. Não precisamos nos preocupar em mudar o ambiente ou as condições sociais que podem tornar as pessoas violentas porque isso é irrelevante’. Uma hipótese não apenas equivocada, mas perigosa”, Gilligan conclui.

A violência no ambiente

 

4

De acordo com Gabor Maté – médico especializado no tratamento e prevenção de vícios – o desenvolvimento humano, particularmente o desenvolvimento do cérebro humano, ocorre na maior parte sob o impacto do ambiente: “Ao nos compararmos com um cavalo, que consegue correr no primeiro dia de vida, vemos que somos pouco desenvolvidos. Não conseguimos reunir tanta coordenação neurológica, equilíbrio, força muscular e acuidade visual até um ano e meio ou dois de idade. Isto porque o desenvolvimento do cérebro no cavalo, e de outros animais, acontece na segurança do útero. Já no homem, o desenvolvimento do cérebro ocorre em grande parte sob o impacto do ambiente. Nossos circuitos que recebem do meio a informação apropriada vão se desenvolver da melhor forma, e os que não recebem, ou se desenvolverão mal, ou nem mesmo se desenvolverão. Se você pegar um bebê com olhos perfeitamente funcionais e colocá-lo num quarto escuro por cinco anos, ele ficará cego pelo resto da vida, já que os circuitos da visão requerem luz para se desenvolver, e sem esta luz, até mesmo os circuitos básicos presentes e ativos no nascimento vão se atrofiar e morrer, e novos circuitos não se formarão.”

Por desenvolvermos nosso cérebro sob a influência do ambiente, temos um desenvolvimento emocional e cognitivo que varia de acordo com o que nos cerca. Daniel Siegel, professor de Psiquiatria da Universidade da Califórnia (UCLA), diz que
“Não podemos separar o funcionamento neurológico de seres humanos do ambiente onde foram criados e continuam vivendo, especialmente durante o desenvolvimento de nossos cérebros, quando estamos vulneráveis, mas também durante a fase adulta.”

O psiquiatra infantil D. W. Winnicott aponta que, essencialmente, duas coisas podem dar errado na infância, as duas podendo resultar em doenças mentais e físicas. Uma delas é quando acontece o que não deveria acontecer e a outra, quando o que deveria acontecer, não acontece. Na primeira categoria, estão as experiências traumáticas, abusivas e de abandono. Isto é o que não deveria acontecer, mas aconteceu. Mas há também a atenção paterna e materna livre de estresse, sintonizada e sem distração de que toda criança precisa mas poucas recebem. Elas não são abusadas, não são negligenciadas, nem estão traumatizadas. Mas o que deveria acontecer – a presença estimulante de pais emocionalmente dispostos – não está disponível para elas.

Segundo Maté, da mesma forma que nossos corpos precisam de nutrientes, nosso cérebro precisa de formas positivas de estímulo em todos os estágios do desenvolvimento: “Temos certas necessidades humanas. Temos necessidade de companheirismo e contato íntimo, de sermos amados, conectados e aceitos, de sermos vistos e recebidos por quem somos. Se essas necessidades são atendidas, evoluímos para pessoas compassivas, cooperativas e empáticas para com os outros. O oposto, que muitas vezes vemos em nossa sociedade, é uma distorção da natureza humana precisamente porque tão poucos têm suas necessidades atendidas. Se o que precisa acontecer, não acontece, ou o que não deveria acontecer, acontece, é evidente que a porta pode ser aberta não apenas para uma porção de doenças mentais e físicas, como também para muitos comportamentos humanos prejudiciais.”

Gilligan, que passou os últimos 40 anos trabalhando com as pessoas mais violentas produzidas pela nossa sociedade, como assassinos e estupradores, diz que uma prova disso são as enormes variações de violência em diferentes sociedades: “Há sociedades sem praticamente nenhuma violência. Há outras que destroem a si mesmas. Alguns grupos da religião anabatista são totalmente pacíficos, como os Amish, os Menonitas, os Huteritas. Entre alguns desses grupos, como nos Huteritas, não há registros de homicídio.” Por outro lado, na tentativa de compreender o que causa a violência, ele descobriu que os criminosos mais violentos nas prisões tinham eles mesmos sido vítimas de abuso: “As pessoas mais violentas que vi são sobreviventes de tentativas de assassinato contra elas mesmas, ou que viram seus familiares mais próximos serem mortos por outras pessoas.”

A violência na prisão

 

3

Pense numa penitenciária, o local onde presos são forçosamente confinados e negados a uma variedade de liberdades como uma forma de punição. Pense nas celas, nas grades e nas cercas, pense nas paredes reforçadas, na vigilância constante e no isolamento do restante da sociedade. Pense na alimentação, na higiene e, por fim, pense na relação de submissão estabelecida entre presos e guardas.

Se o ambiente tem um impacto inegável na construção e no desenvolvimento das pessoas, é impossível acreditar que a cadeia seja capaz de corrigir um comportamento violento. Isto porque o ambiente oferecido pelas prisões tenta combater um problema com os mesmos elementos que levaram a sociedade ao problema em primeiro lugar.

Os dados apontados pelo historiador e criador do blog NegroBelchior, Douglas Belchior, confirmam este fato: “Entre 1992 e 2013, o Brasil elevou sua taxa de encarceramento (número de presos por cada 100 mil pessoas) em 317,9%. Apesar disso, o País não está mais seguro. Ao contrário, junto com o aumento da taxa de encarceramento houve um crescimento dos índices de criminalidade. O índice de homicídios, por exemplo, subiu 24% em 8 anos, conforme apontam dados do Fórum Brasileiro de Segurança Pública.”

Segundo o palestrante e ativista do Movimento Zeitgeist, Ben McLeish, precisamos entender que “o desejo de ver os outros serem presos corresponde a mesma violência que vemos no crime. A punição que infligimos a prisioneiros é a mesma violência que afirmamos condenar ao agir desta forma. As prisões não resolvem o problema. Elas são outra fonte de violência. Elas são baseadas em uma estrutura que perpetua a violência que origina o comportamento criminal. Destratar, privar, limitar e humilhar um ser humano é a certeza para comportamentos mais violentos. O maior efeito real da prisão é, em grande parte, a piora da integridade social humana.”

A redução da maioridade penal

 

2

Ao contrário do que se passou a acreditar, o jovem não é o grande responsável pelos crimes cometidos no país. O número real, de acordo com a Secretaria Nacional de Segurança Pública (SENASP), é de 0,9%, caindo para 0,5% no caso de crimes violentos. Essa mudança, portanto, não afetará 99,5% da criminalidade.

Apesar do jovem não ser o responsável pelos delitos no país, ele é o que mais sofre com a criminalidade. A jornalista Eliane Brum aponta que “O Brasil é o segundo país no mundo em número absoluto de homicídios de adolescentes, atrás apenas da Nigéria. Mais de 33 mil brasileiros de 12 a 18 anos foram assassinados entre 2006 e 2012. Se as condições atuais prevalecerem, afirma a Unicef (Fundo das Nações Unidas para a Infância), até 2019 outros 42 mil serão assassinados no Brasil.”

Conforme aponta Douglas Belchior, muitos de nossos direitos fundamentais, como educação, saúde e moradia, nos são negados: “O jovem marginalizado não surge ao acaso. Ele é fruto de um estado de injustiça social que gera e agrava a pobreza em que sobrevive grande parte da população. A violência não será solucionada com a culpabilização e punição severas, mas pela ação da sociedade e governos nas instâncias psíquicas, sociais, políticas e econômicas que as reproduzem. Agir punindo e sem se preocupar em discutir quais os reais motivos que reproduzem e mantém a violência, só gera mais violência.”

O engenheiro social e idealizador do Projeto Vênus, Jacque Fresco pensa que, ao contrário de melhorar a vida do povo, muitas das leis penais são resultado da insuficiência da sociedade e do Estado de fornecer às pessoas o que elas precisam: “Pessoas criadas na escassez são mais propensas a roubar, não importa quantas leis e tratados sejam decretados. Os governos tentam controlar o comportamento humano sem fazer nenhuma mudança nas condições do ambiente que são responsáveis pelos comportamentos aberrantes. Não é de leis e tratados que as pessoas precisam – é de acesso às suas necessidades vitais. Se quisermos que crianças e jovens tenham uma relação positiva e construtiva entre si e se tornem membros contribuintes da sociedade, precisamos criar um ambiente capaz de produzir o comportamento desejado.”

Reduzir: a violência ou a maioridade?

5

Estamos frente a uma situação na qual precisamos decidir se queremos efetivamente minimizar o crime ou perpetuá-lo. Nesse momento, as prisões são um reflexo inevitável das sociedades e Governos que negligenciam seu próprio povo. O resultado é um círculo vicioso hediondo, do qual o sofrimento e a violência são a causa e o reflexo. Se quisermos interromper esse processo, precisamos entender que – longe de ser algo natural aos seres humanos – a violência tem causa.

As punições previstas pelo atual sistema normativo, ao contrário de contribuir para a diminuição dos comportamentos aberrantes, os perpetuam. Ao trazer à tona a probabilidade da redução da maioridade penal, portanto, o Brasil vai na contramão do que é necessário para reduzirmos a violência. Temos que concentrar esforços para buscar uma sociedade que previna a violência, não que tente remediá-la.

Ao que parece, contudo, a solução apoiada pela maioria prefere ignorar tudo isso. E, enquanto poderíamos reduzir a violência, optamos por reduzir a maioridade.

 

Esse texto foi escrito com inspiração nas reflexões de Ben McLeish, Douglas Belchior, Eliane Brum, Fabio Brazza, Jacque Fresco, Paulo Freire e Peter Joseph.

As entrevistas dos doutores Gabor Maté, James Gilligan e Robert Sapolsky, citadas ao longo desse texto, podem ser encontrados, na íntegra, no filme “Zeigeist: Moving Forward”, de Peter Joseph.

 

01 May 17:39

Giz, lousa e sangue

by Lady Sybylla

Todo mundo, minimamente consciente, sabe que um país se faz, principalmente, com educação de qualidade. Os protestos por mais direitos, por menos corrupção, sempre envolvem educação de qualidade. É uma pena que na hora em que professores estão apanhando da polícia militar, o discurso de muita gente muda. “Eles estão atrapalhando o trânsito”, “todo grevista é vândalo e vagabundo”, “tem que descer o cacete mesmo”, “apanharam pouco”, foram algumas das expressões que li recentemente depois do que houve no dia 29 de abril de 2015, em Curitiba.

professores-de-curitibaProfessores de Curitiba

Professores em greve queriam participar da seção de votação do projeto de lei que altera a Paraná Previdência, e que acarretaria perda de benefícios. O pacote de austeridade do governador Beto Richa (PSDB) seria para cobrir o rombo nos cofres estaduais devido a vários casos de corrupção. O prédio da Assembleia Legislativa estava cercado de policiais militares, por ordem da justiça e do governador, para não atrapalhar a seção. Não vamos esquecer que a Assembleia é uma casa do povo, que não deveria ser impedido de assistir à votação. Pedindo por não violência, os professores se mantiveram firmes do lado de fora do prédio. Começaram então agressões com cassetetes, spray de pimenta, em seguida evoluindo para bombas de gás lacrimogênio, rasantes de helicóptero, cães da raça Pitbull e um blindado disparando jatos d’água.

Cerca de 200 professores ficaram feridos na investida, oito em estado grave. Fontes não oficiais dizem que cerca de 50 policiais militares se recusaram a participar da ação e foram presos, sob o risco de serem exonerados. As fontes oficiais dizem que nenhum PM foi preso. Os professores feridos foram atendidos no local, dentro dos prédios ao redor e deslocados até UPAs e hospitais. E enquanto os professores apanhavam do lado de fora da Assembleia, lá dentro eles se faziam de surdos para o que ocorria, e alguns até comemoram a ação da polícia militar sobre os professores.

O caos da educação não é novo. Greves e ações violentas da polícia massacram professores há anos. Em Goiânia, os professores da rede municipal em greve também foram repelidos com excessiva força da parte da Guarda Municipal, com diversos feridos. Em São Paulo, professores estão em greve há mais de 40 dias e o governador nega a existência de uma paralisação da categoria que luta, não apenas por equiparação de salários com outros funcionários públicos do estado, mas por melhores condições de trabalho, redução de alunos por sala, mais escolas e salas, o fim das escolas de lata, mais segurança…

As pautas não mudam porque o sistema não muda. Desde que entrei para a rede estadual de ensino, em 2008, que os problemas são os mesmos e agora em 2015 eles ficaram mais agudos. E pelo tanto de greves e manifestações que vemos pelo país, a situação em vários estados também piorou. Se não são direitos sendo retirados, é a precarização do ensino. O estado de São Paulo, por exemplo, impede que professores readaptados e de licença-saúde possam pegar a jornada completa de aulas para compôr o salário. Podemos pegar apenas a jornada básica de 24 aulas semanais, o que reduz severamente nossos vencimentos. Professores OFA (temporários) não-estáveis não têm direito ao Hospital do Servidor. Nosso vale-refeição, o conhecido “vale-coxinha” é de 8 reais ao dia e se o professor tiver a jornada máxima de aulas, não tem direito ao cartão. Temos salas super lotadas, sem carteiras para todo mundo. Experimente entrar numa sala de 6ª série, com 50 alunos lá dentro. É impraticável.

11182074_10153361584444672_3211142258207143313_nProfessor no chão, agredido pela PM de Curitiba.

Enquanto professores ainda tentam, em sala de aula, ensinar seus alunos na velha prática do GLS – giz, lousa e simpatia – nossos governantes estão rindo de professores apanhando nas ruas. E a população, que deveria fazer um panelaço, que deveria estar nas ruas, lotando as avenidas e cobrando por mais respeito aos professores e ao ensino e por investimentos em educação de qualidade, estão em um vergonhoso silêncio acomodado, enquanto arrotam os velhos clichês de sempre como ‘fora-PT’. Enquanto nossos professores sangrarem e apanharem da polícia, o sangue destes profissionais estarão nas mãos de todos nós e de cada um que saiu no domingo para pedir intervenção militar e pedir impeachment.

Somos todos professores. Todo apoio aos professores deste país.

04 May 18:20

Quando o assunto é racismo, os “Fofos” não são tão fofos assim

by Djamila Ribeiro

A companhia teatral “Os fofos encenam” apresentaria, no dia 12 de maio, no Itaú Cultural, a peça chamada “A mulher do trem”. Disse apresentaria porque uma personagem dessa peça, que não por acaso é a empregada doméstica, é caracterizada com Black face.

fofos

Só o fato da personagem ser a empregada já demonstra a intenção e a não neutralidade: mulheres negras comumente são relegadas a esses lugares. Mas o problema maior é que é um homem pintado de preto que faz esse personagem. Basta abrir uma janela do navegador para pesquisar o quão ofensivo isso é.

holiday-inn-blackface

O black face surgiu por volta de 1830, durante a era dos shows dos menestréis, quando homens brancos se pintavam de preto de forma bem caricata e se apresentavam para grupos formados por aristocratas brancos com o intuito de ridicularizar pessoas negras.

713Big

Essa, posteriormente, ganhou espaço nos cinemas e televisão. A prática serve tanto como estereótipo racista como forma de exclusão, porque se no primeiro caso ridiculariza, no segundo nega papéis a artistas negros.

Fora isso, como as pessoas não conseguem percebem que pessoas negras são diversas? Querer criar um “tipo ideal” de negro nega nossa diversidade e humanidade.

A peça ser cancelada foi uma vitória. Devemos mesmo nos indignar com práticas racistas.

Porém a resposta de algumas pessoas da companhia só evidencia o quão preconceituosos eles são. Um ator defendendo a companhia chamou os militantes de “anta, sem estudos e que eles deveriam ter estudado em alguma Unianta da vida”. Essa frase é problemática por diversas questões. Primeiro, como ele pode afirmar que essas pessoas negras não estudaram? Segundo, percebam o elitismo dele ao desconsiderar universidades particulares, muitas vezes aquelas às quais a população negra consegue ter acesso (e isso por conta do racismo estrutural, 354 anos de escravidão, dá um Google aí menino) e terceiro, percebam a arrogância desse ser ao julgar que não pode ser criticado.

Essa pessoa também tentou justificar o black face dizendo que máscaras são tradições da arte circense.

Por mais que possam ser, o que essa pessoa não percebe é que em relação às pessoas negras isso tem outro significado, carrega um histórico de opressão e não pode ser validado sob a justificativa de que é arte. Ele julga que somente sua perspectiva do que é arte é valida. Então, eu sugiro a ele que leia a visão de Jean Paul Sartre e Walter Benjamim. Sartre, por exemplo, propunha uma arte engajada e dizia que a mesma não está descolada da política.

É necessário abdicar das desculpas fáceis e perceber que arte, humor, música não são invenções de uma galáxia distante, seus discursos não estão isentos dos valores da cultura, não há nada de neutro. E a obrigação de reconhecer a dignidade humana, a cidadania plena e o acesso a direitos negados em decorrência de uma estrutura social herdeira do escravismo e do patriarcalismo? O poder sempre se esforçou para esconder a origem social das desigualdades, como se as disparidades fossem naturais, meritocráticas ou providencialmente fixadas. Cômico, senão fosse trágico, é ver também pessoas brancas julgarem o que é racismo ou não e ainda fazer críticas ao movimento negro sem sequer conhecer suas práticas.

Lamentável ver o racismo e também a falta de humildade, esclarecimento e crítica e autocrítica destes artistas, que ao receberem estas críticas estão respondendo às pessoas de modo desrespeitoso e até racista. Esses artistas estão cometendo diversos equívocos em vez de repensar e debater. A reação dos militantes não é censura, mas contestação de um ato racista. No momento de se desconstruir e assumir seus erros, a gente percebe que os Fofos não são tão fofos assim.

05 May 13:00

GOG's Take On Steam Goes Live Today

by Jason Schreier

Last year, the folks behind GOG announced plans to launch their own PC gaming service, GOG Galaxy , to compete with Steam and Origin. Today, it’s finally going public.

Read more...








05 May 09:00

Developers finding out about PM’s plans for the next release

by sharhalakis

by @devillsroom

01 May 17:58

The Saddest Story [Comic]

by Geeks are Sexy
Renato Cerqueira

Caralho, num acredito que ri dessa porra ahahahahah

sad

A melon-dramatic and melon-choly tale of love.

[Source: Book of Adam on Facebook]

The post The Saddest Story [Comic] appeared first on Geeks are Sexy Technology News.