Shared posts

21 Apr 10:58

Mentirinhas #621

by Fábio Coala

mentirinhas_612Mas, ainda assim, é só uma terça.

 

O post Mentirinhas #621 apareceu primeiro em Mentirinhas.

22 Apr 23:00

Google Unwittingly Cracks Own Captchas

by JLister

streetviewnumbers

Google has developed an algorithm that can decipher house numbers from Street View images with impressive accuracy. The problem is that the algorithm can match or even outperform humans when confronted with Google’s own use of CAPTCHA tests.

Because so much of the data collection for Google Maps is automated, the first drafts of the maps often lack the ability to match a specific number to a specific building, meaning maps can’t always highlight a particular building (or part of a larger building) in a street.

One way round this is to automatically hunt for building numbers that appear in the images captured for the Street View images. That’s not always easy as the numbers on the side of buildings appear in many different typefaces at different sizes and with differing degrees of contrast to the backgrounds.

In a paper published via Cornell University, Google researchers have rethought the way this recognition works. It says traditionally computer systems work on image recognition in three distinct steps: figuring out what part of the image actually houses the characters, breaking it down into manageable sections, then recognizing it piece by piece.

In this case, the researchers instead developed what they call “a deep convolutional neural network that operates directly on the image pixels.” In simpler terms, they tried to develop a system that looks at the entire image and tried to recognize characters in a single process. That’s the technique humans use and has usually been considered as a task computers can’t perform as quickly.

The researchers say they initially tested their algorithm on the Street View House Numbers (SVHN) dataset, a selection of images Google makes publicly available for testing and refining automated recognition tools. The algorithm successfully recognized 96 percent of complete numbers and 97.84 percent of individual digits.

They then turned to the complete Google database, which contains many images considered too difficult to be worth including in SVHN. Here they still managed 90 percent accuracy.

Realizing the technique might work in other areas, the researchers then tried the algorithm on reCAPTCHA, Google’s own system used to distinguish between humans and bots. Not only does reCAPCTAH use letters as well as numbers, but it also distorts the image. The idea is that humans can quickly piece together and reverse-engineer the effects of the distortion, whereas a computer is forced to try out every possible change to get back to the original image and then recognize the characters.

According to the researchers, the algorithm was able to get 99.8% accuracy on the hardest category in the reCAPTCHA test.

Google now concedes that reCAPTCHA as it stands may no longer be sufficient to distinguish between human and machine:

Thanks to this research, we know that relying on distorted text alone isn’t enough. However, it’s important to note that simply identifying the text in CAPTCHA puzzles correctly doesn’t mean that reCAPTCHA itself is broken or ineffective. On the contrary, these findings have helped us build additional safeguards against bad actors in reCAPTCHA.

Understandably Google isn’t detailing these changes, which have involved cooperation between the researchers and the reCAPTCHA department. However, the paper suggests the simplest option is to make the CAPTCHA text longer, something that not only requires more computer resources to automatically crack, but also increases the significance of whatever error rate does exist.

It also suggests a more effective change would be to have the CAPTCHA text sliding around over a static image background, effectively creating a moving target for automated recognition.

14 Apr 09:00

Not my project...

by sharhalakis

by imaginarythomas

14 Apr 00:00

Airplane Message

PHARAOH IRY-HOR, FROM THE 3100s BC, IS THE FIRST HUMAN WHOSE NAME WE KNOW.
12 Apr 23:00

Lynch him!

11 Apr 00:00

Heartbleed Explanation

Are you still there, server? It's me, Margaret.
03 Apr 00:00

Great Tree, Great Axe

by xkcd

Great Tree, Great Axe

If all the seas were one sea,
What a great sea that would be!
If all the trees were one tree,
What a great tree that would be!
If all the men were one man,
What a great man that would be!
If all the axes were one axe,
What a great axe that would be!
And if the great man took the great axe,
And cut down the great tree,
And let if fall into the great sea,
What a great splish-splash that would be!

... How great would all of these things be?

—John Eifert (quoting a Mother Goose rhyme)

If all the seas were combined into one sea, it would look pretty much like the Pacific Ocean, only a little bigger.

The poem's tree, axe, and human are more interesting.

The tree

Real trees can't grow taller than around 130 meters, thanks to physical limits on their ability to transport water. If they found a way around those limits, they'd face issues of fundamental physical strength; a kilometers-tall tree would crush itself.

Let's set aside these limits, and imagine that we built a single standard tree out of all the material in all the world's trees.

For our "standard tree," we'll use the oak tree from the Sylva Foundation's OneOak project. The project extensively documents every detail of a single oak tree. As part of the project, the tree was cut down in 2010. Frankly, I'm not sure what to make of the whole thing, but it's as good a candidate as any for our model "standard tree".

The OneOak tree was 23.9 meters tall and weighed 14.385 tons.[1]Slightly more of the mass was in the branches than the trunk. By comparison, one paper estimates that the world's forests have an aboveground plant mass of about 470 billion tons.

If—ignoring the physical constraints—we combined this mass into a single tree, modeled on the OneOak, the trunk would be two kilometers in diameter. The upper branches would stretch about 75 kilometers above the surface—most of the way to space.

The human

If we used the same approach to combine every living human into a single body—again, ignoring the obvious physical constraints—that person would be close to 3 kilometers tall.

Proportionally, the person would have grown slightly less than the tree.

The axe

How many axes are there in the world?

Thanks to multiple meanings of the word "axes", this is a hard problem to Google.[2]That, and the fact that it's a weird statistic that no one has any real reason to try to gather data on even if they could find a way to do so. Instead, let's try to get a reasonable guess through Fermi estimation.

Since there's no central clearinghouse of axe-related information, I thought I'd try asking friends how many axes they had.

But this might miss a lot of axes; for example, some axes—like fire axes—are owned by organizations. To get a slightly fairer sample, I asked a bunch of friends around the country to estimate the number of axes and number of humans in their general vicinity.

Some people were in houses with sheds, and had a 2:1 human-to-axe ratio. Other people were in large offices with hundreds of people and at best one or two fire axes. The average seemed to be around 50:1—much lower than I expected.[3]I grew up in a house with a wood shop, and we always had a roughly 1:1 axe-to-human ratio.

Of course, surveying random Internet-connected people who I know is hardly representative; rural people probably have more axes, while the very poor might not have any. But it also wouldn't make sense for there to be substantially more axes than people, if for no other reason than that humans can only really use one axe at a time.

But absent any other data, I'm guessing the ratio of humans to axes is probably somewhere between 50:1 and 5:1.

This means that our combined axe would be a little small for our combined person. It would be only a little over half a kilometer long—barely more than a flimsy hatchet.

If an experienced axe user can chop down an eight-inch tree in 15 minutes, then chopping down our giant tree—if the rate is proportional to the axe size and square of the tree's diameter—would most likely take a few weeks of chopping.

The fall

The tree would weigh between 1% and 10% as much as the Chicxulub asteroid that killed the dinosaurs.

It would strike the ocean with much less speed than the Chicxulub asteroid, and the energy release would be much less substantial. However, it would still be moving at kilometers per second, and would be able to displace a gigantic amount of water.

The Chicxulub impact created a giant tsunami; the buried layer of jumbled sand mixed with a fossilized forest it left along the coast of the Gulf of Mexico was a crucial clue in discovering the location of the crater.[4]For more on this discovery, I can't recommend the book T. Rex and the Crater of Doom highly enough. It's written by Walter Alvarez—one of the researchers who found the first evidence for the impact—and is one of the best pieces of popular science writing I've ever read.

There have been some beautiful simulations of the Chicxulub tsunami. The exact details of the tsunami depend on a lot of factors, but it seems safe to say that waves at least tens or hundreds of meters high would inundate every coastline and destroy virtually every coastal city and many farther inland.

In other words, the Mother Goose poem in John's question probably wouldn't wipe out the human race, but it would probably be the deadliest single disaster in our species's history. Even by the ghastly standards of old childrens' fairy tales, that's pretty bad.

Axe law

In closing, I offer my favorite piece of axe-related legal trivia:[5]That's not a long list, but the things on it are all pretty memorable.

Lawyer Kevin Underhill, of the legal blog Lowering the Bar, highlighted the wonderful 1998 case People v. Foranyic. In this case, he writes, appeals court ruled "that there was probable cause for police to detain someone they see riding a bike at 3 a.m., carrying an axe."

So if you're two miles tall and heading toward the coast to cut down the world's only tree ...

... watch out for cops.

08 Apr 04:00

April 08, 2014

05 Apr 12:03

20 Jokes That Only Geeks Will Understand [Pic]

by Geeks are Sexy
06 Apr 17:15

I Don’t Always Use Internet Explorer… [Pic]

by Geeks are Sexy

iejoke

[Via B&P]

01 Apr 09:01

Non standardized environment

by sharhalakis

by john

29 Mar 00:00

03.29.2014

Cyanide and Happiness, a daily webcomic

Copy this into your blog, website, etc.
<a href="http://explosm.net/comics/3509/"><img alt="Cyanide and Happiness, a daily webcomic" src="http://www.flashasylum.com/db/files/Comics/Dave/videobloggersarestupid.gif" border=0></a><br />Cyanide & Happiness @ <a href="http://explosm.net">Explosm.net</a>

...or into a forum
[URL="http://explosm.net/comics/3509/"]
[IMG]http://www.flashasylum.com/db/files/Comics/Dave/videobloggersarestupid.gif[/IMG][/URL]
Cyanide & Happiness @ [URL="http://explosm.net/"]Explosm.net[/URL]
<—- Share this comic!

28 Mar 00:00

Before the Internet

We watched DAYTIME TV. Do you realize how soul-crushing it was? I'd rather eat an iPad than go back to watching daytime TV.
29 Mar 12:03

What if Real Clothes Had Computer Game Stats?

by Geeks are Sexy

stats

[Source: Success Burger]

26 Mar 18:39

Hugh Jackman as The Wolverine: 2000 vs. 2013 [Pic]

by Geeks are Sexy
Renato Cerqueira

Pequena diferença :P

wolv1

Hugh Jackman (31 Years Old) in X-Men (2000) vs. Hugh Jackman (44 Years Old) in The Wolverine (2013).

[Reddit | Dorkly]

24 Mar 19:00

The Most Clever Tyrion Lannister Cosplay of All Time [Pic]

by Geeks are Sexy

tyrion1

Wil Wheaton said it best with his tweet to Mica Bethea (Pictured): “You win all the cosplay awards forever.”

[Source: Wil Wheaton | Mica Bethea]

23 Mar 14:52

Curse Emporium

http://oglaf.com/curse-emporium/

20 Mar 22:00

Zelda Tattoo Covers This Woman's Entire Back

by Luke Plunkett

Zelda Tattoo Covers This Woman&#39;s Entire Back

There are Zelda fans, and then there are Zelda fans. Chrisaixa is a Zelda fan.

Read more...


    






19 Mar 16:00

Claudia Silva Ferreira: negra e moradora da perifeira

by Autoras Convidadas

Texto de Mariana Raquel.

Cláudia Silva Ferreira era casada, mãe de quatro filhos e trabalhadora, mas não foram essas qualidades que tornaram Claudia vítima da violência, na manhã do último domingo.

A trabalhadora que saiu de casa para ir à panificadora, comprar três reais de pão e três reais de mortadela, foi baleada por policiais que subiam o morro da Congonha, onde a vítima morava.

O motivo? Que motivo!? Cláudia era negra e moradora da periferia, isso já é mais do que justificativa para a polícia militar brasileira, que mata mais do que os países que tem a pena de morte instituída.

Moradores do Morro da Congonha fazem manifestação pela morte de Claudia Silva Ferreira.  Foto de Paolla Serra/jornal Extra.

Moradores do Morro da Congonha fazem manifestação pela morte de Claudia Silva Ferreira. Foto de Paolla Serra/jornal Extra.

Segundo relatos vinculados pela mídia, à vítima a contragosto dos moradores e familiares que se encontravam no local, foi “socorrida” pelos policiais militares, se é que podemos chamar de socorro a forma como ela foi jogada em um camburão, como se coisa fosse.

Mas o que marcou o crime cometido contra Cláudia não foi ela ser baleada, apenas por sair de casa para comprar pão, afinal, pessoas negras, moradores de periferia são mortos todos os dias, apenas por ser quem são.

O fato que deu notoriedade ao caso de Cláudia e que chamou a atenção da mídia e da população, foi o vídeo gravado por um cidadão onde o corpo da trabalhadora aparece dependurado na viatura policial, sendo arrastado por cerca de 250 metros. Sem que nenhum dos policiais que transportavam aquela mulher notasse que alguma coisa estranha estivesse acontecendo!

Cláudia entrou para a estatística de mortos pela polícia no Brasil, e sobre isto vimos pouco mais do que a menção do crime na televisão.

Por parte do governo, a presidenta enviou condolências a família por rede social. Já o governador do Rio, em entrevista, afirmou que medidas serão tomadas contra os policiais.

Condolência enche barriga? A promessa de justiça do governador muda a forma como os moradores serão tratados, daqui pra frente, nas comunidades pobres do Rio de Janeiro? Onde está a indignação da população brasileira? Já sei! Guardada para um crime cometido contra um alguém sujeito de plenos e efetivos direitos. Pois Cláudia, nascida negra e moradora de periferia, não serve como parâmetro de justiça no Brasil.

Seu destino, não é mais do que a manifestação do kit opressão destinado pelo Estado brasileiro a pessoas como ela. A face mais perversa do racismo institucional, que tem feito do Brasil o país do genocídio contra a juventude negra. País onde o bandido é identificado pela cor e pela origem humilde, e não pela pratica de ato criminoso.

Li em uma reportagem que Cláudia temia que seus filhos fossem confundidos com bandidos, e quis o destino que fosse ela a “bandida” da vez.

Claudia está morta, sobre isso, não há mais nada que se possa fazer a respeito. Contudo, cabe a nós transformar toda a indignação, por essa morte sem sentido, todo o choro derramado por seus filhos, no combustível da transformação social que esse país precisa.

Nós, como movimento negro, movimentos sociais, ou apenas cidadãos conscientes, devemos nos levantar contra a contínua violação de direitos a que são sujeitos os moradores negros e pobres das periferias espalhadas pelo Brasil.

Autora

Minha professora da 6ª série me batizou de: a menina do contra. E sou mesmo! Nasci Mariana Raquel, mas a vida me fez Diva. Do nome de protagonista mexicana herdei a certeza de um futuro brilhante (um dia serei poderosa e sambarei na cara da alta sociedade) e a contradição que só quem tem significados de nomes antagônicos pode conhecer! Como é possível ser soberana/cheia de graça, sendo mansa como um cordeiro?

Esse texto foi originalmente publicado na página ‘da CAMA ao PÓ’ no Facebook.

+ Sobre o assunto

[+] Até quando vai durar esse extermínio ao povo preto, favelado e pobre? Por Sheila Dias.

[+] Claudia Silva Ferreira: baleada, arrastada e morta pela PM. Até quando? Por Amanda Vieira.

[+] 100 vezes Claudia no Think Olga.

18 Mar 16:40

I like to watch “Hedwig and the Angry Inch” on...



I like to watch “Hedwig and the Angry Inch” on repeat after a breakup… What do you like to do?

19 Mar 10:01

Working on the layout

by sharhalakis

by secondhype

18 Mar 09:00

Claudia Silva Ferreira, 38 anos, auxiliar de limpeza, morta arrastada por carro da PM

by Camilla de Magalhães Gomes

Texto de Camilla de Magalhães Gomes.

2014 ainda está no início mas, após três meses, parecem proliferar as notícias que criam em nós a sensação de: “nunca vi coisa tão horrível”. Nunca vi, até que a próxima barbárie seja cometida e nos convença que isso deve mesmo ser apenas parte do cotidiano. Nesse caminho, ficamos anestesiados e acostumados, até que não se tenha mais nada a dizer, apenas um suspiro e um muxoxo: “mais um”.

Na manhã do dia 17 de março, começa a ser divulgado na internet o link de um vídeo com o título: Viatura da PM arrasta mulher por rua da Zona Norte do Rio. Apertei o play e não passei de dois segundos. Não recomendo. Mas a leitura da notícia é essencial. Mais do que isso: a leitura crítica do que ela representa é essencial.

Na descrição:

Eram cerca de 9h desse domingo, quando uma viatura do 9º BPM (Rocha Miranda) descia a Estrada Intendente Magalhães, no sentido Marechal Hermes, na Zona Norte do Rio, com o porta-malas aberto. Depois de rolar lá de dentro e ficar pendurado no para-choque do veículo apenas por um pedaço de roupa, o corpo de uma mulher foi arrastado por cerca de 250 metros, batendo contra o asfalto conforme o veículo fazia ultrapassagens. Apesar de alertados por pedestres e motoristas, os PMs não pararam. Um cinegrafista amador que passava pelo local registrou a cena num vídeo.

A mulher arrastada era Claudia Silva Ferreira, de 38 anos, baleada durante uma troca de tiros entre policiais do 9º BPM e traficantes do Morro da Congonha, em Madureira, enquanto ia comprar pão. Em depoimento à Polícia Civil, os PMs disseram que a mulher foi socorrida por eles ainda com vida, e levada para o Hospital Carlos Chagas, em Marechal Hermes, mas não resistiu. Já a secretaria Estadual de Saúde informou que a paciente já chegou à unidade morta. Ela levou um tiro no pescoço e outro nas costas.

Identidade de Claudia da Silva Ferreira. Foto: Jornal Extra.

Identidade de Claudia Silva Ferreira. Foto: Jornal Extra.

Uma polícia que atira sem quê nem porquê, que, ao ser interpelada sobre a brutalidade de arrastar uma mulher pendurada no carro, responde: “ela já estava morta”; perdeu sua legitimidade há muito tempo.

Essa também é a mesma polícia que debocha e produz factóides para justificar seus atos, como afirmar que Claudia estava em posse de quatro armas, quando todos afirmam que ela tinha ido comprar pão.

No mesmo fim de semana, também no Rio de Janeiro, um vídeo mostra um policial militar arrastando uma jovem pelos cabelos na Cidade de Deus. Nessa mesma operação, a gari Vânia Ferreira da Silva Corrêa, de 42 anos, foi baleada no quadril esquerdo quando estava na porta da sala de casa. Assim como Claudia, todas mulheres negras, moradoras de bairros pobres.

Quando o menino João Hélio foi arrastado e morto por criminosos, a comoção social gerada era de ensurdecer. Anos depois, dedicaram a ele o projeto do novo Código Penal — alvo de muitas críticas pela expressão do punitivismo e da indignação seletiva que viraram quase regra sobre o tema no país.

Quem vai gritar por Claudia? Quem vai saber seu nome além dos familiares e das pessoas de sua comunidade? Quem vai se insurgir contra os criminosos fardados, agentes do estado? Quem pedirá a responsabilização desses agentes? Por que o barulho diante dessa brutalidade perpetrada por agentes públicos é tão menor?

Por quanto tempo mais serão justificadas violências como essa, com falas como “o estado tem o monopólio da violência”, “o tráfico faz pior”, “temos uma guerra”? Quem ainda não consegue ver a responsabilidade do Estado e da Polícia na criação, fomento e manutenção dessa “guerra”?

A Polícia Militar do Rio de Janeiro divulgou, na tarde de segunda-feira, os nomes dos três policiais militares do 9º BPM (Rocha Miranda) que estão presos em flagrante. Eles prestaram depoimento e foram encaminhados para o presídio Bangu 8. Também serão desligados do 9º BPM (Rocha Miranda). Uma perícia feita na viatura em que o corpo de Claudia ficou preso e foi arrastado, constatou que a tranca da mala do veículo não estava com defeito.

Aqueles que argumentam usando as cartas da segurança pública e da política criminal deveriam se envergonhar de jogar a cartilha da lei e da ordem contra as garantias constitucionais.

Aqueles que argumentam dizendo que a crítica enfraquece a esquerda e dá elementos para a crítica da direita não perceberam que, nessa matéria, direita e esquerda tem tido historicamente as mesmas respostas repressoras e policialescas quando o assunto é segurança pública.

Os que rebatem a crítica perguntando o que colocaremos no lugar da Polícia Militar, deveriam começar desnaturalizando a militarização como essencial para a segurança e olhar para experiências que funcionam independente desse critério.

Vi tanta gente gritar por Santiago Andrade — o cinegrafista morto em uma manifestação. Queria vê-los gritar por Claudia Silva Ferreira. Mulher negra, 38 anos, auxiliar de limpeza num hospital, mãe de 4 crianças que ficaram orfãs, que cuidava de outros 4 sobrinhos para a irmã ou cunhada poderem trabalhar. Queria saber porque seu corpo vale menos ou porque poucos sabem seu nome.

—–

Por Niara de Oliveira no Facebook:

Ao se referirem à negra faxineira de 38 anos e mãe de quatro filhos assassinada pela PMERJ e arrastada por três bandidos numa viatura policial pela Intendente Magalhães na manhã desse domingo em Madureira, Zona Norte do Rio de Janeiro, usem o seu nome: CLÁUDIA SILVA FERREIRA. Não lhe neguem sua história, sua identidade, sua memória, como está fazendo/fará a grande imprensa (e agiu diferente no caso do menino João Hélio). Lembremos sempre de sua história através de seu nome. E sempre que virem algum veículo da imprensa se referindo à Cláudia como “a mulher arrastada”, chamem a atenção e peçam a correção. Fiz isso hoje no twitter com a EBC na Rede e funcionou.

Por Silvia Badim no Facebook:

E andam ressaltando pelas notícias internet afora que Cláudia era mãe de 4 filhos, casada, e cuidava de mais 4 sobrinhos. Uma mulher de “respeito”. Uma mulher “correta”. Preocupa-me esse argumento porque não importa se Cláudia era mãe, auxiliar de enfermagem, prostituta, traficante, dona de loja, se tinha ou não filhos, se dava pra todo mundo, dançava até o chão no baile funk ou era casada. Cláudia era um ser humano que merecia respeito. Não porque era casada ou tinha filhos. Mas porque era uma cidadã deste país, que deveria zelar pela sua integridade e dignidade.

Por Camila Pavanelli de Lorenzi no Facebook:

Mais cedo eu disse: devemos sempre pressupor que declarações da PM são, pura e simplesmente, MENTIRAS. Mas isso não quer dizer, naturalmente, que todas as declarações da PM sejam efetivamente (ou necessariamente) mentiras. Este é apenas um pressuposto do qual devemos partir. Uma vez estabelecido tal pressuposto, há que se analisar caso a caso. Vejamos, então, o que disse a PM sobre Claudia Ferreira, de acordo com o relato do irmão dela:

- “Depois disseram na delegacia que estava com quatro armas, mas isso é mentira. Ela só estava com um copo de café na mão e seis reais para comprar pão.”

Repetindo: a PM disse que Claudia tinha quatro armas. Dizer que Claudia tinha quatro armas é uma mentira? Não exatamente. Mentira, penso eu, seria dizer que Claudia tinha UMA arma. Mas dizer: “Claudia tinha quatro armas”. Responda rápido: você já viu alguma pessoa portando quatro armas? Ao mesmo tempo? Não precisa ter sido pessoalmente. Também não precisa ter sido num documentário. Pode ter sido num filme de ficção. Você já viu? Alguém? Quatro armas? Duas em cada mão?

Agora imagine que sua irmã, uma mulher de 38 anos, faxineira, foi assassinada ao sair de casa para comprar pão. Aí te dizem que ela – não um agente altamente treinado da CIA, mas a sua irmã – estava portando quatro armas na ocasião. Isso, bem, isso já não é mais uma mentira – uma historinha plausível na qual se possa acreditar. Isso é de um DEBOCHE e de uma CRUELDADE que só encontram páreo nas cenas de Claudia sendo torturada.

A mentira é o pressuposto do qual devemos partir ao ouvir qualquer declaração da PM. Mas nem sempre esse pressuposto se confirma. No caso de Claudia e suas quatro armas, não se estava tentando mentir para acobertar o crime (afinal, quem seria capaz de acreditar nesta versão?). Afirmar que Claudia tinha quatro armas é nada menos que estender a tortura aos seus familiares.

Vídeo – Matéria do Jornal A Nova Democracia

+ Textos sobre o assunto:

[+] Dos extermínios por Silvia Badim.

[+] Quando a palavra seca por Cidinha da Silva.

Bibliografia indicada:

- Legalidade Libertária de Luiz Eduardo Soares. Editora Lumen Juris.

- A Política Criminal de Drogas no Brasil de Salo de Carvalho. Editora Saraiva.

- Difíceis Ganhos Fáceis – Drogas e Juventude Pobre no Rio de Janeiro de Vera Malaguti Batista. Editora Revan.

- A Face Oculta da Droga de Rosa Del Omo. Editora Revan.

- Depois do Grande Encarceramento. Organização de Vera Malaguti Batista e Pedro Vieira. Editora Revan.

17 Mar 10:01

Oops! nm... I got this

by sharhalakis

image

by coffee&brotein

13 Mar 10:01

Manual failover

by sharhalakis

by Christopher

28 Feb 18:21

Futebol, carnaval e machismo.

Vamos por nosso bloco na rua e nos acabar de folia? Eu quero também. Mas antes vamos por a mão na consciência para pensar umas coisinhas?

A começar, se beber não dirija. Isso é óbvio, não é? Mas as pessoas fazem. Ah, e não pode canibalizar o amiguinho no bloco também. Mas isso você pode ficar tranquilo que ninguém faz (eu pelo menos nunca ouvi falar).

O que é muito estranho não é? Isso das pessoas ignorarem certos pontos e terem assimilado tão bem outros.

O Brasil, por exemplo, tem uma identidade nacional que o mundo todo conhece: carnaval e futebol.

 

Brasileiro gosta de pelada

Futebol é o esporte mais praticado, o mais bem sucedido e mais difundido da nossa sociedade. E por ser tão amplo e fundido com a sociedade, ele tem caracteristicas dela, como por exemplo, machismo e homofobia.

Não é raro ver o tipo de xingamentos que os torcedores usam para ofender seus adversários, não é? E como eles são exatamente o retrato, se não maior, de como é nossa sociedade.

O time para que eu torço é taxado de “Bambi” pelos adversários, buscando ofender e criar o estigma de que pessoas que torcem para o São Paulo são afeminadas (porque ser gay, como todos aprendemos desde criança, é algo horrível e condenável)

E todo adversário cria um estigma racista, machista ou homofóbico para o seu adversário.

Esse meu mesmo time, em um jogo recente, houve uma discussão entre o treinador e um dos jogadores onde o técnico disse que “aqui não tem lugar pra menina”.

Bem, tirante o fato que a partida era de futebol masculino, de fato, as regras não permitem que mulheres entrem em campo. Mas todos nós sabemos que não foi isso que ele quis dizer, não é?

Tony Porter (que estava no primeiro post desse blog e está de novo em um dos últimos, vejam só) comentou sobre isso no seu vídeo do ted. Ele contou a história sobre um jovem rapazinho de um time de baseball:

" (…) Cheguei a ver isto, este medo que nós homens temos, este medo que nos deixa paralisados, nos prendendo a esta "caixa do macho".

Lembro de ter falado com um jogador de futebol de 12 anos e eu perguntei a ele, “Como se sentiria se, em frente aos outros, seu técnico falasse que joga como uma garota?”

Esperava que ele falasse algo como, “ficaria triste, bravo, com raiva,” ou algo assim. Não. Ele disse, o garoto disse para mim, “Iria me destruir.”

E eu disse a mim mesmo, “Deus, se iria destruí-lo ser chamado de uma garota, o que estamos ensinando a ele em relação as garotas?”

Eu acho curioso o técnico brasileiro dizer isso. Porque no Brasil “futebol é coisa de macho”, né? Sabe o que eles pensam do futebol nos EUA? “Que é coisa de mulher”. Porque lá mulheres jogam muito mais esse esporte que homens.

E viva a percepção social das pessoas. Enfim…

Mas daí, você não se surpreende quando a marca oficial da copa joga no mercado uma camiseta onde diz que “o objetivo no brasil é marcar gols/pegar mulheres” e que faz de um coração uma bunda de mulher

image

Aí o governo brasileiro reclamou, as pessoas nas redes sociais reclamaram, as roupas pararam de serem vendidas e aí me chega o Sérgio Malbergier e me escreve uma coisa dessas em um jornal:

"O Brasil ficou muito ofendido com as camisetas de apelo sexual que a Adidas fez para a Copa do Mundo. Caímos no raro conforto da certeza absoluta: deve-se combater o turismo sexual, ponto. Da presidente para baixo, todo mundo atirou. E a multinacional patrocinadora da Copa suspendeu a produção.

Muito justo.

Dito isso, as camisetas eram divertidas, politicamente incorretas como os torcedores de futebol. Criadas, segundo a empresa, para vendas só no mercado americano, uma estampava a frase “I coração Brazil”, com o coração transformado em corpão de mulher de fio dental; a outra trazia um mulherão segurando bola, paisagem carioca e a frase “Lookin’ to Score” (duplo sentido para “querendo marcar” ou “querendo arrumar mulher”).

Perto daquela moça-vinheta dançando nua todo dia na TV (minha filhinha de 5 anos outro dia perguntou: por que a mulher tá nua, pai? eu disse que era o calor!) e da cobertura carnavalesca focada nos atributos femininos, as camisetas são até suaves.

As camisetas eram divertidas para quem, Jovem Padawan? Não para você que teve seu corpo objetificado como algo a ser “pontuado” por gringos que virão visitar nosso nobre país que sofre com machismos e exploração sexual, não é?

Quase me retorci no chão quando ele diz que “as camisas são politicamente incorretas, como torcedores de futebol”.

Um belo eufemismo para “Machista e misógino, como torcedores de futebol”.

Mas aí ele levantou um ponto interessante: nossa “querida” Globeleza e o carnaval.

 

Carnaval é tudo liberado!

Um amigo meu tem uma frase muito boa para definir o carnaval: Carnaval é a época do ano em que as formigas podem se fantasiar de cigarras.

Carnaval, vocês sabem, é aquele momento em que o amor é mais amor, quebrar paradigmas e outras sacangens, não é mesmo?

Ahn… não. Não é.

Carnaval é tudo, menos isso. Carnaval é a permissão que a sociedade dá para que as pessoas se permitam minimamente. Mas de uma maneira ainda machista em relação “caça x caçador”, onde homens podem “admirar” corpos femininos e puxar cabelos, “pegar o máximo de mulher” possível para o seu panteão de macho.

"Ai Diogo, claro que não. Carnaval é uma festa bem antiga. "Carnaval" é originado do latim medieval carnem levare ("leve se embora a carne") ou carnem levarium ("remova a carne"). É um festejo que antecede a Quaresma, quando a Igreja católica recomenda a abstinência de carne."

É mesmo, jovem Padawan?

Me diga então, que festa democrática é essa em que as pessoas estão fazendo uma campanha como essa?

image

Você já viu alguma campanha pedindo para mulheres não puxarem, tentarem beijar a força ou puxar o cabelo dos homens?


“Ha, ha, ha. Claro que não, se a mulher quiser, pode me beijar a força à vontade” (imaginem isso sendo dito com o sotaque tipo do Boça)

Ha, Ha, Ha, é mesmo… seu babaca.

Vamos ver o que diz o textículo da Juliana do Think Olga?

”(…) ‘No carnaval, pode tudo’ é uma frase que deveria dar arrepios em qualquer um. A festa, por vezes, mascara a violência sexual que muitas mulheres sofrem durante a celebração do feriado. Puxões, encoxadas, beijos forçados, mão boba, um tapinha que “não dói”…

Quem nunca ouviu falar dessas histórias? E ela é sempre contada do ponto de vista do, hmm, “galanteador”, seja em filmes, anúncios publicitários ou mesmo na boca de um amigo. A graça da conquista é a protagonista, merecedora de aplausos, risadas, high fives. O consentimento, por outro lado, não tem espaço neste roteiro.

Se você cortar a cena e jogar luz para quem foi esquecida como figurante, vai enxergar coisas que talvez não gostaria: medo, aborrecimento, vergonha e traumas. “Ao ignorar um grupo de homens que me cantavam, levei um tapa na bunda. Eles riram. Eu chorei de dor e humilhação.” Este é um dos milhares de depoimentos reais que recebi desde que comecei, em julho do ano passado, a Chega de Fiu Fiu, uma campanha que luta contra assédio sexual em locais públicos no Brasil. Tem mais: “um homem de moto diminuiu a velocidade ao passar por mim e enfiou a mão no meio das minhas pernas”, “de repente, um cara se aproximou de mim com o pau pra fora”, “um motoqueiro gritou ‘sobe aqui e eu te mostro como se trepa’.

(…) Infelizmente, tal comportamento é visto com normalidade por grande parte das pessoas. Também é legitimado por propagandas e formadores de opinião (!) equivocados, que confundem as relações românticas naturais humanas com a violência e agressividade do assédio sexual. No carnaval, caia na farra, mas não caia nessa. E respeite as mulheres.

Resumindo tudo o que eu querida dizer com esse post: basicamente, nossas duas grandes identidades nacionais são estupidamente machistas.

É triste que isso é celebrado como o que é ser brasileiro. Esse povo festivo, de bem com a vida, que chama de “viado” para ofender e encoxa desconhecidas no carnaval porque “tudo é permitido”. Tudo é permitido, menos pedir permissão.

Bonito seria se educássemos as pessoas para que machismo fosse algo tão impensado a se cometer com outro ser humano quanto… sei lá… canibalismo.

Oxalá. E ziriguidum…

 

—————————————————————————

Toda terça e sexta escrevo sobre o que aprendi com as mulheres da minha vida. Não esqueçam de curtir também a page do facebook. Vai ter bastante conteúdo por lá :)  - Só clicar aqui!

10 Mar 19:00

Development Studio Attempts to Create Non-Gendered Characters [Pic]

by Lauren Berkley

Aware of female representation in video games, game developer QCF went back to the drawing board when it came to developing its characters for Desktop Dungeons.

desktop dungeons_nongendered

From QCF:

It wasn’t good enough for us [at QCF] to simply react with deliberate ugliness or typically masculine factors – the idea was for Desktop Dungeons to remove the gender binary entirely instead of just making everyone a man. In de-emphasizing sex as much as possible, we hoped that players would be able to enjoy a more gender agnostic environment in general.

Shorthands for the feminine kept crawling into our work when we weren’t paying attention – smooth skin, homogenized facial structures, evidence of makeup, you name it. Even characters who we thought would easily sidestep trouble (like the female wizard) simply looked like young, pretty women in grunge costume rather than hardboiled dungeoneers. Portraits for some species went through several drafts just to deprogram our subconscious idea of what felt normal and right.

It’s definitely a step in the right direction. QCF was also forthcoming, however, with the flaws they will work on in the future, such as “whitewashing” much of the cast, relying on “secondary markers” to identify female goblins from male ones, and predominantly male enemies and main story characters.

There’s hope for the gaming industry yet!

[Via The Mary Sue]

10 Mar 19:30

Eight Things You Might Not Know About The N64

by Patricia Hernandez

Just because you've used the N64 before doesn't mean you know everything about it, hotshot. The 18 year old console has a curious history behind it, after all.

Read more...


    






06 Mar 16:54

My top 12 favorite coffee quotes

07 Mar 10:00

Junior changing my changes

by sharhalakis

image

by fox

06 Mar 10:00

Deploying on the brand new powerful hardware.

by sharhalakis

by dtsomp