Shared posts

13 Nov 01:36

Lapa.

by Diário de Lisboa
Nuno Catarino

auto-lol

CL6B6417
CL6B6407
CL6B6402

06 Aug 12:08

Como um jaguar no telhado

O cornetista de Chicago tem a seu cargo o fecho do Jazz em Agosto. Com ele traz músicos de dois dos seus principais projectos, Chicago Underground e São Paulo Underground, e um convidado muito especial: o saxofonista Pharoah Sanders. Aqui ficam alguns indícios do que irá acontecer nos jardins da Gulbenkian, pelas suas próprias palavras…

06 Aug 12:07

Entrevista: The Thing

by Paulo Cecílio

Quando se pensa num power trio, pensamos num grupo de pessoas que bombardeia rock pelos instrumentos e pelos poros, cuspindo torrente atrás de torrente de electricidade juvenil. O jazz é coisa de velhos, ou uma influência que passa despercebida. E no entanto os The Thing não são outra coisa que não um power trio, misturando essas duas vertentes musicais numa pequena grande granada que rebenta se não nos aproximarmos com cautela - e no entanto a curiosidade move-nos mais do que o perigo. Ao longo de mais de uma década, o trio escandinavo colaborou com nomes como Jim O'Rourke, Otomo Yoshihide e Joe McPhee, e deu-nos também uma magnífica discografia onde se contam álbuns como Action Jazz, de 2006, ou Bag It!, de 2009, voltagem free nos píncaros. Antes de actuarem no Jazz Em Agosto, na Calouste Gulbenkian, falámos com Paal Nilssen-Love, o Gabriel Ferrandini norueguês, que foi amável o suficiente para não notar a ignorância jazzística do entrevistador. Eis então o que há para saber.

Como descreverias o free jazz a alguém que não se familiarize com o género, como é o caso de muitos dos leitores desta webzine?

Diria que a música representa algo político, social, inclusivo, energético, celebratório, incompreensível e capaz de mudar a vida de alguém.

Quando os The Thing começaram a tocar, eram bastante influenciados pelo Don Cherry, verdade? No ano passado, lançaram um disco com a enteada dele. Achas que com isto o trio fechou o círculo?

De certa forma, sim. E sentimos que fazê-lo era o mais acertado naquele momento. Agora estamos a seguir o nosso próprio caminho e o tempo dirá até onde iremos musicalmente. Ainda assim, espere-se muita energia e música estonteante!

© Petra Cvelbar

Ainda sobre o The Cherry Thing, considerá-lo-ias o vosso disco mais pop em termos de expressão musical? Apesar de existirem muitas influências do free jazz e da cena improvisacional, não é tão abrasivo como se acreditaria a princípio...

De certa forma é um disco pop e constituiu apenas o início. Em disco, mantemos as coisas ligeiramente estruturadas mas ao vivo conseguimos torná-las mais extensas. Talvez tenha sido demasiado para uma audiência pop, e as estruturas com que lidámos talvez tenham sido demasiadas para uma audiência jazz, mas fizemo-lo, divertimos-nos, atiçámos alguma energia e deu-nos uma nova plataforma de onde partir.

Para o Jazz Em Agosto, tocarão enquanto septeto em vez de trio, juntamente com outros grandes nomes como o Peter Evans e o Jim Baker. Que desafios enfrentam com esta encarnação? Ajuda a cenários improvisacionais ou torna mais difícil manter um pulso firme?

Qualquer um está livre de manter pulso firme ou de fazer o que lhe agrade mais aqui e ali. Com tamanha quantidade de músicos em palco, cada qual é obrigado a prestar atenção, ouvir, reagir, tomar uma iniciativa, deixar a música viver e não a forçar de qualquer maneira. Basicamente, exige mais de cada músico. Enquanto trio, talvez funcionássemos enquanto catapulta para cada um, ou chame-se-lhe solista. Mas os tipos envolvidos são músicos fortes que, espera-se, nos levem (aos The Thing) para novas paisagens e modos de tocar que não experimentámos antes. Será The Thing, mas maior.

Os The Thing existem enquanto entidade há treze anos. Qual dirias foi o vosso ponto mais alto? Ou ainda está para vir? De todos os músicos com quem os The Thing já tocaram, quem dirias, enquanto fã de música, que te excitou mais?

Todas as tournées se tornam e me fazem sentir que são o nosso ponto mais alto enquanto trio. Mas após cada uma delas, sabemos que temos mais coisas a realizar e que a tour anterior foi apenas o início da próxima. Todos mudamos enquanto pessoas de ano a ano, aprendemos através das experiências que partilhamos tanto connosco como com outros grupos e colaborações e verificamos que a nossa música se desenvolve em cada concerto que damos. Se esse não fosse o caso, teríamos de ter uma conversa séria... Todos os músicos que já tocaram connosco alteraram a música até certo ponto mas acho que também conseguimos alterá-los a eles, pelo menos um pouco, espero... não há favoritos mas voltamos não raras vezes a tocar com o Joe, e isso é sempre um prazer.



Por diversas vezes as pessoas utilizam adjectivos como "frenético" e "energético" para descrever o som de The Thing. É essa ferocidade que mais vos atrai à música? O Blixa Bargeld está enganado quando diz que o silêncio é sexy?

É energético, claro, e é esse essencialmente o núcleo do trio. Mas é certo que não existe ruído sem silêncio. Sexy? Tudo o que está no meio...

Em que é que os The Thing estão a trabalhar de momento? Existem planos para um novo disco? Que poderemos esperar num futuro recente?

Muitos planos. Estamos prestes a começar a nossa própria editora e a fazer as coisas à nossa maneira. É tempo de ter uma maior responsabilidade. Há um disco a sair em Fevereiro, intitulado BOOT!, e depois um disco ao vivo com o Thurston Moore. E iremos reeditar o nosso catálogo inteiro em vinil. Tudo aqui.

Quais são as tuas maiores influências no teu estilo enquanto baterista?

A vida? O amor? A música? A lista é extensa... mas, para mencionar alguns, diria Phillip Wilson e Steve McCall. E, claro, Ed Blackwell, Elvin Jones, Tony Williams, Jack DeJonette, John Stevens, Tony Oxley, Paul Lovens, Paul Lytten e Han Bennink... e Takeo Moriyama... o Zach Hill também faz coisas bastante interessantes, tal como o Brian Chippendale ou os bateristas de Pig Destroyer, Messhugah, Nasum e Nile... e a lista continua...

Cresceste numa casa muito ligada ao jazz. Com que idade decidiste que querias seguir os passos da família? A maior parte dos adolescentes detesta os gostos dos pais...

Sim, os meus pais tinham um clube de jazz em Stavanger, onde cresci, por isso fui exposto a música, músicos e baterias desde sempre. Foi a coisa mais natural do mundo, para mim, mas a verdade é que planeava tocar corneta na banda da escola... só que a palavra "baterista" escapou-se-me e... foi isto. Acho que a música e a bateria me escolheram a mim.

Que pensas da recente detenção do Varg Vikernes?

Aquela em França? Sabes que ele representa um grupo de pessoas que tem ideologias bastante extremas sobre como tornar o mundo ocidental "limpo"... isso inclui, claro, o fascismo, o racismo, etc., que é algo que temos de combater. Mesmo que ele ainda estivesse preso as ideias continuariam a existir. O mesmo para o Breivik. Aparentemente, há muita gente que segue a sua ideologia, que se fascina com a sua persona e a sua música na Europa de leste. Não é bom. Se fosse possível olhar para a música como apenas música, sem conotações políticas, tudo bem, mas o problema é que as pessoas também olham para e veneram o aspecto político da e através da sua música. Claro que a música pode ser ofensiva, mas é melhor que levante questões, que altere o modo de pensar das pessoas e, talvez esteja a ser algo ingénuo, mas através da música que NÓS tocamos, talvez alguém possa mudar pouco a pouco...
06 Aug 12:04

٠ A photographer’s affair with the music scene ٠

by N

consultorio© Vera Marmelo, Consultório, Community art space in Barreiro

luis_02_1000© Vera Marmelo, Luis

Vera Marmelo (b. 1984) is a photographer that came to be very well known in a specific art scene, particularly in the music subsystem of the Lisbon area. She was born in Barreiro, a city facing Lisbon from the other side of Tejo, a city with a very strong sense of community and strong comprehension of how important autonomy and individuality are to redefining culture. So, it could be stated, the natural conditions of her environment conditioned the nest of social relations she started to care for. There is a fizzy underground scene and young people are organized in a community that seems to come together to support each other. They show up in events, bars, concerts, assemblies, etc.

It’s not like this is an ideal place, but these people have strong roots. They’re from a land that is used to resistance and to put of a fight. Needless to say, there is a leftist ideology behind it all. So what makes Vera’s photographs appealing? I suggest it is exactly her proximity to her subjects and the sense of joy and bond her photographs portray.

Writing for the “On the Side Project”, Vera, a professional engineer, explains how photography came into her life: My friends played music and I was around, with a camera in my hands, just for fun, just to give me a reason to hang out with them. [...] What started out as an hobby, a reason to hang out with some people and meet new, ended up being a second job, a second life. From 8.30 am until 5.30 pm I am an engineer and then a Photographer for the rest of the day. Weekends don’t exist and I use my vacations to photograph and edit the work.

5492712619_1424623cd8_b© Vera Marmelo, Tiago Sousa

5340531552_c5762cee60_b© Vera Marmelo, Baltazar Molina

Vera photographs a lot. I mean, really a lot. She does the promo shots, she is there for the videoclips, for the side projects, she goes to concerts, she does portraits and she hangs out on weekends with musicians even when no music is playing. And she has cameras and now there is the digital snapshot so there are hundreds of photographs taken by her that you can glimpse at. I’ll put it up front, that’s not what I’m interested in, though this unedited archive will be very relevant as a document of the music and art scene in the Lisbon area in the beginning of the 21st century.

What interests me is her portraiture, specially the one shot on film. The so-called promo shots. Not only are these the ones I can relate to, as photographic objects, but also because they are the ones revealing the thought behind her process of relating to her subjects. The life of these photographs is not on their indexical signs or their configuration, but on the illusion they create. And this illusion is nothing but a document of a reality which, portrayed like this, leaves out the mundane and small verities of the people in them. So these ambiance which Vera shows us, is put up front as a chimera. Vera is a dreamer, no doubt. A believer and an achiever. She gives us happiness, sense of togetherness, wholeness, there’s no strong sense of individuality (not to be mistaken with style or with the jargon of individuality), as if that was never needed.

minta© Vera Marmelo, Minta

samuel uria© Vera Marmelo, Samuel Úria

Of course it’s not everybody’s dream and it references a iconography that is perhaps overworked, but its influences are the same shared by the musicians so it seems genuine. Yes, it’s the same old America, the Christian style, the Brooklin style, the Californian style, the multicultural New-York style. It’s all that but with our Mediterranean light and a clumsier sense of style. Vera’s photographs are so attached to their signifiers that it is as if they don’t have the risk to be over-stylized unless the people in them do.

norberto 14_1000© Vera Marmelo, Norberto Lobo

nick nicotine© Vera Marmelo, Nick Nicotine

Vera should be praised for her commitment to her lifestyle. What these photographs sell is exactly that: a sort of life that is “cool”. And that’s what her public (within the art scene she portrays) wants. She mastered the moment of desire and she managed to find subjects that seems perfectly comfortable as objects of desire. And we get to be witnesses of that exclusivity and that exclusivity is the ultimate price: the privacy of their relation. 

It’s not about whether you studied photography or arts, but about your willingness to challenge visual culture. And how can one do that? If you commit to show people as authentic as they are. Well, of course there are other things beside the notion that you are “selling” a lifestyle. The use of old films, blurriness, appeal to the sense of nostalgia and temporality, so they dislocate our memories to the place of our childhood, for the smiles, the colors, the smilingly genuine happiness in the air.

32c_1000© Vera Marmelo, Orelha Negra

2_1000© Vera Marmelo, Orelha Negra

Things are never about what they are because they are nothing beyond the cultural notion of what convention told they should be. So Vera’s photographs here shown, though beautiful and extremely honest on their own, are a promise of a chimeric land where music will always live.

More of Vera’s work can be seen here and here


06 Aug 12:04

woouf woouf...

by Kingdom Of Style

 Sofa Hunting!

 It's not a job for the faint hearted.

This is one task that positively can't be undertaken online. There is no substitute for actually plonking your arse on a chair to see if it works for you. The most comfortable looking ones are often the most uncomfortable to sit in.

Grande Empresse Gillian has been on the hunt for several months now. After she endured biblical floods in her flat not one but 5 times, her insurance company have finally settled. Happily on Saturday she finally found the couch of her dreams.

 Later that night, I was online when I did too!

Behold The Mini Moog Sofa...

“This product is manufactured and distributed by Woouf! under license from Moog Music Inc.”

Woouf-barcelona-miniwoouf-sofa-bean-bag-2-1
Woouf-barcelona-miniwoouf-sofa-bean-bag-1
Is that not the most wonderful thing you ever did see?

It also comes as a beanbag

Mini Moog Beanbag €199

Miniwoouf_eshop2
These and a host of other genius items are brought to you by those clever people at Woouf. a young multi disciplinary design studio from Barcelona who were only formed in 2008. To say they just make bean bags and cushions is like saying that  Cristobal Balenciaga made frocks.

 "The basic concept of our first bean bags collection comes from the idea of inverting the dimensions of some of the objects that are part of our universe in relation with the spectactors and reinterpretate them.We want to surprise and provoke a reaction with our products. We want the first one to be an exclamation: Woouf!"

Woufall €135


 

Wooufall-foam2
Wooufall-foam4

Woouf-barcelona-turntable-bean-bag-31

Analogic-red-sin-fondo-3
Analogic-red-sin-fondo
Woouf Woouf.

I want them all...

Queen Marie

01 Aug 13:10

Ladies’ Man

by Part Nouveau

Richard Avedon and David Slijper copyRichard Avedon was a man of many “firsts,” photographing Steve McQueen for the February cover of Harper’s Bazaar in 1965, a cover that would serve as the first instance in which a man was featured on the cover of a women’s fashion magazine, albeit, 60s model Jean Shrimpton does make a cameo with her bracelet-stacked arm snaked around McQueen. In 2010, GQ Australia dubbed Ryan Kwanten the Man of the Year, celebrating with a cover story  photographed by David Slijper after Avedon’s 1956 cover.

 

Comparison Courtesy of Igor Vander 

Steve McQueen by Richard Avedon for Harper's Bazaar, February 1965

Steve McQueen by Richard Avedon for Harper’s Bazaar, February 1965

Ryan Kwanten by David Slijper, GQ Australia, November 2010

Ryan Kwanten by David Slijper, GQ Australia, November 2010

 

The post Ladies’ Man appeared first on Part Nouveau.

01 Aug 13:08

Tattly by Julia Robbs

by rade

Her name is Julia Robbs. This french native girl travelled across different cities & countries to finally end up working in one of the best cities in the world: New York City. Great photographer, we’re featuring some her work for Tattly, a start-up that creates & sells beautiful & humorous temporary tattoos. Discover more of Julia’s work on her own website.

Julia Robbs - Tattly - Cat

Julia Robbs - Tattly - Cat

Julia Robbs - Tattly - Love

Julia Robbs - Tattly - Love

Julia Robbs - Tattly - Make it happen

Julia Robbs - Tattly - Make it happen

Julia Robbs - Tattly - Batman Julia Robbs - Tattly - Colors Julia Robbs - Tattly - Giraffe Julia Robbs - Tattly - Girls Julia Robbs - Tattly - Leaf Julia Robbs - Tattly - Leaves Julia Robbs - Tattly - Lemon Julia Robbs - Tattly - Love Julia Robbs - Tattly - Superman Julia Robbs - Tattly - Triangle Julia Robbs - Tattly - We can do it Julia Robbs - Tattly - X Julia Robbs - Tattly - Cat Julia Robbs - Tattly - Love Julia Robbs - Tattly - Make it happen Julia Robbs - Tattly - Watch

  • Français
27 Jul 20:11

Photo

Nuno Catarino

tour de france



23 Jun 22:28

equipaportugal: Blogues Maravilha Olá, olá! Aqui no Tumblr...



equipaportugal:

Blogues Maravilha

Olá, olá!

Aqui no Tumblr temos de passar horas a pesquisar blogues com a finalidade de encontrar material com qualidade, criativo, giro e divertido. Super aborrecido este trabalho, não é? :)

No entanto, temos uma preferência: derretemo-nos com blogues temáticos. Aqueles blogues dedicados só e exclusivamente a uma pessoa, a uma atividade ou um assunto. E, confessamos, vemo-los sempre de ponta a ponta com um sorriso nos lábios.

Esta semana, temos em destaque o blogue Legolive, do Nuno Oliveira. O Nuno fotografa legos em contextos reais. É isto. E nós adoramos.

Depois, temos o blogue Corta-Unhas, em que perfeitos desconhecidos são apanhados em locais públicos a…a cortar unhas. So funny!

Para fechar com chave de ouro temos nada mais nada menos do que The Gold Digger, uma verdadeira homenagem a meninas (cof, cof) em trajes, reduzidos ou não, dourados. As mulheres invejam, os homens babam-se. Mas todos gostamos do que ali vemos.


obrigado!

23 Jun 22:28

Jazz de regresso ao instituto alemão

by Nuno Catarino
Third Reel

O Goethe Institut, em Lisboa, prepara-se para apresentar mais uma edição do festival Jazz im Goethe Garten. O festival realiza-se de 2 a 18 de Julho, apresentando alguns dos projectos mais criativos do jazz europeu actual. Conforme desvendou a jazz.pt, o festival apresenta seis actuações: Tim Tim por Tim Tum (dia 2); Spinifex Quintet (dia 4); Third Reel (dia 9); Geordie Approach (dia 11); Jump the Shark (16); Expressway Sketches (dia 18). Os concertos têm início às 19h, no habitual - e belíssimo - jardim do Goethe. E, claro, não faltará cerveja Erdinger, salsichas e salada de batata.
10 Jun 12:54

Paz Vega



Paz Vega

10 Jun 12:53

Ao Vivo: Jazz Ao Centro 2013

Jazz Ao Centro 2013
Coimbra
30 Mai a 1 Jun//

Concentrada num único fim-de-semana, a edição 2013 do festival Jazz Ao Centro, levou à cidade de Coimbra seis concertos, divididos entre o Centro Cultural Dom Dinis, o Mosteiro de Santa Clara-a-Velha, o Teatro Académico Gil Vicente e o Salão Brazil - o já clássico palco dos concertos “after-hours”.



O festival arrancou com a actuação do projecto “Incompleto” no Centro Cultural Dom Dinis, trio liderado por José Valente (aconteceu na quinta-feira, dia 30, não tivemos oportunidade de assistir). Já ao segundo dia, o festival mudou-se para o Mosteiro de Santa Clara-a-Velha, para uma apresentação a solo de Evan Parker. O histórico saxofonista inglês apresentou-se com o saxofone soprano e o tenor, alternando de instrumento entre cada tema. Parker começou por atacar o soprano, construindo um fluxo sonoro intensíssimo. Entre o sopro contínuo na palheta e o irrequieto dedilhar nas teclas e chaves nasciam duas, três ou até mesmo quatro vozes em paralelo (Parker jogou muito bem com a capacidade de reverberação acústica daquele espaço centenário). As peças de Parker geravam uma espécie de transe, uma natureza hipnótica, extasiante. É sempre um prazer ver um génio ao vivo.



Na noite de sábado o TAVG acolheu o reencontro do Ensemble X-Jazz, sob a direcção de Evan Parker. O grupo, que reúne 17 improvisadores portugueses, trabalhou em Agosto do ano passado, durante uma semana sob as ordens de Parker, tendo também na altura actuado ao vivo em alguns locais das Aldeias do Xisto. No palco do TAVG juntou-se o mesmo exacto grupo: João Camões (viola d’arco), Angélica Salvi (harpa), Marcelo dos Reis (guitarra clássica), Miguel Mira (violoncelo), José Miguel Pereira e Hugo Antunes (contrabaixos), Rodrigo Amado, João Martins e Pedro Sousa (saxofones), Luís Vicente (trompete), Travassos e Miguel Carvalhais (electrónicas), Luís Lopes e Gonçalo Falcão (guitarras eléctricas), Gabriel Ferrandini, João Lobo e João Pais Filipe (baterias). O grupo foi criando uma música semi-improvisada, guiada pelas indicações de Parker, que orientou o grupo para uma música feita de momentos muito diferentes, com passagens interessantes, promovendo encontros muito proveitosos. Globalmente foi uma actuação muito focada, com alguns dos momentos mais interessantes a resultarem dos mini-grupos que se foram formando: o encontro da harpa com a guitarra clássica; o trio de percussão, a funcionar como um instrumento único; o solo de saxofone tenor de Amado, apoiado por uma secção rítmica jazzística; a imaginação do contrabaixo de Antunes; o encontro lírico do grupo de cordas com o trompete de Vicente… Mas também colectivamente o grupo mostrou união e força, sobretudo nos crescendos enérgicos. Esperemos que no futuro este grupo de músicos talentosos tenha oportunidade de continuar com o mestre Parker.



Os concertos “after-hours”, que mais uma vez tiveram lugar no histórico Salão Brazil, ficaram a cargo dos Zanussi 5. O quinteto norueguês, liderado pelo contrabaixista Per Zanussi, é apoiado pela bateria forte de Gard Nilssen e tem a arara característica de reunir uma frente de três saxofones: Kjetil Møster, Jørgen Mathisen e Eirik Hegdal. Pegando em composições fortes, o quinteto injectou energia e criatividade, arrancando interpretações inspiradas – sobretudo na última noite. Foram particularmente marcantes as intervenções a solo dos saxofonistas, com destaque para a veia mais animalesca de Møster. Os nórdicos encerraram com chave de ouro mais uma grande edição de um festival que continua a marcar a diferença pela contínua qualidade da programação.

23 May 21:00

Architecture photography by Jared Lim

by jaap

Advertise here with BSA


Jared Lim
Accidental architecture patterns captured by Singapore-based photographer Jared Lim, in his series ‘Urban Exploration’.

© Jaap Grolleman, LooksLikeGoodDesign
Tweet on twitter | Share on facebook | Add to del.icio.us
LooksLikeGoodStore Promotion

22 May 18:31

Com o sentido do momento

Nuno Catarino

Evan Parker <3

Quase um ano depois, o saxofonista britânico está de volta a Portugal para tocar com os 17 músicos nacionais que, no último Verão, com ele percorreram algumas das aldeias do xisto. O reencontro vai ser em Coimbra, durante o Jazz ao Centro, estando ainda marcado um solo nas ruínas de Santa Clara-a-Velha.

22 May 18:31

Photo



22 May 10:33

Christina Hendricks

Nuno Catarino

com rodela de pepino.



Christina Hendricks

21 May 18:26

Mos Def no Coliseu

by Paulo Cecílio


Já vinham circulando informações nas redes sociais, encaradas com maior ou menor grau de cepticismo, mas é mesmo verdade: Mos Def estará no Coliseu dos Recreios, em Lisboa, no próximo dia 6 de Junho, naquilo que será a sua estreia por palcos nacionais. O rapper norte-americano tem, diz-se, disco novo na calha, que sucederá a The Ecstatic, de 2009. Os bilhetes custam 25€ e podem ir sabendo mais coisas na página da promotora, aqui.
20 May 10:58

pamela



pamela

20 May 10:35

Here’s a spiky-haired, 14-year-old David Beckham signing for Manchester United

by Brooks Peck

Before he scored that iconic goal against Greece, married a Spice Girl, won the treble, became the Pied Piper for MLS and got into the underpants racket, David Beckham was just a spiky-haired 14-year-old signing a schoolboy contract in a wood-paneled room with a man who had never won anything for Manchester United. Now, almost exactly 24 years and 4,872 Beckham hairstyles later, David Beckham is one of the most recognizable humans on the planet with a 14-year-old son of his own (who had a trial with Chelsea) and Sir Alex Ferguson is one of the most accomplished managers in the history of sports.

They're both retiring at the end of the season and they're both doing it as champions – Beckham in France, age 38, and Ferguson still in the Premier League, age 71. Though their relationship was marred by Ferguson kicking a boot at Beckham and opening up a cut above his eye before the midfielder left Man United for Real Madrid in 2003, there was nothing but hopes and dreams in that antiquated room with too many phones on the table in 1989.

But well before that momentous day, David Beckham had already made his television debut. Here he is at the age of 12 on Thames Television's daytime show, quietly talking about his participation in the Bobby Charlton Soccer School...

A lot has changed for Beckham over all these years, but his voice is still the same.

Photo: The Times via KickTV

20 May 10:35

Photo







18 May 15:08

As coisas acontecem-lhe

A contrabaixista portuguesa tem feito um percurso discreto mas em clara ascensão, tendo já tocado com algumas das grandes figuras da improvisação mundial. Planos é algo que não faz; deixa simplesmente que as coisas aconteçam. E o certo é que lhe têm acontecido…

18 May 15:07

Rui Eduardo Paes lança novo livro: "A" Maiúsculo com Círculo à Volta

by Nuno Catarino


Um ano depois de ter voltado às edições com o aplaudido Bestiário Ilustríssimo, Rui Eduardo Paes prepara-se para apresentar um novo livro, "A" Maiúsculo com Círculo à Volta, novamente edição da Chilli Com Carne. O jornalista, crítico e musicólogo relaciona neste novo livro as músicas de hoje (jazz, improvisação, pop-rock, noise, electrónica experimental e música contemporânea) com as novas tendências do pensamento libertário. A acompanhar as palavras de REP estão ilustrações de Joana Pires, Marcos Farrajota, André Coelho, Jucifer, Bráulio Amado, José Feitor, David Campos, Daniel Lopes, André Lemos, João Chambel e Ana Menezes. O livro será apresentado em Lisboa (dia 29 Maio, Trem Azul, com concerto de Shameful Iguanas), Atouguia da Baleia (dia 25 Maio, M.I.A.) e Coimbra (dia 30 Maio, Salão Brazil, antes do concerto dos Zanussi 5).
17 May 17:59

Uma entrevista que eu dei à revista Vice!

by jorgedanielinternet

Se clicarem neste link, que são estas letras azuis aqui em baixo, vão dar a uma página onde está a entrevista.

Foi o Rui Marçal da revista VICE que me entrevistou, já me disseram que ele é o melhor entrevistador de Portugal. Tem uma foto minha nova que acho que também ficou boa.

 

http://www.vice.com/pt/read/o-jorge-daniel-emigrou-e-agora-e-aprendiz-de-dj

16 Apr 09:30

jazz.pt na Internet: uma nova fase

Nuno Catarino

o novo jazz.pt já tem rss a funcionar

É com um enorme prazer que a equipa do projecto editorial jazz.pt volta ao convívio dos seus leitores e agora de uma forma que cremos ser mais próxima e até mais interactiva. A ferramenta Internet permite-nos isso, bem como uma maior regularidade no acompanhamento da cena nacional e internacional do jazz e da música improvisada.

Hoje (6 de Abril de 2013) é o primeiro dia de uma nova fase, passados sete anos de edições em papel. Por um lado, trata-se de continuar o que fazíamos, mas por outro estamos cientes de que é um outro caminho que começamos a percorrer. Por isso mesmo, inevitável é que o sítio jazz.pt – este – ainda tenha incompletas as suas funcionalidades e que apresente um ou outro erro.

A sua construção ainda não está terminada: os próximos dias e semanas serão de optimização e de acerto de alguns eventuais problemas, só possíveis de detectar com o uso. E com o vosso apoio, pelo que desde já agradecemos que nos enviem reparos, sugestões e opiniões que nos permitam melhorar este serviço público prestado pelo Jazz ao Centro Clube à grande comunidade do jazz.

Uma comunidade que junta melómanos dedicados, gente que tem curiosidade pelo jazz e quer saber mais, além de músicos, técnicos, formadores, produtores, programadores, editores – em suma, todos aqueles que, de alguma maneira, se dedicam ao desenvolvimento desta prática musical. Esta é uma plataforma concebida para vos servir. Digam-nos quais são as vossas expectativas, que nós tentaremos corresponder-lhes, com o objectivo de ir sempre mais longe…

15 Apr 08:39

apsies: I have an uncle who does yoga. And then I died.

















apsies:

I have an uncle who does yoga.

And then I died.

13 Apr 18:34

Jazz em Agosto 2013: gigantes e mais gigantes

by Nuno Catarino
John Zorn
A programação do Jazz em Agosto 2013 acaba de ser desvendada e, mais uma vez, o festival da Gulbenkian volta a surpreender pela enorme qualidade das propostas. Desde logo, o cartaz parece um desfile de gigantes: John Zorn (em dose tripla), Anthony Braxton e Pharoah Sanders. A estes juntam-se alguns dos nomes vitais do jazz da última década: Peter Evans, Mary Halvorson e The Thing. O programa de concertos é completado com Elephant9, Drumming (a revisitar Max Roach) e o projecto Ogre, de Maria João. Há ainda espaço para muitos filmes, incluindo registos de duas históricas actuações: Sun Ra Arkestra no Jazz em Agosto 1985 e World Saxophone Quartet no Jazz em Agosto 1987. A programação completa está ali no site oficial.
19 Mar 17:13

Novidades ZDB: apontem tudo na agenda

by Nuno Catarino
Jean-Luc Guionnet
A Galeria ZDB nunca pára nem desilude, por isso acaba de anunciar mais uma avalanche de música ao vivo até Maio, além dos concertos que já tinham sido anunciados anteriormente (Syracuse Ear, ARLT e Filipe Felizardo no dia 15 de Março, Holly Herndon com Ondness a 30 e o regresso dos Sun Araw e Diva com Matthewdavid a 12 de Abril). No dia 3 de Abril o aquário acolhe uma noite dedicada à improvisação: o saxofonista francês Jean-Luc Guionnet toca em duo com o guitarrista Luís Lopes; na mesma noite actua um quarteto constituído por Hugo Antunes (contrabaixo), Peixe (guitarra), Luís Vicente (trompete) e João Pais Filipe (percussão). A 13 de Abril actuam os Sightings, naquele que será a única data em Portugal (pelo menos até ao momento). Nos dias 23 e 24 Abril a ZDB apresenta "Uma Coisa Muito Séria", com concertos de gente grande: Thurston Moore & Margarida Garcia, Wolf Eyes, Tom Carter, Rodrigo Amado & Afonso Simões e Manuel Mota. A 27 de Abril actuam os canadianos Nü Sensae, com primeira parte dos 100 Leio (da turma Cafetra, a apresentar o novo disco produzido por B Fachada). No dia de trabalhador, 1 de Maio, é a vez dos novaiorquinos Endless Boogie, com primeira parte a cargo do duo lisboeta Asimov (também com novo disco, "Overseas"). Apontem tudo na agenda!

15 Março: Syracuse Ear / ARLT / Filipe Felizardo 30 Março: Holly Herndon /Ondness 3 Abril: Jean-Luc Guionnet & Luís Lopes / Hugo Antunes, Peixe, Luís Vicente & João Pais Filipe 12 Abril: Sun Araw / Matthewdavid / Diva 13 Abril: Sightings 23 e 24 Abril: "Uma Coisa Muito Séria": Thurston Moore & Margarida Garcia + Wolf Eyes + Tom Carter + Rodrigo Amado & Afonso Simões + Manuel Mota 27 Abril: Nü Sensae / 100 Leio 1 Maio: Endless Boogie / Asimov