Shared posts

26 Feb 18:27

Josh Berkus: Why you might need statement_cost_limit

Here's a commonplace ops crisis: the developers push a new dashboard display widget for user homepages on your application.  This seems to work fine with in testing, and they push it out to production ... not realizing that for some large subset of users dissimilar from your tests, the generated query triggers a sequential scan on the second-largest table in the database.   Suddenly your database servers are paralyzed with load, and you have to shut down the whole site and back out the changes.

Wouldn't it be nice if you could just tell the database server "don't run expensive queries for the 'web' user"?  Well, thanks to my colleague Andrew Dunstan, who wrote plan_filter with support from Twitch.TV, now you can.

Sort of.  Let me explain.

PostgreSQL has had statement_timeout for a while, which can be set on a per-user basis (or other places) to prevent application errors from running queries for hours.  However, this doesn't really solve the "overload" issue, because the query runs for that length of time, gobbling resources until it's terminated.  What you really want to do is return an error immediately if a query is going to be too costly.

plan_filter is a loadable module which allows you to set a limit on the cost of queries you can execute.  It works, as far as we know, with all versions of Postgres starting at 9.0 (we've tested 9.1, 9.3 and 9.4). 

Let me show you.  First, you have to load the module in postgresql.conf:

    shared_preload_libraries = 'plan_filter'

Then you alter the "web" user to have a strict limit:

    ALTER USER web SET plan_filter.statement_cost_limit = 200000.0

Then try some brain-dead query as that user, like a blanket select from the 100m-row "edges" graph table:

    \c - web
    SELECT * FROM edges;

    STATEMENT:  select * from edges;
    ERROR:  plan cost limit exceeded
    HINT:  The plan for your query shows that it would probably
    have an excessive run time. This may be due to a logic error
    in the SQL, or it maybe just a very costly query. Rewrite 
    your query or increase the configuration parameter
    "plan_filter.statement_cost_limit".

Obviously, your application needs to handle this error gracefully, especially since you'll likely get it for hundreds or thousands of queries at once if you're sending bad queries due to a code change. But a bunch of errors is definitely better than having to restart your whole app cluster.   It's comparatively easy to just display a broken widget icon.

So why did I say "sort of", and why aren't we submitting this as a feature for PostgreSQL 9.5?

Well, there's some issues with limiting by plan cost.  The first is that if you can't run the query due to the cost limit, you also can't run an EXPLAIN to see why the query is so costly in the first place.  You'd need to set plan_filter.statement_cost_limit = 0 in your session to get the plan.

The second, and much bigger, issue is that plan cost estimates are just that: estimates.  They don't necessarily accurately show how long the query is actually going to take.  Also, unless you do a lot of cost tuning, costs do not necessarily consistently scale between very different queries.   Worst of all, some types of queries, especially those with LIMIT clauses, can return a cost in the plan which is much higher than the real cost because the planner expects to abort the query early.

So you're looking at a strong potential for false positives with statement_cost_limit.  This means that you need to both set the limit very high (like 5000000) and work your way down, and test this on your staging cluster to make sure that you're not bouncing lots of legitimate queries.  Overall, statement_cost_limit is mainly only useful to DBAs who know their query workloads really well.

That means it's not ready for core Postgres (assuming it ever is).  Fortunately, PostgreSQL is extensible so you can use it right now while you wait for it to eventually become a feature, or to be supplanted by a better mechanism of resource control.

23 Feb 22:58

The Effect of Reader-Friendly Design Choices

by J. Mark Bertrand

“I’ve read what you said about Bibles being designed like dictionaries,” writes Bradford Taliaferro. “Now that I have this Bible — I get it! Reading the Bible doesn’t seem like work anymore.”

Bradford’s reaction echoes sentiments I hear all the time. People accustomed to the old dictionary-style layout of Scripture are surprised what a big difference seemingly minor changes like paragraphed text and a single-column layout make to the reading experience. The Bible that revolutionized Bradford’s reading wasn’t the radically sparse ESV Reader’s Bible. No, it was the Cambridge Clarion NASB. The Clarion is still a reference edition with chapter-and-verse numbers and cross references, and while the proportions are elegantly balanced, no one is going to mistake it for a large print Bible. Still, the single-column, paragraphed design transformed the experience: Reading the Bible doesn’t seem like work anymore.

Mark Strobel shared a similar story with me. His eleven-year-old son Max started using a single column Crossway Legacy ESV in his Christian Studies class. One night, with the Legacy still at school, Max had to do some reading in a double column thinline. Without any prompting from Dad, he volunteered these observations: “I like my new Bible [the Legacy] because it’s more like reading a book and there’s nothing that gets in the way of what I’m reading. I also like the paper better than this one. It’s thicker.”

“For Max, this is all about reader intuition,” Mark explained. “We haven’t had any conversations about book design and, as far as I know, he isn’t reading your blog under his pillow at night.”

KJVvsNEB1

The debate is far from new, as these mid-20th century examples show. The Oxford NEB (left) is a single-column, paragraphed edition, while the Eyre & Spottiswoode Royal Sovereign KJV is as old school as its name suggests.

Of course, for all the benefits of reader-friendly design, the fact is, there people who end up preferring the traditional two-column approach. Jason Engel, whose kindness facilitated our glimpse at the St. John’s Bible, was surprised when his time with the ESV Reader’s Bible didn’t end as expected:

I was really excited to try the ESV Readers Edition, and committed to a month to give it a work-out. About 2 weeks in, I wanted to give up on it, but felt constrained by my personal commitment. At the end of the month, I put it away and haven’t touched it since. It felt really uncomfortable reading from it. I was so relieved to get back into a double-column Bible with chapter/verse numbers and footnotes. Honestly, that response really surprised me.

Jason wasn’t skeptical about reader-friendly design. He was excited to try it. Unlike Bradford and Max, though, the experience didn’t pan out.

The thing is, reader-friendly design doesn’t begin and end with setting text in a single column. Setting text in one column doesn’t automatically make it reader-friendly, and choosing two columns doesn’t ensure unreadability, either. Two-column settings can be reader friendly. Just look at the Schuyler Quentel: by moving the cross-references to the bottom of the page and working hard to find a good ratio between column width and the number of words per line, the team at 2K/Denmark has delivered a very readable two-column reference edition. The text setting of the NIV Proclamation Bible (which I’ll be writing about soon), a favorite layout of mine over the years executed by Blue Heron Bookcraft, is a little more traditional but still congenial for reading. I wouldn’t describe either of these as “reader’s editions” in the purest sense, but they balance the twin objectives of reading and reference in a way that prevents the latter from undermining the former.

Design is a complex process where many different variables must be balanced. There is as much art to it as there is science, and with art you can break all the rules and succeed, just as you can keep them all and fail. At the simplest level, I believe that by designing Bibles to look like the kind of books we read rather than the ones we look things up in, the net effect will be a better reading experience. The intuitive response of readers like Max convinces me this is so. That’s why I’m passionate about the need for pure reader’s editions. We have only scratched the surface where such Bibles are concerned.

But reading isn’t a specialist pursuit. Every book must be as readable as possible, which means traditional reference Bibles can become much more conducive to immersive reading without sacrificing their reference function. The point is, if you’re looking for encouraging signs on the readability front, you can’t limit yourself only to novel-like text editions (as much as I love them). We are actually seeing gains in a variety of formats, single and double column, and while we have a long way to go before the prevailing culture shifts, the effect of reader-friendly design choices is being felt across the board.

The post The Effect of Reader-Friendly Design Choices appeared first on Bible Design Blog.

13 Feb 18:50

http://feedproxy.google.com/~r/EduardoMacan/~3/76M98p-0gzk/

by Eduardo Maçan
L

Boa.

Bloomberg: "Dilma É a crise brasileira"

Rousseff Is Brazil's Crisis

Brazil's president doesn't have many fans right now.

12 Feb 13:13

Why Jews are Good at Money (Crossposted from Asia Times)

by David P. Goldman

Why Jews are good at money
By Spengler

Anti-Semites claim that Jews are habitually greedy, or even that they stand at the center of a global conspiracy – a caricature later applied to Chinese in the person of Sax Rohmer’s fictional Fu Manchu. But the fact is that Jews historically have been good at money. The Chinese make a great deal of this ability. The English journalist Clarissa Sebag-Montefiore noted this interest inThe New York Times:

“Most Chinese will think Jews are smart, clever or good at making money, and that they have achieved a great deal,” Professor Xu Xin, director of the Institute of Jewish Studies at Nanjing University (one of over half a dozen centers in
China dedicated to studying Judaism) told me …

“Revelations of Jewish People’s Wisdom,” an account on China’s largest microblog site, Sina Weibo, has nearly one-and-a-half-million fans. Its revelations include: “Make a fortune under adverse circumstances.” This logic – that the Jews are admired for their success despite their small numbers and historical oppression – has also led to a burgeoning industry of self-help books that use Jewish culture and the Talmud to preach business tips.

This sort of praise makes Jews uncomfortable, given the ugly history of European Jew-hatred. It shouldn’t. Chinese admiration of Jewish business skills carries no stigma. On the contrary: it begs an explanation.

Jews have a talent for finance, and several reasons are cited for it. During the Middle Ages Jews lent money when the Church forbade usury. Jews were outsiders, often forbidden to own land, who had to develop other means of making a living. In his 2010 book Capitalism and the Jews, Jerry Z. Muller observes that Jews had a towering advantage in international trade during the Middle Ages because they had international law: a judgment issued by a rabbinical court in Yemen would be valid for Jewish merchants on the Rhine.

Something more fundamental,though, explains Jewish success in finance. Like overseas Chinese in Asia or Greeks and Armenians in the old Levant, Jewish immigrants developed trading skills that became embedded in their culture and countless jokes (ask a Jewish first-grader to add two and two, and he’ll reply, “Is that buying or selling?”). But there is nothing uniquely Jewish about this. The same jokes are told about Greeks and Armenians.

Jews distinguished themselves in finance in an entirely different way during the Industrial Revolution. They played a central role in the new government debt markets that followed on the Napoleonic Wars and made a modern economy possible. Bankers like the Rothschild, Mendelssohn, Bleichroeder, Warburg and Seligman families pioneered the new capital markets. Bonds issued by European governments provided a secure long-term store of value, and set a precedent for financing the great projects of the era: railways, canals, and other infrastructure basic to modern industrial society. This was not the mercantile economy of the preceding two centuries, where the basic unit of capital was the bill of exchange in trade, but an industrial economy that required long-term investment to achieve lasting gains in productivity.

Something other than mere trading skills was required for an investment-driven economy, and that was long-term credit, a concept that derives from the Latin credere, “to believe”. It is not an exchange of one peasant’s eggs for another peasant’s barley, or Mexican silver for Chinese silk, but rather a commitment of the savings of whole populations to grand ventures that would pay interest because they drove growth.

Capital markets, moreover, create a kind of democracy. If the whole of society relies on the public debt as a store of value, the value all the savings of society is gauged directly or indirectly against the benchmark of public debt. But that also puts power in the hands of the market: the market has the power to tell the government whether it is doing well or badly, by selling or buying the public debt. It is not simply that the government creates a market that provides convenience and advantages to the people: it becomes dependent on the people’s faith in its policies. When that faith is shaken, as in southern Europe two years ago, and confidence flees the government debt market, the result can be catastrophic. Free capital markets require governments to win the faith of the people.

Capital markets require belief in the viability of investments, trust among counterparties, and faith in the future. It is fitting that Jews created capital markets, because the Jews invented faith. The secret of Jewish success in public finance is to be found in the Jewish encounter with the divine. The gods of the pagan world did not require faith. The gods simply were there, as much as the natural world which they personified. The “god-infested world” (Gilson) of the pagans was simply the natural world as it presented itself to man, with all its arbitrariness and cruelty. To the extent that gods demanded loyalty, it was in their capacity as the patrons of a particular policy protected by that god, for example, Athena in the case of Athens.

Nowhere in the pagan world, though, do we encounter a God who could instruct Abraham to leave his homeland and his father’s house, and betake himself to a place which God would later show him. Never do we meet a God who offers his laws (the Torah) to a people, as YHWH did at Mount Sinai, and ask that people’s free assent to accept these laws. In no other instance do we hear of a single, universal creator God who enters into a covenant of mutual obligations with humans. That is the origin of faith,emunah in Hebrew, meaning loyalty as well as belief. The Jewish concept of emunah implies not only that we conceive something to be true, but that we also must be steadfast in acting according to that truth.

That is the Jewish genius: to be able to inspire faith (or what is usually called “confidence” in markets) to make possible long-term investments in capital markets involving millions of participants. The investors in a bond or stock issue are not linked by ties of family or personal loyalty, but rather by contract, law and custom. Their obligations extend beyond the ancient loyalties of family and clan. That may seem obvious on first reflection. But most countries in the world lack functioning capital markets, because faith is absent. The public does not trust the government to enforce contracts, or the management of a company not to steal money. That is emphatically true in China, which is struggling to create modern capital markets rather than depend on state banks and shadow financing. In backward countries, trust is inconceivable outside the narrow circle of blood relations. Firms remain small because trust is restricted to family members.

That is what Chinese can learn from Jews about business. The Jews have no special aptitude for trading. But we have a special gift for promoting the rule of law and public and private institutions which promote credit, that is, faith in future outcomes and the fair treatment of market participants. In the absence of faith, there never will be enough lawyers to enforce contracts, or policemen to arrest embezzlers, or watchdogs to extirpate government corruption. Something more fundamental is required: a sense that the law is sacred, and if any of us breaks the public trust, all of us are damaged. Our rabbis of antiquity said, “All of Israel stands surety for each other.”

Adam Smith’s invisible hand isn’t enough. Capital markets require more than the interaction of self-interested individuals: they require a common sense of the sanctity of covenant, of mutual obligations between government and people, and between one individual and the next. That is why the United States of America is the most successful nation in economic history. It was founded by devout Christians who hoped to construct a new nation in emulation of ancient Israel.

Jews are no longer particularly prominent in banking, to be sure. Israelis are more interested in the frontiers of technology than in financial markets. The paranoid perception of a Jewish banking conspiracy has faded because so few of the old Jewish banking houses are still in business. The ones that remain, like Rothschild, have little influence. But the Jewish idea that contributed to modern banking remains as powerful as it was in the past. That should be of special interest to the Chinese.

Spengler is channeled by David P Goldman. He is Senior Fellow at the London Center for Policy Research and Associate Fellow at the Middle East ForumHis book How Civilizations Die (and why Islam is Dying, Too) was published by Regnery Press in September 2011. A volume of his essays on culture, religion and economics, It’s Not the End of the World – It’s Just the End of You, also appeared that fall, from Van Praag Press. 

(Copyright 2015 Asia Times Holdings Ltd. All rights reserved. Please contact us about sales, syndication and republishing.)

11 Feb 23:52

O PT agora tenta nos convencer de que é a grande vítima do esbulho a que foi submetida a Petrobras. Que gente!

by giinternet

O PT agora decidiu — e corro o risco de chegar às lágrimas antes mesmo de terminar meu post — que é a grande vítima da Operação Lava Jato. Numa resolução divulgada na sexta, o Diretório Nacional do Partido já acusou a existência de um grande complô da direita para desestabilizar Dilma e privatizar a Petrobras. Nesta quarta, Rui Falcão, presidente do partido, anunciou a disposição de processar Pedro Barusco em razão das acusações que fez.

Segundo o ex-gerente da Petrobras, que fez acordo de delação premiada, João Vaccari Neto, tesoureiro do PT, levou em propina entre US$ 150 milhões e US$ 200 milhões. “Nós vamos fazer uma interpelação cível e criminal contra esse bandido Pedro José Barusco Filho”, disse Falcão, na sede do diretório nacional do PT, em São Paulo. Segundo o petista, o mesmo acontecerá com qualquer outro que envolver o nome do partido sem provas. Entendi.

Não custa lembrar que acordos de delação premiada só trazem os benefícios esperados se o denunciante prova o que diz. O mais curioso é que, em outra frente, petistas tentam demonstrar que tudo começou — eles adoram isso! — no governo FHC. Em um dos depoimentos, Barusco afirmou que começou a receber propina em 1997.

Sob o comando de Falcão, o líder do PT na Câmara, o folclórico Sibá Machado (AC), e um grupo de deputados do partido entregaram nesta quarta à vice-procuradora-geral da República, Ela Wiecko, um pedido para que o Ministério Público investigue casos de corrupção e o pagamento de propina na Petrobras no período em que FHC era presidente (1994-2002). Diz o texto: “Causa surpresa e estupefação que, diante da extrema gravidade dos fatos relatados pelo declarante – que revelam a origem do pagamento de propinas na Petrobras – não tenha havido qualquer indagação nem aprofundamento pelos agentes de investigação”. Os deputados acusam ainda o MP de fazer uma “investigação dirigida e ilegal”, com fins “político-partidários”. Entendi: quando Barusco diz que Vaccari recebeu até US$ 200 milhões, é um bandido; quando fala que começou a receber propina em 1997, aí se torna uma pessoa confiável.

Não conheço ninguém que acredite que a corrupção na Petrobras começou com o governo do PT. É claro que não! O que é evidente é que ela se tornou um sistema nos governos petistas.

Na entrevista, Falcão ainda voltou à ladainha da suposta campanha golpista… No fim de 2005 e 2006, na esteira do mensalão, essa bobagem ainda colou. Hoje em dia, revela-se como aquilo que é e que sempre foi: uma pantomima grotesca.

Falcão deveria ser mais econômico em sua fúria planejada. Ele concedeu a entrevista antes que se divulgasse a notícia de que Ricardo Pessoa fez acordo de delação premiada. Vai saber o que sai dali, não é mesmo, Falcão?

11 Feb 23:07

Ricardo Pessoa, amigo de Lula e empresário que sugeriu que esquema financiou campanha de Dilma, faz acordo de delação premiada. Pode ser o homem-bomba

by giinternet

Ricardo Pessoa, dono da construtora baiana UTC e apontado pelo Ministério Público e pela Polícia Federal como coordenador de um suposto Clube das Empreiteiras, também fez acordo de delação premiada. Era a adesão mais aguardada ao procedimento. Não custa lembrar que, entre as testemunhas de defesa arroladas por Pessoa estão Jaques Wagner, ex-governador da Bahia e atual ministro da Defesa, José De Filippi Jr., ex-tesoureiro das campanhas de Lula e Dilma e atual secretário de Saúde da prefeitura de São Paulo, e Paulo Bernardo, ex-ministro das Comunicações.

Essas testemunhas poderiam sugerir que o empresário está pronto para a briga. Vamos ver se o acordo foi feito mediante concessões à linha de apuração do Ministério Público e da Polícia Federal. O MP quer emplacar a tese do cartel, coisa a que as empreiteiras resistem. O Planalto, obviamente, vê esse esforço com bons olhos porque, de algum modo, transforma a Petrobras e os políticos nos Chapeuzinhos Vermelhos do Lobo Mau. Vocês sabem o que eu penso dessa história: não há santos por ali, mas convenham: o que podia acontecer com os representantes do contratante de obras — a Petrobras — se uma empresa se negasse a pagar a propina? Resposta: nada! E o que podia acontecer com a empresa se não soltasse a grana? Bem, ela ficava fora do jogo — e não apenas do jogo que se jogava na estatal.

Ricardo Pessoa é amigo pessoal de Lula e conhece de perto o PT. Entre os empresários, foi quem chegou mais perto da política ao tratar da bandalheira. Consta que está revoltado. Em um manuscrito de sua autoria, revelado pela revista VEJA, o empresário deixa claro que o escândalo que veio à luz é de natureza política. Não se trata apenas de um conluio de empresas assaltando o erário. Nas entrelinhas, fica claro que o coordenador da festa é o PT. Tanto é assim que o autor afirma que o Edinho Silva, tesoureiro da campanha de Dilma, está “preocupadíssimo”.

Está escrito lá: “Edinho Silva está preocupadíssimo. Todas as empreiteiras acusadas de esquema criminoso da Operação Lava-Jato doaram para a campanha de Dilma. Será que falarão sobre vinculação campanha x obras da Petrobras?”. Segundo Pessoa, a bandalheira que passou pela diretoria de Paulo Roberto Costa é “fichinha” perto de outros negócios da Petrobras que também teriam servido à coleta de propina.

Pois é… Um réu só chama como testemunha de defesa indivíduos que ele acredita possam fazer depoimentos que lhe sejam favoráveis. Então juntemos as duas pontas: Pessoa deixa claro que o esquema de corrupção é muito maior do que aquele que se investiga até agora, diz que o tesoureiro da campanha de Dilma está preocupado e, em seguida, chama uma penca de petistas para falar em seu favor. A UTC, uma empreiteira baiana, chamou Jaques Wagner, ex-governador da… Bahia! Wagner é aquele que levou para seu governo José Sérgio Grabrielli, o baiano que presidiu a Petrobras durante o período da esbórnia.

Como já afirmei aqui, dois mais dois continuam a ser quatro mesmo no governo do PT. Segundo uma fonte que conhece bem a investigação, vamos ver se a coisa se confirma, o depoimento de Pessoa “arrebenta com o governo”. Ele está magoado. Desde que caiu em desgraça, Lula, seu amigão, o deixou de lado.

11 Feb 22:12

Empresário acusado de praticar extorsão e de intermediar propina de R$ 57,7 milhões faz acordo de delação premiada

by giinternet

Shinko Nakandakari, um dos 11 operadores investigados na 9ª fase da Lava-Jato, fez um acordo de delação premiada com o Ministério Público Federal. Segundo Pedro Barusco, ex-subordinado do petista Renato Duque, Nakandakari intermediou pelo menos R$ 57,7 milhões em propina, em valores atualizados. Esse sujeito é especialmente interessante no caso, vocês verão por quê.

Erton Medeiros Fonseca, executivo da Galvão Engenharia, que está preso, já admitiu que pagou, sim, propina à quadrilha que atuava na Petrobras. E um dos intermediários da roubalheira era, segundo ele, Nakandakari, que atuaria sob o comando de Duque. No dia 24 de novembro, os advogados de Fonseca entregaram à Justiça Federal do Paraná várias notas fiscais. Elas foram emitidas em favor da LFSN Consultoria e Engenharia, no valor de R$ 8,863 milhões, e teriam como finalidade pagar propina a políticos.

A LFSN é uma consultoria da qual Nakandakari e duas outras pessoas de sua família são sócias: Luís Fernando Sendai Nakandakari e Juliana Sendai Nakandakari. O endereço informado à Receita Federal é um apartamento num prédio residencial no bairro do Brooklin, na Zona Sul de São Paulo, que pertence a Luis Fernando. Medeiros Fonseca diz que era extorquido pelo homem que agora faz delação premiada.

Sabem o que impressiona? A ousadia da turma e a aposta na impunidade. Aqueles quase R$ 9 milhões em propina foram pagos entre 2010 e 2014, enquanto o processo do mensalão corria no Judiciário. Só isso? Não! A última nota fiscal é de 25 de junho de 2014, dois meses depois de deflagrada a Operação Lava Jato.

Nakandakari não é desconhecido da Polícia e da Justiça. Ele é um dos denunciados num processo de improbidade administrativa envolvendo a construtora Talude, que foi contratada pela Infraero para obras no aeroporto de Viracopos, em Campinas. O valor inicial do contrato, assinado em 2000, foi de R$ 13,892 milhões. Seis meses depois da assinatura, foi feito um aditivo de R$ 1,904 milhão. O segundo aditivo, de R$ 1,540 milhão, ocorreu em 2011. Para o Ministério Público Federal, não havia razões para firmar os aditivos, que tornaram a obra mais cara. O caso está na Justiça.

Ah, sim: é preciso tomar certos cuidados. As primeiras notícias que  vazaram na Internet nesta quarta vieram assim: “Ex-diretor da Odebrechet faz acordo de delação premiada”. Ele não é mais funcionário da empresa há 23 anos. Aí também não, né?

11 Feb 17:24

Golpismo uma ova! É só a Constituição. É só a lei!

by giinternet

A gritaria do PT — e não das oposições — sobre o impeachment de Dilma Rousseff busca apenas criar um cordão de isolamento em torno da presidente, como se ela fosse intocável, não importa o que aconteça. E ela não é. Porque ninguém é na República. No dia em que for, o regime passa a ser uma monarquia absolutista.

O impeachment está previsto na Constituição e disciplinado em lei. No texto constitucional, está nos artigos 85 e 86, a saber:
Art. 85. São crimes de responsabilidade os atos do Presidente da República que atentem contra a Constituição Federal e, especialmente, contra:
I – a existência da União;
II – o livre exercício do Poder Legislativo, do Poder Judiciário, do Ministério Público e dos Poderes constitucionais das unidades da Federação;
III – o exercício dos direitos políticos, individuais e sociais;
IV – a segurança interna do País;
V – a probidade na administração;
VI – a lei orçamentária;
VII – o cumprimento das leis e das decisões judiciais.

Parágrafo único. Esses crimes serão definidos em lei especial, que estabelecerá as normas de processo e julgamento.

Art. 86. Admitida a acusação contra o Presidente da República, por dois terços da Câmara dos Deputados, será ele submetido a julgamento perante o Supremo Tribunal Federal, nas infrações penais comuns, ou perante o Senado Federal, nos crimes de responsabilidade.
§ 1º – O Presidente ficará suspenso de suas funções:
I – nas infrações penais comuns, se recebida a denúncia ou queixa-crime pelo Supremo Tribunal Federal;
II – nos crimes de responsabilidade, após a instauração do processo pelo Senado Federal.
§ 2º – Se, decorrido o prazo de cento e oitenta dias, o julgamento não estiver concluído, cessará o afastamento do Presidente, sem prejuízo do regular prosseguimento do processo.
§ 3º – Enquanto não sobrevier sentença condenatória, nas infrações comuns, o Presidente da República não estará sujeito a prisão.
§ 4º – O Presidente da República, na vigência de seu mandato, não pode ser responsabilizado por atos estranhos ao exercício de suas funções.

Muito bem! O crime de responsabilidade está plenamente definido na Lei 1.079, que não foi criada para punir Dilma ou o PT. Ela é de 10 de abril de 1950.

Rende um bom debate saber se Dilma infringiu ou não ao menos dois dispositivos da Lei 1.079 no caso da Petrobras.
Estabelece o Inciso VII do Artigo 4º:
Art. 4º São crimes de responsabilidade os atos do Presidente da República que atentarem contra a Constituição Federal, e, especialmente, contra
VII – A guarda e o legal emprego dos dinheiros públicos.

Define a Alínea 5 do Artigo 11:
Art. 11. São crimes contra a guarda e legal emprego dos dinheiros públicos
5 – negligenciar a arrecadação das rendas impostos e taxas, bem como a conservação do patrimônio nacional.

Que Dilma tenha incorrido nos dois, isso me parece evidente. Se preciso, lembro de novo do vídeo em que ela vem a público, ainda ministra, para asseverar a excelência das contas da Petrobras e atacar a criação de uma CPI. Estávamos em 2009, e ela já era pré-candidata à Presidência. Depois disso, ela se tornou presidente. E as evidências de escândalo na Petrobras se acumulavam. Ela fez o quê? Nada!

Admitida a acusação, aí a bola fica com o Senado. Restará um debate imenso para saber se sua ação é culposa ou dolosa. Se dolosa, “causa finita est”, a menos que a República afunde com ela; se meramente culposa, há espaço estreito para a salvação.

É o que eu acho.

06 Feb 18:22

A generala em seu labirinto. Ninguém escreve à governanta. A incrível e triste história de Dilma Rousseff e do seu PT desalmado. Trinta e cinco anos de empulhação. Tempos de cólera. Que puta coisa triste! Relato de uma náufraga. Crônica de uma morte anunciada… Helôôô!!!

by giinternet
Val, uma mulher risca, pode ser agora a garota-propaganda das bombas da Petrobras

Val, uma mulher rica, pode ser agora a garota-propaganda das bombas da Petrobras. É o PT na era do socialismo socialite “que agrega”…

Fui parodiando ou listando títulos de livros do esquerdista Gabriel García Márquez, morto no ano passado. Foi-se o último comuna de butique alfabetizado. O escritor colombiano se tornou notável pelo chamado realismo mágico, que tanto encantou a crítica europeia. Sempre pareceu à intelectualidade do Velho Mundo que aquela soma de irracionalidade, sensualismo, violência e fetichismo era a cara da América espanhola. O Brasil, de herança portuguesa, fica um pouco fora desse registro.

Mas agora não mais. A escolha de Aldemir Bendine, que já chegou a ser um virtual demitido do Banco do Brasil há quatro meses, para presidir a Petrobras dá conta, a um só tempo, da estupidez política de Dilma, de sua solidão e, não é menos verdade, de seu espírito autoritário.

As ações da empresa despencaram. Aliás, Bendine é o grande seca-pimenteira de ações de estatais. Quando foi escolhido para o BB, os papéis do banco caíram mais de 8%. Enquanto escrevo, as da petroleira mergulharam mais 6% — isso depois de uma sequência de desastres.

Queriam o quê? Ele foi escolhido porque é petista. E só. É um agrado que Dilma faz a alguns setores do partido. É como se, à beira do abismo, a companheirada se agarrasse à estatal, deixando claro que, se afundar, leva a empresa junto.

A má notícia não vem desacompanhada. O “sócio controlador”, que é o governo, confirmou, entre outros, os seguintes nomes para o Conselho, uma verdadeira plêiade de patriotas: Guido Mantega, Maria das Graças Foster, Luciano Coutinho e Miriam Belchior. Ah, sim: Mantega preside. Vocês acham o quê? Exceção feita a Coutinho, cuja alma talvez possa se salvar depois de muita contrição, os outros têm uma bela história de incompetência e desastres em suas respectivas áreas de atuação.

Levy perde
Mais: a nomeação de Bendine deixa claro que Joaquim Levy, o ministro da Fazenda, está podendo bem menos do que supõem alguns nefelibatas. Está na cara que Dilma está jogando nos seus ombros a conta do ajuste recessivo da economia, fazendo com que encarne o demônio — e alguns liberais acham intelectualmente divertido esse papel —, mas não está disposta a dividir com ele aquilo que considera realmente importante.

Bendine não conseguiu explicar até hoje um empréstimo de R$ 2,7 milhões que o BB concedeu a Val Marchiori, a Valdirene,  amiga íntima do presidente. Ela chegou, aliás, a participar de eventos como contratada da área de marketing do banco — ou algo assim… Entendo! Se há uma figura no país que agasalha o trabalho duro e o empreendedorismo, é a Valdirene.

A moça não se fez de rogada e já tornou pública sua mensagem a seu amigo íntimo, onde se percebe até certo patriotismo jacobino: “Desejo sorte ao novo presidente da Petrobrás! Que ele consiga restabelecer a confiança de nós brasileiros na instituição com a qual hoje estamos decepcionados”. Mal posso esperar para ver Val, a mulher rica, segurando uma mangueira dos postos Petrobras, indicando que o Brasil mudou de fase, entrando na era do socialismo socialite.

É o outono do PT. Essa é a única boa notícia.

05 Feb 19:59

Imaging Resource test: Can the new Olympus E-M5II beat the Nikon 36MP resolution?

by 43rumors

Share

nikon-em5II

Image courtesy: Imaging Resource.

Imaging Resource tested the new Olympus E-M5II 40 megapixel “High resolution Shot” mode and compared it with the Nikon D810 36 MP images:

While the two images are fairly similar in most respects for overall sharpness and clarity, the one clear difference is the lack of moiré in the E-M5 II on the green label, where the D810 produces obvious moiré artifacts. The results at ISO 1600 are equally interesting, even here with in-camera JPEGS and default noise reduction settings. The shadow area at the top right tends to produce ISO noise in most cameras by this time, and while the D810 handles it about as good as most any camera we’ve tested, the E-M5 II also handles it surprisingly well and even produces slightly sharper results in the mosaic tile pattern.

With the obvious limitations (tripod needed, no moving objects) the Olympus 40MP “trick” really seems to work very well!

Preorders (if you preorder through those links you will support 43rumors…thanks!):
E-M5II in Black or Silver at Amazon, Adorama, BHphoto and GetOlympus. In Europe at Jessops, WexUK, Namencolor.
14-150mm II lens at Adorama, BHphoto and GetOlympus.
FL-LM3 Flash at AmazonAdorama, BHphoto and GetOlympus.
Olympus ECG-2 External Metal Grip at Amazon, Adorama, BHphoto and GetOlympus.
Olympus HLD-6P Battery Grip at Amazon, Adorama, BHphoto and GetOlympus.
HLD-8g at Amazon, Adorama, BHphoto and GetOlympus.
E-P16 eyecup at Amazon, Adorama, BHphoto and GetOlympus.
HLD-8G and HLD-6P kit at Amazon, Adorama, BHphoto and GetOlympus.
Full leather case at Amazon, Adorama and GetOlympus.
Olympus PT-EP13 Underwater Housing at Amazon, Adorama, BHphoto and GetOlympus.
Olympus Stylus Tough TG-860 at Adorama, BHphoto and GetOlympus.

Share

05 Feb 18:11

Thursday, February 05, 2015

Pibgorn by Brooke McEldowney for February 05, 2015
05 Feb 17:12

E-M5II also gets a “sniper” dot sight accessory!

by 43rumors

Share

E-M5IIdotsight
Something oyu may have missed is that the E-M5II announced today also comes with a quite unique accessory: The Olympus EE-1 Dot Sight! You can preorders it here at Amazon, Adorama and BHphoto. This is why it useful:

Get some extra help when aiming at faraway subjects with the Olympus EE-1 Dot Sight for OM-D E-M5 Mark II Camera. This is particularly useful when using long telephoto lenses for applications such as wildlife capture. The sight offers a center aiming dot with adjustable brightness and position to enable fast subject acquisition and tracking. You’ll be able to tell whether your aim is right on target or slightly off–without looking through the camera’s viewfinder or using the monitor. The dot sight fits right into the camera’s hot shoe and has a slide lever opening mechanism. Built for durability, it is both dust and splashproof.

Preorders (if you preorder through those links you will support 43rumors…thanks!):
E-M5II in Black or Silver at Amazon, Adorama, BHphoto and GetOlympus. In Europe at Jessops, WexUK, Namencolor.
14-150mm II lens at Adorama, BHphoto and GetOlympus.
FL-LM3 Flash at AmazonAdorama, BHphoto and GetOlympus.
Olympus ECG-2 External Metal Grip at Amazon, Adorama, BHphoto and GetOlympus.
Olympus HLD-6P Battery Grip at Amazon, Adorama, BHphoto and GetOlympus.
HLD-8g at Amazon, Adorama, BHphoto and GetOlympus.
E-P16 eyecup at Amazon, Adorama, BHphoto and GetOlympus.
HLD-8G and HLD-6P kit at Amazon, Adorama, BHphoto and GetOlympus.
Full leather case at Amazon, Adorama and GetOlympus.
Olympus PT-EP13 Underwater Housing at Amazon, Adorama, BHphoto and GetOlympus.
Olympus Stylus Tough TG-860 at Adorama, BHphoto and GetOlympus.

Share

05 Feb 05:27

Afluência de água aos reservatórios é a menor em 84 anos; risco de falta de energia é 46% superior ao limite considerado prudente; Dilma tem de nomear Cacique Cobra Coral ministro da Chuva

by giinternet

Ai, ai, vamos lá. Quando, no ano passado, o governador Geraldo Alckmin (PSDB) afirmou que São Paulo passava pela maior seca em 84 anos — agora, já são 85 —, alguns mangaram dele. Inclusive a presidente Dilma Rousseff. Segundo a nossa governanta, a culpa pela crise hídrica do Estado era, claro!, do governo e de quem não sabia planejar. Tivesse a soberana atentado para os dados com mais prudência, teria constatado que a falta de chuva acabaria, fatalmente, afetando o setor elétrico, especialmente num país em que mais de 70% da matriz, na geração elétrica, vem da água. Dilma não é culpada, claro!, se não chove. Mas tem de responder por sua arrogância e pelo erro absurdo que cometeu ao baixar a tarifa de energia, antecipar concessões e quebrar o setor.

Vamos a alguns dados. Segundo o ONS (Operador Nacional do Sistema), a água das chuvas que alcançou os reservatórios das usinas em janeiro foi de apenas 38,04% da média histórica, o mais baixo em 84 anos. Desde 1931, o mais baixo índice tinha sido verificado em 1953, com 44,6%. A coisa tá feia. O CNPE (Conselho Nacional de Política Energética) trabalha com um índice prudencial para o risco de faltar energia. O consenso é que, se chega a 5%, o abastecimento está em perigo. Pois esse limite, meus caros, já foi ultrapassado em 46% e chegou ontem a 7,3% nas regiões Sudeste e Centro-Oeste. Nota: o Sudeste responde por 49,21% do PIB brasileiro.

Prestem atenção a estes outros números. Segundo o ONS, os reservatórios, nesta quarta, estavam com 16,58% de sua capacidade nas regiões Sudeste e Centro-Oeste e 16,10% na região Nordeste. No Sul e Norte, a coisa está mais tranquila: 58,16% e 34,29%, respectivamente. Para comparar: quando houve o apagão, em 2001, os reservatórios do Sudeste tinham quase o dobro de água: 31,41%.

Eduardo Braga, ministro de Minas e Energia, afirmou, no dia 22, que, se os reservatórios das usinas chegassem a 10% de sua capacidade de geração, teria de haver racionamento. Nesta quarta, a situação era a seguinte: Furnas: 9,35%; Três Marias: 10,62%; Três Irmãos e Ilha Solteira: 0%. Sim, zero! Não quer dizer que a água secou de tudo, mas que não se gera energia ali.

As coisas podem se complicar. Quem conhece a área aponta um outro problema. Parte das termelétricas que estão socorrendo o país está sucateada, e outra parte em vias de. A razão é simples: não foram feitas para operar o ano inteiro. Os apagões não virão só porque faltará energia, mas porque vai dar pau no sistema.

Vejam bem: Dilma vende a si mesma, desde 2003, como uma especialista em energia. Estamos nesta pindaíba. Assim, meus caros, eu resolvi apelar ao saber não convencional e selecionei para vocês um vídeo com uma Dança da Chuva, ocorrida na Chapada dos Veadeiros, em Goiás.

Como sugestão final, acho que Dilma deve nomear o Cacique Cobra Coral para ministro da chuva. Sei que ele não poderá comparecer fisicamente às reuniões. Tudo bem! Também seus assessores não serão deste mundo.

05 Feb 05:40

Press release: M.ZUIKO DIGITAL ED 8mm f1.8 Fisheye PRO

by 43rumors

Share

1000-M8-F18Fish_BLK_stand-medjpg_1422534962

Olympus Imaging Corporation (President: Haruo Ogawa) is pleased to announce the development of the M.Zuiko Digital ED 8mm f1.8 Fisheye PRO (35mm equivalent focal length: 16mm), a high-performance fisheye lens conforming to the Micro Four Thirds System standard, scheduled to go on sale in summer 2015.

This is the world’s first*1 dustproof and splashproof fisheye lens with a bright f1.8 aperture value. It is categorized in the M.Zuiko PRO series, a professional lens with high optical performance and reliable dustproof and splashproof construction, constantly providing high image quality under any conditions.

The dedicated underwater lens port is also under development. It will expand the shooting scenes of nature photography from underwater to the night sky.

Pricing and Launch Date

Category Product Name MSRP Planned Launch Date
Interchangeable lens M.ZUIKO DIGITAL ED 8mm f1.8 Fisheye PRO
(black)
TBD Summer, 2015
※1 As of February 5, 2015

Preorders (if you preorder through those links you will support 43rumors…thanks!):
E-M5II in Black or Silver at Amazon, Adorama, BHphoto and GetOlympus. In Europe at Jessops, WexUK, Namencolor.
14-150mm II lens at Adorama, BHphoto and GetOlympus.
FL-LM3 Flash at AmazonAdorama, BHphoto and GetOlympus.
Olympus ECG-2 External Metal Grip at Amazon, Adorama, BHphoto and GetOlympus.
Olympus HLD-6P Battery Grip at Amazon, Adorama, BHphoto and GetOlympus.
HLD-8g at Amazon, Adorama, BHphoto and GetOlympus.
E-P16 eyecup at Amazon, Adorama, BHphoto and GetOlympus.
HLD-8G and HLD-6P kit at Amazon, Adorama, BHphoto and GetOlympus.
Full leather case at Amazon, Adorama and GetOlympus.
Olympus PT-EP13 Underwater Housing at Amazon, Adorama, BHphoto and GetOlympus.
Olympus Stylus Tough TG-860 at Adorama, BHphoto and GetOlympus.

Share

05 Feb 09:10

Olympus launches the new “Air Clip” Micro Four Thirds camera!

by 43rumors

Share

06

Yes guys! What you see here is really a new Micro Four Thirds camera from Olympus! It’s called “Air Clip” and works just like the Sony QX1 camera!

The Air Clip specs are:
– 16 MP MFT sensor
– MFT mount
– 81-point AF system
– 10fps
– electrnic shutter with speed up to 1/16000s
– has physical shutter release button and tripod mount
– microSD slot and lithium-ion battery
– microUSB
– Air Clip control via Wifi from a mobile device.
– Art filter support
– Bluetooth
– Come with Open Source Api
– To be released in Spring in Japan
– 56.9 × 57.1 × 43.6mm. Weight about 146g (without memory card, battery built-in).
– Comes in Black or White
– Price: 33,800 yen for the body and with kit lens 14-42mm EZ 49,800 yen.

11 04 01 16 14

Image source: Olympus Japan.

New Olympus stuff preorders:
E-M5II in Black or Silver at Amazon, Adorama, BHphoto and GetOlympus. In Europe at Jessops, WexUK, Namencolor.
14-150mm II lens at Adorama, BHphoto and GetOlympus.
FL-LM3 Flash at AmazonAdorama, BHphoto and GetOlympus.
Olympus ECG-2 External Metal Grip at Amazon, Adorama, BHphoto and GetOlympus.
Olympus HLD-6P Battery Grip at Amazon, Adorama, BHphoto and GetOlympus.
HLD-8g at Amazon, Adorama, BHphoto and GetOlympus.
E-P16 eyecup at Amazon, Adorama, BHphoto and GetOlympus.
HLD-8G and HLD-6P kit at Amazon, Adorama, BHphoto and GetOlympus.
Full leather case at Amazon, Adorama and GetOlympus.
Olympus PT-EP13 Underwater Housing at Amazon, Adorama, BHphoto and GetOlympus.
Olympus Stylus Tough TG-860 at Adorama, BHphoto and GetOlympus.

Share

22 Jan 03:39

São Paulo virou cabide de emprego de petistas despejados pelo povo. Ou: Dois novos secretários de Haddad em flagrantes

by giinternet

Coitada da cidade de São Paulo! Virou mesmo cabide de petista desempregado pelo povo. O eleitor rejeita, Fernando Haddad, o prefeito da capital, acolhe.

Eduardo Suplicy, apeado do Senado depois de 24 anos — sem que os paulistas se lembrem de um só projeto seu, a não ser o absurdo e socialmente injusto “Renda Mínima” —, vai ser o secretário de Direitos Humanos da Prefeitura. É só uma vitrine para ele se candidatar a vereador. Este exótico senhor poderá sair periferia afora de São Paulo a cantar Racionais e Bob Dylan, não é? Não venham sugerir que ele seja comediante porque sou amigo de alguns muito bons. O grande artista nessa área é capaz de dizer coisas muito sérias. E Suplicy? Abaixo, seguem três flagrantes de sua gloriosa trajetória como senador.

Aqui, ele “declama” um trecho de uma “música” do Racionais. Reparem, em 1min28, no primeiro plano, a cara do senador Jefferson Peres (PDT-AM), que era um homem sério.

Num outro momento glorioso, ele lê no Senado a carta do mensaleiro José Genoino.

Finalmente, ele tenta nos comover com a historinha do terrorista Cesare Battisti.

Quem, no PT, gosta muito de Suplicy? Haddad? Lula? Algum outro petista? Ninguém! Os companheiros o consideram maluco. Mas é ex-marido de Marta, que ainda carrega o seu sobrenome, e sua ida para uma secretaria significa, é evidente, um ato de hostilidade àquela que andou desferindo duras críticas ao partido. Notícia, ele vai gerar. Não me espanta se decidir morar pelo menos um mês nos hotéis dos viciados em crack, pagos pela Prefeitura, ou participar do “fluxo”, disfarçado de usuário da “pedra”. Setores da imprensa paulistana são viciados nesse tipo de demagogia barata.

Mais um
Alexandre Padilha, ex-ministro da Saúde e candidato derrotado do PT ao governo de São Paulo — venceu em apenas um dos 645 municípios do Estado —, será o secretário de Relações Governamentais da Prefeitura. Foi, na prática, nomeado por Lula, que também o fez candidato ao governo na base do “dedaço”. Tratou-se de uma das escolhas mais erradas feitas até hoje pelo Poderoso Chefão.

Padilha, sem dúvida, é um amigo dos amigos, não é mesmo? Aqui, por exemplo, ele faz campanha para o patriota André Vargas, aquele que foi cassado por causa de sua intimidade com o doleiro Alberto Youssef:

Aliás, o contrato celebrado pela Labogen, o laboratório de fachada que o doleiro usada para lavar dinheiro, com o Ministério da Saúde teve uma testemunha importante: Padilha!

Mas vocês entendem: “amigo é coisa pra se guardar/ debaixo de sete chaves…”. E Padilha é homem de muitos amigos. Um deles é o ex-deputado estadual petista Luiz Moura.

É aquele senhor que foi flagrado pela polícia numa reunião que tinha o objetivo de combinar novos ataques a ônibus na cidade de São Paulo. E quem estava presente ao encontro? Justamente… o então deputado! Havia nada menos de 13 membros do PCC no local. Um assaltante de banco então foragido, que integrava a turma, tem condenações que somam SETENTA ANOS. O encontro acontecia na sede da Transcooper, uma cooperativa de vans da qual Moura é presidente de honra. Ele também é integrante da diretoria da Confetrans – Confederação Nacional das Cooperativas de Transporte – e da Fecotrans, que é a federação. Moura é um ex-presidiário condenado a 12 anos de cadeia por assaltos à mão armada. Não cumpriu a pena porque fugiu. Permaneceu dez anos foragido e surgiu reabilitado, obtendo perdão judicial. No período em que permaneceu clandestino, juntou um patrimônio de R$ 5 milhões na área de transporte e postos de gasolina. Um empreendedor nato! Padilha gostava dele, como se vê nas fotos abaixo. Compareceu à sua festa de aniversário no ano passado. Vejam que bilu.

A partir da esquerda, Luiz Moura, Senival Moura e Padilha: tudo positivo, moçada!!!
A partir da esq. Luiz Moura, Senival Moura e Padilha: tudo positivo!!!

Padilha não se contentou em comparecer: ele discursou com entusiasmo na festança
Padilha não se contenta em comparecer: ele discursa com entusiasmo

Amigo de fé, irmão, camarada: o abraço amigo e palavras ao pé do ouvido
Amigo de fé, irmão camarada: o abraço amigo e palavras ao pé do ouvido

Tratou-se de um festão mesmo, coisa podre de chique, como se diz por aí

Tratou-se de um festão mesmo, coisa podre de chique, como se diz por aí

Pronto
Assim Haddad prepara o terreno para disputar a reeleição, quem sabe tendo Gabriel Chalita, do PMDB, como vice, com o apoio do ubíquo Gilberto Kassab, do PSD. Vai que dê certo pra eles e errado pra São Paulo. Aí não adianta ficar esperando dos céus um sinal de Deus. Há coisas que nem Ele perdoa.

03 Jan 17:40

Olympus/Panasonic USA holiday savings ending in a few hours.

by 43rumors

Share

holidaysavings

Most of the Big USA Olympus/Panasonic holiday deals will end in a few hours. See the list at Amazon photo deal page (Click here).

Reminder:
Free stuff ($126 value) and 4% reward on the Silver LX100 sold by BHphoto (Click here).
GF6 with kit lens sells for $349 at RobertsCamera on eBay (Click here).
$100 gift card for free when you buy the Panasonic FZ1000 4K camera at Amazon (Click here).
Gh3 now sells for $569 only (-130$) on eBay US (Click here).
Free Rode mic ($199 value) along the GH4 sold by BHphoto.
Save $250 you can buy the Open Box GH4 sold by Samys on eBay
GX7 now sells for $477 only at Amazon and Adorama
Free $100 gift card along the Panasonic FZ1000 sold by Adorama.
The GF6 with kit lens sells for $397 only at Amazon and Adorama.
The G6 with kit lens sells for $397 only at Amazon, Adorama and BHphoto.
$175 savings on the E-M10 premium kits sold on GetOlympus.
Free 40-150mm lens and free bag with the E-M10+14-42mm kit at Amazon US and GetOlympus.
$500 off on the Ibelux 40mm f/0.85 sold at BHphoto.
Full list of Olympus deals at GetOlympus and on that Amazon US page.
$200 off on the Nocticron 42,5mm f/1.2 OIS Lens at Amazon, Adorama, BHphoto and Panasonic Store.
$200 off on the 35-100mm f/2.8 Lens at Amazon, Adorama and BHphoto
$200 off on the 7-14mm f/4.0 Lens at Amazon, Adorama and BHphoto
$200 off on the 35-100mm f/2.8 ASPH Lens at Amazon, Adorama and BHphoto.
$170 off on the Panasonic 14-140mm Lens at Amazon, Adorama and BHphoto.
$160 off on the 8mm fisheye Lens at Amazon, Adorama and BHphoto.
$130 off on the Leica 25mm f/1.4 Lens at Amazon, Adorama and BHphoto.
$100 off on the Panasonic 100-3000mm lens at Amazon, Adorama and BHphoto.
$100 off on the Leica 15mm f/1.7 Lens at Amazon, Adorama and BHphoto
$100 off on the 12-35mm f/2.8 ASPH Lens at Amazon, Adorama and BHphoto
$80 off on the Panasonic 20mmII pancake at Amazon, Adorama and BHphoto.
$80 off on the Panasonic 45-200mm lens at Amazon, Adorama and BHphoto.

Share

02 Jan 22:44

[$] OpenMediaVault: a distribution for NAS boxes

by corbet
The Linux community has no shortage of general-purpose distributions that can be made to serve almost any need. But many Linux deployments are not on general-purpose machines; often the owner has a more specific objective in mind. One such objective is to put together a network-attached storage (NAS) box. A general-purpose distribution can easily be used in such a setting, but there are also several specialized distributions that make the task easier. This article, the first in a series, will look at OpenMediaVault, a Debian-based NAS-oriented distribution.
18 Dec 23:54

OS DONOS DO BRASIL – Vaccari tem apartamento no mesmo prédio do tríplex de Lula, aquele da falida (para os pobres coitados!) Bancoop!

by giinternet

Por Alexandre Hisayasu, na VEJA.com:O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva não é o único sortudo a ter comprado um tríplex no edifício Solaris, no Guarujá (SP), uma das poucas obras iniciadas pela Bancoop que foram concluídas. O atual tesoureiro do PT, João Vaccari Neto, pagou por um apartamento no mesmo prédio. Seu nome consta de um documento oficial, feito em 2006 pela Bancoop, que lista os “cooperados ativos” do edifício – ou seja, que estavam com os pagamentos das parcelas em dia. Procurada, a assessoria do petista disse que ele não iria comentar o assunto.

A Bancoop quebrou em 2006, quando era presidida por Vaccari. Deixou 32 obras inacabadas e mais de 3 500 famílias na rua da amargura. O  edifício Solaris foi uma das oito obras assumidas pela OAS depois disso. À beira da praia e com vista para o mar, o prédio tem três tipos de apartamentos – as coberturas triplex, alguns duplex de 162 metros quadrados e outros de um pavimento, com cerca de 100 metros quadrados. O de Lula, que ficou pronto neste ano, pertence à primeira categoria. Fica no 16º andar, tem elevador privativo e 297 metros quadrados. Além de Vaccari, também constam da lista de cooperados do Solaris a mulher de Freud Godoy, o ex-assessor de Lula que ficou famoso no caso dos aloprados, em que militantes petistas foram presos tentando comprar um dossiê com informações falsas contra o tucano José Serra.

O fato de o edifício onde o ex-presidente tem apartamento ter sido um dos poucos que ficaram prontos irritou cooperados que continuam até hoje sem ver a cor dos imóveis pelos quais passaram anos pagando. “Queremos saber por que há tantas obras inacabadas, enquanto algumas poucas são construídas tão rapidamente”, disse um dos conselheiros da entidade de lesados pela Bancoop, Marcos Sérgio Migliaccio.

A Bancoop quebrou, segundo o Ministério Público, com um rombo de pelo menos 100 milhões de reais, porque seus dirigentes desviaram dinheiro pago pelos mutuários para “fins escusos”. Segundo o promotor José Carlos Blat, parte do dinheiro foi para financiar campanhas eleitorais do PT. Vaccari é um dos cinco réus que respondem na Justiça por estelionato, formação de quadrilha, lavagem de dinheiro e falsidade ideológica.

19 Dec 00:04

GILMAR MENDES, EXCLUSIVO: Petrolão revela que corrupção é um método. E mais: Estão querendo usar o Supremo como “laranja” de um projeto político

by giinternet
Gilmar Mendes nos estúdios da Jovem Pan: Supremo não pode ser laranja de projeto político

Gilmar Mendes nos estúdios da Jovem Pan: Supremo não pode ser laranja de projeto político

Gilmar Mendes, ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) e, atualmente, membro do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), concedeu nesta quinta uma entrevista ao programa “Os Pingos nos Is”, que ancoro na rádio Jovem Pan AM e FM — todos os dias, entre 18h e 19h. De passagem por São Paulo, o ministro compareceu aos estúdios da emissora e conversou comigo e com os meus parceiros de “Pingos”: Mona Dorf e Patrick Santos.  Mendes falou sobre o petrolão, a reforma política, a proibição da doação de empresas a campanhas eleitorais e os critérios para a composição do Supremo, entre outros temas. Para o ministro, o petrolão não representa apenas um ponto fora de uma curva. Ao contrário: segundo ele, o maior escândalo de corrupção de que se tem notícia é um método. Mendes vai além e diz que há gente tentando usar o Supremo como “laranja” de um projeto político.

Vamos ver. Há algum tempo, o ministro ironizou: “Comparado ao petrolão, o mensalão poderia ser julgado por um tribunal de pequenas causas”. O que isso significa? Ele mesmo explica: “Eu disse essa frase num contexto muito especial. Todos nós falávamos que eram R$ 170 milhões o dinheiro movimentado naquele escândalo. Agora, nós estamos a ver um mero gerente da Petrobras a devolver algo em torno de R$ 250 milhões. E já se fala em devolução de R$ 600 milhões só no âmbito da delação premiada”.

Seria isso uma exceção, algo ocorrido só na Petrobras? Ele responde: “Estamos a ver algo extremamente grave. É o aparelhamento do estado, que decorre da mistura entre o público e o privado, entre o partido e o estado”. Tudo para financiar legendas?  “Não — diz o ministro. Nós vimos que isso [os desvios] não se destina apenas à vida partidária. Há uma patrimonialização dessa apropriação. Isso parece ser do partido, do sistema. Há uma normalização do mal e a adoção da corrupção como método de ação.”

E a proibição da doação de empresas privadas a campanhas? Segundo Mendes, trata-se de uma “tentativa de manobrar o Supremo para fazer a reforma eleitoral imaginada por um partido”. Sim, ele se refere ao PT, defensor da tese. O ministro diz o óbvio: a eventual proibição seria “um estímulo ao caixa dois”. E ele pergunta: como se pode definir a forma de financiamento se ainda não se sabe nem qual será o sistema adotado para a eleição do Parlamento — se voto distrital, distrital misto ou o proporcional, como hoje.  E é peremptório: “Estão usando o Supremo para outra finalidade; querem que ele seja ‘laranja’ de um golpe político”.

Mas, afinal, o petrolão não evidencia que a roubalheira nasce das doações de empresas? Vamos ver o que pensa o ministro: “Estamos vendo que a corrupção não existe porque existe a doação privada. Esse caso da Petrobras, além de provar que há corrupção sistêmica, evidencia que o desvio não existe apenas para verter dinheiro para os partidos. Isso não passa de um argumento-álibi”.

Imprensa livre
A equipe de “Os Pingos nos Is” indagou se existe mesmo o risco de bolivarianização dos tribunais no Brasil, atrelando-os ao Poder Executivo. Mendes deixa claro que, se a ameaça não é iminente, a possibilidade, no entanto, sempre existe, uma vez que há forças que padecem, digamos, de “tentações hegemonistas” — essa expressão é minha, não dele. E qual é o remédio?

A vigilância! Feita por quem? Por indivíduos livres, como sempre, e, ele deixa claro!, por uma imprensa que não tenha nenhum outro compromisso que não seja a informação. Para o ministro, a melhor garantia que tem o país de contar com um Poder Judiciário independente é a plena liberdade de imprensa.

É uma sorte o país contar com um ministro como Gilmar Mendes na corte constitucional. Perguntamos a ele se vislumbra alguma dificuldade a partir de julho de 2016, quando será o único ministro não nomeado por Lula ou Dilma. Ele se disse tranquilo e afirmou que confia na institucionalização de procedimentos na escolha dos futuros nomes. Mas reiterou: o maior aliado de um Judiciário independente é uma imprensa igualmente independente.

Para ouvir a íntegra da entrevista, clique aqui.

17 Dec 19:55

Manufacturer's Backdoor Found On Popular Chinese Android Smartphone

by samzenpus
Trailrunner7 writes that researchers at Palo Alto Networks have found a backdoor in Android devices sold by Coolpad. "A popular Android smartphone sold primarily in China and Taiwan but also available worldwide, contains a backdoor from the manufacturer that is being used to push pop-up advertisements and install apps without users' consent. The Coolpad devices, however, are ripe for much more malicious abuse, researchers at Palo Alto Networks said today, especially after the discovery of a vulnerability in the backend management interface that exposed the backdoor's control system. Ryan Olson, intelligence director at Palo Alto, said the CoolReaper backdoor not only connects to a number of command and control servers, but is also capable of downloading, installing and activating any Android application without the user's permission. It also sends phony over-the-air updates to devices that instead install applications without notifying the user. The backdoor can also be used to dial phone numbers, send SMS and MMS messages, and upload device and usage information to Coolpad."

Share on Google+

Read more of this story at Slashdot.








17 Dec 22:27

CPI da Petrobras: Maia muda relatório, pede o indiciamento de 52 e admite prejuízo em Pasadena

by giinternet

Por Gabriel Castro, na VEJA.com:
O relator da CPI mista da Petrobras, deputado Marco Maia (PT-RS), alterou o relatório final da comissão e pediu nesta quarta-feira o indiciamento de 52 pessoas envolvidas nos desvios da estatal – entre elas, autoridades que ocupavam postos-chave na empresa, como os ex-diretores Renato Duque, Paulo Roberto Costa, Nestor Cerveró e Pedro Barusco. Ele também mencionou vinte empresas, entre elas grandes empreiteiras, que devem ser investigadas por suas ligações com os desvios.

“A CPMI corrobora e ratifica os procedimentos de indiciamentos e denúncias adotados na esfera judicial e, considerando a existência de indícios bastantes, recomenda o aprofundamento das investigações com vistas a apurar a efetiva responsabilização de todos os investigados na Operação Lava Jato sobre os quais já foram produzidas provas de algum grau de envolvimento nos fatos apurados”, diz o relatório, que deve ir a voto nesta quarta.? No texto apresentado, o deputado afirmou que a primeira versão do documento havia sido mal interpretada porque não havia a palavra “indiciamento”, e sim “responsabilização”. Marco Maia cita os crimes de formação de quadrilha, lavagem de dinheiro, corrupção ativa, corrupção passiva, crime contra a ordem tributária e destruição de provas judiciais.

Outra mudança importante diz respeito à compra da refinaria de Pasadena, nos Estados Unidos: apesar de usar eufemismos, o petista agora admitiu um prejuízo de 561,5 milhões de dólares, ou aproximadamente 1,5 bilhão de reais, na transação. Marco Maia afirmou que sua mudança se deve a um relatório recebido da Controladoria-Geral da União (CGU) nesta terça-feira. “De fato, esta relatoria julga procedente a indicação do suposto prejuízo apontado no Relatório da Auditoria Especial da CGU, em virtude da necessária consideração da inocorrência do revamp [readequação da refinaria] para definição do valor total estimado”.

Ao contrário da CGU, entretanto, o petista não concordou que a Petrobras também perdeu mais de 800 milhões de dólares em outros dois momentos: quando teve de pagar para adquirir a parte da refinaria que cabia à empresa Astra Oil e quando, por um acordo extrajudicial, fez novos repasses à empresa.

A oposição preparou um relatório alternativo ao de Marco Maia. O texto também foi apresentado na reunião desta quarta-feira. Além de confirmar os desvios em contratos da estatal, a versão elaborada pelos oposicionistas faz menção a um esquema integrado de corrupção, por interesse do governo e do PT. “O petrolão, assim como o mensalão, nada mais são do que modelos de apropriação da coisa pública, por partidos políticos, para usufruto próprio, mediante negociações nada republicanas”, disse o deputado Carlos Sampaio (PSDB-SP) durante a leitura do documento.

O relatório de Sampaio também pede o indiciamento da presidente da Petrobras, Graça Foster, por ter prestado falso testemunho à CPI. Quando esteve na comissão, ela afirmou que a Petrobras não havia detectado o pagamento de propina a funcionários da estatal por parte da holandesa SBM Offshore. Mas, como a própria Graça Foster admitiu em entrevista coletiva no mês passado, a Petrobras tinha conhecimento das irregularidades pelo menos desde abril.

O relatório da oposição também menciona a proximidade entre Paulo Roberto Costa e a presidente da República, Dilma Rousseff. Como VEJA revelou, o então diretor de abastecimento da Petrobras chegou a mandar um e-mail à então ministra da Casa Civil pedindo que o governo intervisse para evitar a paralisação de obras com irregularidades – o que de fato ocorreu. “Logo, o que se percebe é que Paulo Roberto Costa, já no comando da organização criminosa instalada na Petrobras, tinha forte influência sobre a ministra-chefe da Casa Civil”, concluiu o tucano.

A votação do relatório final da CPI mista foi adiada para as 20 horas para que a Câmara dos Deputados pudesse concluir uma sessão deliberativa.

17 Dec 22:27

CGU: Petrobras teve prejuízo de US$ 659,4 milhões com Pasadena

by giinternet

Por Laryssa Borges, na VEJA.com:
A Controladoria-Geral da União (CGU) concluiu nesta terça-feira auditoria que aponta que a compra da refinaria de Pasadena, no Texas, representou prejuízo de 659,4 milhões de dólares para a Petrobras. Os valores incluem a compra, em duas etapas, da unidade de refino nos Estados Unidos, as cifras desembolsadas no procedimento arbitral pago pela empresa e o dinheiro repassado no acordo extrajudicial com a empresa belga Astra Oil, ex-parceira na transação. “O que se esperava dos gestores da Petrobras era a busca pelo menor preço, por óbvio, dentro dos limites da legalidade e da moralidade administrativa. Contudo, o que se observou foi que a negociação da Refinaria de Pasadena já se iniciou em patamares superiores às melhores estimativas feitas pela consultoria contratada”, resumiu a CGU, em relatório.

O veredicto do próprio Executivo representa mais um revés para o governo, que tentava justificar a malfadada operação alegando que o Conselho de Administração da estatal, presidido na época da transação pela então ministra da Casa Civil Dilma Rousseff, havia sido induzido ao erro por pareceres falhos elaborados pelo então diretor da Área Internacional da petroleira, Nestor Cerveró. “A análise dos fatos evidencia que os aspectos negativos e desvantajosos da transação, nas dimensões técnica, econômica, contábil, tributária e jurídica, não foram devidamente considerados no momento da parametrização do Estudo de Viabilidade Técnico-Econômica do empreendimento, razão pela qual o referido estudo, que foi a principal fundamentação utilizada no processo decisório de aquisição da refinaria de Pasadena, é considerado não apenas falho, mas irregular, à medida que contém premissas alteradas para produzir resultado não condizente com a realidade do investimento”, diz a CGU na auditoria.

As conclusões da CGU, que apontam que a estatal brasileira pagou muito além do preço justo pela unidade de refino nos Estados Unidos, incluem ainda a abertura de processos administrativos contra 22 ex-dirigentes e funcionários da companhia, entre os quais o ex-presidente José Sergio Gabrielli e os ex-diretores da Área Internacional Nestor Cerveró, de Refino e Abastecimento Paulo Roberto Costa, de Serviços Renato Duque e Jorge Zelada, também ex-responsável pela Área Internacional.

Para a Controladoria da União, órgão responsável pelo controle e monitoramento do uso de recursos públicos, a Petrobras, ao decidir pela compra da refinaria de Pasadena, “não considerou todas as premissas aplicáveis ao negócio”, utilizou o “pior” método como compradora e afirmou que, se esses fatores tivessem sido avaliados, “resultariam na redução do valor máximo aceitável para a compra”. Na avaliação da CGU, a empresa brasileira utilizou, para justificar a operação Pasadena, a potencial rentabilidade do empreendimento, e não o valor dos ativos no estado em que se encontravam.

Os técnicos da Controladoria, ao analisar a compra da refinaria de Pasadena, destacaram ainda que a unidade de refino, na época da transação, encontrava-se em “situação quase falimentar”, já que na gestão da antiga proprietária, a empresa Crown, houve baixos investimentos em bens de capital e na manutenção de equipamentos. A auditoria da CGU também questiona a boa-fé e a injeção de recursos da belga Astra no empreendimento e afirma que “a análise dos fatos ocorridos no processo de aquisição de participação acionária pela Petrobras indica que a Astra promoveu simples revitalização, sem grandes investimentos, de uma empresa em estado quase falimentar, com severas dificuldades técnicas, tributárias, trabalhistas e ambientais, para lucrar na alienação no curto prazo, sem qualquer intenção de ingressar no mercado de refino de Petróleo, atividade esta para a qual não possuía expertise prévia”.

“Por mais contraditório que possa parecer, a Petrobras pagou pela refinaria de Pasadena um valor que levava em consideração os investimentos necessários ao Revamp (modernização), mas não tinha nenhuma garantia de que a Astra aportaria os recursos indispensáveis à expansão e à adaptação do empreendimento, o que reforça a tese de que os gestores da Petrobras envolvidos nesse negócio adotaram postura imprudente e antieconômica ao pagar pela PRSI um valor superior àquele que a refinaria valia no estado em que se encontrava”, completa a auditoria.

De acordo com a CGU, a transação foi baseada em cláusulas contratuais favoráveis à emprega belga Astra, que tinha o controle de Pasadena, sem compensar de forma justa a Petrobras, e sem dividir de forma equânime os riscos do negócio. A cláusula Marlim, por exemplo, previa à Astra Oil uma lucratividade de 6,9% ao ano independentemente das condições de mercado, enquanto a Put Option obrigava a empresa brasileira a comprar a outra metade da refinaria caso os dois grupos se desentendessem – o que acabou acontecendo.

O Tribunal de Contas da União (TCU) já havia analisado a operação Pasadena, considerada uma das mais desastrosas da história da estatal do petróleo, e constatado que a transação impôs à empresa prejuízo de 792 milhões de dólares. Ainda assim, a maior parte dos ministros daquela Corte consideraram, em julgamento de Plenário, que a decisão da petroleira de tentar esgotar todos os recursos judiciais antes de pagar a empresa belga Astra havia sido baseada em “critérios técnicos razoáveis sem nenhum dolo ou culpa dos administradores”.?

17 Dec 22:28

CPMI DA PETROBRAS – Nada como o eleitor para levar um político a descobrir a diferença entre a verdade e a farsa

by giinternet

Pois é… Que bem a democracia e a liberdade de informação fazem à verdade e até à reputação dos petistas, não é mesmo? Chega a ser comovente a rapidez e a determinação com que o deputado Marco Maia (PT-RS) mudou de ideia sobre o relatório da CPMI da Petrobras. Ele não iria pedir o indiciamento de ninguém: agora, vai pedir de 52. Ele até havia reconhecido corrupção na compra da refinaria de Pasadena, mas considerou que a operação estava adequada aos valores de mercado. Agora, não mais: admite um prejuízo de US$ 561,5 milhões — aproximadamente, R$ 1,5 bilhão. Ainda é inferior aos US$ 792 milhões apontados pelo TCU, mas já é uma montanha de dinheiro para quem achava não haver nada de muito errado até anteontem.

Entre aqueles que o relator acha que devem ser indiciados estão Renato Duque, o ex-diretor de Serviços indicado pelo PT; Paulo Roberto Costa, o ex-diretor de Abastecimento indicado pelo PP; Nestor Cerveró, o ex-diretor da área Internacional indicado pelo PMDB, e Pedro Barusco, ex-gerente de Serviços, braço-direito do petista Duque. Sim, Maia, inicialmente, não queria pedir o indiciamento nem de Barusco, embora este tenha aceitado devolver nada menos de US$ 97 milhões aos cofres públicos. O relator pede ainda que 20 empresas sejam investigadas, incluindo todas as empreiteiras que aparecem na Operação Lava Jato. Entre os crimes apontados por ele, estão formação de quadrilha, lavagem de dinheiro, corrupção ativa, corrupção passiva, crime contra a ordem tributária e destruição de provas judiciais.

O que levou Maia a mudar de ideia? O medo das urnas. Ele percebeu que o assunto “Petrobras”, desta feita, não vai morrer logo. A empresa pode morrer primeiro. E o seu relatório restaria para a história como um símbolo da indignidade. Imaginem o Congresso Nacional, pelas suas mãos, a referendar as ações da quadrilha que tomou conta da empresa. E, vocês sabem, quem tem eleitor tem medo.

O parlamentar pernambucano Ricardo Fiuza, que já morreu, dizia que não há nada mais importante para fazer um político mudar de ideia do que o “fato novo”, tenha ou não esse fato conexão com a mudança. Maia precisava de uma desculpa para justificar a nova postura. E achou: até a auditoria da Controladoria-Geral da União aponta os descalabros. Ele só precisava de uma desculpa. E encontrou.

Muito bem: mesmo assim, a oposição decidiu apresentar um relatório paralelo, em que pede também o indiciamento de Graça Foster e aponta a proximidade de Dilma Rousseff com Paulo Roberto Costa. Como negar? O homem chegou a ser convidado para ser… ministro das Cidades!

Ainda que o relatório aprovado seja o do governista Maia, o Congresso se livra de um novo vexame. Só para lembrar: uma CPI foi instalada em 2009 para investigar irregularidades na Petrobras foi esmagada pela base governista. Eram tempos em que José Sérgio Gabrielli posava de ditador da Petrobras e recebia prêmios internacionais. De lá pra cá, a empresa perdeu R$ 602 bilhões em valor de mercado — 25 anos de Bolsa Família. Desta feita, os fatos se impuseram à determinação de nada investigar.

09 Dec 21:48

Gilberto Carvalho, às portas do desemprego, parte para a delinquência política

by giinternet

Gilberto Carvalho, essa mistura exótica de stalinismo com água benta, expôs uma vez mais a sua verdadeira natureza. Ainda que esteja prestes a perder o emprego — e espero que Dilma não tenha a irresponsabilidade de mantê-lo no governo —, ele ainda é ministro de Estado. O secretário-geral da Presidência está obrigado a manter certo decoro. Mas ele não tem nenhum. Nunca teve.

Num encontro com cooperativas de agricultores orgânicos e extrativistas sustentáveis, Carvalho referiu-se ao senador Aécio Neves (PSDB-MG), que disputou a eleição presidencial e ficou a menos de quatro pontos da vitória, nestes termos:
“O momento de hoje é de felicidade, a gente celebra essa junção fecunda, adequada entre a sociedade e o governo que tem essa orientação. E é isso, gente, que esteve em disputa agora nas eleições. Eu morria de medo de o playboyzinho ganhar a eleição porque eu tinha clareza que ia acabar essa energia que está aqui nesta sala. Isso não tinha condição de continuar porque não está nesse projeto”.

Isso não é linguagem que se empregue na democracia. Isso não é linguagem que se empregue no estado de direito. Isso não é linguagem que se empregue em relações políticas civilizadas. Isso é pistolagem política. Isso é conversa de bolivariano. Isso é papo de autoritário.

Até uma besta ao quadrado sabe que, no regime democrático, o que legitima o governo é a oposição. Não para Carvalho, o bolivariano prestes a perder o emprego. E ele falou sobre corrupção? Falou. Assim:
“O que está em jogo agora não é esse negócio de corrupção que sempre teve no país e que nós estamos tendo a coragem de combater. Tudo isso que eles estão denunciando agora é o medo que eles têm de perder a hegemonia do Estado brasileiro. O resto é propaganda, o resto é conversa e maledicência. Porque nunca eles tiveram coragem de pôr o dedo na ferida como nós estamos pondo agora cortando na própria carne como se verifica na questão da corrupção.”

O governo petista entregou a Petrobras a uma súcia, e Carvalho quer que aplaudamos o seu partido porque a Polícia Federal, e não o PT, desalojou os bandidos de lá.

Acho bom, no fim das contas, que ele se revele. Por muito tempo, a sua fala mansa disfarçou a sua delinquência política.

 

03 Dec 19:15

Se Mendonça Neto fala a verdade, a organização criminosa é mesmo o PT

by giinternet

O executivo Augusto Ribeiro de Mendonça Neto, da Toyo Setal, que fez acordo de delação premiada, afirmou em depoimento à Justiça que parte da propina manipulada pela quadrilha foi repassada ao PT na forma de doações legais, entre 2008 e 2011. Em entrevista recente, o tucano Aécio Neves afirmou que perdeu a eleição para uma organização criminosa. Será? Já chego ao ponto. Vamos ver.

Lembram-se da CPI dos Correios — ou CPI do Mensalão? Duda Mendonça admitiu que recebeu no exterior US$ 3,6 milhões como parte do pagamento pela campanha eleitoral de Lula em 2002. Atenção: o pagamento foi feito quando o Babalorixá de Banânia já era presidente da República. Origem do dinheiro? Ninguém sabe. Que era caixa dois, bem, isso era, né? Era dinheiro público? Até onde se sabe, não.

E agora? Tudo piorou. A ser verdade o que diz Mendonça Neto, o PT fez campanha eleitoral com dinheiro da Petrobras. O que isso tem a ver com doação legal? Nada! Trata-se, obviamente, de usar a lei para lavar a propina. Segundo o executivo, os pagamentos foram feitos entre 2008 — ano de eleições municipais — e 2011. Entre as duas pontas, está 2010, quando Dilma se elegeu presidente pela primeira vez. Se ele não estiver mentindo, houve dinheiro sujo na campanha.

Ah, sim: Mendonça Neto diz ainda que só a sua empresa repassou à dupla Renato Duque — o petista que era diretor de Serviços da Petrobras e que foi solto pelo ministro Teori Zavascki — e Pedro Barusco nada menos de R$ 30 milhões. Lembrança à margem: Barusco fez acordo de delação premiada e aceitou devolver a fantástica soma de US$ 97 milhões aos cofres públicos. O empresário afirmou que, no caso da Toyo Setal, Paulo Roberto Costa recebia 0,6% de propina sobre o valor do contrato; Duque, o petista, 1,3%.

Avancemos um pouco. Tanto Paulo Roberto como Alberto Youssef disseram em seus respectivos depoimentos que a prática não era diferente nas demais estatais e em ministérios. E por que deveríamos achar o contrário? Os critérios de nomeação não são os mesmos? Não se procede igualmente ao loteamento de cargos? Até hoje ninguém me respondeu por que um partido político quer a diretoria de Serviços de uma estatal. Para tocar piano?  Por razões ideológicas? Mais: o executivo da Toyo Setal se refere ao período 2008-2011. Ocorre que, quando a PF deflagrou a operação Lava Jato, a roubalheira estava em curso.

Organização criminosa?
Pois é… o senador Aécio Neves afirmou numa entrevista que perdeu a eleição para uma organização criminosa. Rui Falcão, presidente do PT, partido que ganhou a disputa, afirmou que vai processá-lo. Huuummm… Eu tinha entendido que o presidente do PSDB não se referia propriamente ao PT, mas aos métodos empregados. 

Se Mendonça Neto estiver falando a verdade, aí não se duvide: a organização criminosa é mesmo o PT.

03 Dec 17:51

‘Propina foi paga em doações legais ao PT’, diz executivo

by giinternet

Por Vanessa Borges e Marcela Mattos, na VEJA.com:
O executivo Augusto Ribeiro de Mendonça Neto, da empresa Toyo Setal, disse em depoimento à Justiça, após firmar um acordo de delação premiada, que parte da propina recolhida pela quadrilha que se instalou na Petrobras foi repassada para o caixa do Partido dos Trabalhadores por meio de doações oficiais, entre 2008 e 2011. Segundo ele, os repasses foram feitos por meio das contas das empresas Setec Tecnologia e PEM Engenharia. A maquiagem nos desvios, incluindo os recursos como se fossem doações partidárias, era uma estratégia para dificultar o rastreamento do dinheiro oriundo do crime. De acordo com Mendonça Neto, apenas em relação a sua empresa, os ex-diretores da Petrobras Renato Duque e Paulo Roberto Costa receberam propina de até de 30 milhões de reais.

Braço direito de Duque, cabia ao ex-gerente de Serviços Pedro Barusco tratar diretamente da propina com a empresa. Conforme o depoimento, o ex-funcionário, que fez acordo com a justiça para devolver quase 100 milhões de dólares, recebeu os valores das empreiteiras em parcelas em dinheiro, remessas em contas indicadas no exterior e como doações oficiais ao PT. No esquema do petrolão, Barusco chegou a pedir que parte da propina fosse entregue em dinheiro vivo em um escritório em São Paulo, enquanto os pagamentos no exterior eram destinados a uma única conta definida previamente por Renato Duque. (…)

Aeroportos – O executivo da Toyo Setal informou ainda ter tido notícias de cobrança de propina durante as obras de instalações elétricas no aeroporto de Brasília em 2002. O contrato original era entre a Infraero e a Construtora Beter, mas a empreiteira subcontratou a PEM Engenharia para executar a obra, informando à subcontratada da necessidade de pagar propina ao então presidente da estatal aeroportuária Carlos Wilson. Mendonça Neto diz, porém, que “não possui nenhum elemento concreto acerca do suposto pagamento de comissão para Carlos Wilson”, porque a propina estava sendo negociada exclusivamente pela Beter.?

Duque
Indicado pelo ex-ministro mensaleiro José Dirceu para a Diretoria de Serviços da Petrobras, Renato Duque era o responsável direto por negociar a cobrança de propina com as empreiteiras que tinham contratos com a estatal. Ao lado do ex-diretor de Abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa, Renato Duque recebia listas manuscritas com o acordo feito pelas empreiteiras e sabia previamente quais empresas deveriam ser convidadas para participar das licitações da Petrobras.

Mais: todas as construtoras que participavam dos acertos tinham conhecimento prévio do valor da extorsão que tanto Costa quanto Duque pretendiam cobrar para oficializar a empresa vencedora: a propina a Costa seria de 1% por contrato, e de Duque outros 2%, embora cada empresa negociasse diretamente com os diretores, em uma espécie de barganha de propina. No caso da Toyo Setal, por exemplo, Duque recebeu 1,3% de propina por contrato celebrado com a Petrobras, enquanto Costa recebeu 0,6%.

Cabia ao presidente da empreiteira UTC, Ricardo Pessoa, repassar a Duque os detalhes do acerto prévio do chamado “Clube do Bilhão”, o cartel de empresas que partilhavam os contratos da Petrobras.

Na noite desta terça-feira, o ministro Teori Zavaski, do Supremo Tribunal Federal (STF), revogou a prisão preventiva de Duque, que deixou a carceragem da Polícia Federal em Curitiba (PR) nesta quarta.

03 Dec 16:07

Executivo diz que Duque e Costa ficaram com parte da propina paga por empreiteiras

by giinternet

Por Laryssa Borges, na VEJA.com:

Indicado pelo ex-ministro mensaleiro José Dirceu para a Diretoria de Serviços da Petrobras, Renato Duque era o responsável direto por negociar a cobrança de propina com as empreiteiras que tinham contratos com a estatal. As revelações constam do depoimento do executivo Augusto Ribeiro de Mendonça Neto, da empresa Toyo Setal, que firmou um acordo de delação premiada para revelar detalhes do esquema do petrolão em troca de possíveis benefícios judiciais. Ao lado do ex-diretor de Abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa, Renato Duque recebia listas manuscritas com o acordo feito pelas empreiteiras e sabia previamente quais empresas deveriam ser convidadas para participar das licitações da Petrobras.

Mais: todas as construtoras que participavam dos acertos tinham conhecimento prévio do valor da extorsão que tanto Costa quanto Duque pretendiam cobrar para oficializar a empresa vencedora: a propina a Costa seria de 1% por contrato, e de Duque outros 2%, embora cada empresa negociava diretamente com os diretores, em uma espécie de barganha de propina. No caso da Toyo Setal, por exemplo, Duque recebeu 1,3% de propina por contrato celebrado com a Petrobras, enquanto Costa recebeu 0,6%.

Cabia ao presidente da empreiteira UTC, Ricardo Pessoa, repassar a Duque os detalhes do acerto prévio do chamado “Clube do Bilhão”, o cartel de empresas que partilhavam os contratos da Petrobras.

Na noite desta terça-feira, o ministro Teori Zavaski, do Supremo Tribunal Federal (STF), revogou a prisão preventiva de Duque, que deixou a carceragem da Polícia Federal em Curitiba (PR) nesta quarta.

“Existia um acerto de comissões entre as empresas do Clube do Bilhão vencedoras das licitações da Petrobras e os diretores Paulo Roberto Costa e Renato Duque”, revelou Mendonça Neto. “Era importante que os dois diretores [Duque e Costa] soubessem a lista das empresas que seriam convidadas”, completou. Em alguns casos, disse o executivo em depoimento de delação premiada. Em alguns casos, 3% em comissão poderiam representar até 50% do lucro que seria auferido pela empresa vencedora. “O impacto financeiro da propina nos contratos era bastante significativo”, resumiu o empresário, que detido ao lado dos executivos das principais empreiteiras do país na sétima fase da Operação Lava Jato, no dia 14 de novembro.

Além de ter dado detalhes do esquema criminoso de pagamento de propina e fraude em licitações na Petrobras, Mendonça Neto explicou a profissionalização do “clube de empreiteiras” e disse que, para organizar o cartel e garantir que as empreiteiras saíssem vitoriosas nos contratos de seu interesse, havia um regulamento semelhante a de um campeonato de futebol. “As regras do Clube ao longo do tempo foram aprimoradas e chegaram a ser escritas como se fossem um regulamento de campeonato de futebol”, disse. A partir das reuniões do Clube, o coordenador do grupo, Ricardo Pessoa, elaborava a lista e a entregava a Renato Duque, mencionando quais as empresas que deveriam ser convidadas pela Petrobras para o certame específico. As mesmas listas foram entregues a Paulo Roberto Costa. O Clube estabeleceu uma relação direta com o então diretor de Engenharia Renato Duque para que as empresas convidadas para cada certame fossem as indicadas previamente.

O Clube era formado por Márcio Faria, da Odebrecht, Ricardo Pessoa, da UTC, João Auler, da Camargo Correa, Elton Negrão, da Andrade Gutierrez, um interlocutor citado como Vilaça, em nome da Mendes Junior. Pessoa, presidente da UTC, era o “meio de campo” e “intermediário” com Renato Duque e mandava mensagens de texto para cada representante das empresas para agendar as reuniões do Clube. “As reuniões do Clube tinham o propósito de analisar o programa de obras da Petrobras, somando as informações de todos os participantes porque, apesar do programa de obras da Petrobras ser algo anunciado pela própria estatal, a forma como os pacotes seriam divididos  e quando eles seriam efetivamente licitados eram informações que dependiam de relacionamento diário com as áreas da Petrobras”, relatou o executivo ao descrever a atuação criminosa dos empreiteiros.

02 Dec 12:03

Hack For The Future And Get A Chance To Fly The Gripen Simulator

by Saab AB
.:

gripenchallenge.jpg
Saab has launched the Linux Kernel Hack Challenge in which participants can hack their way into winning a flight in the Gripen simulator.

The participants are invited to provide a Linux kernel modification that gives a more accurate worst-case execution time measurement taking into account cache effects.

“My understanding is that Saab is an attractive company among new graduates. We have got a history of innovation and problem solving, not to mention a great diversity in products and services that are really cutting edge, at the forefront of technology. The Gripen NG system is a great case in point. At the same time, we are competing in a competitive job market, which can make it difficult to attract people with the qualifications and educational background needed. However, with competitions like this, hopefully we can connect with tomorrow’s talent,” says Anders Isaksson, one of the brains behind the contest.

The competition is open for EU-residents. The first prize -a flight in the Gripen simulator - includes travel to Linköping and hotel accommodation.

Read more about the competition here​.

Published: 12/2/2014 12:57 PM
02 Dec 16:28

Ódio à verdade

by Norma
Eu sei que faz tempo, mas não dá para esquecer Jean Wyllys fantasiado de Che Guevara para uma foto. Consta que ele ficou bravo por ser criticado. Eis o que ele disse:

O argumento de que "Che Guevara era homofóbico" além de empobrecer uma rica biografia e de simplificar uma personalidade complexa – e só ignorantes são capazes desse reducionismo constrangedor – não leva em conta que em sociedades capitalistas como a nossa e dos EUA os homossexuais são vítimas não só de discursos de ódio, mas de homicídios numa proporção assustadora...

A coisa já começou mal: "O argumento de que ‘Che Guevara era homofóbico’..." Não se trata de um "argumento", mas sim de um fato, que não escaparia ao conhecimento de Wyllys caso ele fizesse questão de conhecer melhor a pessoa por trás do símbolo. O escritor cubano Guillermo Cabrera Infante, em Mea Cuba (editado no Brasil pela Companhia das Letras), conta uma história que ilustra o ódio que Guevara nutria por homossexuais. Na década de 1960, em visita ao embaixador cubano na Argélia, Che viu na estante da biblioteca as Obras completas do poeta Virgilio Piñera e esbravejou "Como você pode ter o livro dessa bicha na embaixada?", jogando um volume contra a parede. Temeroso, o pobre embaixador jogou os livros no lixo.

Eu só fico pensando... Os militantes do lobby gay têm os cristãos como grandes inimigos, porque cristãos consideram a Bíblia sua base de fé e acreditam que o homossexualismo é pecado - um dos muitos pecados que fazem parte da natureza humana desde a queda. Trata-se de uma categoria TEOLÓGICA que tem sido objeto de muito malentendido por aí. Dizer que o homossexualismo é pecado não equivale a aprovar qualquer tipo de violência ou repressão contra os gays, pois sabemos muito bem que só Deus pode lidar satisfatoriamente com o pecado humano. Chamar o homossexualismo de "pecado" significa apresentar a possibilidade de perdão a pessoas que não estão felizes com suas pulsões homossexuais.

Dificilmente você vai encontrar um cristão esclarecido que aja como Guevara agiu. Pode perguntar a qualquer cristão que goste de literatura: você deixaria de ler Marcel Proust, Oscar Wilde e Tennessee Williams, por exemplo, só porque esses autores são gays? A resposta será um sonoro NÃO. 

No entanto, Jean Wyllys - sim, o aguerrido lobista LGBT Jean Wyllys - desculpa Che Guevara com as palavras "rica biografia", "personalidade complexa" e "reducionismo constrangedor", mesmo tendo ele feito algo que nenhum cristão digno de seu Mestre sonha em fazer: condenar um poeta gay à lata do lixo.

Dois pesos, duas medidas. Claro, porque o símbolo rende muitos dividendos ideológicos e deve ser preservado a qualquer custo. Sacrifique-se a verdade, por que não?

E ainda querem poder para legislar "crimes de ódio" no Brasil, inocentando um assassino que censura poetas e agride leitores, mas condenando um pastor inofensivo que pregue em Romanos 1 sobre pecado e perdão.