Shared posts

22 May 03:21

Evensong

Vespers

 Expaded from Oglaf's feed by Oglaf comic's expander.

09 Jun 01:05

montt en dosis diarias - #1

by noreply@blogger.com (montt)

08 Jun 15:28

Veja como solução de 2 Estados melhoraria PIB de Israel e Palestina

by gustavochacra

Se ainda falta algo para convencer os céticos de que a solução de dois Estados é a melhor alternativa para a resolução do conflito entre israelenses e palestinos, a Rand Corporation, uma entidade defensora do liberalismo econômico em Washington, deu um ótimo argumento para eles mudarem de opinião ao publicar estudo indicando que Israel e Palestina teriam enormes benefícios para as suas economias se chegassem a um acordo.

O PIB palestino teria um incremento de 48,8% (US$ 9,7 bilhões). O de Israel cresceria 5,6% (US$ 22,8 bilhões).

E no caso das outras alternativas para o conflito? A Rand trabalha com cinco opções, incluindo a descrita acima

1. Solução de Dois Estados

PIB palestino cresce 48,8% (US$ 9,7 bilhões)

PIB isralenese cresce 5,5% (US$ 22,8 bilhões)

2. Retirada Unilateral coordenada de Israel da Cisjordânia

PIB palestino cresce 6,9% (US$ 1,5 bilhão)

PIB israelense não cresce (0%)

3. Retirada Unilateral não coordenada de Israel da Cisjordânia

PIB palestino diminui 0,5% (US$ 100 milhões)

PIB israelense diminui 0,9% (US$ 4 bilhões)

4. Resistência não violenta

PIB palestino diminui 12% (US$ 2,4 bilhões)

PIB israelense diminui 3,4% (US$ 15 bilhões)

5. Nova Intifada

PIB palestino diminui 45,7% (US$ 9,1 bilhões)

PIB israelense diminui 10,3% (US$ 45 bilhões)

Portanto, mais uma vez, é óbvio que a solução de dois Estado seria a melhor solução para a economia dos dois países

Guga Chacra, comentarista de política internacional do Estadão e do programa Globo News Em Pauta em Nova York, é mestre em Relações Internacionais pela Universidade Columbia. Já foi correspondente do jornal O Estado de S. Paulo no Oriente Médio e em NY. No passado, trabalhou como correspondente da Folha em Buenos Aires

Comentários islamofóbicos, antissemitas, anticristãos e antiárabes ou que coloquem um povo ou uma religião como superiores não serão publicados. Tampouco são permitidos ataques entre leitores ou contra o blogueiro. Pessoas que insistirem em ataques pessoais não terão mais seus comentários publicados. Não é permitido postar vídeo. Todos os posts devem ter relação com algum dos temas acima. O blog está aberto a discussões educadas e com pontos de vista diferentes. Os comentários dos leitores não refletem a opinião do jornalista Acompanhe também meus comentários no Globo News Em Pauta, na Rádio Estadão, na TV Estadão, no Estadão Noite no tablet, no Twitter @gugachacra , no Facebook Guga Chacra (me adicionem como seguidor), no Instagram e no Google Plus
08 Jun 09:26

Absurdo

by Fábio Coala

coala_propagandaB

Mais ofensivo que holerite de deputado.

O post Absurdo apareceu primeiro em Mentirinhas.

07 Jun 15:58

Aniversário de Deus – COMPLETO

by Carlos Ruas

Sempre quis juntar essa animação em um episódio único. Considero a melhor animação que eu já fiz. Crédito a parceria que eu tive com o meu irmão no roteiro.

 

Ainda não se inscreveu para receber os vídeos? Então clique aqui!

06 Jun 15:34

Qual o problema de ser israelense no Brasil?

by gustavochacra

A decisão de pedir os nomes de alunos israelenses em uma universidade em Santa Maria não é correta por se tratar de preconceito contra a origem nacional de pessoas. O fato de ter nascido ou não em Israel não torna a pessoa pior ou melhor. Apenas a torna israelense, o que não é um crime.

Israelenses podem ser judeus, mas também podem ser ateus, podem ser muçulmanos, podem ser drusos e podem ser cristãos. Inclusive, o embaixador de Israel no Brasil é árabe e druso, não judeu, como muitos equivocadamente podem imaginar – aliás, alguns no Brasil associam Israel apenas aos judeus, quando se trata de uma nação multicultural e multireligiosa, de maioria judaica.

Em Israel, como em outros países do planeta, há médicos, advogados, prostitutas, empresários, desempregados, milionários e jogadores de futebol. Há assassinos e há heróis. Há viúvas e há deficientes físicos. Há chuva e sol. Há praia e montanha. Há cidades modernas, como Tel Aviv, e históricas, como Jerusalém.

Deve-se criticar sim Israel pela ocupação da Cisjordânia. E muitos israelenses criticam diariamente a expansão dos assentamentos nas TVs e jornais do país e nos bate-papos em cafés no Boulevard Rothschild de Tel Aviv. Esta questão deve ser resolvida em um acordo de paz com os palestinos no qual os dois lados vivam em paz e segurança. Os obstáculos, todos nós conhecemos.

Há muito o que se criticar no governo de Benjamin Netanyahu. Assim como há muito o que se criticar no governo Dilma ou no governo Obama. E, tenham certeza, vários israelenses criticam Netanyahu, assim como vários brasileiros criticam Dilma e americanos criticam Obama. Também pode-se discutir ações de Israel no Líbano ou em Gaza, mas este não é o objetivo deste post.

O objetivo é deixar claro que não faz sentido ter uma lista na qual determinadas pessoas sejam tratadas como criminosas por serem de determinada nacionalidade.

Sim, o Líbano bloqueia a entrada de cidadãos israelenses (e é quase impossível um libanês não ser barrado em Israel). Mas trata-se de um contexto de guerra. Não se pode, de forma alguma, comparar com as relações do Brasil com Israel. Estas duas nações são amigas e até possuem acordos comerciais.

Guga Chacra, comentarista de política internacional do Estadão e do programa Globo News Em Pauta em Nova York, é mestre em Relações Internacionais pela Universidade Columbia. Já foi correspondente do jornal O Estado de S. Paulo no Oriente Médio e em NY. No passado, trabalhou como correspondente da Folha em Buenos Aires

Comentários islamofóbicos, antissemitas, anticristãos e antiárabes ou que coloquem um povo ou uma religião como superiores não serão publicados. Tampouco são permitidos ataques entre leitores ou contra o blogueiro. Pessoas que insistirem em ataques pessoais não terão mais seus comentários publicados. Não é permitido postar vídeo. Todos os posts devem ter relação com algum dos temas acima. O blog está aberto a discussões educadas e com pontos de vista diferentes. Os comentários dos leitores não refletem a opinião do jornalista Acompanhe também meus comentários no Globo News Em Pauta, na Rádio Estadão, na TV Estadão, no Estadão Noite no tablet, no Twitter @gugachacra , no Facebook Guga Chacra (me adicionem como seguidor), no Instagram e no Google Plus
05 Jun 19:40

Chrome Will Soon Be Less of a Friggin’ Battery Hog

by Brian Barrett
Chrome Will Soon Be Less of a Friggin’ Battery Hog

Chrome has long slurped up your computer's juice, tab after tab. Now a default setting will address the drain.

The post Chrome Will Soon Be Less of a Friggin’ Battery Hog appeared first on WIRED.









01 Jun 13:50

Photo



03 Jun 14:44

Saturday Morning Breakfast Cereal - Villains

by admin@smbc-comics.com
02 Jun 08:17

A Sociedade

29 May 20:55

Por um feminismo que ouça Mallu antes

by Marjorie Rodrigues

mallu 6

Uns tempos atrás, apareceu na timeline do meu Facebook essa foto da Mallu Magalhães e do Marcelo Camelo na praia. A pessoa que postou a foto (que eu sinceramente não lembro mais quem foi) escreveu uma legenda mais ou menos assim: “que ódio desses caras abusivos nojentos, olha como a Mallu está até anoréxica”. E seguiu-se toda uma série de comentários sobre homens mais velhos abusando da ingenuidade de mulheres mais novas (ou adolescentes); sobre como o relacionamento da Mallu é obviamente abusivo por conta dessa diferença de idade; e sobre como Marcelo Camelo é pedófilo e manipulou a menina. Aí mencionaram trechos de músicas da Mallu que falam sobre sofrer de amor, como evidência de que o relacionamento deles seria abusivo.

Ultimamente eu tenho dado um reino para não entrar em treta de Internet, mas não resisti e tive que deixar um comentário, dizendo: “ninguém aqui sabe nada sobre o relacionamento dos dois, então não temos como dizer que o relacionamento é abusivo apenas com base na diferença de idade. Também não podemos dizer, apenas com base na foto, se a magreza da Mallu é anorexia, tampouco que a magreza foi causada pelo relacionamento. Tirar esse tipo de conclusão (de que Mallu é a ingênua manipulada e Marcelo Camelo o aproveitador que manipula) é negar à Mallu qualquer tipo de autonomia ou poder de escolha”.

Pra quê, né? Fui classificada como uma tonha que não enxerga a óbvia diferença de poder entre os dois e/ou como a cultura machista leva os homens a agir de forma predatória. Desde então, fiquei com vontade de escrever sobre isso. Sobre esse feminismo que quer defender, proteger e libertar as Mallus… Sem nunca ter OUVIDO as Mallus.

Podemos e devemos debater sobre a diferença de poder entre um homem mais velho e uma mulher adolescente num mundo patriarcal. Podemos e devemos debater o comportamento predatório que muitos homens mais velhos têm em relação a adolescentes. Podemos e devemos debater quão livres e informadas podem ser as nossas escolhas quando temos 15 anos – idade da Mallu quando começou a namorar Marcelo. Tudo isso é válido e necessário. Mas o que a gente NÃO pode é enfiar o dedo na cara da Mallu, determinando que o relacionamento dela é abusivo, sem nunca sequer ter conversado com ela para saber o mínimo que seja sobre a sua versão da história e a dinâmica do seu relacionamento.

Essa lógica, na qual só existem duas possibilidades (homem abusador e mulher abusada) é binária. Sabe o que também é binário? O machismo, que postula que só existem homem x mulher, natureza x humano, força x fragilidade, superior x inferior. Logo, o que eu tô pra escrever faz um tantão de meses é isso: moça que quer salvar a Mallu sem nunca ter ouvido a Mallu… você está sendo machista.

O machismo coloca a mulher na posição de princesinha indefesa que precisa ser protegida ou salva dos perigos, dado que é incapaz de se proteger ou salvar-se sozinha. Esse tipo de feminismo não tira a mulher de tal posição. A diferença é que quem vai salvá-la e protegê-la não é mais o príncipe, mas sim as feministas, mulheres iluminadas que enxergam a verdade e vão mostrar para ela o quanto o príncipe é feio, bobo, opressor e nojento. Esse feminismo é tão paternalista quanto o machismo, pois menospreza a inteligência e a capacidade de julgamento das mulheres que estão fora dele.

Durmam com esse barulho: a Mallu, a atriz pornô, a Panicat e a stripper não são mocinhas indefesas esperando ser salvas por vocês. Os oprimidos têm, sim, (alguma) agência. E, quando se consideram mulheres, 50% da população, jamais podemos assumir que nenhuma têm poder algum em relação a nenhum homem. Depende da mulher. Depende do homem.

Os oprimidos têm, dependendo da situação, mais ou menos espaço para ir “comendo pelas beiradas”, lidando e jogando com as circunstâncias, negociando e encontrando maneiras de conseguir felicidade no meio da opressão. Senão ninguém vivia. Senão todo mundo simplesmente se matava.

Repete com a tia: as mulheres NÃO são desprovidas de agência mesmo quando….

  • Apanham do marido
  • Moram em um país com lei islâmica e têm que usar burca
  • Sofrem mutilação genital
  • São prostitutas (por escolha ou forçadamente)
  • E por aí vai.

Mesmo na pior das situações, sempre te resta ao menos um último poderzinho: o poder de decidir COMO reagir à opressão que lhe infringem. Essa frase não foi dita por mim, mas por Vikor Frankl, sobrevivente do holocausto. Alguém pode estar com a arma na tua cabeça tentando te forçar a fazer alguma coisa, você ainda tem o poder de escolher morrer com orgulho, dizendo: “nem fodendo, pode me matar”. Não é o maior nem melhor poder de escolha do mundo, mas é um poder. É você quem escolhe se viver é mais importante do que não obedecer.

Se se parte da premissa de que as mulheres são sempre necessariamente vítimas manipuladas sem nenhuma agência ou autonomia; se não há possibilidade de enxergar o abuso/opressão sem ajuda, então não há possibilidade lógica de existência do feminismo (e entendo feminismo, aqui, como movimento de resistência que parte das próprias mulheres). A não ser que você separe as mulheres nessas duas categorias:as iluminadas que DO NADA, SEI LÁ COMO conseguiram enxergar a existência da opressão dos homens nojentos; e as oprimidas, que não enxergam isso sozinhas e por isso precisam ser salvas pelas alienígenas iluminadas.

…Isso é a mesma narrativa do príncipe. É a mesma narrativa do super herói. Isso não é romper com machismo. Isso é só trocar as personagens da mesma história binária, sem nuances.

O meu feminismo reconhece a toda mulher a possibilidade de se virar sozinha e salvar-se à sua maneira. Aliás, até esse conceito aí de salvar tá errado. Não existe salvação do patriarcado. Não existe libertação completa. Não existe fora. Vamos continuar vivendo nele, tendo que lidar com ele. Tentando viver da melhor forma possível no mundo como nos é posto hoje e disputando cabo de guerra por um mundo melhor amanhã. Um exemplo: pode-se dizer que as mulheres do Afeganistão sob o Talibã eram oprimidas por usarem burca, não poderem sair sem companhia de um homem, etc. Mas foi graças ao disfarce da burca que muitas conseguiram filmar os abusos do regime, em vídeos que chegaram ao restante do mundo. Dá um Google aí ;)

Para terminar, um detalhe sobre a foto da Mallu com Camelo na praia: ela está SORRINDO. Acho muito sintomático que as moças do Facebook tenham essa visão seletiva. Enxergam a magreza comparada à pança de cerveja do Camelo, enxergam a diferença de idade. Mas escolhem não enxergar o sorriso dela. Um sorriso pode significar muitas coisas, é verdade. Mas uma das interpretações possíveis é que Mallu está feliz e o relacionamento é saudável. Um reles sorriso não é prova de que o relacionamento não é abusivo, claro. Assim como a magreza e a idade também não são prova de que é.

Só me chamem pro teu feminismo quando este não falar sobre e em nome de Mallu, mas com Mallu. Senão, é sororidade de fachada.

UPDATE:

Vi pelos comentários que muita gente entendeu que eu estaria defendendo que as mulheres abusadas
têm que se virar sozinhas e que a gente não pode ajudar pessoas em situação de abuso. Gente, por favor, eu não disse isso.

Eu disse que não podemos menosprezar a capacidade, a força e a inteligência das demais mulheres, mesmo em situações de abuso, e que não podemos partir do princípio de que os outros sempre precisam da nossa magnânima ajuda pois nós obviamente sabemos o que é melhor para eles.

Isso não é dizer que TODAS TÊM QUE se virar sozinhas. Ou que é “fácil” (oi? Nunca usei a palavra “fácil”) PARA TODAS sair de tais relacionamentos. Ou que TODOS NÓS devemos nos abster de ajudar uma amiga que está num relacionamento que parece abusivo. Opa opa opa, esse é um gigantesco pulo de interpretação.

Aliás, acho que esse pulo de interpretação é um exemplo de pensamento binário (no qual todos nós fomos criados, é a base do pensamento ocidental. Então, problema nenhum recair nisso, acontece com todo mundo. Mas vamos tentar desconstruir isso aí?). Ou é preto ou é branco, então ou a mulher é ~sempre~ uma coitadinha que precisa ser resgatada ou não é para ~ninguém~ ajudar em nada nunca, deixe que se vire. Ou a mulher é ~sempre~ uma coitadinha que precisa ser resgatada OU ~ninguém~ precisa de feminismo para nada e esse meu texto é um texto anti-feminista.

Gente, não é preto e branco, não é isso ou aquilo. As mulheres precisam sim ajudar e apoiar umas às outras e precisam sim de feminismo. Mas quem está no movimento não pode se colocar num pedestal em relação a quem está fora, como se soubesse melhor do que a outra o que é melhor para ela. Ouça, respeite e tente entender a outra antes de meter um rótulo nela e querer estabelecer uma regra de como ela deve agir/reagir. Essa é base da empatia e, para mim, a base da sororidade.

Por fim, não, não descarto o lado psicológico no caso de um relacionamento abusivo (inclusive tem um texto recente sobre isso aqui no blog, sobre 50 tons de cinza. Quem tiver interesse, leia depois). Pelo amor de deus, né, gente? EU SEI que tem mulher com a auto-estima esfrangalhada em relacionamento abusivo e que é bacana dar uma forcinha para que saiam dessa. Sério que vocês acham que eu nunca me dei conta desse óbvio ululante? Aí, ó: cês tão menosprezando a minha inteligência. “Tsc, essa guria aí obviamente não sabe que as mulheres abusadas não conseguem enxergar que são abusadas, deixa eu ensinar isso para ela”. Eu sou feminista há mais ou menos uns 10 anos, galera. Eu tô ligada nesses paranauê aí faz tempo, não assuma que eu sou uma tapada que nunca leu/ouviu/conversou/teve nenhuma experiência com relacionamento abusivo antes. É disso que eu estou falando…

Podemos e devemos debater sobre isso e prestar assistência. Só não parta do princípio de que todas as mulheres em relacionamentos abusivos são incapazes de enxergar o mínimo que seja sobre sua situação, que todas estejam emocionamente destruídas da mesmíssima maneira e, de novo, que você sabe das coisas melhor do que elas. Só isso.

Esclarecido? Oquei então?


01 Jun 18:54

Dawkins sofre acidente no aeroporto de Guarulhos. Deus é o principal suspeito

by Carlos Ruas

dawkins

 

O biólogo inglês Richard Dawkins sofreu um acidente no aeroporto de Guarulhos, em São Paulo, poucos minutos antes de embarcar em um voo para Los Angeles.

 

Segundo o próprio Dawkins, ele tropeçou e caiu de cara no chão da sala de embarque, fazendo com que seus óculos cortassem seu rosto. O biólogo foi atendido e enviado para um hospital da região.

 

O biólogo, autor de O Gene Egoísta e Deus, um Delírio esteve no Brasil durante a última semana para palestras em São Paulo e Porto Alegre.

 

Isso só aumenta as chances de Deus realmente ser Brasileiro.

meme3

 

Para quem não sabe, ambos já caíram na porrada! Se você ainda não viu essa luta épica, confira aqui:

 

 

31 May 20:35

Senado brasileiro reconhece genocídio armênio

O Senado Federal aprovou documento em que reconhece o genocídio armênio promovido pela Turquia durante a Primeira Guerra Mundial e, na prática, pressiona o governo federal brasileiro a fazer o mesmo. O centenário do extermínio foi marcado no dia 24 de abril. Leia mais (05/31/2015 - 17h35)
31 May 05:08

A teoria do valor tupinambá

RESUMO A partir de relato do século 16 sobre a visão econômica de um velho tupinambá, o ensaísta expõe como as teorias do valor dominantes no Ocidente conceberam o papel da natureza. De Aristóteles a Marx, as concepções se modificaram até que, nas últimas décadas, parecem ter reencontrado a ideia central do indígena. Leia mais (05/31/2015 - 02h08)
29 May 18:58

Cardozo recebe Romário para tratar de corrupção no futebol

O Ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, recebeu na tarde desta sexta-feira o senador Romário (PSB-RJ) para tratar das investigações sobre as suspeitas de corrupção envolvendo dirigentes de futebol. Leia mais (05/29/2015 - 15h58)
06 May 03:53

nevver: Rokeby Venus by Valezquez, Audrey Wollen





nevver:

Rokeby Venus by Valezquez, Audrey Wollen

27 May 06:15

Warrior’s Good Fortune

by boulet
Girino

tem de ler os textos que aparecem quando passa o mous em cima... muito bom...

27 May 19:53

Anitta tem visto negado e é obrigada a cancelar shows nos EUA

Anitta precisou cancelar uma turnê que faria no Estados Unidos em maio após ter o visto de trabalho no país negado no consulado americano do Rio de Janeiro. A informação foi confirmada pela assessoria da funkeira. Leia mais (05/27/2015 - 16h53)
27 May 04:07

hopes

by Lunarbaboon

Buy the book and help the ugly man behind this comic... http://lunarbaboon.bigcartel.com/

27 May 01:24

Câmara rejeita por larga margem o distritão e aplica derrota a Cunha e ao PMDB

Principal proposta de reforma política defendida pelo PMDB de Michel Temer (SP) e Eduardo Cunha (PMDB-RJ), o sistema eleitoral conhecido como "distritão" foi rejeitado por larga margem nesta terça-feira (26) pelo plenário da Câmara dos Deputados. Leia mais (05/26/2015 - 22h24)
26 May 07:56

Why democratic elections are always flawed

by Tim Harford
Undercover Economist

I sometimes wonder if we expect more than we should from democracy

Most Britons are unhappy with the result of the UK general election. That is the logical conclusion, given that 63 per cent of voters cast their vote for someone other than David Cameron’s Conservatives. Nevertheless, the Conservatives surprised even themselves by winning more seats than every other party put together.

From the point of view of the losers, this state of affairs seems outrageous. It is sometimes said that splits on the left of British politics have prevented what should have been a solid leftwing majority and allowed the rightwing views of a minority to prevail. Yet the right is also split: the Conservatives and the UK Independence Party attracted more than 50 per cent of the vote between them. Leftwingers frustrated by the election result should blame the voters before they blame the voting system.

Critics of the British voting system do have a point. An analysis by Jack Blumenau and Simon Hix of the London School of Economics suggests that the disparity between votes cast and seats won has been widening for many decades, the consequence of the large number of votes now cast for smaller parties.

Since each seat is decided separately, votes cast for losing candidates simply do not count. It is possible to stack up a hefty pile of such votes while winning only a single seat — just ask Ukip’s Nigel Farage, who failed to be elected despite leading a party that attracted 3.9 million votes. The Conservatives earned about 34,000 votes per seat won, and Labour about 40,000 votes. The Scottish Nationalists needed just 26,000 votes per seat. Nick Clegg’s derided Liberal Democrats required more than 300,000 votes for each of their eight seats. Supporters of both Ukip and the Liberal Democrats might well feel disenfranchised, as might the Greens and the many Scots who voted for parties other than the SNP. Still, rules are rules and everyone knew the rules before they started to play the game.

Yet rules can be changed. And perhaps they should be. But to what? Clever schemes abound: the D’Hondt method offers something close to proportional representation while maintaining a link to local constituencies; the Borda count attempts to measure the strength of preferences; the alternative vote, AV, is designed to allow people to cast a conditional vote for whichever of several parties might find itself with a chance of winning.

AV was decisively rejected by the British in a referendum in 2011. But perhaps referendums themselves need looking at. Consider a referendum on an issue such as gay marriage. A small number of people — gay people who might wish to get married — have a tremendous interest in liberalisation. But no matter how strongly they feel, they get just a single vote each and so they have had to wait while the weakly held views of the majority slowly move in a tolerant direction.

Glen Weyl, an economist, argues that in such cases we might want to hold a referendum that allows people to express their strongly held beliefs by buying multiple votes at increasing cost: one vote costs $1; two votes cost $4; 1,000 votes cost $1m. Weyl calls this idea “quadratic voting”. It has some appealing theoretical properties but to the layperson it looks alarming. Expect to see it used in TV talent shows.

I am all in favour of improving institutions when we can but I sometimes wonder if we expect more than we should from democracy. There are two deep reasons why democratic elections are always flawed.

The first is that voters are, quite rationally, rather ignorant about politics. Sensible people vote to express themselves or out of a sense of duty, not because they harbour the illusion that it might be their vote that swings the entire election. Quite sensibly, then, people who devote hours to researching a new phone will not waste time researching which party to support.

The second reason is Nobel laureate Ken Arrow’s “impossibility theorem”, one of the most celebrated and misunderstood results in economics. Arrow’s theorem is often described as showing that there is no voting system that will reflect what society truly prefers. Arrow actually showed something more profound: that it makes little sense to speak of what “society truly prefers”. That very idea is incoherent. And those who expect that a democratic election will ever give society what it “truly prefers” will have to get used to disappointment.

Written for and first published at ft.com.

24 May 05:52

2 for 1 drinks this week at QWOP tavern.



2 for 1 drinks this week at QWOP tavern.

26 May 00:57

Video captures badass woman fighting back after man assaults her

by Neha Prakash
Waitress
Feed-twFeed-fb

This video contains violence.

A woman defending herself against a man sexually assaulting her at work did so in the most badass way.

A patron at a restaurant in Russia captured a waitress fighting back after one of her customers attempted to shove money into her blouse and then grab her butt

The waitress can be seen pushing him off, and when his advances continue, she slaps him away with a menu, sending him crashing to the ground

We don't typically condone violence, but infinite props to this woman and her menu-wielding defense strategy.

More about Viral Videos, Russia, Watercooler, and Videos
25 May 07:00

Captain Metaphysics and the Wizard of Elea




Plus, everyone knows it's a stupid thought experiment anyway.
22 May 01:40

EUA julgarão policiais ligados à morte de negro em Baltimore

O grande júri de Baltimore (EUA) aprovou nesta quinta (21) que os seis policiais envolvidos na detenção e na morte do jovem negro Freddie Gray, 25, responderão criminalmente pelo episódio. Leia mais (05/21/2015 - 22h40)
21 May 15:23

Como resolver seus problemas com crianças pentelhas

by ninja vermelho

l-edwlolaa

Simplesmente preciso! Nem que seja só pra deixar em um canto esperando algum pirralho chegar…

The post Como resolver seus problemas com crianças pentelhas appeared first on Le Ninja.

20 May 21:32

Photo



21 May 09:09

Mentirinhas #824

by Fábio Coala

mentirinhas_812

É pouco livro pra tanto estresse.

O post Mentirinhas #824 apareceu primeiro em Mentirinhas.

20 May 10:53

chronic

by Lunarbaboon

18 May 09:59

redditfront: That awkward moment when Satan is a perfectly...



redditfront:

That awkward moment when Satan is a perfectly acceptable option for your kids