Shared posts

15 Dec 01:50

Semi-Final

http://oglaf.com/semifinal/

25 Sep 18:00

globalinequality: Why focus on horizontal inequality undermines efforts to reduce overall inequality

Adam Victor Brandizzi

This too economic analysis oversees moral and political aspects, yet it is a great initial step on a more consistent debate.



Goran Therborn in his important new book “The Killing Fields of Inequality” lists, among the three key puzzles of the past 30 years of social and economic developments, this one: Why were rich societies much more successful in reducing “existential” inequality between various groups (blacks-whites; men-women; heterosexual-homosexual; immigrants-natives etc.) than in reducing overall income and wealth inequality? Actually, the very opposite happened: both income and wealth inequality increased substantially.

A focus on “existential” or “categorical” inequality is what in the 19th century Europe used to be called a radical position, associated with the post-1789 developments. Once all formal distinctions of class between clergy, aristocracy and people were abolished, there was, it was argued, no need to focus on the existing income differences. This view reached its peak under the French Third Republic when inequality was increasing by leaps and bounds, while formal equality was left untouched.(The socialist position at the time was that formal equality is just the first step towards real equality which requires also the diminution of economic inequalities.) The same radical position holds fast and true today: once you see the world as primarily composed of various groups, you quickly slip into “identity” politics whose main objective is to equalize formal legal positions of the groups—and basically let everything else the same.

According to Thorborn, that’s what the world has been remarkably successful in doing in the past 30 years. There are well-known and substantial advances in the equal treatment of different groups (listed above); there was also a strong push for “horizontal” equality, which is the term used in economics to indicate that on average there should be no wage differences between men and women, blacks and whites etc. (that is, atleast no differences that cannot be explained by better skills or experience). The progress there, although not as substantial as in legal equality, has been real too.

But the quasi single-minded focus on “existential” inequality was not always helpful, and I think in some cases was outright harmful, to the general reduction of income and wealth inequalities. The success in the latter would—I think it could be argued—also reduce income differences due to racial or gender discrimination. In other words, pushing for reduction of inequality in general would make lots of sense even if our primary objective is to reduce specific gender or racial income inequalities. But this is not how things worked out. Rather, the focus was on “horizontal” inequalities while the overall, general inequality was left to its own devices, namely was allowed to increase.

The focus on “existential” inequality is wrong, in my opinion, for at least three reasons. 

First, the emphasis of group differences quickly spills into identity politics, splintering the groups that do have an interest in fighting for change. The joint front crumbles. The groups end up by caring just about the change in their own positions and become indifferent to the rest. I am unaware for example that gays or immigrants, once their objectives of legal equality achieved, have shown particular interest to fight for economic equality in general, be it in the United State or the world. Splintering has made people focus on their own complaint; once that complaint is solved, they are indifferent to the rest. 

Second, the focus on “existential” inequality leaves the basic problem unsolved because the way it poses the issue is wrong. I noticed this in a recent discussion regarding legalization of prostitution. For feminists, prostitution is a reprehensible activity that they would like either to ban, discourage through some ill-defined teach-ins of women, or curb its demand by punishing clients who are predominantly males. Not only do these approaches just drive the problem underground without solving it, they are futile because the root case of prostitution is not addressed. The root cause today (and perhaps in history) is income and wealth inequality. There are many (mostly) men with huge incomes and there are many (mostly young) women with poor job prospects and no money. This drives prostitution nationally and globally (as in sex tourism). So,the point is not to address gender inequality only (men vs. women) but its economic cause. Consider what would happen even if horizontal equality between men and women were achieved, a thing which, with higher enrollment and graduation rates among women than men, and rising number of rich women, man soon happen. The problem will simply become that instead of 90% of customers being men we shall have a “fair” and “gender-neutral” distribution of customers with 50% men and 50% women. Will such gender equality solve the problem? Obviously not: prostitution, a reprehensibly activity in the eyes of the gender-focused activists, will merely become gender-balanced. Is this all they really want to achieve? No. But, of course, it reveals that the real cause of the problem lies elsewhere, in inequality, and that their approach is misdirected.

Third, the emphasis on “existential” equality is politically easy because it is not serious. It faces no real opposition from the right-wing politicians and conservatives because it does not affect the underlying structure of economic inequality and political power. Instead of fighting for meaningful general changes (e.g. increased vacation time for all, shorter work-week for all, more favorable working conditions for parents, longer maternity and paternal leave, higher minimum wage for all etc.)—the issues on which the success has been quasi nil, but which would cut into the profits and thus face a strong economic opposition from the businesses, proponents of the “existential” equality care only up to the point where legal equality is established. Strictly speaking, such equality is also in the well-understood interest of capitalists. We know at least since Gary Becker that, economically, discrimination is inefficient for those who practice it. But general measures that improve the position of the employees will not of course please those who have economic power. So the proponents of “existential” equality stop midway again. Formal equality is surely a necessary condition for overall betterment, but it is not sufficient. A movement toward more generalized equalization of human condition requires not only legal equality but also substantively greater (income and especially wealth) equality.

Their approach (“formal equality and then nothing”) is what Rawls calls “meritocratic equality”, the lowest level of equality where all participants are legally free to pursue whatever career they choose but where their starting positions are vastly different. All those who care exclusively about “identities” do only that: they aim to place everybody on the same starting line, but do not care if some come to the starting line with Ferraris and others with bicycles. Their job is done once everybody is on the same starting line. Case closed: just when the real issues begin.

Bookmarked at brandizzi Delicious' sharing tag and expanded by Delicious sharing tag expander.
11 Dec 01:45

Educação: como usar bem os 10% do PIB?

Adam Victor Brandizzi

Isso. Sempre me pareceu que o maior problema não era falta de dinheiro, mas uso ruim de recursos.

Fernando Dantas

10 dezembro 2014 | 16:27

Está prevista a entrada de uma montanha adicional de recursos para a educação no Brasil com a determinação de gastos na área de 10% do PIB. Seminário do Ibre/FGV no Rio examinou como não desperdiçar esses recursos no desafio decisivo de dar qualidade à educação básica brasileira.

Entre 2000 e 2011, o gasto público por aluno na educação brasileira, em termos reais, saltou de R$ 1.962 para R$ 4.916, com um avanço de 150%. Num país com a característica histórica de dispender muito mais com o ensino superior do que com o básico, a evolução da despesa com educação naquele período foi na direção correta. O aumento real anual por aluno para o ensino básico foi de 161%, de R$ 1.633 para R$ 4.267, enquanto o do ensino superior foi de apenas 15%, de R$ 18.050 para R$ 20.690.

Salta aos olhos que o governo ainda gasta muito mais com o estudante universitário do que com o aluno da educação infantil, fundamental e média. Mas a desproporção caiu. Em 2000, gastava onze vezes mais. Em 2011, cinco vezes mais. O economista Fernando Veloso, que apresentou esses números na abertura do seminário Financiamento e Gestão da Educação no Brasil, realizado segunda-feira (8/12/14) no Rio, observa que os países da OCDE gastam por aluno universitário um pouco menos que o dobro da despesa equivalente no ensino básico. Em outras palavras, o Brasil destoa do grupo que reúne os países ricos e alguns emergentes importantes, mas a discrepância caiu muito desde o início da década passada.

O seminário foi organizado pelo Instituto Brasileiro de Economia (Ibre), da FGV-Rio, no qual Veloso é pesquisador associado.

Por outro lado, não há dúvida de que o gasto real por aluno do ensino básico cresceu vigorosamente, mais do que dobrando em uma década. Tudo o mais constante, e independentemente de que o nível ainda seja muito baixo, a qualidade deveria ter dado um salto se fosse verdadeira a ideia de que a educação básica no Brasil é ruim apenas pela falta de recursos.

Não foi isso, porém, que se verificou na prática. A melhora no Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) é muito gradativa, e apenas no caso dos anos iniciais do Fundamental (1ª a 4ª série) as metas do governo foram atingidas no Ideb de 2013. Mais grave ainda, o Ideb do ensino médio ficou estacionado entre 2011 e 2013, e melhorou pouco desde 2005.

No ranking internacional de 2012 do teste Pisa, o Brasil, entre 65 países (uma maioria de desenvolvidos e alguns emergentes), ficou na 55ª posição em leitura, na 58ª em matemática e na 59ª em ciências. O Brasil tem registrado alguma melhora no Pisa desde 2000 em termos de notas absolutas (principalmente em matemática), mas em termos relativos permanece entre os piores da lista de países.

O seminário do Ibre foi realizado justamente para refletir sobre o desafio da melhora da educação brasileira com o pano de fundo do Plano Nacional de Educação 2014-2024, que determina gasto público com a área de 7% do PIB na metade deste período e de 10% ao fim.

Há um debate sobre o que considerar como gasto público em educação (para fins de cumprimento da lei). Segundo Paulo Martins, consultor legislativo da Câmara dos Deputados, que participou do seminário, em 2012 o Brasil gastou recursos públicos equivalentes a 5,5% do PIB em educação, no conceito mais restrito, e 6,4%, no conceito mais amplo.

A grande questão é justamente a de saber se mais recursos resolverão por si só o problema da qualidade da educação no Brasil, especialmente da básica. Veloso mostrou inclusive que, como haverá queda em termos absolutos de todas as faixas da população de zero a 14 anos nas próximas décadas (e também de 15 a 24 a partir de 2020), o aumento do gasto por aluno com os 10% do PIB será ainda mais potencializado. Assim, a agenda fundamental, para ele, é a de saber como os recursos adicionais – supondo que de fato se materializem – podem ser usados para vencer o desafio histórico de dar educação básica de qualidade a todos os brasileiros.

Experiências vitoriosas

O risco de desperdiçar recursos é grande. A economista Joana Monteiro, do Ibre, falou no seminário do seu estudo sobre os municípios muito beneficiados por royalties de petróleo, indicando que o aumento dos gastos não se converteu em melhora da educação. Já a economista Fabiana Rocha, da USP, discorreu sobre seu trabalho que utiliza uma metodologia econômica para indicar que o desperdício de recursos de educação no Brasil pode chegar quase a 50% nos menores municípios (até 50 mil habitantes) e quase até 20% nos maiores (mais de 500 mil).

Para Veloso, a montanha de dinheiro adicional que se promete para a educação brasileira só cumprirá o seu papel se houver um grande esforço nacional para que seja usada de forma eficiente.

Para isto, é fundamental entender os casos de sucesso da educação brasileira, como o de Sobral no Ceará, que tem um Ideb do 5º ano do Fundamental 32% acima do brasileiro, apesar da renda per capita ser pouco mais da metade da nacional; ou da rede estadual do Rio (que saltou da 26ª para a 4ª posição no ranking do Ideb do Estados brasileiros entre 2009 e 2013).

Presentes ao seminário, Maurício Holanda e Wilson Risolia, secretários de Educação de, respectivamente, Ceará e Estado do Rio, discorreram sobre as experiências de seus Estados. Holanda foi secretário de Educação de Sobral e hoje tenta estender ao Ceará como um todo o sucesso da cidade, não necessariamente repetindo a mesma fórmula em todos os municípios. Há rumores de que o governador do Ceará, Cid Gomes, ex-prefeito de Sobral, teria sido cogitado para ministro da Educação no segundo mandato de Dilma Rousseff.

O que ressalta dos relatos de Holanda e Risolia é a ênfase na gestão, na avaliação, na cobrança de resultados, na meritocracia e na premiação dos melhores desempenhos. No Ceará, inclusive, há a distribuição aos municípios de uma cota-parte do ICMS que tem com uma das principais condicionantes os resultados do Ideb municipal.

Fernando Dantas é jornalista da Broadcast (fernando.dantas@estadao.com)

Esta coluna foi publicada pela AE-News/Broadcast em 9/12/14, terça-feira.

Bookmarked at brandizzi Delicious' sharing tag and expanded by Delicious sharing tag expander.
10 Dec 05:00

Nunca mais

Quando a Corte Interamericana de Direitos Humanos responsabilizou o Estado brasileiro por omitir, negligenciar e tolerar a violência contra a mulher, abriu-se o caminho para a Lei Maria da Penha.

Quando a corte julgou o Estado responsável pelo desaparecimento forçado de pessoas no Araguaia, abriu-se o caminho para Comissão da Verdade.

Ambos os casos apontam para um procedimento comum: o uso estratégico de normas produzidas lá fora como instrumento de batalha política aqui dentro.

Num país de presidencialismo de coalizão –onde o ocupante do Planalto precisa gerir grupos heterogêneos com capacidade de veto–, trata-se de coisa muito útil.

Ainda ministro da Fazenda, por exemplo, FHC talhou o arcabouço jurídico do Mercosul como escudo contra a força protecionista da indústria e de seus representantes no Senado Federal. Ao amarrar o país a um acordo de livre comércio, fazia política anti-inflacionária.

Durante a campanha pela reeleição, Dilma também jogou o jogo. Quando viu Marina Silva conceder (e em seguida retirar) apoio nominal aos direitos LGBT, correu para defender a união civil para parceiros do mesmo sexo e condenar os crimes de homofobia, coisa que evitara fazer até então.

Num gesto para a militância (da qual tanto precisava), o governo facilitou uma inédita resolução sobre diversidade sexual na ONU.

Neste segundo mandato, Dilma terá diante de si numerosas oportunidades para usar normas internacionais a serviço do "Muda Mais".

A Corte Interamericana já emitiu medidas provisórias contra o Brasil no caso do presídio de Pedrinhas, permitindo reformas no Maranhão.

O julgamento de crimes vinculados ao "Petrolão" em cortes estrangeiras forçará o BNDES a aceitar a Lei de Acesso à Informação que até hoje empurra com a barriga.

Ao ratificar o Tratado Internacional de Comércio de Armas, a presidente ajudaria a evitar a tragédia dos 56 mil homicídios que tivemos no ano passado, 70% dos quais por arma de fogo.

Ao abraçar as normas internacionais de direitos sexuais e reprodutivos, o governo ajudaria a lidar de maneira inteligente com o milhão de abortos clandestinos por ano que matam uma cidadã brasileira a cada dois dias.

Se fizesse essas coisas, a presidente reeleita mandaria um sinal contra a desfaçatez.

Há poucas semanas, a ONU soltou um relatório alarmante sobre nosso sistema prisional, confirmado pouco depois pelo Ipea. O Brasil tem meio milhão de pessoas na prisão, sendo que 40% delas nunca foram julgadas. É um horror de proporções dantescas.

Quando a ONU apresentou o relatório, o governo viveu um dos capítulos mais penosos da política externa da Nova República.

Em Genebra, nossa diplomacia tomou a palavra para criticar o texto naquele burocratês bolorento herdado do regime militar. Nenhuma resposta foi dada, nenhum seguimento foi prometido. Quem paga, claro, é o cidadão.

Neste segundo mandato, a presidente tem a chance de repetir o "Nunca Mais".

10 Dec 20:23

Como a queda no preço do petróleo pode ajudar a Arábia Saudita?

by gustavochacra

O preço do barril de petróleo não para de despencar nos últimos meses. De cerca de US$ 110 em junho, caiu para praticamente US$ 60 nesta semana. A OPEP, porém, ao contrário de outras ocasiões de queda abrupta no valor do petróleo, optou por não cortar a produção com o objetivo de voltar a elevar o preço. Isso se deve a dois principais motivos.

Primeiro, a Arábia Saudita, que lidera a OPEP, sabe que o problema de queda no preço de petróleo desta vez envolve tanto a redução na demanda por desaceleração da economia mundial, assim como em 2009, como também por um aumento na oferta. Este crescimento na quantidade petróleo colocado no mercado se deve a avanços na técnica de prospecção chamada fracking nos EUA, aumentando a produção americana.

Este novo cenário reduziu o poder de fogo da OPEP. Mas os sauditas e seus aliados sabem que, se o preço do barril cair mais, será cada vez mais inviável o investimento em fracking nos EUA porque ficará caro demais. Empresas quebrarão ou diminuirão os investimentos. E os sauditas e a OPEP como um todo, por não terem necessidade de técnicas tão caras de prospecção em seus territórios, perderiam dinheiro no curto prazo, mas ganhariam no longo ao ver o enfraquecimento de seus rivais nos EUA.

O segundo motivo de a Arábia Saudita não ver problemas na queda do preço do petróleo está no enfraquecimento do Irã. Sem dúvida os cofres sauditas perderão dinheiro, mas menos do que os iranianos que enfrentam sanções e precisam vender o seu petróleo a um preço ainda mais baixo do que o do mercado. E, como sabemos, os iranianos são os principais rivais geopolíticos dos sauditas.

Não sei como faz para publicar comentários. Portanto pediria que comentem no meu Facebook (Guga Chacra)  e no Twitter (@gugachacra), aberto para seguidores

Guga Chacra, comentarista de política internacional do Estadão e do programa Globo News Em Pauta em Nova York, é mestre em Relações Internacionais pela Universidade Columbia. Já foi correspondente do jornal O Estado de S. Paulo no Oriente Médio e em NY. No passado, trabalhou como correspondente da Folha em Buenos Aires

Comentários islamofóbicos, antissemitas, anticristãos e antiárabes ou que coloquem um povo ou uma religião como superiores não serão publicados. Tampouco são permitidos ataques entre leitores ou contra o blogueiro. Pessoas que insistirem em ataques pessoais não terão mais seus comentários publicados. Não é permitido postar vídeo. Todos os posts devem ter relação com algum dos temas acima. O blog está aberto a discussões educadas e com pontos de vista diferentes. Os comentários dos leitores não refletem a opinião do jornalista

Acompanhe também meus comentários no Globo News Em Pauta, na Rádio Estadão, na TV Estadão, no Estadão Noite no tablet, no Twitter @gugachacra , no Facebook Guga Chacra (me adicionem como seguidor), no Instagram e no Google Plus. 

09 Dec 18:39

The story of Grace Hopper (aka Amazing Grace)

amazing grace-00
amazing grace-01
amazing grace-02
amazing grace-03

I’m a big fan of Grace Hopper and I wanted to pay tribute to this rarely recognized pioneer. She always fought the status quo and the people that love to say “We’ve always done it this way”.

I hope you find her story, illustrated in this comic, as motivating as I do.

This comic was originally published here.

The post The story of Grace Hopper (aka Amazing Grace) appeared first on Stanley Colors.

09 Dec 23:19

Advent, your time.

by boulet
10 Dec 08:53

12/10/14 PHD comic: 'Bacteria Power'

Piled Higher & Deeper by Jorge Cham
www.phdcomics.com
Click on the title below to read the comic
title: "Bacteria Power" - originally published 12/10/2014

For the latest news in PHD Comics, CLICK HERE!

10 Dec 17:00

Photo



05 Dec 18:30

poopjokesanonymous: who is this person



















poopjokesanonymous:

who is this person

27 Nov 03:31

Alfred L. Yarbus "Eye tracking is the process of measuring...

















Alfred L. Yarbus

"Eye tracking is the process of measuring either the point of gaze (where one is looking) or the motion of an eye relative to the head.

In the 1950s, Alfred L. Yarbus did important eye tracking research and his 1967 book is often quoted.

He showed that the task given to a subject has a very large influence on the subject’s eye movement. He also wrote about the relation between fixations and interest:

All the records…show conclusively that the character of the eye movement is either completely independent of or only very slightly dependent on the material of the picture and how it was made, provided that it is flat or nearly flat. 

The cyclical pattern in the examination of pictures is dependent not only on what is shown on the picture, but also on the problem facing the observer and the information that he hopes to gain from the picture. Records of eye movements show that the observer’s attention is usually held only by certain elements of the picture…

Eye movement reflects the human thought processes; so the observer’s thought may be followed to some extent from records of eye movement (the thought accompanying the examination of the particular object). It is easy to determine from these records which elements attract the observer’s eye (and, consequently, his thought), in what order, and how often.

The observer’s attention is frequently drawn to elements which do not give important information but which, in his opinion, may do so.

Often an observer will focus his attention on elements that are unusual in the particular circumstances, unfamiliar, incomprehensible, and so on. 

…When changing its points of fixation, the observer’s eye repeatedly returns to the same elements of the picture. Additional time spent on perception is not used to examine the secondary elements, but to reexamine the most important elements.

09 Dec 23:00

How to Release an Ancient Evil (rerun)

by Scott Meyer

Just a quick reminder that for the entire month of December my novels, Off to Be the Wizard and Spell or High Water are on sale over at Amazon US. The Kindle editions are $2.00 and the paper versions are only $9.50.

As always, thanks for using my Amazon Affiliate links (USUKCanada).

10 Dec 08:01

Don’t Believe

by Doug
06 Dec 15:19

A little British humour to smile-start my Saturday.



A little British humour to smile-start my Saturday.

06 Dec 23:00

allthewaytomygrave: Christmas plans sorted…



allthewaytomygrave:

Christmas plans sorted…

05 Dec 16:31

Oh, this guy is deadly.  When he compares our cops to South...





















Oh, this guy is deadly.  When he compares our cops to South Africa’s—I just want to pull a paper bag over my head.  I’m going to Denmark next year.  Maybe I’ll tell people I’m from Canada.

19 Nov 19:31

A New Kind Of Internet Is Coming And It’s Quantum-Encrypted

by Prachi Gupta
A New Kind Of Internet Is Coming And It's Quantum-Encrypted

While the FCC continues to debate net-neutrality regulations, scientists in China and America are quietly creating a new kind of internet, encyrpted by bursts of light instead of the standard long string of numbers.

Revelations gleaned from the NSA leaks by Edward Snowden showed that even the largest tech companies with the best security were vulnerable to having all of their communications over the web intercepted. The problem with the current setup is that all the NSA has to do is physically tap into a direct link from one of their servers and catch the decryption key the company uses for secure communication. If what’s known as quantum-encryption were used, then a potential victim would know someone’s listening before ever sending a message.

The research and development company Battelle is currently building out a nationwide quantum network that would stretch from Boston to Georgia, eventually reaching all the way to California. A similar project is already under way in China, spanning from Shanghai to Beijing. They’re the first networks of their kind, using the essential qualities of light to protect messages in transit.

This is how it works:

The new networks are designed to solve one of cryptography’s most persistent problems: how to distribute encryption keys. A long enough key can provide mathematically unbreakable encryption (known as a one-time pad), but if the key is ever intercepted, the attacker will be able to access everything. As a result, most modern encryption tools have given up on secure distribution entirely, splitting the key into a public key for encoding and a non-distributed private key for decoding. That allows for easier encryption, but it also limits the length of the key, making the system more vulnerable to brute-force attacks.

Quantum networks take a different approach, using long keys that are distributed across the network as bursts of light. To establish a key, one party generates random signal and the other listens in: whatever comes out of the network is the new encryption key. But what if someone else is listening in? To protect against interception, the network relies on the observer effect — the principle that light can’t be intercepted without altering the signal itself. For cryptography purposes, that means that if you’re using the right protocols, you can ensure no one else is on the line before you transmit the key. If everything goes right, it would mean a perfect encryption system, fueled by big, random keys that are impossible to intercept.

China has taken a giant leap in this area by building a a quantum backbone that’s more than 1,200 miles long, while America has little fiber infrastructure in place. Chip Eliot, a top scientist working on America’s quantum expansion, tells the Verge, “In practical terms, China’s way ahead.”

Complicating things further, a secure network would require relay points every sixty miles, opening up more possibilities for a compromised system. For any encryption communication that travels over sixty miles Eliot says, “If you’re really paranoid, you start to think…how do I know that they’re doing what I think they’re doing?” But Eliot says it’s still increases security to the point that it’s worth it, “You have to ask yourself why the Chinese want to do this.”

(Photo: Wikipedia)

The post A New Kind Of Internet Is Coming And It’s Quantum-Encrypted appeared first on ANIMAL.

05 Dec 15:50

Por que há mais abortos no Brasil do que nos EUA, onde é legalizado?

by gustavochacra

Os EUA, onde o aborto é legalizado, há 730 mil por ano. Isso em uma população de 320 milhões. No Brasil, onde o aborto é ilegal, foram 850 mil em uma população de 200 milhões. Isto é, nos EUA há um aborto para cada 438 habitantes. No Brasil, um para cada 235. A taxa de aborto no Brasil é quase o dobro da taxa dos EUA, apesar de a prática ser proibida no território brasileiro e legalizada no americano.

Apenas para ter o contexto, os Estados Unidos legalizaram o aborto em 1973 em uma decisão da Suprema Corte chamada Roe x Wade. No ano da implementação, a taxa de abortos para cada mulher entre 15 e 44 anos era de 16,3% por ano. No início dos anos 1980, atingiu 29,3%. Em 2011, último ano com estatística, estava em 16,9% em uma movimento de redução contínua em quase três décadas depois do aumento inicial pós legalização.

A The Atlantic, uma das publicações mais respeitadas dos EUA, avalia que isso se deva a dois fatores – primeiro, embora a maioria da população americana seja a favor do direito ao aborto, a maior parte dela acha a ação moralmente errada. Isto é, as pessoas são a favor do direito, mas não do aborto. Quem quiser fazer faça. Em segundo lugar, a pressão para o casamento de jovens em uma gravidez diminuiu em relação aos anos 1970, sendo mais aceito uma mãe solteira no sociedade americana.

Já o Brasil segue sem debater este tema de saúde pública, com mulheres realizando abortos em clínicas clandestinas, enquanto nos EUA podem fazer com segurança em hospitais. Qual a posição de Dilma Rousseff? De Aécio Neves? De Marina Silva? Ninguém quer obrigar ninguém a abortar. Apenas quer que as pessoas tenham direito. E o direito ao aborto, como vemos nos EUA, não implica necessariamente no aumento do número de abortos.

Não sei como faz para publicar comentários. Portanto pediria que comentem no meu Facebook (Guga Chacra)  e no Twitter (@gugachacra), aberto para seguidores

Guga Chacra, comentarista de política internacional do Estadão e do programa Globo News Em Pauta em Nova York, é mestre em Relações Internacionais pela Universidade Columbia. Já foi correspondente do jornal O Estado de S. Paulo no Oriente Médio e em NY. No passado, trabalhou como correspondente da Folha em Buenos Aires

Comentários islamofóbicos, antissemitas, anticristãos e antiárabes ou que coloquem um povo ou uma religião como superiores não serão publicados. Tampouco são permitidos ataques entre leitores ou contra o blogueiro. Pessoas que insistirem em ataques pessoais não terão mais seus comentários publicados. Não é permitido postar vídeo. Todos os posts devem ter relação com algum dos temas acima. O blog está aberto a discussões educadas e com pontos de vista diferentes. Os comentários dos leitores não refletem a opinião do jornalista

Acompanhe também meus comentários no Globo News Em Pauta, na Rádio Estadão, na TV Estadão, no Estadão Noite no tablet, no Twitter @gugachacra , no Facebook Guga Chacra (me adicionem como seguidor), no Instagram e no Google Plus. 

06 Dec 03:14

Survival Strategies for Purchasing a Soft Drink

06 Dec 17:00

Asked my wife to get more magnets for the fridge with no...



Asked my wife to get more magnets for the fridge with no restrictions on what kind - Imgur

09 Dec 17:00

tastefullyoffensive: Life and Donuts by Pablo Stanley















tastefullyoffensive:

Life and Donuts by Pablo Stanley

09 Dec 21:00

allcreatures: A whale shark sucks small fish out of a...



allcreatures:

A whale shark sucks small fish out of a fisherman’s net in Indonesia’s Cendrawasih Bay National Marine Park. The unique behaviour was filmed after the sharks were innovatively radio tagged, enabling the conservationists to pin point their location in the sea.

Picture: CONSERVATION INTERNATIONAL / MARK ERDMANN / AFP/GettyImages (via Pictures of the day: 18 July 2012 - Telegraph)

08 Dec 16:19

Por que o Uruguai recebeu 6 ex-prisioneiros de Guantánamo?

by gustavochacra

Por que os prisioneiros de Guantánamo foram libertados?

Os seis integram um grupo de prisioneiros que foram presos por suspeita de ligação com a Al Qaeda. Mas, após uma década de prisão, não há provas existentes desta ligação para eles serem levados para julgamento. Basicamente, são inocentes. Alguns ficaram meses em greve de fome e foram forçados a se alimentar

Apenas estes prisioneiros foram libertados?

Não, há muitos outros que vêm sendo libertados. Mas, até outubro, apenas um havia sido solto neste ano. Em novembro, porém, o processo se acelerou e 13 já foram transferidos para outros países

 Por que estes seis irão para o Uruguai?

Os EUA vêm negociando com uma série de países o envio dos prisioneiros. Alguns aceitam em troca de dinheiro. Já o presidente do Uruguai, José Mujica, optou por dar abrigo a estes seis por questões de valores pessoais. Ex-guerrilheiro, ele foi prisioneiro político por 14 anos (uma década em solitária) e quer dar uma chance aos libertados, que não são terroristas, de terem uma nova vida. O presidente eleito do Uruguai, Oscar Tabaré Vazquez, concordou. O  Uruguai não receberá dinheiro em troca de abrigar os ex-prisioneiros

 Como será a vida deles no Uruguai?

Ao contrário de outros países do Mercosul, como o Brasil, Paraguai e Argentina, o Uruguai tem uma minúscula população de origem islâmica, que é a religião dos prisioneiros, calculada em cerca de 300. Sequer há mesquita no país – como comparação, a Argentina teve até um presidente de origem muçulmana, Carlos Menem. Mas o Uruguai recebeu algumas dezenas de refugiados da guerra da Síria. Dos seis libertados, quatro são sírios, um palestino e um tunisiano. Eles terão o direito de deixar o país se quiserem e, claro, se algum destino os aceitar. E poderão se reunificar com as suas famílias. Neste momento, estão em um hospital de Montevidéu

Há outros prisioneiros que podem ser libertados de Guantánamo?

Sim, de 136 detentos, há 67 nas mesmas condições dos prisioneiros que foram para o Uruguai. O problema é negociar um destino para eles. Os EUA dizem estar em conversações com o Brasil, Chile e Colômbia

Obama não prometeu fechar Guantánamo?

Sim, mas ele enfrenta obstáculos burocráticos no Congresso para transferir os 69 prisioneiros que ainda enfrentam processos por terrorismo. Alguns nos EUA não querem que envolvidos em terrorismo fiquem detidos no país, embora haja acusados de ataques terroristas, como o da maratona de Boston e a tentativa de explodir um avião em Detroit, presos no país

09 Dec 11:45

Esperando Levy…

by João Villaverde

Se a vida imitasse o teatro, certamente Brasília, hoje, seria uma peça de Samuel Beckett. Uma não, mas duas peças de Beckett em uma só. Este ocaso do primeiro governo Dilma Rousseff está um misto de “Esperando Godot” com “Dias Felizes”.

 

Na primeira, dois amigos passam a primeira parte do texto dialogando sobre seus usos e costumes, enquanto aguardam a chegada de Godot. Outras duas personagens chegam na segunda e derradeira parte e os quatro falam, esperando Godot, que nunca chega. A segunda peça é mais simples e seca: há basicamente uma personagem, Winnie, que estabelece um monólogo da felicidade em tempos sombrios. No início de “Dias Felizes”, Winnie está imobilizada até a cintura por um monte de areia, no meio do deserto. No final da peça, Winnie está tomada até a cabeça. Ao longo do texto, ela fala dos dias de seu passado e ela parece não se importar com sua condição presente.

 

 

Por um lado, toda a enorme estrutura do mais importante ministério do governo federal, o Ministério da Fazenda, está em suspense. O atual ministro Guido Mantega está no cargo há 8 anos, 8 meses e 12 dias. Esta é a segunda maior permanência na Pasta desde que a Fazenda foi criada, em julho de 1808, por Dom João VI. Não é trivial a saída de Mantega. Então há uma expectativa muito grande nos corredores do ministério, como constatou o blog, quanto a chegada de Joaquim Levy, o economista que substituirá Mantega.

 

Desde que o nome de Levy foi confirmado por fontes oficiais do Palácio do Planalto, há 20 dias, a expectativa se criou. Levy já foi até anunciado pela presidente Dilma Rousseff, em cerimônia no Planalto, na semana passada. Ele está despachando do terceiro andar da sede da Presidência, em uma sala próxima a da presidente. A espera por Levy é grande principalmente no mercado financeiro. Todos aguardam, mas ele parece nunca chegar.

 

Também é grande a expectativa pela chegada de Nelson Barbosa no Ministério do Planejamento. Depois de passar 10 anos no governo do PT, entre 2003 e 2013, onde cresceu – chegou como secretário de Mantega quando este assumiu o Planejamento e saiu como secretário-executivo do Ministério da Fazenda -, Barbosa saiu um tanto chamuscado da gestão Dilma. Em 2012, em diversas ocasiões, Barbosa batera de frente com o secretário do Tesouro Nacional, Arno Augustin, seu desafeto declarado. Barbosa e Augustin discordavam de tudo. No fim daquele ano, Barbosa perdeu uma disputa interna, como já contamos aqui. Seu projeto de redução da conta de luz foi deixado de lado, e a visão de Augustin saiu predominante. Após sua saída do governo, em maio de 2013, Barbosa foi para a FGV e, para muitos, estava acabado.

 

Visto como o “desenvolvimentista menos ruim” pelo mercado e como “o mais brilhante da nova geração” pelos economistas de escolas conceituadas como UFRJ, Unicamp, USP, PUC-SP e FGV-SP, Barbosa acabou ganhando força para voltar por cima depois que Dilma definiu que, na Fazenda, colocaria um economista de corte mais liberal. Definido Levy, cuja corrente de pensamento é diametralmente oposta àquela de Mantega, Mercadante, Augustin e Luciano Coutinho (os nomes fortes atuais), restou dar a Barbosa o Planejamento para equilibrar o jogo interno da máquina. Em seu discurso na semana passada, Barbosa demonstrou ambição: disse que cuidará não apenas do Orçamento e do PAC, mas também da coordenação do programa Minha Casa, Minha Vida (por ele criado, aliás, em 2009), e das concessões ao setor privado.

 

Todos em Brasília estão esperando Levy, esperando Barbosa… para matar a ansiedade e descobrir se, afinal, o quadro atual vai mesmo mudar.

 

De seu gabinete no quinto andar do Ministério da Fazenda, o ainda ministro Guido Mantega tem aguardado também. Seu desejo declarado era o de encerrar sua passagem pela Fazenda após a viagem para a reunião do G-20, no início de novembro, antes da definição dos nomes de Levy e Barbosa. A pedido da presidente Dilma, ele permaneceu. Depois, quando o nome de Levy foi confirmado, mas não anunciado, Mantega preparou tudo para sair no mesmo dia. Novamente, um pedido da presidente fez com que ele aguardasse mais um pouco. Foi homenageado na cerimônia de anúncio oficial dos novos ministros, mas continua na Pasta.

 

Como Mantega vai ficando, a chance de bater um recorde que perdura por 198 anos vai ficando real. Sabe o leitor aqui que para isso, basta a ele permanecer na Fazenda até o dia 16 de janeiro de 2015.

 

Com isso, o ministro que assumiu a pasta mais importante do governo ainda no primeiro mandato do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que esteve à frente da política econômica durante o combate à explosão da crise mundial (entre o fim de 2008 e o início de 2009), que entregou o crescimento recorde do PIB (de 7,5% em 2010), e que foi o mais importante ministro durante todo o primeiro mandato da presidente Dilma Rousseff tem passado os dias assim: preparando sua saída e relembrando os diversos momentos vividos na Fazenda.

 

Mantega sai em um momento ruim, muito distinto daquele que ele liderou nos dias felizes entre 2006 e 2011. O PIB passou por uma recessão técnica no primeiro semestre deste ano e caminha para registrar um crescimento medíocre em 2014, algo entre zero e 0,3%. Além disso, a inflação está acima do teto de 6,5% estabelecido pelo Banco Central. Para finalizar, os investimentos estão em queda e o saldo comercial é deficitário pela primeira vez em 15 anos. Os 35 pacotes com medidas anunciados pelo governo Dilma não surtiram o efeito desejado. Além disso, as contas públicas passam por seu momento de maior descrédito, além de estarem sob investigação do Ministério Público Federal (MPF) e do Tribunal de Contas da União (TCU).

 

A missão da nova equipe econômica é complexa e os ensaios dados durante as eleições precisam ser colocados na prática. Há pelo menos 12 problemas urgentes que precisam ser resolvidos desde já. A expectativa é que a peça que veremos ser encenada em Brasília a partir de 2015 não seja nem uma comédia ou uma tragédia, mas sim um drama de final feliz.

 

A conferir.

 

****

Em tempo: uma das mais marcantes interpretações que assisti foi de Norma Bengell vivendo Winnie, em “Dias Felizes”, no Sesc Ipiranga, em São Paulo. Foi no início de 2010, se não me falha a memória. Norma faleceu em outubro do ano passado e teve uma vida absolutamente conturbada, tendo sua melhor fase – seus dias felizes – justamente na saída da adolescência, quando protagonizou o clássico “Os Cafajestes”, filmado por Ruy Guerra em 1962. A peça de Beckett, em 2010, era quase um renascimento artístico para ela. Para este blog, certamente foi.

06 Dec 05:00

December 06, 2014


BAHFest is BACK! Here is the Keynote Lecture, by Matt Inman of The Oatmeal, for BAHFest West 2014. (mildly NSFW)

07 Dec 23:00

How to Get Inside Someone Else's Head

by Scott Meyer

Just a quick reminder that for the entire month of December my novels, Off to Be the Wizard and Spell or High Water are on sale over at Amazon US. The Kindle editions are $2.00 and the paper versions are only $9.50.

As always, thanks for using my Amazon Affiliate links (USUKCanada).

08 Dec 12:43

Só os mais selvagens

by ricardo coimbra
Adam Victor Brandizzi

No caixa eletrônico, mas especificamente.

Tira que sai na edição de dezembro (#89) da Revista da Cultura
Clique na imagem para aumentar
08 Dec 08:00

The Beautiful Painting

by Doug
08 Dec 07:00

Candyland and the Nature of the Absurd




Sartre and Camus told everyone that their falling out was over politics, but really it was mostly over Sartre evoking
10 Apr 17:47

Mayday! Mayday!

by Joe

CHAMEM O RESGATE, A GUARDA COSTEIRA, UM GUINDASTE, PRECISAMOS DE AJUDA AQUI!