Shared posts

19 Sep 14:19

Hacking the Australian housing model

by Simen Sorthe

Photo by Peter Clarke

Nightingale Housing isn’t your typical, run of the mill, housing provider. Run by architects passionate about affordable and sustainable housing, it does not strive for big profit margins or quick gains. Simply put, Nightingale took the traditional housing developer model and cut away anything they deemed to be unnecessary, introduced high standards for sustainability, and gave the ownership of the project to the only ones that made sense: the buyers, the ones that will live there.

Earlier this year, I was fortunate enough to score a ticket to Nightingale’s sold-out information meeting on their upcoming project in Australia. It was a standing-only ticket, and when I arrived, it quickly became apparent why: the 500-seat lecture theater at the Melbourne School of Design was packed to the brim, with late-commers resorting to the stairs and banisters. We were all here to hear more about Nightingale’s latest project (and soon up for sale), the Nightingale Village – 7 apartment buildings, with 7 architects, in the middle of Brunswick, one of the trendy inner suburbs of Melbourne.

The popularity of this event shouldn’t surprise anyone that has prior knowledge of Nightingale. The small but ambitious team is behind some of the best housing projects in Australia, with awards to show for it. These housing projects are being delivered in a housing market that has become more and more unaffordable and unequal. While prices are going up, home ownership rates are going down, and all of this is happening simultaneous to an explosive population growth expected over the next decades.

And it’s with these developments in the back of their minds that Jeremy McLeod and his team stopped and started reflecting on the projects they were doing as architects.

Interiors of one of the Nightingale 1 apartments. Photos by Peter Clarke

 

“We found ourselves working for property developers and being directed by project managers to deliver, what they would refer to as, a product for profit. And the quality of housing that was delivered through that model was questionable at best,”Jeremy explained, when I met up with him at the Nightingale studio a couple of months later.

“And we had always thought that as architects we could resolve any problem through design; through spatial design, through materials, or through the architecture itself. But if the brief you are given is really about delivering profit, and not about delivering high quality housing, then we found out that it was actually – even when we were trying our very best – impossible to deliver the great quality, meaningful housing, at a reasonable price point, we wanted. And so we got fired from projects, because we realized half way though that the project from where we were sitting was destined for failure.”

The manifesto and call-to-arms

As any good revolution, it started with a manifesto. Jeremy and his team at Breathe Architecture had built the Commons, a progressive apartment building, with no car parking, high-quality apartments and plentiful communal areas. And it was a hit, winning them both awards and press.

“The idea was that we would build this as a prototype to encourage our developer clients to see that if you build something that is sustainable, that does build community, that there is a market for that. Hoping to just change the development sector enough, so that we could then go and continue to work as architects; you know, to do what we are good at.
So, we built that. When we sold it – 22 or 24 apartments were sold to owner-occupiers – lots of developers came here to visit it. But after three years, nothing much changed; everyone came through, had a look, took some photos, “that’s an interesting idea” and then it was business as usual: you know, back to building speculative buildings and selling them to offshore investors.”

Jeremy and his team realized that the only way to change anything was to take control over the financial part; to develop the projects themselves. However, they couldn’t do that alone. With help from academics and tax experts, they developed a financial model, which was then translated into a manifesto.

Florence Street, the address of both The Commons and Nightingale 1, hosts its residents of a Community Dinner in February. Photo by Kate Longley

 

“I took four days out of work to write a manifesto on the state of housing in our city, and sent a call-to-arms to about 30 of the greatest architects in Melbourne. This is what I proposed to do: I wanted to buy another site and I wanted another project like the Commons. We wanted to fund it totally independent of any bank finance, we wanted to make sure that was triple bottom line and we wanted to show that it’s replicable.

Remember these colleagues are my competition, we compete for the same work. But I asked them to invest in Breathe’s new project. Within 30 seconds, two of them responded “we’re with you”. By the end of the week, I had seven architects who were all committing $100,000 AUD, and these architects aren’t wealthy. They’re young firms, and they were borrowing against their houses to put money into our project.”

When the Nightingale project started, all they had was a waiting list of 11 people, mostly of people writing to them after they finished the Commons. After the call-to-arms and with no marketing budget at all, the first information meeting drew over 125 people. There was clearly a demand.

They quickly realized the 20 apartments included in the first Nightingale project wouldn’t keep up with demand, so they asked one of the firms that had responded, Six Degrees Architects, to start looking for a site for Nightingale 2. By the time the waiting list reached 700, Austin Maynard Architects had started working on Nightingale 3.

The model hacked

So, what is it that makes Nightingale so special, so sought-after and admired? With the Australian housing market in crisis, the Nightingale Housing model is taking the traditional developer model and hacking it. There is no marketing, no real estate agent, no hidden profit margin; it is delivered at cost, meaning that what you see, is what you pay for. And what you get is of high quality and sustainable.

“Nightingale Housing is a triple bottom housing tool, meaning it has to be ecologically, socially and financially sustainable,” Jeremy explains, with patience and ease. “Ecologically sustainable, because there’s no point building anything if the planet warms to a point where we can’t actually occupy it.”

The rooftop of The Commons. Photo by Andrew Wuttke

 

“Socially sustainable, so that it must build community both within the building, but also interfaces with the broader community.”

And lastly financially sustainable, which I guess is twofold, one part is that we deliver housing at cost, which demands a financially transparent model, so everybody gets to see how much every part of the project costs. But also, it means that it not just about the cost of buying the apartment, but it includes the cost of living there overtime.”

“This long-term financial approach comes in all shapes and forms; from the embedded Internet provider that delivers a fast, reliable, and cheap connection; to negotiating a wholesale energy contract, which Nightingale then pass on to the residents. They have also ditched the traditional Australian building standards of single-glazed windows and poor insulation, to decrease energy consumption both for heating and cooling.”

“They also go further, building absolutely no parking space for cars, only bikes, which usually comes in conflict with the local planning by-laws. This makes the planning process difficult, but they have succeeded up until now with getting all their applications approved in the end. Usually a Nightingale-buyer will have to sign a contract, where they agree to not own a car while living in the apartment.”

Measuring their success

Nobody can accuse the Nightingale team for lacking ambition, and with their first project constructed, sold and occupied, I was curious to hear if Jeremy felt he had succeeded, especially the social sustainability, which can be the hardest to measure.

“We have anecdotal evidence from people after they’ve moved into the Commons. They’ve sold their car, they’ve lost weight, they seem happier, they seem less anxious, they seem more connected, you know. I could cite you a ton of individual examples of how that’s happened.

“With Nightingale, we’ve partnered with RMIT to do a longitudinal study of the Nightingale 1 residents, asking all of those questions. They interviewed everyone before they moved into their apartments, and then they’re going to follow their progress over the next five years.
So, the answer that question is: can I tell you in four years’ time?”

The Commons and Nightingale 1 are situated on each side of Florence Street. In February this section of the street hosted a Community Dinner, arranges by the residents of the two buildings. Photo by Kate Longley

 

When it comes to the more environmental aspect of the project, it is easier to measure. Energy consumption is about 25% of any building in the area, and carbon emissions are minimal, thanks to green sources for electricity and heating. The Nightingale 1 is also fitted with 200 sensors, installed by a PhD student, measuring temperatures and air quality, both internal and external, which are then compared to energy usage.

“Yeah absolutely, and again open and transparent,” answers Jeremy, when I ask him if you could say they use a trial and measure approach to their triple-bottom line.“So, if something doesn’t work, we just say “okay, that is a failure” and then have to find out what we need to do to adjust, to make it better. That’s the idea, and I mean if you guys want to send a crew out to count some people for us that would be awesome,” Jeremy laughs.

Scaling up

With 22 licenses granted across the country, one is handed over, a few are under construction, and several more are in planning phases, including the Nightingale Village. What the little team in Brunswick do most days, is all about helping the architects with site feasibility studies, land acquisition, financing and planning processes. And – because they themselves are developing the projects – they are also holding information meetings for potential buyers, and balloting nights, where the lucky ones are selected.

But nevertheless, a Nightingale project will still strive for a small and local community. “We could have had 20 buildings in there, but the important thing is that each of the buildings are broken down into individual communities,” Jeremy tells me, when I ask him why the Village has been divided into 7 smaller projects, instead of one big. He breaks down the math for me:

“We know that humans can remember about 150 people and consider them friends. So, limiting the number of apartments to 40 units per building, is again based on the idea that you might want to have about 75 people living in each building. This way they can be part of a broader community, or a part of a broader village. At least that’s the assumption we are making, and we’re happy to take feedback and comments on this.

“But the idea is that they’ve got their own rooftop garden, their own communal areas to come together in, their own laundry, and then they can come out on the street and engage with their broader community. So, there’s an opportunity for them to have their private space, then their own community in a semi-private or semi-public space, and then go out into the public arena where they might go to a cafe or a park downstairs and engage with other people in their community.”

“So yes, we think that the building size can be limited at forty units, and can then be multiplied across the village. We’ve already seen that with the Nightingale 1 and the Commons, and the part of the street they share. Residents from both buildings come together and meet at the café, they meet at the parklet in front of it. Both resident groups have lobbied the council to close the street completely, and turn it into a park, because no one’s gonna bring cars here anyway.”

“This is the theme: “We are stronger together”, where we’re having two residents’ groups on both sides of the street, lobbying our council, bringing positive change not just for them, but for the broader community. So, I’m really excited about what can happen at a precinct level.”

 

Nightingale Village is currently in planning with the local Moreland City Council.

 

 

19 Sep 13:06

Campanha no RN tende a ir para “abaixo da linha da cintura”

by Cefas Carvalho

Faltando menos de três semanas para as eleições, a campanha começa a ficar parecida com uma final de campeonato de futebol. Começa elegante, com troca de mãos e estratégias elaboradas, e chega à reta final com pancadas entre os adversários e todo mundo embolado na área para tentar um gol que evite a derrota.

No Rio Grande do Norte, a campanha para o Governo do Estado chegou, ou melhor, ultrapassou essa invisível e terrível linha divisória.

Do início cordial e propositivo entre os candidatos competitivos, senadora Fátima Bezerra (PT), ex-prefeito de Natal Carlos Eduardo Alves (PDT) e atual governador que tenta reeleição Robinson Faria (PSD), chegamos à fase em que algum dos candidatos, ou de suas assessorias ou aliados, joga bosta no ventilador na esperança que a sujeira altere algo do cenário do momento.

Testemunhamos o primeiro capítulo desta fase na semana passada, quando em uma entrevista  na InterTV Cabugi, Robinson afirmou que o “presidente” da facção “Sindicato do Crime” declarou apoio à Fátima ao Governo repercutindo (e dando aval) a notícia falsa e um áudio que rodou famigerados grupos de Zap.

Quando se esperava que a assessoria de Robinson acudisse como bombeiros, veio a secretária de Segurança Pública do RN, delegada Sheila Freitas, jogar gasolina da fogueira. De maneira inacreditável (e leviana) ela afirmou que “Tão logo tomei conhecimento, entrei em contato com o Ministério Público e encaminhei a Cibele Benevides, do MP Eleitoral, porque esta pessoa que está descrita no áudio é um preso muito conhecido. Já o prendi diversas vezes. Eu reconheci a voz dele, reconheço a voz dele naquele áudio. Se o áudio é verdadeiro ou não tem que ser investigado. Ele está preso. Gravem um áudio e comparem. Pra mim, aquela voz é de Colorau”.

Difícil não imaginar que tratou-se de uma estratégia elaborada para tirar votos de Fátima Bezerra. Já aconteceram coisas do gênero em carnavais (ops, em campanhas) passados, inclusive atingindo o próprio Robinson na reta final da campanha dele contra Henrique Alves, em 2014.

A própria Fátima foi vítima em pelo menos duas campanhas de “estratégias” bem baixas criadas, sabe-se, pelas assessorias de Wilma de Faria em 1996 e de Micarla de Sousa em 2008, ambas vencedoras da eleição para a Prefeitura de Natal.

Nas conversas entre jornalistas especula-se que “denúncias” envolvendo candidatos virão à tona nas próximas duas semanas. Talvez sem provas ou evidências, talvez sem veracidade ou credibilidade, mas quem precisa disso tudo quando se tem grupos de Zap ávidos por compartilhar notícias – verdadeiras ou não – sobre os candidatos adversários?

Eleitores e eleitoras que preparem nariz e estômago para as próximas semanas, que o esgoto do mau jornalismo, do jornalismo serviçal de intere$$e$ e das Fake News será aberto e os golpes virão cada vez mais abaixo da linha da cintura.

 

O post Campanha no RN tende a ir para “abaixo da linha da cintura” apareceu primeiro em Saiba Mais.

19 Sep 13:04

Presidente do STJ repreende TJ-SP por ignorar súmulas e não conceder HC

by renato renato

Resultado de imagem para ministro João Otávio de NoronhaCONJUR/Por Fernando Martines

O presidente do Superior Tribunal de Justiça, ministro João Otávio de Noronha, repreendeu publicamente o Tribunal de Justiça de São Paulo pelo fato de a corte paulista desrespeitar sistematicamente súmulas do STJ e não conceder Habeas Corpus. A bronca foi dada nesta segunda-feira (17/9) em evento organizado pela ConJur para debater os 30 anos da Constituição.

Já no final da primeira mesa de debate, o advogado Artur Tangerino afirmou, da plateia, que 40% do HCs do STJ nascem do fato de o TJ-SP ignorar súmulas, e questionou se seria o caso de pensar em uma reforma do sistema de precedentes.

Representando o TJ-SP estava seu vice-presidente, desembargador Artur Marques, para quem súmula do STJ não é vinculante e a corte paulista analisa caso a caso.

Neste momento, o ministro João Otávio Noronha, presidente do STJ, não se conteve. Passou a falar por cima do desembargador, sem microfone, para contestá-lo. Logo seu microfone chegou e a reprimenda foi dura.

Noronha disse que as instâncias inferiores têm a obrigação de seguir as súmulas, que a rebeldia de São Paulo resulta em uma enxurrada de processos nos superiores e que o TJ-SP tem uma dívida por não seguir o entendimento de concessão de HCs.

Veja o que o ministro Noronha disse:

É uma quantidade enorme de decisões condenatórias proferidas pelo TJ-SP ao arrepio de súmulas do STJ e do STF. Dizer que súmula do STJ não tem força vinculante é simplesmente fazer tábula rasa do papel constitucional dos tribunais superiores. Se eles estão lá para dar a última palavra na interpretação da lei federal, e dão, dizem como deve ser entendida, não é razoável que os tribunais e juízes manifestem decisão em sentido contrário. A livre convicção que se dá ao juiz é a livre convicção dos fatos. Para o Direito, a Constituição criou o Supremo Tribunal Federal no plano constitucional e o STJ no plano infraconstitucional. Portanto, o Tribunal de Justiça de São Paulo tem uma dívida e é bom que a gente diga e converse sobre isso. Tem uma dívida em seguir as orientações dos tribunais superiores em matéria penal. Isso faz com que o índice de Habeas Corpus seja muito grande, tanto no STJ quanto no STF. É necessário rever esse posicionamento.

O post Presidente do STJ repreende TJ-SP por ignorar súmulas e não conceder HC apareceu primeiro em BLOG DO PRIMO.

18 Sep 18:14

O general Mourão foi criado pelo pai? Deu no que deu. Por Carlos Fernandes

by Carlos Fernandes
O general da reserva Hamilton Mourão (PRTB), vice de Jair Bolsonaro (Exército Brasileiro/Divulgação)

Para um país onde a nata do analfabetismo funcional se acha do direito de querer ensinar aos alemães as origens do nazismo, não é de se estranhar que um mal parido como o general Mourão queira dar os seus palpites sobre as relações de amor e afeto envolvidas nas famílias que por inúmeros motivos são constituídas sem a presença paterna.

O que realmente assombra nesse caso é a indigência, o preconceito, a homofobia, a desinformação e o machismo com que constrói a sua narrativa.

A coisa se deu numa palestra proferida no Sindicato da Habitação de São Paulo (Secovi-SP). Lá pelas tantas o candidato a vice na chapa de outro neandertal sentenciou:

A partir do momento em que a família é dissociada, surgem os problemas sociais. Atacam eminentemente nas áreas carentes, onde não há pai e avô, é mãe e avó. E, por isso, torna-se realmente uma fábrica de elementos desajustados que tendem a ingressar nessas narco-quadrilhas”.

A essa altura ele já havia, por óbvio, discriminado as famílias formadas por casais homossexuais. Mas não satisfeita a sua obtusidade, partiu para a ofensa e a criminalização de famílias que, elas próprias, são vítimas pelo abandono dos pais.

Tudo, claro, resumido aos pobres. Famílias ricas nessa mesmíssima situação estão imunes às suas vaticinações. Se for um certo militar que já passa pelo terceiro casamento, então!!!

Mourão não sabe, e dada a sua ignorância não teria mesmo como saber, mas não é fácil determinar exatamente de quantas formas e maneiras sua afirmação pode estar errada.

Primeiro que o seu machismo não o deixa perceber que são justamente essas mães e avós – e não os pais e avôs que os abandonaram – as grandes responsáveis por não termos um verdadeiro desastre social causado justamente pela dissolução familiar provocada, sobremaneira, pelos homens.

Fiquemos, apenas a título de ilustração, com um único dos muitos fatores que fazem com que mães e avós se tornem as únicas responsáveis pela criação, educação, sustento e formação moral e ética de nossas crianças: o não reconhecimento paterno.

Não existem dados oficiais atualizados para o número de crianças cujos registros de nascimento não constam sequer o nome do pai. Os últimos dados que se têm notícia dão conta de um contingente de 5,5 milhões de crianças que foram registradas apenas com o nome da mãe e da avó.

Mas essa informação está claramente defasada. A questão, porém, é que só esse número dá uma ideia do problema que Mourão quer descaradamente imputar às mulheres.

O não reconhecimento de paternidade é apenas a ponta do iceberg do abandono dos homens em relação às suas companheiras e filhos.

Se somarmos a esses a quantidade de “pais” que mesmo tendo reconhecido sua prole em cartório, os abandonam física ou psicologicamente, o exército de seres humanos carentes de uma referência masculina em sua criação é descomunal.

Daí que se não fosse todo o amor, carinho, respeito, trabalho, educação e infinitos sacrifícios que justamente as mães e avós, sozinhas, empregam na difícil arte de construir um verdadeiro cidadão, estaríamos definitivamente no caos.

Imputar uma parte considerável da criminalidade desse país justamente a essas mulheres, não é só desonestidade intelectual, é mau-caratismo.

Não tenho como afirmar de que forma se deu a criação do general Mourão, mas a julgar pelo ser humano que se transformou, é possível dizer que o seu pai fez um péssimo trabalho.

18 Sep 18:13

Como funciona o lobby da Nestlé, Unilever e Danone para esconder o excesso de sal, gordura e açúcar nos rótulos

by Redação
Facebooktwitter

No Brasil, três em cada quatro mortes são causadas por estas empresas.

Ilustração: João Brizzi/The Intercept Brasil

18/09/2018

Anvisa quer novos rótulos para os alimentos; decisão incomodou as gigantes do setor de ultraprocessados, que têm se movimentado fortemente para evitar a aprovação da nova regra.

 

 

Por João Peres, do The Intercept

 

A Agência Nacional de Vigilância em Saúde (Anvisa) quer novos rótulos para os alimentos. O órgão, que dita as regras de venda de alimentos e remédios no Brasil, criou em maio de 2018 uma proposta que pode obrigar fabricantes a incluir alertas gráficos sobre a presença de componentes nocivos à saúde, como sal, açúcar e gorduras nas embalagens. O sistema também busca padronizar informações, como as medidas básicas usadas para indicar a proporção de nutrientes e ingredientes. Sem essa padronização, a indústria confunde o consumidor diante da prateleira, que precisa decidir sobre a influência de 1g de sal em embalagens de quantidades diferentes.

No mundo inteiro, governos buscam soluções criativas para lidar com a obesidade e as doenças crônicas, como diabetes, hipertensão e câncer, que se transformaram nas maiores ameaças à saúde pública. No Brasil, três em cada quatro mortes são causadas por elas. A tentativa da Anvisa de aprovar um rótulo mais claro, com alertas sobre componentes nocivos à saúde e relacionados a essas doenças, seria uma maneira de incentivar a população a optar por alimentos mais saudáveis.

A proposta, no entanto, incomodou empresas como Coca-Cola, Nestlé, Unilever e Danone, gigantes do setor de ultraprocessados – alimentos industrializados prontos para o consumo feitos com componentes químicos e, em geral, cheios de sódio, açúcar e gorduras –, que têm se movimentado fortemente para evitar a aprovação da nova regra. A proposta já passou por uma primeira e turbulenta fase de consulta pública. Agora, deve haver uma nova consulta, e finalmente o texto precisa passar pela diretoria.

A resistência da indústria é encabeçada pela Associação Brasileira das Indústrias de Alimentação (Abia), composta por Nestlé, Unilever, Bauducco e Danone, entre outras gigantes do ramo. Para enfrentar a decisão, essas empresas seguem um roteiro bem conhecido: buscam convencer o governo, a opinião pública, a mídia e os cientistas de que, talvez, os malefícios de seus produtos não sejam tão grandes assim. É bem parecido com o que faziam as fabricantes de cigarro no passado, uma comparação que a indústria de alimentos odeia. Normalmente funciona.

O lobby dos alimentos foi descrito em 2015 pela pesquisadora francesa Mélissa Mialon, atualmente no Núcleo de Pesquisas Epidemiológicas em Nutrição e Saúde da USP, a Universidade de São Paulo. E, na briga contra a mudança nos rótulos, a estratégia de lobby já mostrou resultado: as empresas conseguiram estender o prazo da consulta pública da Anvisa graças a uma liminar.

Entenda como as empresas tentam impor suas vontades goela abaixo:

1. Elas exageram números

Assim que surge uma nova política que interfere nos negócios, a indústria corre para superdimensionar o seu impacto. A Abia, por exemplo, diz que alterar os rótulos pode levar ao fechamento de mais de 10% dos postos de trabalho no setor.

Na verdade, em menos de um mês foram apresentadas três estimativas diferentes: 145 mil, 180 mil e 200 mil – isso num segmento responsável por 1,8 milhão de empregos. Pedimos à associação que nos mostrasse como o levantamento foi feito, mas a explicação foi breve, dizendo apenas se tratar de relatório preliminar.

A entidade calcula que o total de prejuízos chegaria a R$ 100 bilhões e, num efeito-dominó, já fala em outros 1,9 milhão de postos de trabalho fechados em várias áreas. Apesar de a associação não divulgar o documento, tivemos acesso a ele. E vimos que o cálculo foi feito a partir da extrapolação dos números de uma pesquisa Ibope e não de um levantamento científico. A GO Associados, consultoria responsável pelo cálculo, levou em conta a preferência das pessoas por um modelo ou outro para supor o que ocorreria com o consumo. E ignorou a possibilidade das pessoas começarem a optar por produtos mais saudáveis (na projeção deles, é como se as pessoas tivessem parado de comer).

Há cálculos, no entanto, sobre qual seria o impacto de rótulos mais claros na saúde pública. No Canadá, país que começará em breve a implementar os alertas nos rótulos, a economia no sistema de saúde pode chegar ao equivalente a R$ 10 bilhões – em uma estimativa conservadora. Também procuramos os dados disponíveis no Chile, único país que já colocou em prática as advertências. Lemos o relatório financeiro das maiores empresas. E, lá, não encontramos sinal de fechamento de vagas de trabalho: pelo contrário, algumas até contrataram. A produção aumentou em alguns casos: os setores de alimentos e bebidas seguem crescendo, de acordo com o último relatório anual de vendas, publicado em junho, pela entidade que representa a indústria.

2. Pressionam autoridades

Como a Anvisa se mostrou irredutível, a Abia buscou a intervenção do Ministério da Saúde. Deu certo. Gilberto Occhi, que assumiu a função em abril, chegou a se colocar contra os alertas. “Não se pode mudar de forma radical uma embalagem sob pena de destruir produtos ou empregos e empresas”, disse.

A escadinha subiu e chegou ao Palácio do Planalto. “É importantíssimo. Essa coisa do triângulo, que é sinal de perigo, se não tomar cuidado daqui a pouco bota tarja preta no alimento. Vai prejudicar o setor”, disse Michel Temer durante almoço com industriais em São Paulo – ignorando que o excesso de sal e açúcar também prejudica as pessoas. O presidente da Abia chegou a pedir claramente a nomeação de um diretor da Anvisa alinhado às empresas. Mais tarde, o ministro Occhi baixou o tom.

A pressão chega ao Congresso também. Lá, desde 2008 tramita um um projeto de lei que propõe um outro método de sinalização de perigos no alimentos. O Projeto de Lei do Senado 439, de 2008, propõe adotar o semáforo, um sistema que prevê a colocação das cores verde, amarelo e vermelho para os nutrientes críticos. Se aprovado, o semáforo torna nulo o novo método que a Anvisa defende. Esse projeto ficou estacionado por muitos anos por pressão do setor privado, mas o surgimento dos alertas da Anvisa fez as empresas abraçarem esse sistema como uma estratégia de mal menor.

Você consegue saber se esse alimento é saudável? Esse é o rótulo que a indústria quer aprovar.

Detalhe: quem decidiu movimentar o PL foi o presidente da Comissão de Assuntos Econômicos, o tucano Tasso Jereissati, do Ceará. Ele é o maior engarrafador e distribuidor de Coca-Cola do Brasil depois da própria corporação. Jereissati entregou o projeto nas mãos de Armando Monteiro Neto, do PTB de Pernambuco, ex-presidente da Confederação Nacional da Indústria. O relatório favorável foi aprovado e o texto seguiu para a Comissão de Assuntos Sociais.

3. Chamam o jurídico

As multinacionais do setor alimentício não hesitam em colocar seus escritórios de advocacia para trabalhar – mesmo que seja só para intimidar quem incomoda. Em julho, a Abia conseguiu por meio de uma liminar prorrogar por 15 dias a primeira fase de consulta pública sobre os rótulos. A Anvisa diz que o Judiciário foi induzido a erro e classificou as alegações da indústria como “infundadas”, “inverídicas”, “imprecisas” e “descontextualizadas”.

As associações empresariais aproveitaram a primeira fase de consulta pública para reforçar o jogo psicológico. Dizem que a agência está extrapolando seu papel, o que pode causar a “nulidade” do processo graças a medidas “inconstitucionais”.

4. Andam juntinho com cientistas

A Sociedade Brasileira de Alimentação e Nutrição, a Sban, é uma entidade relevante no mundo científico, promovendo eventos de formação de profissionais e emitindo posicionamentos sobre questões-chave na comunidade de saúde. Em debates, em geral, seja em grupos de trabalho na Anvisa, seja em vídeos e documentos, a entidade se posiciona a favor das empresas.

Parece ilógico que uma sociedade de nutricionistas se posicione contra uma medida que visa alertar sobre excesso de componentes prejudiciais à saúde e dar transparência para a composição de alimentos, mas é isso o que acontece. A Sban aderiu até à campanha oficial da indústria, chamada Sua Liberdade de Escolha.

5. Perseguem opositores

O pesquisador brasileiro Carlos Monteiro, professor da Faculdade de Saúde Pública da USP, pesquisa o impacto dos alimentos ultraprocessados na saúde humana. Foi ele quem criou o sistema de “classificação de alimentos por extensão e propósito de processamento”. Foram suas as diretrizes que serviram de base para a elaboração do Guia Alimentar da População Brasileira, criado pelo Ministério da Saúde em 2014, que propõe uma alimentação baseada em comida de verdade com o mínimo de industrializados e ultraprocessados, aquelas formulações alimentícias repletas de sal, açúcar, gorduras e aditivos que você não entende muito bem como foram fabricadas.

Monteiro se tornou persona non grata para a indústria alimentícia. As organizações da ciência patrocinadas pelas empresas têm se articulado em ataques a Monteiro e ao novo rótulo. No ano passado, Mike Gibney, um pesquisador financiado pela Nestlé e por uma coalizão das fabricantes de cereais matinais, escreveu um artigo no qual dizia que a teoria do brasileiro não se sustenta. Ele deixou de lado evidências científicas que associavam o consumo de ultraprocessados com desfechos negativos.

“Não vamos acabar com todas as fábricas e voltar a cultivar apenas grãos. Não vai dar certo”, disse o pesquisador em entrevista ao The New York Times. “Se eu pedisse para 100 famílias brasileiras que parem de consumir alimentos processados, teria que me perguntar: o que elas comerão?”.

Gibney, vinculado à Universidade de Dublin, na Irlanda, tem rodado o mundo na tentativa de desacreditar Monteiro. Em maio, ele esteve no Brasil. Não em uma organização científica, mas na Fiesp, a Federação das Indústrias do Estado de São Paulo. A palestra foi promovida pelo Instituto Tecnológico de Alimentos, estatal paulista vinculada à Secretaria de Agricultura, que se posiciona contra as diretrizes de “comida de verdade” propostas pelo Ministério da Saúde no Guia Alimentar para a População Brasileira. E, claro, foi aplaudida pelos diretores da Abia. Também durante o Congresso Internacional de Nutrição, em outubro do ano passado, em Buenos Aires, pesquisadores com elos com a indústria buscaram desacreditar o trabalho de Monteiro. Associações de engenheiros de alimentos na América Latina se tornaram o braço mais ativo desses ataques, que nunca oferecem espaço ao grupo do pesquisador brasileiro.

6. E jogam a culpa em você

Essa foi uma das estratégias favoritas da indústria tabagista durante a sua batalha para evitar as restrições ao cigarro durante as décadas de 70, 80 e 90: afirmar que o fumante é o culpado, mesmo que se saiba que a nicotina provoca dependência e que a grande maioria jamais consegue deixar de fumar.

A indústria alimentícia, vale lembrar, se especializou em desenvolver produtos “impossíveis de comer um só”. O jornalista Michael Moss, autor do livro Sal, açúcar, gordura, narra em detalhes a estratégia das empresas para driblar os mecanismos de saciedade do nosso organismo. O que se descobriu é que a junção de açúcar e gordura na medida certa tapeia o corpo. “Os maiores sucessos — Coca-Cola, Doritos ou o prato semipronto Velveeta Cheesy Skillets, da Kraft — têm sua origem nas fórmulas que provocam as papilas gustativas o suficiente para serem atraentes sem ter um único sabor mais acentuado que diga ao cérebro: já chega!”

Mas os tempos mudaram e agora as empresas dizem recomendar moderação. Assim, se houver exagero, a culpa é do obeso, que não sabe fechar a boca. “A educação nutricional até pode parecer alguma coisa utópica. Mas a gente tem que lembrar que o rótulo não é um fim em si. A gente tem que ensinar o consumidor a ler. As pessoas não sabem, mas vão aprender. Não sabem interpretar, vão aprender”, disse Marcia Terra, coordenadora da Sban, em vídeo gravado para a Abia.

Tente ler o rótulo do Cup Noodles:

Foto: reprodução

Está difícil? A culpa é sua.

Facebooktwitter
18 Sep 17:23

Robinson constrange servidores do Detran e pode ser cassado por abuso de poder  

by Rafael Duarte

Um vídeo gravado por um servidor anônimo mostra o governador Robinson Faria (PSD) pedindo votos numa reunião fechada com funcionários do Detran. O encontro aconteceu dia 5 de setembro, no hotel Maine.

O uso da máquina pública por gestor ou servidor durante campanha eleitoral se configura como abuso de poder político e, por isso, caso haja denúncia formal, o governador Robinson Faria pode ter o mandato cassado. A lei da ficha limpa prevê a inelegibilidade por até 8 anos em caso de condutas ilícitas praticadas nas campanhas eleitorais.

O abuso do poder político está diretamente relacionado à liberdade do voto. Ele ocorre nas situações em que o detentor do poder vale-se de sua posição para agir de modo a influenciar o voto do eleitor. Em resumo, é o ato de autoridade exercido em detrimento do voto.

Além de Robinson, também participam do encontro o diretor-geral do Detran Luiz Eduardo Machado, o deputado estadual Gustavo Carvalho (PSDB) e o deputado federal Fábio Faria (PSD).

No vídeo, o chefe do Executivo chega a constranger os servidores afirmando que “quem está no paredão agora, quem vai passar pelo veredicto da população, são todos que trabalham no Estado”. Ele faz promessas e ainda pede o apoio dos servidores:

– Queriam que vocês confiassem em mim e me ajudassem a voltar a ser governador. E o Detran é uma casa que ainda nós vamos melhorar. Na minha reeleição ainda vamos ter aquela etapa que eu prometi a vocês.

Assinado por uma servidora que ocupa um cargo comissionado no Detran e divulgado em nome do diretor-geral do órgão, o convite é, na verdade, uma convocação:

– Venho através desta, de ordem do diretor-geral do Detran, convocar a todos os servidores e colaboradores, disse TODOS, para uma reunião próxima quarta 05/09 às 18h, pontualmente, no Hotel Maine, em Natal. A presença de cada um é indispensável.

O diretor geral do órgão Luiz Eduardo Machado, que assumiu a pasta em dezembro de 2017, também foi acintoso no uso da máquina pública. E coagiu aos servidores que conseguissem mais votos:

– Quero fazer um pedido, um apelo, para que vocês possam ser também os nossos multiplicadores, os nossos mensageiros. Quando eu digo nós não é o senhor sozinho. É o senhor e toda a sua equipe que vieram hoje aqui dizer sim ao 55. De pedir a vocês o voto também para o deputado Fábio Faria e para o deputado Gustavo Carvalho.

Assista o vídeo

O que diz a Justiça Eleitoral sobre abuso de poder político

O abuso do poder político ocorre nas situações em que o detentor do poder, […] vale-se de sua posição para agir de modo a influenciar o eleitor, em detrimento da liberdade de voto. Caracteriza-se dessa forma, como ato de autoridade exercido em detrimento do voto.

 

 

O post Robinson constrange servidores do Detran e pode ser cassado por abuso de poder   apareceu primeiro em Saiba Mais.

18 Sep 12:30

MP descobre ‘fantasmas’ na antessala de Ezequiel Ferreira

by Carlos Santos

O Ministério Público do Rio Grande do Norte (MPRN) deflagrou nesta segunda-feira (17) a “Operação Canastra Real”. O objetivo é apurar o desvio de pelo menos R$ 2.440.335,47 em um esquema envolvendo servidores fantasmas na Assembleia Legislativa – como o Blog Carlos Santos destacou mais cedo (veja AQUI).

Ana Augusta: dinheiro farto na antessala do presidente (Foto: redes sociais)

Ao todo, foram cumpridos 6 mandados de prisão e outros 23, de busca e apreensão em Natal, Espírito Santo, Ipanguaçu e Pedro Velho. Duas pessoas foram presas em flagrante por posse ilegal de arma de fogo.

Segundo as investigações, o esquema fraudulento foi iniciado em 2015 (início da atual legislatura). Tem como principal integrante, a chefe de Gabinete do presidente da Assembleia Legislativa, deputado Ezequiel Ferreira (PSDB), Ana Augusta Simas Aranha Teixeira de Carvalho.

Para o MPRN, Ana Augusta ocupa posição de controle ao indicar pessoas para ocupar cargos na Casa.

Ana Augusta fornecia o próprio endereço residencial para constar nos assentos funcionais e nos cadastros bancários dos servidores fantasmas por ela indicados. Além dela, foram presos temporariamente por 5 dias: Paulo Henrique Fonseca de Moura, Ivaniécia Varela Lopes, Jorge Roberto da Silva, Jalmir de Souza Silva e Fabiana Carla Bernardina da Silva, todos ex-assessores técnicos da Presidência da Assembleia Legislativa.

Essas cinco pessoas, que foram indicadas por Ana Augusta, tinham altos vencimentos na Casa, embora não possuíssem nível superior.

Meros “laranjas’

A investigação verificou que todos os indicados possuem movimentações financeiras atípicas, recebendo mensalmente a importância líquida aproximada de R$ 13 mil. Logo após o depósito dos valores nas contas bancárias, as quantias eram integralmente sacadas. Essa movimentação financeira das contas bancárias, todas com saques padronizados, de valores idênticos, revela que os titulares não possuíam o controle de suas próprias contas.

Para o MPRN, as contas-correntes desses ex-assessores técnicos foram abertas somente para desvio de dinheiro público. Eram meros “laranjas”.

Embora fossem servidores com alta renda, optaram por não contratar cartões de crédito. Mesmo sendo bem remunerados, investigação do Grupo de Atuação Especial ao Combate ao Crime Organizado (GAECO), órgão do MPRN, mostra a ausência de aquisição de patrimônio no período em que estiveram nomeados para o cargo na Assembleia.

A movimentação financeira deles não espelha a renda percebida. Já em relação à Ana Augusta Simas Aranha Teixeira de Carvalho, ao contrário dos demais investigados, a movimentação financeira é superior à renda declarada, incompatível com a qualidade de servidora pública e dissociada da sua declaração de Imposto de Renda.

Ela declarou à Receita Federal, no IR do ano calendário 2015, somente rendimentos advindos da Assembleia Legislativa do Estado do Rio Grande do Norte, enquanto que a declaração de informações sobre movimentação financeira revelou que a entrada de recursos na conta dela foi em valores que equivalem a mais que o dobro da remuneração dela.

Dama de Espadas

Os crimes investigados na Operação Canastra Real se assemelham aos apurados na operação Dama de Espadas, deflagrada pelo MPRN em 2016. Na Dama de Espadas, havia a inserção de servidores fantasmas na folha de pagamento da Casa Legislativa, seguida da expedição de “cheques salários” em nome dos servidores, sendo sacados por terceiros não beneficiários, com irregularidades na cadeia do endosso ou com referências a procurações inexistentes ou não averbadas na ficha cadastral bancária do cliente.

No caso atual dos ex-servidores residentes em Espírito Santo, pelo menos em alguns meses, os saques – sempre feitos na agência bancária na ALRN – eram realizados por eles próprios.

Prisões em flagrante

Durante o cumprimento dos mandados de prisão e de busca e apreensão contra Ana Augusta, o marido dela, Fernando Luiz Teixeira de Carvalho (PSDB), foi preso em flagrante por posse ilegal de arma de fogo.

Fernando Teixeira, que é o prefeito de Espírito Santo, foi preso na fazenda em que mora com uma espingarda calibre 12 e um revólver calibre 38, e munições. Também foi preso, igualmente por posse ilegal de arma de fogo, Ygor Fernando da Costa Dias, residente em Espírito Santo e marido de Fabiana Carla Bernardina da Silva.

Ele estava com um revólver calibre 38 e munições.

A Operação Canastra Real contou com o apoio da Polícia Militar. Participaram da ação 28 promotores de Justiça, 26 servidores do MPRN e 70 policiais militares. Além dos seis mandados de prisão, foram cumpridos outros 23, de busca e apreensão nas cidades de Natal, Espírito Santo, Ipanguaçu e Pedro Velho.

Leia também: Assembleia tenta se livrar de lobista com exoneração.

Acompanhe o Blog Carlos Santos pelo Twitter clicando AQUI e o Instagram clicando AQUI.

18 Sep 12:16

Glifosato contamina leite materno e causa abortos em cidades do Piauí

by Redação
Facebooktwitter

Mais de 14% dos bebês nasceram com baixo peso e 83% das puérperas tiveram o leite materno contaminado.

Foto: Agência Brasil

17/09/2018

 

 

É o que denuncia estudo realizado por pesquisador da Universidade Federal do Piauí

 

 

Por Redação*

Na cidade de Uruçuí, no Piauí, a cada quatro gestações há um aborto espontâneo, 14,3% das crianças nascem com baixo peso, acima da prevalência nacional: 8,2%. A Organização Mundial da Saúde (OMS) assim classifica os nascidos vivos pesando menos de 2.500 gramas, geralmente causado pela prematuridade associada a fatores maternos e retardo de crescimento intrauterino, devido a fatores socioeconômicos desfavoráveis.  Ainda na mesma cidade, 83% das mães estão com o leite materno contaminado.

As informações estão na pesquisa de mestrado no programa de pós-graduação em Saúde da Mulher do Centro de Ciências da Saúde, da Universidade Federal do Piauí (UFPI), realizada por Inácio Pereira Lima, nos municípios de Teresina com 164 participantes, Oeiras com 27 e Uruçuí com 13 participantes. O sanitarista constatou a contaminação por glifosato ou ácido aminometilfosfônico (Ampa) – ou ambas as substâncias – nas amostras obtidas na maternidade do Hospital Regional Dirceu Arcoverde (HRDA), em Uruçuí.

O município localizado no sudoeste, a 450 quilômetros da capital Teresina, é o maior produtor de soja no estado. Suas lavouras recebem grandes quantidades de agrotóxicos principalmente por meio de pulverização aérea.

Entre as mães que participaram do estudo, cedendo amostras de leite, Inácio questionou também casos de aborto. E descobriu que em Uruçuí, 23,1% delas tiveram a gravidez interrompida de uma a quatro vezes. O dado é maior do que o encontrado em Lucas do Rio Verde (MT), em 2011, em pesquisa da Universidade Federal do Mato Grosso (UFMT).

Estudos epidemiológicos apontam a exposição crônica a agrotóxicos, principalmente durante a gravidez, como fator de risco para a prematuridade,  baixo peso ao nascer, peso reduzido para a idade gestacional, microcefalia e aborto.

De acordo com Lima, a presença do glifosato no leite materno indica contaminação direta pelo agrotóxico ou que as quantidades utilizadas na atividade agrícola da região pode ser tão elevada que o excesso não foi degradado pelo metabolismo das plantas ou microbiológico. Ele também indica a suspeita de contaminação da água por agrotóxicos.

Em reportagem do Intercept, Maria Félix, uma jovem de 21 anos teve sua gestação encerrada no sexto mês. De acordo com a agência, o bebê morreu ainda no ventre, com apenas 322 gramas. A causa do aborto, que aconteceu com 25 semanas de gravidez, foi má formação: o bebê tinha o intestino para fora do abdômen e também problemas no coração.

Pelos registros do hospital regional de Uruçuí, os abortos ocorrem geralmente em mulheres entre 20 e 30 anos, que chegam até a 10ª semana de gestação.

Há ainda as que sabem que estão esperando um filho mas não deixam o trabalho por dependerem do salário. E as que conseguem levar a gravidez até o fim correm alto risco de ter má formação do feto.

Os males causados pelos agrotóxicos não se restringem às mães e aos seus bebês, alerta o pesquisador. “Como minha pesquisa foi voltada para a mulher, coletei amostras biológicas exclusivas; por isso foi o leite. Mas, se a pesquisa fosse da população em geral, poderia optar por outro tipo de amostra como sangue ou urina. E talvez chegasse a esses mesmos resultados. Ou seja, toda a população está sob risco, e não só as mães que amamentam”, explicou Lima à reportagem.

Glifosato

Principal agrotóxico utilizado no Brasil, o glifosato é vendido principalmente pela Monsanto, da Bayer, com o nome comercial de Roundup. Seus impactos na saúde humana são tão conhecidos que o Ministério Público pediu que sua comercialização fosse suspensa no Brasil até que a Anvisa fizesse sua reavaliação toxicológica. Em agosto, a justiça aceitou e o glifosfato foi proibido. A suspensão foi classificada como um “desastre” pelo ministro da Agricultura, Blairo Maggi, e foi duramente combatida por ruralistas e pela indústria.

A Monsanto afirma que o produto é seguro, mas e-mails da empresa divulgados no ano passado mostram que ela pressionou cientistas e órgãos de controle nos EUA para afirmarem que o glifosato não causa câncer. Isso não impediu a Monsanto de ser condenada a pagar mais de R$ 1 bilhão a um homem que está morrendo de câncer nos Estados Unidos. Cerca de 4 mil ações parecidas estão em curso naquele país.

Soja

De 20 anos para cá, a soja começou a tomar conta do sudoeste do Piauí, na fronteira com o Maranhão. O estado ocupa a 14ª posição no ranking dos estados consumidores de agrotóxicos, cada vez mais presentes nas lavouras. Em 2016, consumiu 10,1 milhões de quilos, o equivalente a 3,18 quilos por habitante. Embora essa taxa corresponda à metade da média nacional, conforme o IBGE, esses produtos já espalham seus efeitos nocivos entre a população.

Amamentação

Pedagogo de formação e com mais de 10 anos de atuação na vigilância à saúde do estado do Piauí, Lima destaca que as evidências científicas de contaminação do leite materno por agrotóxicos não contraindicam a amamentação. “A importância do aleitamento materno à criança permanece preservada, sendo recomendado como alimentação exclusiva nos primeiros meses de vida por favorecer o bom desenvolvimento do estado nutricional e a prevenção de diversas doenças.”

Para ele, a contaminação do leite materno pelo agrotóxico no Piauí e em outros estados consolida a ameaça à saúde da mulher e da criança por trás do crescimento econômico pautado na atividade agrícola baseada no consumo de agrotóxicos. Trata-se, na opinião do pesquisador, de um problema de saúde pública universal e que deve ser priorizado.

 

* Com informações do The Intercept e Rede Brasil Atual

Facebooktwitter
18 Sep 12:15

Chomksy: Emissora que defendesse derrubada de governo (como a Globo no Brasil) não seria tolerada nos EUA; veja vídeos

by Luiz Carlos Azenha

Mesmo em países que estavam sob direto ataque militar, como a Nicarágua nos anos 80, o governo [sandinista] nunca fechou o principal jornal, que estava abertamente apoiando a guerra [dos Estados Unidos] contra a Nicarágua. A mesma coisa aconteceu na Venezuela depois do golpe militar [contra Hugo Chávez, em 2002]. O que acontece aqui é normal, os governos esquerdistas foram surpreendentemente abertos ao deixar a mídia funcionar. E eles foram amargamente atacados no Ocidente [EUA e Europa] em casos de leve assédio, mas no Ocidente [a mídia] seria suprimida instantaneamente e os donos e gerentes teriam sorte se fossem para a cadeia. É um fato dramático e o Brasil é mais um caso. Chomsky sobre Lula e a Rede Globo

por Luiz Carlos Azenha

Dentre os vários títulos informais concedidos ao linguista Noam Chomksy está o de Sócrates dos Estados Unidos, uma tarefa que desempenhou “nas sombras” por mais de meio século — ou seja, fora das páginas do New York Times e longe das lentes das redes ABC, NBC ou CBS.

Aos 89 anos de idade, ele é também uma espécie de ombudsman da hipocrisia ocidental, região compreendida aqui como os EUA e seus aliados europeus.

Foi essa a tarefa que Chomsky desempenhou na noite da segunda-feira, 17, ao se encontrar com blogueiros, jornalistas e ativistas na sede do Centro de Estudos da Mídia Alternativa Barão de Itararé, no centro de São Paulo.

[No pé deste post, veja a participação de Chomsky no seminário promovido pela Fundação Perseu Abramo, motivo da vinda dele ao Brasil]

Chomksy começou sua palestra com um resumo da perversa supressão de informações que testemunhou ao longo de décadas nos Estados Unidos, patrocinada pelas mega corporações que vendem notícias e produzem na população estadunidense o que chamou, citando Gramsci, de “senso comum hegemônico internalizado”.

Seriam limites invisíveis não só ao que as pessoas podem dizer, mas pensar — um gulag intelectual forjado pela censura e autocensura.

Deu dois exemplos, relativos à guerra do Vietnã e à invasão do Iraque.

No primeiro caso, a opinião mais à esquerda era a do jornalista Anthony Lewis, do New York Times, que atribuía o início do conflito à “tentativa desajeitada de fazer o bem” dos Estados Unidos.

Quando a tentativa colapsou, nos anos 70, Lewis dizia que o custo seria muito alto para que os norte-americanos “impusessem a democracia e a liberdade ao Vietnã”.

Chomsky contrastou isso com as pesquisas de opinião segundo as quais 70% dos norte-americanos entrevistados consistentemente diziam que a guerra do Vietnã era “imoral”, não um erro como sustentava Lewis — pesquisas cujos resultados foram majoritariamente suprimidos da mídia e do debate sobre a guerra nos Estados Unidos.

No caso da ocupação do Iraque, a opinião mais à esquerda foi do próprio presidente Barack Obama, que descreveu o conflito como um “erro estratégico”.

Chomsky lembrou que foi exatamente assim, como um “erro estratégico”, que generais de Hitler descreveram a desastrada tentativa de abrir duas frentes na Segunda Guerra Mundial, contra a Europa Ocidental e a União Soviética.

Não é preciso dizer que o paralelo entre o que diziam os generais nazistas e Obama nunca foi traçado pela mídia nos Estados Unidos.

OUTRAS PESQUISAS DE OPINIÃO

Chomsky utilizou outros exemplos sobre a contradição entre o resultado de pesquisas de opinião e a opinião publicada — num dos casos, da mídia altamente concentrada e direitista da América Latina.

Relatou que, no Chile, estranhou o antichavismo de intelectuais locais, justamente quando pesquisas de opinião do Latinobarómetro, baseado em Santiago, registravam que os venezuelanos estavam entre os maiores apoiadores da democracia e de seu governo, ao lado dos uruguaios.

A oposição a Hugo Chávez havia, assim, penetrado no “senso comum” dos chilenos, mal informados pela imprensa local.

Exemplos de antichavismo epidérmico não faltam no Brasil.

Aqui, lembra o Viomundo, mesmo um doutor em Sociologia pela Universidade de Oxford, como Celso Rocha de Barros, ao atacar ideias bolsonaristas na Folha de S. Paulo, fez uma comparação bizarra.

O colunista, lembrando a proposta do vice de Bolsonaro, o general Hamilton Mourão, de fazer uma Constituinte de notáveis, escreveu:

Segundo o plano de Mourão, essa Constituição depois teria que ser aprovada por referendo. Nada contra referendos, mas, se você segue o noticiário sobre a Venezuela, já viu para onde isso vai.

Uma bobagem, já que a realização de referendos está prevista na Constituição da Venezuela, aprovada com amplo apoio popular: transcorrido metade do mandato, cumpridas determinadas regras, o governante pode enfrentar um referendo revogatório, uma medida eminentemente democrática.

Chávez, aliás, enfrentou um referendo revogatório, com o potencial de apeá-lo do poder — e venceu.

Outro exemplo de Chomsky refere-se à pesquisa Gallup feita em 2013, sobre qual país do mundo era a maior ameaça à paz mundial.

Nos Estados Unidos, os mais citados foram o Irã e a Coreia do Norte.

No resto do mundo, os Estados Unidos ganharam de lavada como “a maior ameaça à paz”.

Os resultados da pesquisa Gallup não foram divulgados na mídia corporativa dos Estados Unidos — e o instituto de pesquisas nunca mais incluiu a pergunta em seus levantamentos.

O professor Laurindo Leal Filho cumprimenta Chomksy, na sede do Barão do Itararé; foto Luiz Carlos Azenha

A GLOBO E O BRASIL

Em sua palestra, Chomsky disse que os governos de esquerda da América Latina nunca de fato suprimiram a imprensa, como quiseram fazer parecer os barões midiáticos da região.

Ele lembrou que foi convidado por um amigo a visitar a Nicarágua quando o governo sandinista era acusado de limitar a tinta de impressão disponível para o diário La Prensa, o de maior circulação.

Porem, em sua investigação, Chomksy constatou que o jornal defendia abertamente os contras, guerrilheiros que promoviam guerra civil contra o governo sandinista com apoio militar dos Estados Unidos.

Chomsky disse que, nas mesmas circunstâncias, nos Estados Unidos, os donos do La Prensa provavelmente seriam colocados diante de um pelotão de fuzilamento, por apoiar a derrubada de um governo eleito instalado na Casa Branca.

Quando perguntando por que o presidente Lula não enfrentou a Globo no Brasil quando estava no poder, sem citar a emissora Chomsky disse que este é um padrão dos governos de esquerda em toda a América Latina: nunca de fato ameaçaram a mídia hegemônica.

Reafirmou que emissoras que promovessem ou tentassem promover a derrubada de governos jamais seriam toleradas nos Estados Unidos ou nos países aliados europeus — como o Reino Unido e a França.

Os donos destas emissoras, frisou, seriam no mínimo presos.

OS EUA E A AMÉRICA LATINA

Chomsky não acredita numa invasão militar da Venezuela pelos Estados Unidos, embora as tentativas de sabotagem e subversão sejam conhecidas desde o golpe contra o governo Hugo Chávez.

Segundo ele, uma invasão vai além da capacidade de Washington.

Para fazer uma comparação histórica, lembrou que o golpe de 64 no Brasil foi planejado nos Estados Unidos e descrito pelo então embaixador no Brasil, Lincoln Gordon, como a maior “vitória para a democracia” da metade do século passado.

Dois anos antes, em 1962, o presidente John Kennedy havia determinado que os exércitos da América Latina deveriam mudar de prioridade, da defesa do Hemisfério (herança da Segunda Guerra Mundial) para a doutrina de segurança nacional, ou seja, combater o próprio povo.

Tal era o grau de comando de Washington sobre seu “quintal”, frisou Chomksy.

Nos últimos 15 anos, no entanto, ele acredita que a América Latina esteve livre do “controle total direto” dos Estados Unidos, como se viu nos anos 60 e 70.

A ONU E LULA

Sobre a decisão do Brasil de desconhecer liminar do Conselho de Direitos Humanos da ONU, que pediu a autoridades brasileiras que permitissem ao ex-presidente Lula concorrer ao Planalto, Chomsky disse acreditar que não haverá consequências internacionais.

Os Estados Unidos, lembrou, desprezam o Conselho e a própria ONU.

Destacando o “excepcionalismo” dos Estados Unidos quanto às regras internacionais, Chomsky apontou para a lei aprovada pelo Congresso norte-americano que permite aos Estados Unidos resgatar com uso de força militar qualquer soldado estadunidense que porventura for submetido à Corte Internacional de Justiça, em Haia, na Holanda.

Na Europa, a lei é conhecida jocosamente como “Lei da Invasão da Holanda”.

GOVERNO SOCIALISTA NOS ESTADOS UNIDOS

Chomsky afirmou que não vê no horizonte a eleição de um governo socialista nos Estados Unidos, embora o democrata Bernie Sanders se defina como socialista.

Segundo ele, a opinião pública moveu-se tão à direita nos EUA que hoje um governo social democrata moderado provocaria arrepios nos conservadores.

Um governo como o do general Eisenhower, por exemplo, poderia muito bem ser taxado de “socialista”, ironizou Chomsky.

Ele afirmou, no entanto, acreditar na construção de instituições socialistas dentro da ordem capitalista — como cooperativas e empresas controladas por trabalhadores, o que vem acontecendo nos Estados Unidos.

PACTO SUICIDA

Chomsky falou em sua apresentação sobre a gravidade da crise ambiental.

Justamente no momento em que o aquecimento global ameaça, em duas gerações, provocar um aumento de dez metros de altura nas marés, a sociedade capitalista decidiu “maximizar o uso de combustíveis fósseis”.

Segundo ele, os bancos internacionais abriram os cofres para financiar a exploração petrolífera, mesmo diante da ameaça de extinção dos humanos.

O lucro acima de tudo, “sejam quais forem as consequências”, embala o que Chomsky chamou de “pacto suicida” do capitalismo.

BOLSONARO E A ECONOMIA

Um dos entrevistadores perguntou a Chomsky sobre os juizes e promotores brasileiros que foram treinados nos Estados Unidos e agora servem à Operação Lava Jato.

Ele traçou um paralelo com os economistas da região que foram treinados na Universidade de Chicago com as ideias de Milton Friedman — os “Chicago Boys”.

Coube a eles, por exemplo, implantar o plano econômico do governo Pinochet, no Chile, à base de torturas, assassinatos e desaparecimentos.

Foi um projeto piloto do neoliberalismo, que colapsou nos anos 80 e ganhou, então, o apelido irônico de “Chicago Road to Socialism”, estrada de Chicago rumo ao socialismo.

Chomsky encerrou a resposta com a lembrança de que o economista que mandará no Brasil, se Jair Bolsonaro for eleito, será um “Chicago Boy”, Paulo Guedes.

“Vocês podem imaginar o que viria por aí”.

Leia também:

Jeferson Miola: Em caso de vitória de Haddad, Bolsonaro ameaça com “tormenta militar”

O post Chomksy: Emissora que defendesse derrubada de governo (como a Globo no Brasil) não seria tolerada nos EUA; veja vídeos apareceu primeiro em Viomundo - O que você não vê na mídia.

17 Sep 13:13

Desigualdades Regionais no Brasil

by Fernando Nogueira da Costa

Dando continuidade ao meu estudo da Complexidade Brasileira — título do livro em elaboração por mim — sob a ótica de autores contemporâneos, li o livro Alexandre Rands Barros. “Desigualdades Regionais no Brasil: natureza, causas, origens e solução”, (Rio de Janeiro: Elsevier, 2012). Seu reducionismo desse fenômeno macrossocial a uma única causa – diferenças entre o capital humano médio das regiões – é método oposto ao adotado por mim: a Economia como Sistema Complexo emerge de interações entre múltiplos componentes com pesos diferenciados — e não de uma média uniformizadora.

Por definição, os heterodoxos leem os ortodoxos para os criticar. Faço uma análise crítica no sentido de salientar as qualidade e/ou defeitos do livro, expressando-me através de um texto escrito, e não atacando o autor em uma entrevista. Ressaltar pressupostas imperfeições de uma instituição ou de alguém sem a conhecer pessoalmente é leviano. No caso, tentarei não falar mal ou depreciar Barros por causa de seu comportamento.

Conheci o caráter desse autor na campanha eleitoral de 2014. Ele disse: “hoje em dia existem alguns consensos na teoria econômica. Estão em todas as universidades americanas, em 98% das europeias, em 95% das asiáticas e 97% das brasileiras. Só uma universidade aqui não tem articulação internacional, não traz e não manda ninguém para o exterior: a de Campinas (Unicamp). Ela é endógena. No entanto, tem uma força no governo Dilma que não tinha no de Lula, que era muito mais próximo do que Marina defende hoje. Os economistas de Campinas não consideram todo o desenvolvimento da teoria econômica desde a década de 1960. Dilma pensa com a cabeça de Campinas, que hoje é um lugar isolado, fora do mundo. Uma ilha que parou no tempo. Pela primeira vez, cada candidato tem propostas de desenvolvimento baseada em concepções diferentes.”

Curioso, não? Se o IE-UNICAMP não tivesse importância, ele não se importaria conosco. Freud explica o complexo de inferioridade

Como eu não conhecia nada escrito por ele, quando me deparei com seu livro, fiquei curioso para conhecer sua pretensa “genialidade”. Fui ler sua visão geral do livro.

Ele afirma ter adotado “uma estratégia diferente da que domina a literatura sobre a questão regional no Brasil até então que comumente se escandaliza com o nível das desigualdades encontradas e imediatamente refuta a Teoria Econômica dominante para recorrer a concepções heterodoxas de pouco rigor teórico.

Um paralelo a essa postura pode ser traçado com a Medicina para que os leitores leigos em Economia possam mais facilmente compreender. Muitas análises da questão regional no Brasil são realizadas de forma semelhante ao que ocorre quando alguém depara com problemas de saúde de alta gravidade e, por sofrer um choque psicológico forte, rejeita recorrer à Medicina tradicional para explicar e resolver o quadro do paciente. Opta logo por métodos alternativos, incluindo interpretações religiosas e medicinas exóticas, como fonte de compreensão e intervenção. Ao longo deste livro, utilizou-se a estratégia de não se assustar com o que se encontrou e basear-se na Teoria Econômica para entender o fenômeno e encontrar as soluções possíveis para reduzir as desigualdades regionais no país.

Os resultados encontrados a partir da Teoria Econômica Ortodoxa foram surpreendentes [?!], pois seus modelos têm a capacidade de explicar bem as desigualdades existentes. As análises empíricas ainda indicam que qualquer necessidade de suposições diferentes daquelas normalmente introduzidas pela teoria dominante desempenha papel secundário na explicação das disparidades regionais observadas [?!]. Ou seja, as análises apresentadas indicam que não é necessário recorrer às alquimias do passado para se analisar a questão regional no Brasil.” Modesto o rapaz, não?

Arrogante expressa uma característica negativa de um indivíduo carente de humildade, porque se sente superior aos outros. Ser arrogante significa ser altivo, prepotente, ter a convicção de ser expert em vários assuntos e, por isso, não ter interesse em ouvir outras opiniões, principalmente de quem dele discorda.

Em contraponto às “alquimias do passado”, ele pratica o reducionismo. É a tendência consistente em reduzir os fenômenos complexos a um seu componente mais simples e considerar este como mais fundamental se comparado aos fenômenos complexos observados. É recorrente a Falácia da Composição no pensamento neoclássico ao adotar o individualismo metodológico: se uma parte do todo tem um determinado atributo, deduz então o todo também deverá ter o mesmo atributo.

“As investigações empíricas apresentaram uma sinalização clara: a essência da explicação das disparidades regionais brasileiras está nas diferenças em disponibilidade de capital humano nas diversas regiões, ao menos no que diz respeito ao atraso relativo do Nordeste em relação ao Sul e ao Sudeste. Outras fontes possíveis de desigualdade tiveram papel secundário na composição do problema, apesar de não serem plenamente descartadas. Esse resultado está de acordo com as mais recentes conclusões da Teoria Econômica para explicar as diferenças de desenvolvimento econômico.” Seu individualismo metodológico as reduz a problemas de indivíduos.

Diante de tal resultado, ele se preocupou em entender por que as disparidades em disponibilidade de capital humano existem. Para que esse problema fosse mais facilmente delimitado, optou inicialmente por se questionar “se, tendo ele surgido em algum momento no tempo, haveria uma tendência, a partir da atuação das forças de mercado, para que minguasse”. Ora, O Mercado divino, onisciente e onipotente, deixado sem amarras, não resolve todos os problemas?! 🙂

A partir da abordagem teórica, Barros percebeu que, “uma vez que surjam desigualdades de disponibilidade de capital humano entre regiões, não há razão alguma para que elas desapareçam pela simples atuação das forças de mercado”.

Mas a lógica intuitiva para tal dedução é simplória, típica de um economista formado apenas com conhecimento da teoria econômica neoclássica. “A formação de capital humano ocorre a partir de uma estratégia familiar em que o bem-estar dos filhos é também levado em consideração nas decisões de alocação de recursos da família. Famílias com mais recursos investem mais em educação de seus filhos, para que eles possam obter mais renda e bem-estar no futuro. Como as famílias que dispõem de mais capital humano hoje também terão mais recursos, é normal que invistam mais em educação. Isso se dá tanto pelo sacrifício de renda potencial a ser gerada pelas crianças quando dedicam seu tempo ao estudo quanto por gastos efetivos com educação. Assim, famílias cujos pais são mais educados tendem a ter filhos também mais educados. Por consequência, regiões em que os pais são, em média, mais educados terão também gerações subsequentes com maior nível de instrução, havendo, assim, uma perpetuação de desigualdades regionais determinadas pela qualificação da população”.

Em poucas palavras, o energúmeno sugere os paulistas sempre terem sido, em média, mais educados e, por isso, houve perpetuação de desigualdades regionais determinadas pela qualificação da população! Isso não é contraditório com sua crítica à Unicamp?! 🙂

O suporte empírico apresentado por ele para a hipótese de que há essa tendência à reprodução das desigualdades em capital humano e, portanto, em renda per capita foi obtido a partir da análise da série temporal para a proporção do PIB per capita do Nordeste para o brasileiro. Desde 1939, as disparidades são bem-estáveis, mudando temporariamente de patamar, mas sem uma tendência definida. Assim, sendo a origem das disparidades regionais as diferenças em disponibilidade de capital humano, essas parecem ter sido bem-estáveis ao longo desse período.

Com sua quebra da lógica racional, ele apresenta vários maus argumentos.

Primeiro, comete a Falácia da Afirmação do Consequente: por o consequente ser verdadeiro – há uma desigualdade regional brasileira–, não se deve deduzir o antecedente ser também verdadeiro: a causa decisiva da desigualdade regional ser a escolaridade. Se A é verdadeiro, então B também será verdadeiro; mas se B é verdadeiro, A não necessariamente é verdadeiro.

Segundo, faz um Raciocínio Circular: a conclusão aparece de forma óbvia como premissa ou é uma repetição da premissa com palavras diferentes. É Petição de Princípio: no seu raciocínio, a conclusão é tomada, implícita ou explicitamente, em uma ou mais das premissas. Em consequência, volta o famoso “dilema de Tostines”: “Tostines vende mais porque é fresquinho ou é fresquinho porque vende mais?”. São Paulo é mais rico porque tem maior escolaridade ou é mais educado porque é mais rico?

Terceiro, adota a Falácia da Composição: como partes de um todo – os Estados do Nordeste – têm um determinado atributo – baixa escolaridade média –, infere então o todo – a desigualdade regional – também deve se justificar por aquele mesmo atributo.

Por fim, recai também na Falácia da Divisão (o inverso da anterior): as partes – todos os Estados – devem ter um atributo pertencente ao todo – a desigualdade escolar da região. No entanto, basta um “cisne negro” para falsear a hipótese: o maior percentual de pessoas de 15 anos ou mais que sabe ler e escrever entre todos os estados está no estado de Tocantins, na região Centro-Oeste. É uma indicação de “menor analfabetismo e maior igualdade de capital humano”? Não, simplesmente, é uma média casual calculada em uma população menor.

Barros destaca a partir dos resultados empíricos encontrados e da análise da história econômica do Brasil sob o ponto de vista da teoria neoclássica apenas uma das premissas dessa teoria: a racionalidade dos agentes econômicos.

Diz: “os brasileiros e os povos que nos formaram também são seres humanos racionais”. Percebeu então que “as desigualdades regionais têm suas raízes na formação social das regiões. No momento de colonização forte do Nordeste, não era atrativo para a mão de obra de maior qualificação migrar para o Brasil. Não havia muitas opções de emprego aqui [“detalhes”: a colonização ocorreu em regime escravista e o emprego de assalariados só predominou após a extinção da escravidão em 1888], e as atividades econômicas eram pouco diversificadas. Consequentemente, seriam pequenas as chances de se prosperar e mais elevada a probabilidade de haver perda de qualidade de vida em relação ao que seria possível obter nos países de origem. Por consequência, a escravidão de mão de obra de baixa qualificação para os padrões internacionais da época foi a solução encontrada”.

[Barros, no fundo, com sua hipótese de “capital humano” (cultural) adota o mesmo diagnóstico preconceituoso do candidato à vice-presidência da República na chapa de Jair Bolsonaro (PSL) nas eleições 2018, o general da reserva Mourão: o problema do Brasil é ter herdado “a cultura de privilégios dos ibéricos, a indolência dos indígenas e a malandragem dos africanos”.].

Ele continua sua argumentação: “Quando o Sul e o Sudeste foram mais intensamente colonizados, o Brasil já era um país atraente para pessoas com maior qualificação. Algumas cidades, principalmente o Rio de Janeiro, já tinham certo porte. O consumo era mais diversificado do que no início da colonização, e novas atividades econômicas eram não só permitidas, como mais prováveis de prosperar, mesmo que realizadas em pequena escala. O acesso a mercados mais amplos reduzia substancialmente o risco de novas atividades, e a probabilidade de conseguir um novo trabalho, tendo havido perda de um anterior, era bem maior. Assim, a mão de obra mais qualificada reduziu o prêmio pelo risco que ela exigia para migrar para o Brasil, aumentando sua competitividade relativa. Isso trouxe uma mão de obra mais qualificada para essas regiões”.

Ele considera a imigração “voluntária” de brancos para o Sul e o Sudeste a raiz fundamental do diferencial de desenvolvimento dessas regiões! É a velha defesa do embraquecimento da população brasileira!

Ele demonstra desconhecimento do tipo de educação existente no Brasil durante os três séculos de colonização em todo o território. Era restrita, inicialmente, a alguns filhos de colonos e a índios aldeados. Até meados do século XVIII, as bases do ensino na Colônia consistiam nos métodos da educação jesuítica. Os missionários eram herdeiros da escolástica tardia, predominante na região da Península Ibérica no início da Idade Moderna. Essa ignorância acabou sendo refletida na cultura dos colonos brasileiros. Entretanto, um em cada três portugueses imigrantes para a colônia era judeu com conversão forçada em público, porém, mantendo a cultura judaica herdada.

No século XIX, durante o Império brasileiro, continuava a predominar uma mentalidade retrógrada, alheia às inovações. A educação era consentida desde que não ameaçasse a manutenção do poder rural. Nos estados do Sudeste ainda se rejeitava os modelos culturais progressistas em direção ao nascente industrialismo. Os cepalinos vão justamente contra essa mentalidade conservadora de “vocação agrária” brasileira! E Barros os critica!

Curiosamente, o crítico aos “estatistas” afirma: “essas diferenças de capital humano que foram geradas na formação das regiões perduram até hoje pela sua tendência à perpetuação, se não houver uma ação estratégica do governo no sentido de reduzi-las. A existência de governos de elite no Brasil sempre fez com que eles não investissem em educação pública como instrumento de redução das desigualdades de renda entre indivíduos. Assim, as desigualdades regionais explicam-se pelas diferenças em capital humano encontradas nas diversas regiões brasileiras e perpetuadas por um sistema político que não recorreu à promoção da educação como instrumento de redução das desigualdades entre indivíduos e regiões”.

Ele reconhece a mercantilização do ensino não resolver o problema. Mas, em vez de criticar a carência de iniciativa privada dos mais educados no Brasil, prefere dar um pau no governo! E seu livro, lançado em 2012, não contempla as inovações no Ensino Superior implementadas pelo Fernando Haddad no MEC com descentralização regional de Universidades Federais, PROUNI em ensino privado, além do PRONATEC.

17 Sep 12:31

Irmão de reitor Cancellier conclama professores da UFSC a lutar por reparação

by Luiz Carlos Azenha

Henrique Almeida/Agecom/UFSC

CARTA ABERTA AOS PROFESSORES PRESOS COM O REITOR CANCELLIER

via whatsapp

Meus caros professores,

Há exatamente um ano atrás eu nunca havia ouvido falar de seus nomes.

Na manhã daquela quinta-feira fui acordado com um telefonema de uma amigo que me perguntava: Você é parente do reitor da UFSC ?

Ao responder que eu era irmão, disse-me que ele acabara de ser preso.

Naquela manhã, quando a Polícia Federal invadiu as suas residências e a do Cau, a violência da ação mudou drasticamente a vida de vocês e de suas famílias; foi o ato inicial de uma tragédia que nos levou o Cau, abalou profundamente nossa família, seus familiares, os amigos em comum, a UFSC e por que não dizer, o país inteiro que não se submete à ditadura dos tanques e togas, citando um jornalista.

Daquela data em diante, seus nomes começaram a me soar familiares e mesmo sem conhece-los, uma empatia imensa me ligou a cada um de vocês; o sofrimento de cada um de seus familiares me fazia sofrer, pois refletia o sofrimento de cada uma dos meus.

Cau se foi. Seu gesto nos doeu muito.

Mas, em seguida, atentamos que o fez não por sua imagem enlameada, mas para mostrar a cada um de seus carrascos, que não se pode tirar o que de mais importante um homem digno possa ter: a honra.

Passamos a nos orgulhar daquele gesto corajoso e heroico.

Se no dia 14 de setembro de 2017, arrancaram da cama um homem digno, o cadáver que nos devolveram 18 dias após, não o reconhecemos.

Não por seus ossos estraçalhados; não por sua carne dilacerada; não por sua face desfigurada.

Não o reconhecemos porque aquele cadáver não tinha a mínima semelhança da pessoa que o Cau fora em vida: honrado, humanista, generoso e solidário.

Um ano se passou e, em todos esses dias, minha luta tem sido em uma única direção: resgatar a honra de meu irmão.

Buscar que o Estado reconheça que seus agentes erraram.

Erraram em caluniá-lo; erraram em humilhá-lo; erraram em castrá-lo, apartando daquilo que ele mais se orgulhava, servir a UFSC.

Meus caros amigos, se assim posso chamá-los, pois um sentimento de amizade e fraternidade nos uniu pela tragédia.

Meus irmãos: vocês foram também vítimas da mesma injustiça; injustiça que não os levou deste mundo, mas que certamente causou perdas e danos irreparáveis.

Quem lhes irá devolver as angústias, sofrimentos e dores que cada um de vocês passou neste último ano?

Quem devolverá a cada um de seus entes queridos a alegria de viver, o brilho nos olhos e o sorriso que minguaram nestes 365 dias?

Quem irá garantir que a sua tão esperada reintegração a UFSC ocorra sem traumas?

Quem poderá dizer que vocês poderão ensinar, orientar e frequentar o meio acadêmico com a segurança de homens honestos e dignos, sem a certeza de um dedo acusador na figura de um aluno ou de seus próprios pares?

Em ocasião recente fiz uma analogia, que reitero: O Cau morreu, vocês sobreviveram.

Mas esta sobrevida, sem a reparação integral da honra e dignidade feridas, equivale a uma morte em vida.

Tramita no Congresso Nacional projeto de Lei que pune o abuso de autoridade, cujo relator no Senador, Roberto Requião, a denominou de Lei Cancellier.

Mas não podemos esperar. A cada dia que passa, sem a devida reparação da honra de cada um de vocês, um pouco de cada um morre.

Então, meus queridos amigos e irmãos, nesta data simbólica, uno meus pensamentos aos seus; nosso familiares são solidários aos seus familiares.

E me comprometo, a cada dia, com mais intensidade, envidar esforços na luta pela ressignificação do Cau e de todos vocês.

Lutar pela recuperação da honra maculada de cada um é lutar pela garantia que nenhum ser humano seja julgado, condenado e executado sumariamente como vocês todos foram.

Conclamo aos que não se conformam com o arbítrio, a se juntarem nesta escalada, pois citando o mesmo jornalista, “nas ditaduras, não há lugar para míopes inocentes”.

Um fraterno abraço,

Acioli Cancellier de Olivo

Leia também:

Ivone Silva: Terceirização irrestrita ameaça clientes de bancos

O post Irmão de reitor Cancellier conclama professores da UFSC a lutar por reparação apareceu primeiro em Viomundo - O que você não vê na mídia.

17 Sep 12:31

Sociedade de Medicina de Família repudia declaração de Alexandre Garcia sobre vacinação: “Seu amigo pediatra está equivocado”

by Conceição Lemes

O jornalista Alexandre Garcia, ao ecoar a informação furada do amigo pediatra, disseminou fake news. Reprodução de vídeo

Nota de repúdio à declaração de Alexandre Garcia sobre queda na taxa de vacinação

Da SBMFC, sugerida por  Mário Lobato 

 A Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade (SBMFC) repudia as declarações do jornalista Alexandre Garcia, que recentemente, ao argumentar sobre as fake news responsáveis pela queda da taxa de crianças vacinadas, diz que “segundo um pediatra conhecido, os postos de saúde do Brasil estão destituídos de pediatras e que os médicos de família, um novo tipo de medicina, se esquecem da puericultura e que não estão preparados”.

A Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade, entidade que representa os médicos de família e comunidade que atuam no país, atualmente são mais de cinco mil profissionais qualificados, esclarece que:

A Medicina de Família e Comunidade não é uma especialidade nova, tendo sido reconhecida pelo Conselho Federal de Medicina em 1986 com o nome de Medicina Geral e Comunitária, posteriormente atualizado para Medicina de Família e Comunidade, como é em grande parte dos países das Américas, incluindo os EUA, e Europa.

A base de atuação do médico de família e comunidade é a Atenção Primária à Saúde.  No Brasil, os médicos se tornam especialistas por meio de residência ou a partir de prova de título.

É importante destacar que foi a necessidade de aperfeiçoamento para suprir as carências da população nos níveis primários da atenção à saúde, que fez com que em 1976 fossem criados os primeiros Programas de Residência Médica (PRM) em Medicina de Família e Comunidade.

O especialista em Medicina de Família e Comunidade está apto a acompanhar o indivíduo desde antes do nascimento, na gestação, até os últimos momentos de vida e dispensa cuidados integrais ao paciente, sempre com foco na pessoa e não na doença.

Por isso, tem a plena capacidade de exercer a puericultura, esse acompanhamento longitudinal da criança, que não é apenas papel do pediatra, conforme citação feita no áudio.

Faz parte desse acompanhamento verificar a carteira de vacinas e orientar os pais sobre a importância delas e sobre os riscos das doenças caso a criança não seja vacinada.

Os médicos de família e comunidade (MFCs) são treinados para terem as competências necessárias para solucionar os 90% dos problemas de saúde mais frequentes das pessoas sob seu cuidado, seja em consultórios, ambulatórios, Unidades Básicas de Saúde, Clínicas de Família, Serviços de Emergência, Pronto-Socorro, independentemente da esfera: pública, privada ou suplementar.

Os médicos de família e comunidade buscam a alta resolutividade nos problemas de saúde com o olhar voltado para o indivíduo, família e comunidade.

Acompanham as pessoas ao longo da vida, independentemente do gênero, idade e presença ou ausência doença, integrando ações de promoção, prevenção e recuperação da saúde.

Esse profissional atua próximo aos pacientes antes mesmo do surgimento de uma doença, realizando diagnósticos precoces e os poupando de intervenções excessivas ou desnecessárias.

No Brasil, destaca-se a atuação do MFC na Saúde da Família, principal estratégia do Ministério da Saúde para reorientar o modelo de atenção à saúde da população a partir da atenção primária.

As equipes são multidisciplinares, formadas por médicos, enfermeiros, dentistas, técnicos ou auxiliares de enfermagem e agentes comunitários de saúde que, junto à comunidade, desenvolvem ações de cuidado direto educativas, de diagnóstico de doença, de tratamento, recuperação e reabilitação.

Atualmente existem 40 mil Equipes de Saúde da Família implantadas e a execução da ESF é compartilhada pelo governo federal, estados, Distrito Federal e municípios.

Existem estudos retrospectivos no país comparando os indicadores de mortalidade após advento da Estratégia de Saúde da Família com os serviços de saúde que anteriormente contavam apenas com a presença somente de pediatras, bem como estudos avaliando os indicadores de cobertura vacinal e mortalidade infantil com a implantação da ESF.

Os resultados são taxativos, a ESF não só ampliou os níveis de cobertura vacinal como reduziu a mortalidade infantil e também é superior aos serviços anteriores.

Portanto, está equivocada a fonte de Alexandre “seu amigo pediatra” e ressaltamos que pra além de garantir financiamento público adequado para o SUS, é preciso deixarmos de lado o corporativismo falacioso e formar cada vez mais médicos de família e comunidade, melhorando ainda mais a ESF.

Leia também:

Haddad: Tem que pedir ao mercado para fazer autocrítica

O post Sociedade de Medicina de Família repudia declaração de Alexandre Garcia sobre vacinação: “Seu amigo pediatra está equivocado” apareceu primeiro em Viomundo - O que você não vê na mídia.

17 Sep 12:28

Negra que diz 'apoiar' #EleNunca é fake, foi comprada por 79 dólares em banco de imagens na internet

by Antonio Mello

Num vídeo publicado no Facebook [acima, print], apoiadores do candidato #EleNunca mostram uma jovem negra com uma narração em que se afirma que ela é uma mulher, negra, vinda de família pobre, que há muito se libertou do "vitimismo", não aceita "esmola" etc e vota em #EleNunca.

print do site

Só que a imagem da mulher do tal depoimento está à venda no site Shutterstock por US$ 79, onde é definida como jovem enfermeira negra. [Fonte: Folha]

Você pode colocar qualquer afirmação como sendo dela, desde que pague ao site. Ou até usar um preview, que é de graça, como fiz neste pequeno vídeo.



Clique aqui e passe a receber notificações do Blog do Mello no seu WhatsApp
Você vai ser direcionado ao seu aplicativo e aí é só enviar e adicionar o número a seus contatos

Assine a newsletter do Blog do Mello
14 Sep 19:10

Acioli Cancellier: “preciso resgatar a honra de meu irmão”

by Marcelo Auler
Marcelo Auler Há exatos 365 dias, a Polícia Federal, com o aval do Ministério Público Federal e da Justiça, deflagrava, a partir de Florianópolis (SC), a […]
14 Sep 11:54

Em documentário, Dilma denuncia que Globo “envenenou” o Brasil e dá sua versão sobre o golpe de 2016; assista

by Luiz Carlos Azenha

Dilma lança documentário sobre o Golpe de 2016

“A Historia do Golpe” está disponível na internet e trata da conspiração que a tirou da Presidência da República

via e-mail

A ex-presidenta Dilma Rousseff, candidata do PT ao Senado por Minas Gerais, lançou nesta quinta-feira, 13 de setembro, o documentário “A História do Golpe”, que mostra como foi forjada a aliança entre parte da mídia brasileira e do setor financeiro nacional, o PSDB e líderes do PMDB para derrubá-la do governo.

O documentário está disponível no You Tube e terá versões em inglês e espanhol.

O filme é um documento histórico e político que ajuda a compreender como foi forjado o impeachment de Dilma, fraudado por ter sido aprovado pelo Congresso sem que houvesse sido cometido crime de responsabilidade, como prevê a Constituição do Brasil.

“A História do Golpe” tem narrativa direta e didática sobre a evolução da crise política brasileira que começou em 2013 e foi agravada pelos desdobramentos da crise econômica internacional.

O filme explica como a derrota de Aécio Neves em 2014 acabou sendo instrumentalizada para derrubar um governo legítimo, eleito com 54,5 milhões de votos.

O documentário recorre a material de imprensa brasileira e estrangeira, além das sessões do julgamento na Câmara e no Senado, e de depoimentos como da própria Dilma e do advogado José Eduardo Cardozo.

O filme abre com o primeiro ato do golpe: “A derrubada de um governo legítimo”.

Essa primeira parte tem 27 minutos e aponta o envolvimento direto de parlamentares como Eduardo Cunha, Aécio Neves, Antonio Anastasia e outros políticos, como o vice Michel Temer, assim como jornalistas da chamada grande imprensa, para forjar o ambiente que permitiu cogitar o impeachment sem crimes de responsabilidade, antes mesmo da vitória de Dilma nas eleições de 2014 ser obtida nas urnas, em 26 de outubro daquele ano.

O filme denuncia o comportamento parcial de setores da imprensa, como a Rede Globo de Televisão, que ajudou a envenenar o ambiente político e mostra também como parte do mercado financeiro atuou para ampliar o clima de descontentamento, fomentando críticas ao governo Dilma por conta das seguidas reduções das taxas de juros promovidas pelo Banco Central ainda no primeiro mandato da presidenta.

“A História do Golpe” está disponível no site oficial de Dilma Rousseff e nas redes sociais da candidata ao Senado por Minas Gerais.

A petista lidera as pesquisas de intenção de voto e vem denunciando na campanha a participação direta dos adversários políticos no Golpe de 2016.

PS do Viomundo: Dilma lidera a corrida pelo Senado em Minas com 28% a 12% sobre o segundo colocado, margem que de acordo com as últimas pesquisas vem aumentando.

O post Em documentário, Dilma denuncia que Globo “envenenou” o Brasil e dá sua versão sobre o golpe de 2016; assista apareceu primeiro em Viomundo - O que você não vê na mídia.

14 Sep 11:54

Antes de sofrer ataque a bomba, Dr. Rosinha denunciou Cida Borghetti e Ratinho

by Conceição Lemes

Reprodução do Facebook e divulgação

Urgente: Tentativa de agressão a Dr. Rosinha no centro de Curitiba. Ele panfletava, agora, na Rua XV, e foi mais uma vítima da violência que ameaça a política no BR e PR: um desconhecido jogou uma bomba no candidato. Apesar do susto, Dr Rosinha não ficou ferido e passa bem.



 Dr. Rosinha sempre se colocou como candidato do diálogo e absolutamente oposto a qualquer forma de violência. Dr. Rosinha condenou o ataque a Jair Bolsonaro, ainda que com ele tenha inúmeras divergências, e também a arbitrariedade da PM e Guarda Municipal [de Curitiba] nos casos de agressão e detenção dos candidatos a deputado estadual Edna Dantas e Renato Freitas, do PT, em menos de uma semana

. O candidato repudia veementemente qualquer ato de violência que fere não apenas candidatos, mas sobretudo a democracia. Não é aceitável que, em pleno 2018, o ódio tenha se tornado o combustível da política.




 Esse triste incidente apenas reforça a necessidade de lutarmos por paz e civilidade. Com ainda mais vontade, Dr. Rosinha confirma presença na sabatina da PUC hoje às 19h.

 Assessoria do Dr. Rosinha, no twitter

Da Redação

Desde que foi preso na terça-feira (11/9),  Beto Richa, ex-governador e candidato ao Senado pelo PSDB paranaense, virou o cão sarnento da hora.

Pesa sobre o tucano as denúncias de corrupção ativa e passiva, fraude à licitação, lavagem de dinheiro e obstrução de justiça.

Aliados fazem de conta que mal o conhecem.

Entre eles, Cida Borghetti e Ratinho Júnior,  respectivamente candidatos ao governo do Paraná pelo PP e PSD.

Cida é mulher do ex-ministro da Saúde do governo Temer, o engenheiro Ricardo Barros.

Até pouco tempo atrás, era vice-governadora de Beto Richa.

Ratinho Júnior, secretário de Beto Richa.

Doutor Rosinha,  presidente do Diretório Estadual do PT-PR e candidato do partido ao governo do Paraná, resolveu refrescar-lhes a memória assim como a de muitos dos seus eleitores, afetados pelo'” vírus do esquecimento”

Rosinha postou no Facebook, uma foto sua segurando uma folha de papel sulfite, onde está escrito:

“Cida era só vice e Ratinho só um secretário. Não sabiam de nada dos esquemas de propina e lavagem de dinheiro de Richa. É verdade esse bilete”.

Leia também:

Abandonaram um líder ferido na estrada

O post Antes de sofrer ataque a bomba, Dr. Rosinha denunciou Cida Borghetti e Ratinho apareceu primeiro em Viomundo - O que você não vê na mídia.

14 Sep 11:52

Ato em Natal marca seis meses da morte de Marielle e Anderson

by Rafael Duarte

O grupo de ativismo Natal, movimento que reúne apoiadores da Anistia Internacional na capital potiguar, realiza nesta sexta-feira (14) um ato para marcar os seis meses dos assassinatos da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes. A atividade acontece no bairro do Bom Pastor, na Praça do Beijoqueiro, a partir das 16h.

A Anista Internacional vem realizando atividades e manifestações questionando as autoridades brasileiras sobre uma resposta para o caso, que segue com as investigações abertas e, até agora, sem nenhum responsável pelo crime identificado. A atividade em Natal contará com intervenções poéticas, urbanas e com falas de movimentos populares.

O post Ato em Natal marca seis meses da morte de Marielle e Anderson apareceu primeiro em Saiba Mais.

13 Sep 13:13

Pesquisa CUT/Vox: Associado diretamente a Lula, Haddad soma 22% e ultrapassa Bolsonaro; venceria todos no segundo turno

by Conceição Lemes

Ricardo Stuckert

Associado diretamente a Lula, Haddad soma 22% e ultrapassa Bolsonaro

O petista registra 31% no Nordeste e venceria todos os adversários no segundo turno, indica a nova pesquisa CUT/Vox Populi

CartaCapital

A nova pesquisa CUT/Vox confirma o poder de transferência de voto de Lula, preso em Curitiba e impedido de concorrer à presidência da República pelo Tribunal Superior Eleitoral.

Quando claramente apresentado aos eleitores como o candidato do ex-presidente, o petista Fernando Haddad alcança 22% de intenção de votos e assume a liderança na disputa.

Jair Bolsonaro, do PSL, aparece em segundo, com 18%. Ciro Gomes, do PDT, registra 10%, enquanto Marina Silva, da Rede, e Geraldo Alckmin, do PSDB, aparecem com 5% e 4%, respectivamente. Brancos e nulos somam 21%.

O Vox Populi ouviu 2 mil eleitores em 121 municípios entre 7 e 11 de setembro. A margem de erro é de 2,2 pontos percentuais, para cima ou para baixo. O índice de confiança chega a 95%.

O instituto tomou a decisão de associar Haddad diretamente a Lula no questionário, ao contrário das demais empresas de pesquisa.

Segundo Marcos Coimbra,diretor do Vox Populi, não se trata de uma indução, mas de fornecer o máximo de informação ao eleitor.

“Esconder o fato de que o ex-prefeito foi indicado e tem o apoio do ex-presidente tornaria irreal o resultado de qualquer levantamento. É uma referência relevante para uma parcela significativa dos cidadãos. Chega perto de 40% a porção do eleitorado que afirma votar ou poder votar em um nome apoiado por Lula”.

Um pouco mais da metade dos entrevistados (53%) reconhece Haddad como o candidato do ex-presidente.

O petista, confirmado na terça-feira 11 como o cabeça de chapa na coligação com o PCdoB, também é o menos conhecido entre os postulantes a ocupar o Palácio do Planalto: 42% informam saber de quem se trata e outros 37% afirmam conhecê-lo só de nome.

O desconhecimento é maior justamente na parcela mais propensa a seguir a recomendação de voto de Lula, os mais pobres e menos escolarizados.

De maio para cá, decresceu sensivelmente o percentual de brasileiros que afirmam não saber que o ex-presidente está impedido de disputar a eleição: de 39% para 16%.

Ainda assim, é em meio a este público que Haddad registra grandes avanços.

Na comparação com a pesquisa de julho, mês no qual o PT ainda nutria esperanças de garantir Lula na disputa, o ex-prefeito passou de 15% para 24% entre os eleitores com ensino fundamental e de 15% para 25% entre aqueles que ganham até dois salários mínimos.

O petista chega a 31% no Nordeste tem seu pior desempenho na região Sul (11%), mesmo quando associado ao ex-presidente.

Ciro Gomes é o menos rejeitado (34%) entre os cinco candidatos mais bem posicionados. Haddad tem a segunda menor taxa, 38%. No outro extremo, com 57%, aparece Bolsonaro.

O deputado, internado desde a sexta-feira 7 no Hospital Albert Einstein  , em São Paulo, registra contudo o maior percentual de menções espontâneas (13%), contra 4% de Ciro e Haddad, 3% de Marina e 2% de Alckmin.

O fato de as citações espontâneas se aproximarem da porcentagem registrada por Bolsonaro nas respostas estimuladas demonstra, ao mesmo tempo, um teto do candidato do PSL e uma resiliência que tende a levá-lo à próxima fase da disputa presidencial.

O Vox realizou diversas simulações de segundo turno.

Bolsonaro venceria Alckmin (25% a 18%), empataria tecnicamente com Marina (24% a 26%) e perderia para Ciro (22% a 32%) e Haddad (24% a 36%).

O pedetista e o petista vencem os demais. O instituto não fez a simulação de um confronto entre os dois.

Por fim, a pesquisa mediu a percepção dos eleitores em relação ao ataque a Bolsonaro ocorrido em Juiz de Fora em 6 de setembro.

A maioria absoluta, 64%, associa a facada a um ato solitário de um indivíduo desequilibrado, “com problemas mentais”.

Outros 35% acreditam tratar-se de um atentado organizado e planejado, com fins políticos.

A maior parte dos entrevistados (49% contra 33%) não crê que o episódio possa influenciar a decisão de voto dos brasileiros.

Leia também:

Estadão segue na linha de militares e sugere que Haddad, eleito, não governa

O post Pesquisa CUT/Vox: Associado diretamente a Lula, Haddad soma 22% e ultrapassa Bolsonaro; venceria todos no segundo turno apareceu primeiro em Viomundo - O que você não vê na mídia.

13 Sep 13:12

OPINIÃO: Robinson baixa o nível da campanha e dá facada na própria reputação

by Rafael Duarte

O governador Robinson Faria (PSD) decidiu dar uma facada na própria reputação, ao vivo, diante de todo o Rio Grande do Norte. Em entrevista à InterTV Cabugi nesta quarta-feira (12), o governador avalizou uma notícia falsa antiga que vem circulando nas redes sociais e afirmou, na afiliada da Rede Globo no Estado, que o presidente do Sindicato do Crime, uma das organizações criminosas que também atua dentro da penitenciária de Alcaçuz, declarou apoio à senadora Fátima Bezerra, candidata do PT que lidera todas as pesquisas de opinião para o Governo.

Robinson Faria, político experiente, presidente da Assembleia Legislativa por oito anos, ex-vice-governador e atual chefe do Executivo, tem a exata noção da gravidade da informação que divulgou, insinuando uma aliança da candidata petista com o Sindicato dos Crime.

Agora, o mínimo que se espera é que a candidata petista acione judicialmente o governador.

Ao fazer uma declaração pública e irresponsável como essa, Robinson demonstra que é capaz de qualquer coisa para vencer as eleições. A Agência Saiba Mais já mostrou que o governador vem mentindo em relação às realizações do Governo, já que nem os auxiliares do Governo ou a equipe de campanha confirmam as 1.200 obras que ele vem divulgando como feitos da atual gestão.

Mas baixar o nível da campanha a esse patamar, tentando relacionar a candidata que lidera as pesquisas com uma facção criminosa sem provas é, além de irresponsável, criminoso.

O próprio governo Robinson lançou uma campanha alertando a população contra a divulgação de boatos e fake news. Parece que o exemplo não foi assimilado pelo andar de cima da governadoria.

E faltando menos de um mês para as eleições, tudo indica que será daqui para pior.

 

 

O post OPINIÃO: Robinson baixa o nível da campanha e dá facada na própria reputação apareceu primeiro em Saiba Mais.

12 Sep 17:18

The Easiest Job In The World

by Barry

If you enjoy these cartoons, and can spare it, please support them on my Patreon! A $1 pledge really matters.


TRANSCRIPT OF CARTOON

This cartoon has six panels.

PANEL 1
A fast food worker, standing behind a big counter of burger patties and ingredients, looks anxious. Right behind her, a manager-man wearing a white shirt and necktie is yelling at her.
MANAGER: This is drive-through! You have to work faster! FASTER!

PANEL 2
A different fast food worker clutches his forearm, which has a big red streak throbbing with pain, an agonized expression on his face. The same manager as panel 1 is offering him some little condiment packets.
MANAGER: It’s only a hot grease burn. No need for the E.R… Just put these condiment packets on it.
CAPTION: True story!

PANEL 3
At a fast food counter, a customer yells at a worker.
CUSTOMER: Are you #%@*ing stupid? I said NO PICKLES!
WORKER: But you didn’t say…
CUSTOMER: GET THE MANAGER!

PANEL 4
A worker is struggling to drag an enormous black bag of garbage out a door into what looks like a back alley, towards a garbage dumpster.
WORKER (thought): Maybe if I take three showers tonight the smell will come out of my hair…

PANEL 5
A fast food employee wearing a peaked paper hat and rubber gloves is kneeling by a toilet, cleaning the gross-looking insides of the toilet with a toilet scrubber. The manager yells at him from off-panel.

MANAGER (off-panel): FASTER!

PANEL 6
A customer and worker at a fast food counter. The worker, looking a bit annoyed, is holding a bag of food out towards the customer for her to take. Seh’s talking on her cell phone and not noticing the proffered bag of food at all.
CUSTOMER (on cell phone): Can you believe fast food workers are asking for raises? Gotta be the easiest job in the world.

12 Sep 17:14

Justiça dá razão ao DCM e mantém reportagens do Helicoca no ar. Por Joaquim de Carvalho

by Joaquim de Carvalho

A justiça em Brasília rejeitou o pedido do senador Zezé Perrella para o DCM retirar as reportagens  sobre o Helicoca. Perrella não recorreu, e a sentença transitou em julgado, isto é, se tornou definitiva, e por essa razão, em respeito aos leitores que acompanharam o caso, está sendo agora publicada (íntegra abaixo).

Em novembro de 2014, um helicóptero da família do senador Perrella foi apreendido com 445 quilos de pasta base de cocaína, em uma fazenda em Afonso Cláudio, no Espírito Santo. A velha imprensa  noticiou o episódio, e depois não tocou mais no assunto.

O sumiço do caso do noticiário fez despertar a suspeita de que, na verdade, as TVs, rádios,  jornais e sites estariam protegendo não Perrella, mas um aliado dele, o também senador Aécio Neves, na época pré-candidato a presidente pelo PSDB.

A cocaína era associada ao nome de Aécio, com rumores (a rigor, não comprovados) de que, quando governador, teria sido internado com crise de overdose em Belo Horizonte. 

Um correligionário de Aécio, José Serra, na época rival dele na disputa por poder dentro do PSDB, em conversas reservadas, espalhava o rumor.

Um jornalista do Estadão, amigo de Serra, publicou artigo no jornal com o sugestivo título “Pó parar, governador”.

Nessa mesma época, um primo de Aécio, coordenador de suas campanhas na região de Cláudio, berço da família, foi preso depois de ser flagrado em escuta telefônica negociando com um desembargador a compra de um habeas corpus para liberar dois traficantes.

O desembargador que concedeu o habeas corpus havia sido nomeado para o Tribunal de Justiça de Minas Gerais por Aécio Neves, quando governador.

Serra, na semana em que o helicóptero foi apreendido, assinou artigo em que está escrito que a cocaína seria o principal tema das eleições de 2014.

É público que Aécio, depois da apreensão do helicóptero, pressionou a Executiva do PSDB a antecipar a decisão de indicá-lo candidato a presidente.

Portanto, ao esconder a notícia, a velha imprensa poupava o futuro candidato, rival de Dilma Rousseff, de situações, no mínimo, incômodas.

O DCM buscou ocupar essa lacuna, mas, sem a mesma estrutura dos veículos corporativos, recorreu aos leitores, através do financiamento público, a vaquinha virtual, o crowdfunding.

Com esses recursos, eu estive no local dos fatos, ouvi quem participou da investigação, entrevistei um dos pilotos do helicóptero.

O resultado desse trabalho foi uma série de reportagens publicadas no DCM, e o documentário veiculado através do canal do DCM no YouTube.

A repercussão foi grande, e o caso passou a ser conhecido como Helicoca.

A reação também se deu na mesma medida. Durante a campanha de Aécio, o vídeo foi retirado do YouTube graças a uma fraude.

Um internauta, usando um computador em Belém do Pará, inventou a acusação de que o DCM teria violado direitos autorais.

Como o YouTube, diante de denúncias desse tipo, retira automaticamente do ar o vídeo, o público ficou sem ter acesso ao documentário naqueles dias.

Quando se comprovou que o DCM não havia violado direito autoral algum, o vídeo voltou ao ar, alguns dias antes da eleição.

Começou, então, uma onda de ações judiciais, todas com um desfecho parecido com a desta última decisão em Brasília.

“Quanto a este elemento, verifico que não foram (re)produzidas informações falsas. Não se trata, à toda evidência, das chamadas fake news, tendo em vista que os noticiários produzidos pelo segundo réu especificam que ‘um helicóptero com 445 quilos de pasta base de cocaína foi apreendido numa fazenda no Espírito Santo’ e que a aeronave pertencia à Limeira Agropecuária, empresa da família Perrella”, escreveu na sentença o juiz Pedro Matos de Arruda.

Disse mais:

“O Diário do Centro do Mundo critica a forma de condução das investigações e as conclusões alcançadas. Não ultrapassa, porém, o limite da liberdade de expressão tão cara ao Estado Republicano e Democrático. Não há notícia nos autos de que as informações foram obtidas por meio ilícito. Ao contrário, fez-se referência às investigações policiais.”

Na defesa do DCM, o advogado Francisco Ramos lembrou que a série de reportagens do DCM decorria de fato notório e requereu a intervenção da Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (ABRAJI). Anotou ainda que não houve extrapolação à liberdade de expressão/ informação.

O juiz deu razão à defesa do site:

“É um direito da imprensa livre tornar público tema avaliado como de interesse geral, assumindo as responsabilidades pela avaliação realizada e pela decisão de veicular a notícia, o que depende, como evidente, do atendimento de necessários pressupostos ditados como básicos ao exercício ético da profissão.”

O senador Perrella também processou o Google, para obrigá-lo a retirar os links que direcionam o leitor às reportagens do DCM. O juiz negou também esse pedido.

Numa época em que supostos especialistas em análise do noticiário, a soldo de organizações ligadas à velha imprensa, tentam minar a credibilidade da imprensa independente, associando-a a fake news, a decisão judicial de Brasília a respeito do caso Helicoca é um alento.

Não é fácil fazer jornalismo investigativo no Brasil. Além do custo elevado, há riscos de assédio judicial, que tem se verificado tão presente nos dias atuais.

Numa sociedade complexa, quem se move pelo senso do dever encontra forte resistência. Nada que supere o que disse Cícero, o tribuno romano:

“Quanto maiores são as dificuldades a vencer, maior será a satisfação.”

 

12 Sep 17:12

Eu sou Lula. Lula é Haddad. Eu sou Haddad, 13.

by Antonio Mello
Lula com Haddad

É simples. Se você, como eu e 40% dos brasileiros - segundo as últimas pesquisas, pretendia votar em Lula e estamos impedidos pelo golpe, basta votar no candidato do Lula.

E o candidato do Lula, aquele que Lula indicou como seu representante, é Haddad. Quem iria votar 13, Lula, vota no mesmo 13, agora Haddad.

Esta é a carta que Lula endereçou a nós, seus eleitores, e ao povo brasileiro, onde afirma que continua na luta para provar sua inocência (no Brasil do golpe é assim, Lula precisa provar sua inocência, mas seus algozes podem condená-lo sem provas), e em defesa da candidatura Haddad.

CARTA AO POVO BRASILEIRO

Curitiba, 11 de setembro de 2018

Meus amigos e minhas amigas,

Vocês já devem saber que os tribunais proibiram minha candidatura a presidente da República. Na verdade, proibiram o povo brasileiro de votar livremente para mudar a triste realidade do país.

Nunca aceitei a injustiça nem vou aceitar. Há mais de 40 anos ando junto com o povo, defendendo a igualdade e a transformação do Brasil num país melhor e mais justo. E foi andando pelo nosso país que vi de perto o sofrimento queimando na alma e a esperança brilhando de novo nos olhos da nossa gente. Vi a indignação com as coisas muito erradas que estão acontecendo e a vontade de melhorar de vida outra vez.

Foi para corrigir tantos erros e renovar a esperança no futuro que decidi ser candidato a presidente. E apesar das mentiras e da perseguição, o povo nos abraçou nas ruas e nos levou à liderança disparada em todas as pesquisas.

Há mais de cinco meses estou preso injustamente. Não cometi nenhum crime e fui condenado pela imprensa muito antes de ser julgado. Continuo desafiando os procuradores da Lava Jato, o juiz Sérgio Moro e o TRF-4 a apresentarem uma única prova contra mim, pois não se pode condenar ninguém por crimes que não praticou, por dinheiro que não desviou, por atos indeterminados.

Minha condenação é uma farsa judicial, uma vingança política, sempre usando medidas de exceção contra mim. Eles não querem prender e interditar apenas o cidadão Luiz Inácio Lula da Silva. Querem prender e interditar o projeto de Brasil que a maioria aprovou em quatro eleições consecutivas, e que só foi interrompido por um golpe contra uma presidenta legitimamente eleita, que não cometeu crime de responsabilidade, jogando o país no caos.

Vocês me conhecem e sabem que eu jamais desistiria de lutar. Perdi minha companheira Marisa, amargurada com tudo o que aconteceu a nossa família, mas não desisti, até em homenagem a sua memória. Enfrentei as acusações com base na lei e no direito. Denunciei as mentiras e os abusos de autoridade em todos os tribunais, inclusive no Comitê de Direitos Humanos da ONU, que reconheceu meu direito de ser candidato.

A comunidade jurídica, dentro e fora do país, indignou-se com as aberrações cometidas por Sergio Moro e pelo Tribunal de Porto Alegre. Lideranças de todo o mundo denunciaram o atentado à democracia em que meu processo se transformou. A imprensa internacional mostrou ao mundo o que a Globo tentou esconder.

E mesmo assim os tribunais brasileiros me negaram o direito que é garantido pela Constituição a qualquer cidadão, desde que não se chame Luiz Inácio Lula da Silva. Negaram a decisão da ONU, desrespeitando o Pacto Internacional dos Direitos Civis e Políticos que o Brasil assinou soberanamente.

Por ação, omissão e protelação, o Judiciário brasileiro privou o país de um processo eleitoral com a presença de todas as forças políticas. Cassaram o direito do povo de votar livremente. Agora querem me proibir de falar ao povo e até de aparecer na televisão. Me censuram, como na época da ditadura.

Talvez nada disso tivesse acontecido se eu não liderasse todas as pesquisas de intenção de votos. Talvez eu não estivesse preso se aceitasse abrir mão da minha candidatura. Mas eu jamais trocaria a minha dignidade pela minha liberdade, pelo compromisso que tenho com o povo brasileiro.

Fui incluído artificialmente na Lei da Ficha Limpa para ser arbitrariamente arrancado da disputa eleitoral, mas não deixarei que façam disto pretexto para aprisionar o futuro do Brasil.

É diante dessas circunstâncias que tenho de tomar uma decisão, no prazo que foi imposto de forma arbitrária. Estou indicando ao PT e à Coligação “O Povo Feliz de Novo” a substituição da minha candidatura pela do companheiro Fernando Haddad, que até este momento desempenhou com extrema lealdade a posição de candidato a vice-presidente.

Fernando Haddad, ministro da Educação em meu governo, foi responsável por uma das mais importantes transformações em nosso país. Juntos, abrimos as portas da Universidade para quase 4 milhões de alunos de escolas públicas, negros, indígenas, filhos de trabalhadores que nunca tiveram antes esta oportunidade. Juntos criamos o Prouni, o novo Fies, as cotas, o Fundeb, o Enem, o Plano Nacional de Educação, o Pronatec e fizemos quatro vezes mais escolas técnicas do que fizeram antes em cem anos. Criamos o futuro.

Haddad é o coordenador do nosso Plano de Governo para tirar o país da crise, recebendo contribuições de milhares de pessoas e discutindo cada ponto comigo. Ele será meu representante nessa batalha para retomarmos o rumo do desenvolvimento e da justiça social.

Se querem calar nossa voz e derrotar nosso projeto para o País, estão muito enganados. Nós continuamos vivos, no coração e na memória do povo. E o nosso nome agora é Haddad.

Ao lado dele, como candidata a vice-presidente, teremos a companheira Manuela D’Ávila, confirmando nossa aliança histórica com o PCdoB, e que também conta com outras forças, como o PROS, setores do PSB, lideranças de outros partidos e, principalmente, com os movimentos sociais, trabalhadores da cidade e do campo, expoentes das forças democráticas e populares.

A nossa lealdade, minha, do Haddad e da Manuela, é com o povo em primeiro lugar. É com os sonhos de quem quer viver outra vez num país em que todos tenham comida na mesa, em que haja emprego, salário digno e proteção da lei para quem trabalha; em que as crianças tenham escola e os jovens tenham futuro; em que as famílias possam comprar o carro, a casa e continuar sonhando e realizando cada vez mais. Um país em que todos tenham oportunidades e ninguém tenha privilégios.

Eu sei que um dia a verdadeira Justiça será feita e será reconhecida minha inocência. E nesse dia eu estarei junto com o Haddad para fazer o governo do povo e da esperança. Nós todos estaremos lá, juntos, para fazer o Brasil feliz de novo.

Quero agradecer a solidariedade dos que me enviam mensagens e cartas, fazem orações e atos públicos pela minha liberdade, que protestam no mundo inteiro contra a perseguição e pela democracia, e especialmente aos que me acompanham diariamente na vigília em frente ao lugar onde estou.

Um homem pode ser injustamente preso, mas as suas ideias, não. Nenhum opressor pode ser maior que o povo. Por isso, nossas ideias vão chegar a todo mundo pela voz do povo, mais alta e mais forte que as mentiras da Globo.

Por isso, quero pedir, de coração, a todos que votariam em mim, que votem no companheiro Fernando Haddad para Presidente da República. E peço que votem nos nossos candidatos a governador, deputado e senador para construirmos um país mais democrático, com soberania, sem a privatização das empresas públicas, com mais justiça social, mais educação, cultura, ciência e tecnologia, com mais segurança, moradia e saúde, com mais emprego, salario digno e reforma agrária.

Nós já somos milhões de Lulas e, de hoje em diante, Fernando Haddad será Lula para milhões de brasileiros.

Até breve, meus amigos e minhas amigas. Até a vitória!

Um abraço do companheiro de sempre,

Luiz Inácio Lula da Silva



Clique aqui e passe a receber notificações do Blog do Mello no seu WhatsApp
Você vai ser direcionado ao seu aplicativo e aí é só enviar e adicionar o número a seus contatos

Assine a newsletter do Blog do Mello
12 Sep 13:04

Umberto Trigueiros: “No meio da multidão, vimos caças passando para atacar La Moneda; escutamos o último discurso de Allende num radinho”

by Conceição Lemes

Pedro Pomar, sobre este áudio histórico: ”Foi também numa terça-feira, 11 de setembro, há 45 anos, que este discurso foi feito.  É uma coincidência e tanto”

por Umberto Trigueiros*

Há 45 anos.

Santiago, 11 de setembro de 1973.

Rio de Janeiro, 11 de setembro de 2018.

Levantei por volta das 7h da manhã, talvez um pouco antes e fui para a cozinha fazer um café.

Vi que Gregório já tinha saído para o trabalho, numa fábrica de doces, acho que lá para as bandas de San Bernardo.

Portuga, o outro companheiro que morava conosco na casa, ainda dormia.

Ato seguido liguei o pequeno rádio de pilhas que sempre me acompanhava.

Eram dias tensos no Chile, a insurreição de setores reacionários, da burguesia e de elementos das forças armadas contra o Governo da Unidade Popular já era escancarada.

A iminência de um golpe de estado estava nas ruas, na imprensa, na preocupação dos partidos de esquerda, sindicatos.

Também, claro, dos milhares de refugiados políticos latino-americanos que, como eu, se abrigavam no Chile democrático do terror das ditaduras e de governos de direita do Brasil, do Uruguai, do Paraguai, da Bolívia, da Colômbia, dos diversos países da América Central.

No dia 29 de julho passado, uma unidade de blindados, a de Nº 2, já tinha se rebelado e tentado assaltar o Palácio do Governo, mas fracassou.  A Unidade Popular com apoio de parte do Exército e de intensa mobilização popular resistiu.

Salvador Allende enviou ao Parlamento  pedido de Estado de Sítio para combater os golpistas.

O Congresso, ainda com pequena maioria da centro-direita, recusou. O impasse estava criado.

O Governo sem instrumentos legais para combater os criminosos fardados não queria rasgar a Constituição e destruir a democracia.

Comecei a ouvir no rádio as primeiras notícias do golpe: a sublevação da Marinha, em Valparaíso, a movimentação de tropas, os comunicados do Governo.

Nos comunicados, o governo dizendo que o Presidente Allende já estava no Palácio La Moneda e  não negociaria com qualquer tentativa golpista, e chamando os partidos de sua coalizão, sindicatos, Central Única de Trabalhadores, militares democratas e a população a defender o seu Governo.

A CUT decretou a Greve Geral. Parece que ainda estimavam que tinham algum controle da situação.

Verifiquei que algumas emissoras de rádio estavam fora do ar, outras tocavam marchas militares. Escutei os primeiros comunicados de uma tal Junta dos Comandantes em Chefe, exigindo a renúncia do Presidente.

Sintonizei no dial a rádio Mineria,  depois a rádio Magallanes, que era do Governo e deixei aí.

Acordei o Portuga e o coloquei a par da situação. Era o Golpe.

Nos vestimos rapidamente, tratamos de limpar a casa de documentos e outros materiais comprometedores. Peguei minha pistola Browning 7,65mm com dois carregadores e abandonamos a casa.

Era terça-feira, 11 de setembro de 1973, uma manhã fria e cinzenta em Santiago, como ainda costumam ser as manhãs de setembro, final de inverno. Não imaginava que esse dia marcaria a minha vida para sempre, tinha 25 anos então.

A casa onde morávamos ficava no bairro de Conchalí, perto da Avenida Independéncia, uma das grandes vias da cidade. Levava para um dos setores suburbanos.

Ficava numa “población” (bairro popular) habitada por servidores e militares subalternos da FACH (a Força Aérea Chilena). Na verdade, verdade, era uma das 3 casas (aparelhos) onde eu morava, pois já vivia praticamente numa semiclandestinidade.

Saímos,Portuga e eu, sempre com o radinho ligado, atentos às notícias.

Caminhamos até a Av. Independéncia, tratando de tomar uma condução para o centro da cidade. Nosso destino: fazer contato com os companheiros do setor militar do partido Socialista, a quem eu estava ligado.

Pela rua, as pessoas estavam assustadas e tensas, era visível nas suas expressões.

A duras penas, conseguimos subir numa “liebre” ( lotação) superlotada. Mas bem antes de chegar à Estação Mapocho (estação de trens que ficava ao lado do rio do mesmo nome), sob protestos dos passageiros, o motorista avisou que tínhamos de descer, que ele não ia prosseguir.

Fizemos a pé silenciosamente o percurso de muitos quarteirões até a ponte do Mapocho.

À medida em que nos aproximávamos mais do centro, escutávamos cada vez mais fortes os disparos incessantes de armas automáticas e também alguns tiros de canhão, deviam ser de tanques.

Enquanto caminhávamos, ouvimos o primeiro discurso do Presidente Allende, reafirmando sua decisão de não renunciar em hipótese alguma e denunciando os comandantes em chefe das Forças Armadas e de Carabineiros como traidores da pátria, da Constituição e do povo chileno.

E também os primeiros comunicados militares, dizendo que todos aqueles que resistissem aos soldados, ou que fossem encontrados com armas seriam fuzilados sumariamente.

Ah…, todos os estrangeiros deviam se apresentar imediatamente às autoridades policiais ou militares

Ao chegarmos à ponte sobre o rio Mapocho, que ligava o setor de Independéncia ao centro, vimos que ela estava tomada por tropas do Exército e que não deixavam passar.

Não tínhamos ideia se eram golpistas ou forças leais ao Presidente. Decidimos margear o rio em direção leste e tentar cruzar por outra ponte e, assim, o fizemos.

Por fim, conseguimos chegar à Alameda Bernardo O’Higgins (via central de Santiago), através do setor de Plaza Italia, e começamos a caminhar por ela na vã tentativa de alcançarmos a sede do Partido Socialista.

Para isso teríamos que passar em frente ao Palácio de La Moneda e ao Ministério de Defesa, ou seja, em pleno campo de batalha.

Nossa empreitada foi curta, no entanto. Ao passarmos em frente ao Ministério das Relações Exteriores, fomos rendidos de surpresa por uma patrulha de Carabineros que nos encostaram na parede do prédio, junto com outras pessoas e nos revistaram.

Fazia frio e andávamos com pulôver e também casacos.

Eu levava minha Browning na cintura, por debaixo dos casacos. Era uma arma pouco volumosa, bem chatinha. Um dos carabineiros que me revistou passou a mão por sobre a pistola, mas ligeiramente.

Em seguida, o sargento que comandava a patrulha nos liberou e disse que tínhamos que voltar, que havia intenso combate mais embaixo (se escutavam a todo momento os tiros), que era muito perigoso, o caminho estava bloqueado…

Regressamos à Plaza Italia e nos sentamos ao pé de um monumento. Respiramos fundo, olhamos um para o outro, estávamos lívidos, tínhamos acabado de escapar da morte quase certa.

Nunca saberei se o Carabinero que me revistou sentiu a pistola na minha cintura e fingiu que não viu ou não. Ficou essa incógnita.

Portuga não conhecia bem a cidade. Eu estava mais enraizado, morava no Chile há mais tempo, já tinha militância no Partido Socialista, tinha vários contatos e amigos.

Combinei com ele que iríamos para Santiago Oeste, o bairro popular de Barrancas, onde eu dividia um quartinho junto com outro refugiado brasileiro, o companheiro Rogério e conhecia muita gente. Ele aceitou, não tinha opção.

O bairro ficava longe, muito longe e não havia nenhuma condução circulando em Santiago. Iniciamos nosso caminho em direção a Barrancas, margeando o Mapocho.

Escutamos o último discurso histórico e emocionante do companheiro Allende pelo radinho:

(…) Otros hombres superarán esse momento gris y amargo en que la traición pretende imponerse. Sigan uds. sabiendo que, mucho más temprano que tarde se abrirán las grandes alamedas por donde pase el hombre libre, para construir una sociedad mejor. Viva Chile! Viva el Pueblo! Viva los trabajadores (…)

Pudemos ver os caças da FACH passando para bombardear o Palácio de La Moneda, ouvir os impactos das bombas, o deslocamento de ar, a fumaça que subia de lá…

Nós caminhávamos junto a uma multidão de rostos espantados, assustados, com medo, marcados pela incerteza e pela desesperança, que tinham a cicatriz da derrota daquele momento terrível marcada em seus semblantes, expressões das quais nunca me esquecerei.

Depois de horas de caminhada, finalmente chegamos a Barrancas e nos encontramos com os companheiros de lá.

Nos reunimos na casa de uma senhora, éramos muitos. Foi lá que soubemos as primeiras notícias da tomada do La Moneda e da morte de Allende.

No princípio, não acreditávamos. Foi uma enorme depressão coletiva. Soldados e helicópteros começavam a chegar ao bairro, um bastião da Unidade Popular. Era o começo do terror.

Decidimos nos separar, cada um com seus esquemas e seus contatos. Não pude nunca mais regressar a nenhuma das minhas casas.

A rotina passou a ser dormir, a cada dia, em casas diferentes, de gente que nunca tinha visto. Fugir de cercos,.  Dormir vestido, com os sapatos calçados e armado.  Escapar rápido das casas das pessoas que nos abrigavam, pois se nos encontrassem lá, sendo estrangeiros e considerados “terroristas”, elas podiam ser presas ou fuziladas de imediato.

Aliás, ver pessoas sendo assassinadas e encontrar corpos (mãos amarradas e tiros na nuca) nas ruas e barrancas passou a ser a realidade cotidiana.

E começava também a organização da resistência que duraria muitos anos e que custaria milhares de vítimas. Mas, esse já foi o desenrolar e o aprofundamento da história.

Nos primeiros dias de novembro de 1973, consegui por fim entrar no campo de refugiados montado pela ONU num seminário de padres jesuítas, em Padre Hurtado, nas imediações do bairro de Maipú. Aí, mais de 1000 pessoas das mais diferentes nacionalidades, homens, mulheres, jovens, crianças, velhos (a maioria latino-americanos) se abrigavam, aguardando o visto de algum país para sair do Chile.

Em fins de janeiro de 1974, mais ou menos, finalmente consegui salvo-conduto para embarcar para Cuba, com a minha companheira e também outros refugiados. Começava meu segundo exílio.

Sobrevivi graças à ajuda militante de centenas de companheiros e companheiras chilenas que arriscaram suas vidas para proteger refugiados e perseguidos como eu e tantos outros.

Muitas dessas pessoas não me conheciam, nunca tinham estado comigo e várias delas nem eram militantes ou ativistas políticos.

Devo também a minha sobrevivência ao amor e carinho de minha companheira Gabriela e à ajuda da sua família que, apesar de alvo da perseguição da ditadura, me acolheu e ajudou.

Hoje, 11 de setembro de 2018, faz 45 anos do golpe contra uma das mais belas experiências democráticas da América Latina, o governo do Presidente Allende e da Unidade Popular.

Fica aqui essa memória e essa singela homenagem ao companheiro Presidente Salvador Allende e a todos os que caíram.

Para que não se esqueça! Para que nunca mais aconteça!

*Umberto Trigueiros é jornalista.

O post Umberto Trigueiros: “No meio da multidão, vimos caças passando para atacar La Moneda; escutamos o último discurso de Allende num radinho” apareceu primeiro em Viomundo - O que você não vê na mídia.

11 Sep 13:45

Chile, 11 de setembro

by Francisco Seixas da Costa


11 Sep 13:39

Aqui jaz a cultura no Brasil. Por Carlos Latuff

by Pedro Zambarda de Araujo

11 Sep 13:36

Bolsonaro é o único presidenciável que não propõe mais recursos para o SUS, que salvou sua vida

by Diario do Centro do Mundo
Bolsonaro no centro cirúrgico

Publicado originalmente na RBA

Esfaqueado na região do tórax durante campanha nas ruas de Juiz de Fora no último dia 6, Jair Bolsonaro (PSL) foi levado para a Santa Casa de Misericórdia da cidade. Atendido prontamente, passou por exames e cirurgia pagos pelo Sistema Único de Saúde. Segundo o site da revista Piauí, a equipe médica receberá R$ 367,06 pelo tratamento cirúrgico de lesões vasculares traumáticas do abdômen, conforme a tabela. E o hospital, R$ 1.090,80.

No dia seguinte, o candidato à Presidência da República foi transferido para o Hospital Albert Einstein, em São Paulo. Como outros deputados e senadores, ele é beneficiado por uma assistência médica que custa aos contribuintes R$ 36 milhões mensais.

Bolsonaro, porém, é o único dos candidatos à Presidência da República que julga desnecessário aumentar recursos para o Sistema Único de Saúde (SUS) – o mesmo que salvou sua vida e que também salva muitas outras que, ou não têm acesso à rede privada, ou não têm cobertura de procedimentos que só o SUS executa.

O orçamento para o SUS em 2018 é de R$ 130 bilhões, montante que tem de dar conta de financiar atendimentos de emergência como o que salvou a vida do presidenciável, além de cirurgias de pequena, média e grande complexidade, como transplantes, hemodiálise, vacinação, vigilância à saúde, consultas, exames, distribuição de remédios, Samu e tantas outras coisas, para todos os brasileiros, em todo o país. Para saber mais, assista ao vídeo no final da reportagem.

Programa

Em seu programa de governo, o candidato do PSL promete “fazer muito mais com os atuais recursos”. Diz que vai ampliar os serviços de atenção básica e coordenação das redes de atenção à saúde, recuperar financeiramente os hospitais filantrópicos e incentivar planos de carreira para recursos humanos. Tudo com os atuais recursos.

Seu argumento é que o sistema de saúde brasileiro dá prioridade ao tratamento da doença, e não do paciente. Segundo a candidatura, esse modelo de saúde pública representa enorme “custo” para o Estado, e é preciso trazer maior eficiência aos gastos do setor. No entanto, ele não explica como fará para fazer mais com recursos sabidamente insuficientes.

Ao contrário de 2014, quando apenas um candidato (do PSB) prometeu aumentar os recursos para a saúde, em 2018 é quase consensual a necessidade de ampliar o orçamento.

“Essa mudança a favor de maior financiamento do SUS, ainda que retórica, é importante. A sensibilidade às prioridades da saúde parece ter se tornado mais intensa”, analisam os especialistas em saúde coletiva Mário Scheffer, Ligia Bahia e Ialê Falleiros Braga, no estudo “A saúde nos programas dos candidatos à Presidência da República do Brasil em 2018 – Análise sobre a relevâncias das proposições para a melhoria da rede de serviços e da saúde da população”.

Outro aspecto importante, segundo os autores, é que a saúde não ocupa lugar central nas plataformas de governo dos candidatos à Presidência neste ano, quando a insatisfação reiterada da população em relação à saúde “é matéria prima para rico e potente debate sobre o tema”.

Os programas generalizam a ênfase na atenção básica e não no sistema de saúde, o que não é novidade. A exemplo de 2014, os candidatos repetem compromissos de aumento de coberturas sem nenhuma avaliação de governos e sem mencionar instrumentos ou obstáculos para alcançar as metas propostas.

Bolsonaro, por exemplo, aponta para uma “atenção básica nacionalizada” e afirma a possibilidade de o governo credenciar médicos particulares.  “E a falta de debates sobre políticas de saúde efetivamente universais e de qualidade permitem interpretações sombrias”. O fato de os candidatos não enfatizarem o SUS com um todo, os direitos assistenciais para todos os níveis de atenção, e de não explicitar como deverão obter recursos para viabilizar as promessas expressa compromissos limitados.

Segundo os especialistas, a exemplo de 2014, problemas de saúde de segmentos populacionais, como povos indígenas e população carcerária, foram ignoradas por quase todos os programas em 2018, com exceção do Psol. E em geral, há menção de compromissos com pessoas e comunidades LGBTI, negros e portadores de deficiências – o que sinaliza perspectivas positivas para a retomada de políticas assistenciais e de proteção a riscos que exigem ações concretas de combate a preconceitos e discriminações.

11 Sep 13:28

A escritora Ana Maria Machado é mais uma vítima do ódio nas redes que ajudou a fomentar. Por Nathalí Macedo

by Nathalí Macedo
A escritora Ana Maria Machado – Bruno Veiga / Divulgação

O livro “O menino que espiava pra dentro”, de Ana Maria Machado, escritora e jornalista que já presidiu a Academia Brasileira de Letras, tem gerado polêmica depois de trinta e cinco anos de publicado pela primeira vez, em 1983.

Isso porque uma mulher de Recife postou em uma rede social – sempre as redes sociais…. – que seu filho perguntou-lhe “se era verdade que se engasgasse com uma maçã e ficasse sem respirar, ele conseguiria ir até o encontro do seu mundo da imaginação”.

Foi o quanto bastou para que surgisse nas redes uma enxurrada de comentários acusando o livro de incitar o suicídio, e o mais preocupante nisso é que o trecho acusado pelos internautas sequer é facilmente associável ao suicídio, a não ser que a sua imaginação seja mais fértil que a de uma criança:

“Como as compras só chegaram quando ele estava no colégio, ainda teve que esperar a volta, o jantar e a hora da sobremesa. Quase não aguentava mais. Aí também resolveu que o melhor era deixar para engasgar com a maçã quando estivesse sozinho. E que a família dele era tão desligada dessas coisas que era até capaz de alguém dar um tapa nas costas dele só para desengasgar, e aí estragava o plano todo.”

“O menino que espiava pra dentro” não é um livro sobre suicídio, é apenas um livro sobre um garoto meio carente e cheio de imaginação que ganha um cachorrinho. Não se fala nisso nem mesmo metaforicamente: a metáfora de morte foi criada pelos próprios internautas, porque o tribunal do Facebook não perdoa.

“Estou chocada! Foi como se uma bigorna caísse na minha cabeça. Até peguei o livro para reler, pensando que pudesse ter alguma frase infeliz. Mas que nada. É apenas a história de um menino cheio de imaginação que precisava de um amigo, e acaba ganhando um cachorro” disse a escritora.

Nos contos de fada tradicionais há coisas um tanto piores, como príncipes que beijam princesas enquanto elas dormem – como você espera que seu filho aprenda sobre consentimento?

O post da mãe de Recife era, aparentemente, apenas um apelo para que os pais observassem o modo como seus filhos recebem estímulos imaginativos, e não propriamente uma acusação, mas os internautas não entenderam nada: iniciou-se uma perseguição virtual à escritora e sua página oficial no Facebook está desde a tarde de ontem fora do ar.

Ana Maria Machado, assim como o presidenciável que experimentou o ódio que ele próprio plantou, está sendo vítima da mesma direita que tenta agradar em suas colunas com o pacote clássico de antilulismo rastaquera.

Em seu espaço no jornal O Globo, já escreveu um texto intitulado “entre a Presidência e o Presídio”, defendeu as delações premiadas — “ferramenta poderosa para revelar crimes ocultos”.

O PT quer passar para o mundo a imagem de que o Brasil “vive uma democracia tabajara”. Lula é um palhaço, diz ela. E por aí vai.
O que as pessoas que plantam ódio esperam receber em troca? Flores? Se você alimenta a indignação seletiva e desonesta da direita, isso voltará pra você. Em dobro.

Ana Maria Machado tem mais de 100 livros publicados no Brasil e em mais de 17 países, somando mais de 20 milhões de exemplares vendidos. É a mesma que escreveu “uma, duas, três princesas”, uma história de três princesinhas que viajam o mundo para salvarem o reino.

Escritoras como ela dão às próximas gerações a chance de ver o mundo de outra forma, um “mundo da imaginação” onde princesas salvam o dia em vez de esperarem pelo príncipe encantado que lhes salve a própria vida.

É dever dos pais cuidarem para que seus filhos não se atirem do quinto andar usando uma capa de super-homem ou se entalem com maçãs para alcançarem outros mundos. Estímulos perigosos sempre existiram e sempre existirão – crescemos vendo Dick Vigarista, certo? – e só mesmo na geração das redes sociais é que isso é motivo suficiente para uma escritora consagrada ser perseguida por um trecho específico de um livro que ninguém – nem os pais indignados, imagino – se preocupou em entender como um todo.

Em nota, a Editora Global se manifestou:

“Esclarecemos que as referências à maçã e ao fuso são alusões às histórias da Branca de Neve ou da Bela Adormecida e constituem parte integrante do universo da história, sustentando o argumento de que imaginar pode ser muito bom, mas a realidade externa se impõe. Conversar com os outros (como a mãe) é fundamental, e a afetividade que nos faz felizes está ligada a seres vivos e reais (…) Todo nosso apoio e carinho a Ana Maria Machado.”

Todo o meu apoio a ela, também. E toda a nossa paciência, sem resignação, diante do Tribunal do Facebook – que invariavelmente, em algum momento, se volta contra quem o alimentou.

05 Sep 16:27

FBI acusa fundador da Empiricus de ser ladrão de banco

by Luiz Carlos Azenha

Divulgação

Ex-sócio da Empiricus é preso pelo FBI por desvio de contas bancárias

Marcos Eduardo Elias é acusado de desviar mais de 750.000 dólares de contas de brasileiros em Nova York

Por Denyse Godoy, na Exame

Marcos Eduardo Elias, fundador e ex-sócio da casa de análise de ações Empiricus, foi preso na Suíça em junho e extraditado para os Estados Unidos na semana passada, acusado de desviar mais de 750.000 dólares de contas bancárias de brasileiros em Nova York.

Segundo informações do Departamento de Justiça americano, Elias se passou por funcionários dos titulares das contas bancárias, e, usando documentos falsos, conseguiu transferir o dinheiro para uma conta controlada por ele em Luxemburgo.

Uma das supostas vítimas do esquema foi o conglomerado varejista Zaffari, controlado pela família gaúcha de mesmo sobrenome.

A investigação foi conduzida pelo Federal Bureau of Investigation (FBI), a Polícia Federal americana.

Os acusados teriam mandado e-mails para outros empregados do grupo Zaffari fingindo ser um dos membros do clã, e solicitavam a transferência dos montantes para a conta.

Essa conta tinha como titular uma empresa sediada no Panamá que falsamente listava entre seus donos o membro da família Zaffari em questão, mas na verdade era da propriedade de Elias.

Elias é engenheiro mecânico formando pela Universidade de São Paulo. Foi economista-chefe do banco francês BNP Paribas e ajudou a fundar a Empiricus em 2010.

O executivo está sendo acusado pela Justiça americana de conspiração para cometer fraude, crime que tem pena máxima de 30 anos de prisão; de fraude de transferência bancária, com pena de 30 anos; de receptação de produto de furto, com 10 anos.

O executivo do mercado financeiro está sofrendo, ainda, duas acusações de furto de identidade com agravantes, que têm penas de dois anos cada.

Em 2017, Elias processou a Empiricus, como EXAME revelou em primeira mão.

No processo, Elias dizia ter sido pressionado a sair da sociedade em 2012, pouco antes de a Empiricus receber o investimento da empresa americana de informações financeiras Ágora.

Elias pedia uma indenização que pode chegar a 10 milhões de reais.

Procurada, a Empiricus ainda não retornou a reportagem. A defesa de Elias não foi localizada.

PS do Viomundo: Elias é o japonês da Federal do mercado financeiro. A empresa que ele fundou tocou terror digital durante a campanha de 2014 e, a seguir, ao longo do processo de impeachment de Dilma Rousseff.

Leia também:

MP tucano requenta acusações contra Haddad

O post FBI acusa fundador da Empiricus de ser ladrão de banco apareceu primeiro em Viomundo - O que você não vê na mídia.

04 Sep 00:31

Agosto saharaui: a lição do Papa Francisco

by noreply@blogger.com (AAPSO)




Fonte: Contramutis / Por Alfonso Lafarga

Mais de quatro mil crianças saharauis passaram dois meses de férias em Espanha e, mais uma vez, voltaram aos campos de refugiados sem serem recebidas pelas altas instituições do Estado.

Muito embora tenham recebido a atenção de muitas autarquias locais e parlamentos regionais, como acontece todos os anos desde que o programa Férias em Paz se realiza e pelo qual as crianças saharauis abandonam as altas temperaturas do deserto argelino e passam as férias com famílias espanholas, tempo em que fazem exames médicos e aprendem espanhol.

Surpresa tiveram as crianças saharauis que passaram as férias na Itália: foram recebidas pelo Papa Francisco e pelo Presidente do Parlamento italiano, Roberto Fico.

No dia 8 de agosto, na cidade do Vaticano, o Papa Francisco recebeu duas dezenas de crianças saharauis vestidas com roupas tradicionais, a quem saudou como "embaixadores saharauis da paz", crianças que lhe responderam que pertenciam a "uma sociedade islâmica moderada que quer paz, liberdade, justiça e a melhor coexistência entre as religiões e culturas do mundo ".

Antes, a 25 de julho, Roberto Fico recebeu na sede do Parlamento italiano os pequenos saharauis, a quem ofereceu presentes que lhes entregou pessoalmente, com sinais de afeição.

De acordo com a resenha de imprensa da SPS, o presidente do Parlamento italiano reafirmou que, como presidente da mais alta instituição do seu país, continuará a defender e apoiar os direitos e a causa justa do povo saharaui até à sua autodeterminação.

Os gestos com as crianças saharauis em Espanha, o país que abandonou o povo saharaui há mais de 42 anos e que entregou as suas terras a Marrocos, mantiveram-se no âmbito local e regional, apesar do movimento de solidariedade com o Sahara solicitar a instâncias superiores atenção para com as crianças.

Em Madrid, as associações pró-Sahara solicitaram repetidas vezes ao Palácio da Zarzuela um encontro das crianças saharauis com a rainha Letizia, dado o seu interesse pela infância, um pedido que também foi feito nos anos em que era princesa, mas sem resultado.

Enquanto as atenções às crianças saharauis permanecerem ao nível de presidentes de câmara e presidentes de instituições autónomas, não haverá perigo de manchetes de imprensa como a de Jesús Cabaleiro Larrán em Jornalistas em espanhol: "Papa Francisco recebe crianças saharauis e irrita Marrocos" . Primeiro que tudo, há que não irritar Marrocos.

As crianças saharauis regressaram aos acampamentos de adobe e e às suas jaimas (tendas) em Tindouf, enquanto nas suas terras, nos territórios do Sahara Ocidental ocupados por Marrocos, os direitos humanos continuam a ser violados, tal como nas cidades do sul marroquino em que vive população saharaui e nas prisões com presos políticos saharauis.

Ver relatório



31 Aug 19:53

A GloboNews explica por que a cassação de Lula no TSE deve levar Haddad ao 2º turno. Por Kiko Nogueira

by Kiko Nogueira
A patota da GloboNews ouriçada com o julgamento de Lula no TSE

O Brasil é um filme ruim com spoilers ininterruptos.

Em seu afã de destruir Lula, a GloboNews pôs um time de “analistas” que sempre concordam entre si para explicar como o objeto de sua obsessão continua em primeiro lugar nas pesquisas, apesar das denúncias de corrupção na Lava Jato.

Os eleitores acreditam que ele está sendo vítima de uma perseguição da Justiça, diz Camarotti. Essa é a “narrativa” que emplacou.

A conclusão evidente, que ninguém ousou verbalizar, é que isso deve se repetir agora.

O TSE vai impugnar a candidatura de Lula porque a Globo assim o quer. E o que esperam que mude?

O que vai acontecer quando Lula anunciar seu ungido depois depois de mais um show de patacoadas no tribunal?

A ideia é matar dois coelhos com um tiro de canhão: a cassação do registro e o veto à participação na propaganda eleitoral.

A estratégia desesperada se assemelha à da “contagem de corpos” usada pelos EUA na guerra do Vietnã como prova de vantagem no conflito.

Massacres se seguiram, a opinião pública americana não comprou a balela o resultado final é conhecido.

Já prenderam Lula e ele continuou subindo nas pesquisas. 

A dobradinha da Globo com o Judiciário presta um serviço enorme à campanha petista.

A GloboNews passa horas reclamando da onipresença de Lula no noticiário. Ora, quem pauta o noticiário são eles.

Barroso e Rosa Weber farão o malabarismo esperado para negar a ONU, após terem declarado num passado recente que o Brasil deveria cumprir decisões a que se obrigou pelo Pacto pelos Direitos Humanos.

A migração de votos é batata. Haddad é mencionado como opção de voto por 17,3% dos eleitores lulistas segundo a CNT/MDA.

No Datafolha, 30% afirmam que certamente seguiriam a indicação de Lula.

A maioria dos brasileiros não está “confusa”, como quer Marina Silva. Ela sabe o que está ocorrendo.

A “insegurança jurídica” não é culpa dos advogados de Lula, mas da perseguição insana.

É essa eterna aposta na estultice da população que provavelmente colocará Fernando Haddad no segundo turno.