Shared posts

18 Jul 17:56

Perfect angle. #9gag



Perfect angle. #9gag

07 Jul 13:30

me at the gym. 



me at the gym. 

07 Jul 18:20

plug: when bae mad at u



plug:

when bae mad at u

12 Jul 13:30

onefitmodel: nutrifitblr: jacked-daniels: KITTY WHAT IT”S...













onefitmodel:

nutrifitblr:

jacked-daniels:

KITTY

WHAT

IT”S JUST A TINY KITTY OMG

14 Jul 03:12

bestfunny:  

15 Jul 13:30

Photo







17 Jul 21:16

SVMA da Prefeitura de São Paulo compartilhando desinformação

by Aline Ghilardi

 

10390039_301093256731076_6577868152566158478_n

 

Poxa, estagiário, usa o Google!!!

Nem queira ir num curso desses! #Ficadica

Saiba qual a diferença entre Arqueologia e Paleontologia e seja mais esperto que a prefeitura de São Paulo: http://scienceblogs.com.br/colecionadores/2013/04/paleo-x-arqueo/

 

t-rex-jurassic-park

15 Jul 10:33

Following your friend, who has the only flashlight. #9gag



Following your friend, who has the only flashlight. #9gag

18 Jul 13:06

Ou4: A Giant Squid Nebula

Ou4: A Giant Squid Nebula A mysterious, squid-like apparition, this nebula is very faint, but also very large in planet Earth's sky. In the mosaic image, composed with narrowband data from the 2.5 meter Isaac Newton Telescope, it spans some 2.5 full moons toward the constellation Cepheus. Recently discovered by French astro-imager Nicolas Outters, the remarkable nebula's bipolar shape and emission are consistent with it being a planetary nebula, the gaseous shroud of a dying sun-like star, but its actual distance and origin are unknown. A new investigation suggests Ou4 really lies within the emission region SH2-129 some 2,300 light-years away. Consistent with that scenario, the cosmic squid would represent a spectacular outflow of material driven by a triple system of hot, massive stars, cataloged as HR8119, seen near the center of the nebula. If so, this truly giant squid nebula would physically be nearly 50 light-years across.
18 Jul 01:06

Resume WC Brasil 2014

06 Apr 18:38

...atiro uma comida pra cima e tento pegar com a boca.

image

17 Jul 21:45

They'll Never Find Me Here

They'll Never Find Me Here

Submitted by: (via Izismile)

13 Jul 17:55

Lessons From Brazil's War on Poverty

Brazil is a giant when it comes to soccer. In the late 1990s, it was a giant in another area, this one much less desirable: Brazil had one of the highest levels of income inequality in the world, as home to some of the world’s poorest people, while its richest competed with the wealthiest in the United States and elsewhere.1

In 2001, Brazil’s Gini coefficient — the most common (but not necessarily most attractive) measure of inequality2 — hovered around 0.60, a very high figure by any standard. (A Gini coefficient of 0 represents perfect equality where everyone earns the same income, and 1 represents complete inequality where all the country’s income accrues to a single person.) By comparison, the U.S. — not exactly a bastion of equality — had a Gini coefficient of 0.4 in 2000.3

ozler-feature-brazilincome

But from 2001 to 2007, income inequality in Brazil started to decline at an unprecedented rate: The Gini coefficient fell from above 0.60 to below 0.55, reaching its lowest level in more than 30 years. The incomes of the poorest tenth of Brazilians grew by 7 percent per year, nearly three times the national average of 2.5 percent. In less than a decade, Brazil had managed to cut the proportion of its population living in extreme poverty in half.4

This sharp decline coincided with the introduction of Brazil’s first cash transfer programs in 2001. Created to reduce poverty in the short-run, these programs also provided incentives to households to invest in their children’s education, health and nutrition. Brazil was following on the success of Mexico, which a couple of years earlier had introduced PROGRESA, perhaps the world’s best-known and most influential conditional cash transfer program.5 Brazil consolidated its programs into one program, called Bolsa Familia, in 2003.

Bolsa Familia targeted households whose per capita monthly income was less than 120 reais (a yearly income of $828). The government paid these households between 20 to 182 reais per month (between $132 to $1,248 a year) if they met certain conditions: Children under the age of 17 had to regularly attend school; pregnant women had to visit clinics for prenatal and antenatal care; and parents needed to make sure their children were fully immunized by age 5 and received growth check-ups until age 6. It also provided a small allocation to extremely poor households with no strings attached. By 2010, Bolsa Familia had grown to one of the world’s largest conditional cash transfer programs, providing 40 billion reais (about $24 billion) to nearly 50 million people, about a quarter of Brazil’s population.

So what role did Bolsa Familia play in the decline of inequality in Brazil since 2000? With such a large transfer of money from taxpayers to Brazil’s poorest, you’d imagine there must have been some impact, but how much of one? Identifying the causal effects of large, nationwide government programs is challenging. Many factors can affect the distribution of income over time. Shifting demographics, the changing nature of work, and women’s participation in the labor force can all affect income inequality. If you wanted to truly isolate Bolsa Familia’s effect, you could theoretically conduct an experiment — not unlike the trials that pharmaceutical companies routinely do to test a drug’s effectiveness — where you’d randomly assign some communities and not others to the cash transfer program, and then compare inequality between them.

However, this type of social experiment is hard, if not impossible, for governments to conduct for a long period of time. For example, Mexico did randomly assign some eligible communities to PROGRESA while withholding the benefits from other (equally eligible) communities at the start, but this pilot phase lasted only 18 months, after which the program was rolled out to all eligible areas. An 18-month period might have been sufficient to evaluate the effects of the program on children’s school attendance and women’s visits to health clinics, but it was too short a period to evaluate the program’s longer-term impacts on poverty and inequality. In any case, researcher Gala Diaz Langou says that leaving some areas out of the program was not politically feasible in Brazil, so there was no such experimentation with Bolsa Familia.6

So if you can’t do a randomized trial, what can you do to assess the program’s effect on Brazil’s drop in income inequality? Economists often try to understand changes in income inequality by quantifying all the elements that affect the distribution of income, such as the proportion of adults who work, the number of hours they work, their hourly wages, whether they have income from other assets, and whether they’re receiving money from the government. Once income is broken down by source at a given point in time, researchers can try to isolate the role of each source in changes in the distribution of income by keeping that factor constant over time and allowing all the remaining factors to vary. While this approach doesn’t identify the causal effect of any one factor on changes in a country’s Gini coefficient, it’s still a useful accounting exercise — helpful in focusing on the main factors associated with the changes in the distribution of incomes.7

Using this approach, two studies — a 2010 paper on Brazil (by Ricardo Barros and co-authors from Brazil’s Institute of Applied Economic Research) and a 2013 paper on a number of countries in Latin America including Brazil (by the World Bank’s Joao Pedro Azevedo and co-authors) — have separately found that government transfers accounted for about 40 percent of the decline in inequality in Brazil, with expansions in pensions and Bolsa Familia (and a related program for people with disabilities) contributing roughly equally to the decline in income inequality. However, of these government transfers, Bolsa Familia was by far the most important component in raising the income levels of Brazil’s poorest households: Between 2001 and 2007, the share of people receiving these conditional cash transfer payments increased by more than 10 percentage points, from 6.5 percent to 16.9 percent. This accounted for the entire increase in the share of households that received non-labor income (i.e. income from sources outside of working a job).

Hence, available estimates suggest that Bolsa Familia contributed about 15 to 20 percent of the decline in income inequality during the decade starting in 2000. These effects were most likely achieved by putting money directly into the pockets of poor households.8 Because the money is tied to parents’ investing more in their children’s health and education, advocates of the program hope these cash transfers will not only reduce poverty in real time, but keep the next generation from poverty as well. And it appears Bolsa Familia may also have had some success in this respect: Paul Glewwe of the University of Minnesota and Ana Lucia Kassouf of the University of Sao Paulo found in 2012 that the program has led to improvements in children’s school enrollment and advancement, which could translate into higher incomes for them as adults and further reductions in poverty and inequality.

But if Bolsa Familia only accounted for 15 to 20 percent of the drop in income inequality in Brazil, what contributed the most? The same two studies agree that rising wages among the poor were the main driver of the decline in inequality in Brazil. While their methodologies differ slightly, the studies show that changes in labor income accounted for 55 to 60 percent of the drop in income inequality.

And why did wages for the poor rise? Even before Bolsa Familia, the Brazilian government adopted policies that expanded access to education: Between 1995 and 2005, the average schooling among workers increased by almost two years. At the same time, the hourly wages for a worker with a given level of education rose much faster among the poor than the rest of the population, likely due to the increased demand for low-skilled labor that accompanied the commodity and price booms experienced in Brazil, and Latin America more generally, according to research by Leonardo Gasparini of the National University of La Plata in Argentina and co-authors. So, a combination of public policy (expansion of access to education and government transfers to the poor) and favorable market factors (rising wages for low-skilled workers) led to substantial declines in inequality in Brazil.

Income inequality in Brazil and Latin America remains high. Barros and his co-authors estimate that almost two more decades of similar progress is needed to bring income inequality in Brazil down to the world average.9 Expanding cash transfer programs like Bolsa Familia might be tough for the government, particularly in periods of tighter budgets. However, experimentation with these programs’ design (in Brazil and elsewhere) — for example, expanding Bolsa Familia benefits instead of pursuing continued increases in pensions for older Brazilians10 — can allow governments to maximize impacts while keeping a lid on program budgets.

17 Jul 11:20

Aniversários do 42.

by Igor Santos
Igor Santos

\o/
Se vocês soubessem há quanto tempo eu espero para fazer essa piada...

Hoje completam-se 2π anos que blogo.

Não é bem esse tipo de “2 pi anos”.

π, ou pi, é um número irracional (ou seja, que não pode ser representado como uma fração, como 8, racional, pode ser representado como 32/4, por exemplo) que corresponde à circunferência de um círculo dividida pelo seu raio.

Pi-unrolled-720.gif

15 Jul 00:42

Tumblr | 030.gif

030.gif
15 Jul 18:46

Weird Al's New Video Is A Brilliant Grammatical Smackdown

by Jason Schreier

Al "Weird Al" Yankovic has been making music for 38 years. His newest CD—and probably his last traditional album—drops today. Here's Word Crimes, the wonderful video for his great send-up of Robin Thicke's Blurred Lines.

"You should never / write words using numbers / unless you're seven / or your name is Prince."

Hear that, video game title writers everywhere?

This entry passed through the Full-Text RSS service — if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

13 Jul 16:00

= Alice no País das Maravilhas, por Lewis Carroll (1832 - 1898)...

Igor Santos

Curioser and curioser.
E agora tem OUAT em Wonderland. Achei chaaaaaaaaaaaaaaaaaaaato.



= Alice no País das Maravilhas, por Lewis Carroll (1832 - 1898) =

Fiz essa foto do modelo do Dodo (Raphus cucullatus) no NHM em Londres. Ele foi descrito pela primeira vez em meados do século XVI mas infelizmente foi extinto cerca de 100 anos depois. 

Como Lewis Carroll incluiu o Dodo no seu País das Maravilhas e quando visitamos ‘O Monumento’, aqui,  fomos ao Dinning Room Lewis Carroll no Pub ‘The Walrus & Carpenter, aqui, acabei sendo tomada por uma vontade incontrolável de reler 'Alice no País das Maravilhas'. Lembro que quando pequena gostei do livro, achei tudo muito lógico e não me recordo de ter rido de nada, foi meio que um livro para crianças como outro qualquer. E na minha cabeça de criança o livro era gigante, uma saga interminável, ehehe!

Gosto de ler pelo menos um resumo da biografia dos autores que chegam à minha cabeceira. Isso sempre me ajuda a compreender a obra e até a admirá-la mais (ou desistir de lê-la, admito) porque sempre penso que há notas autobiográficas em praticamente tudo que se reconhece como Arte.

Uma enurese noturna somada a gagueira, assimetria facial, surdez em um ouvido e sinistro-dominância supostamente levaram Lewis Carroll a desenvolver severos traumas psicológicos. Alguns textos biográficos falam em um possível passado de abuso sexual (?), bem como de que seu Diário - hoje incompleto não se sabe por qual motivo exatamente-, revelava uma  enxaqueca com aura. Há ainda relatos de médicos da época que sugeriam epilepsia ou alguma síndrome epileptiforme. 

E a parte bastante controversa da biografia de Lewis Carroll (não para mim) é uma acusação extemporânea, tosca e completamente descontextualizada da realidade Vitoriana de que ele fosse pedófilo. Bom, de fato ele foi um grande nome em matemática e lógica, e além de poeta e escritor foi apaixonado pela tecnologia então mais recente e empolgante, a fotografia. 

Não é de se admirar que ele se sentisse mais a vontade perto de crianças, tampouco que criasse uma uma história que se passa entre o sono e a vigília. A trama é tipicamente onírica, foge completamente da realidade, inclui aumento e diminuição do tamanho do corpo e é seguida de retorno à normalidade. Essas são manifestações/sensações bastante comuns em quem tem enxaqueca e epilepsia, sobretudo a do lobo temporal. Não me impressionaria se a Alice do livro fosse a projeção dele mesmo. 

Como de hábito, ele incluia as crianças ou o nome de crianças com as quais convivia em suas histórias, poemas e fotografias. Alice era o nome de uma menininha de uma família com a qual Lewis Carroll mantinha relações próximas (há um monte de controvérsias quanto a isso, que Lewis pediu a garotinha em casamento, que foi amante da mãe dela, que queria casar com a irmã, zzzz…).

E quanto ao livro há teorias de que há problemas matemáticos encriptados e outras coisas. Quanto a isso, uso as palavras do Grifo: “Não, não! As aventuras primeiro (…). Explicações tomam um tempo louco.”

Esse clássico da literatura nonsense (hehe) mostra uma menina destemida, que tenta controlar o impulso de chorar autoconsolando-se de modo racional, que tem repostas prontas para tudo, calcula as possibilidades de suas escolhas, bem como coloca a curiosidade acima do medo: ‘eu quase desejo não ter entrado na toca do coelho… mas, mas, é tão curioso, sabe, esse tipo de vida!’

O mais interessante é que nem nos momentos em que a menina chora ela pensa nos pais. A ‘pessoa’ que mais surge em seu pensamento durante o período em que está presa num país onde lagartas azuis fumam narguilé, gatos tem sorriso, cartas de baralho são pessoas e onde a Rainha manda degolar pessoas que nunca são degoladas, é Dinah, a sua gata.

E a menina faz uma análise interessante sobre as diferenças entre adultos e crianças: “Talvez seja a pimenta que deixe as pessoas mal humoradas (…) e o vinagre as deixa azedas… e a camomila as deixa amargas…e…e… as balas de cevada e este tipo de coisas é que deixam as crianças tão doces. Eu queria que as pessoas soubessem disso: então, eles não seriam tão sovinas com doces, sabe…” 

O diálogo da Duquesa com Alice no campo de críquete é impagável mas o Julgamento na Corte (sobre o caso das tortas, ahaha!) é incrivelmente engraçado. Alice, que serviu de testemunha de algo que não viu, voltou a crescer durante o Processo e findou por ser liberada com base no Artigo 42, que diz que todas as pessoas com mais de um quilômetro e meio de altura devem abandonar o Tribunal. Não tem como desconectar as minhas gargalhadas nestes dois episódios com o o Guia do Mochileiro das Galáxias (mas segundo meu marido, Douglas Adams negou ter retirado o 42 daí).

Parafraseando o Coelho, agora vem o meu conselho para que vocês leiam o livro:

"Por onde devo começar, se Vossa Majestade permite?”

"Comece pelo começo", disse o Rei com muita gravidade, "e siga até o fim: daí pare."

Divirtam-se.

Beijos,

M.

15 Jul 19:41

Photo



15 Jul 20:54

Photo



10 Jul 20:08

vejiga:

14 Jul 01:00

Crowdsourced Data Reveals Most Beautiful Urban Walking Routes

by Urbanist
[ By WebUrbanist in Destinations & Sights & Travel. ]

best walking routes study

Using a mapping algorithm coupled with citizen reviews of sights and scenery, a team of researchers has developed a way to choose paths through cities based on beauty, quiet and happiness rather than simply the shortest distance between two points.

shortest or beautiful route

The project employed Google Street View and Geograph as well as Flickr images and their metadata to build out an initial estimation of probable best paths, then solicited human feedback (to check and enhance the results) from a group of participants on the website UrbanGems (shown above).

london main sites map

The study, published by Cornell University’s arXiv, came up with a number of route suggestions in Boston and London and contains a number of interesting findings. For starters, the ‘beautiful’ routes were only slightly longer than the shortest routes, and significantly shorter than typical tourist-oriented directions and guided-tour paths. As the algorithm improves, it is increasingly able to generate paths through new cities via metadata alone, reducing reliance on input from people.

beauty and shortest boston

boston main sights map

The project’s creators included Daniele Quercia and Luca Maria Aiello of Yahoo Labs in Barcelona and Rossano Schifanella of the University of Torino, Italy. From their abstract: “When providing directions to a place, web and mobile mapping services are all able to suggest the shortest route. The goal of this work is to automatically suggest routes that are not only short but also emotionally pleasant.

beauty walking route london

shortest walking route london

The assessments are not simply qualitative value judgments, but a hybrid of human and machine input: “Based on a quantitative validation, we find that, compared to the shortest routes, the recommended ones add just a few extra walking minutes and are indeed perceived to be more beautiful, quiet, and happy.”

happy walking path london

quiet walking route london

From UrbanGems: “Buildings and neighbourhoods speak. They speak of egalitarianism or elitism, beauty or ugliness, acceptance or arrogance. The aim of UrbanGems is to identify the visual cues that are generally associated with concepts difficult to define such beauty, happiness, quietness, or even deprivation. The difficult task of deciding what makes a building beautiful, or what is sought after in a quiet location is outsourced to the users of this site using comparisons of pictures. With a comprehensive list of aesthetic virtues at hand, we would be more likely to systematically understand and re-create the environments we intuitively love.”


Want More? Click for Great Related Content on WebUrbanist:

Crowdsourced City: 14 Citizen-Directed Urban Projects

When urban planners and developers want to know what businesses local residents would like in their neighborhoods, where to put new bike lanes, or specific ... Click Here to Read More »»


Urban Jungle Street View: 3D Hack Uses Hidden Depth Data

An explicitly illicit use of dimensional data buried in Google Street View, the Urban Jungle project adds eerie layers of post-apocalyptic green overgrowth to ... Click Here to Read More »»


Nomadic Urbanism: Futuristic Walking City Draws on History

The notion of a mobile city is not new, but in this case, the architect has gone to great lengths to construct a vision that could conceivably be built. So ... Click Here to Read More »»


Share on Facebook

[ By WebUrbanist in Destinations & Sights & Travel. ]

[ WebUrbanist | Archives | Galleries | Privacy | TOS ]


14 Jul 19:44

'Patentes Patéticas' (2013) Renato Pincelli, jornalista pela...



'Patentes Patéticas' (2013)

Renato Pincelli, jornalista pela UNESP e autor do Blog Hypercubic, lançou o Livro ‘Patentes Patéticas’ em maio do ano em curso e assim que o Igor recebeu um volume de presente já o coloquei na minha fila de leitura.

Praticamente todo mundo que gosta de Ciências e é curioso também gosta de invenções e de ler sobre processos criativos, de como as coisas funcionam, de onde as coisas surgem… Por isso me interessei pelo livro. Quem acha o Ig Nobel Prize divertido também vai adorar o trabalho do Renato.

O livro é uma coletânea de 50 das mais de 100 patentes já apresentadas pelo autor no Blog. Os inventos são explicados de forma sucinta mas muito engraçada e o interessante é que o número e a data da patenteação são informados, então você pode pesquisar mais sobre cada um deles.

Infelizmente o livro ainda não está a venda pois o autor espera patrocínios, mas em compensação a maior parte da primeira tiragem foi distribuída pela USP a escolas públicas (mas que legal, einh!) e alguns exemplares serão distribuídos em sorteios/promoções no Hypercubic. Fiquem de olho.

É por causa de pessoas criativas e persistentes que vivemos em um mundo melhor hoje e até o que não dá certo pode ser o mote para uma coisa mais significativa depois. Praticamente nada do que vemos redondinho hoje começou realmente do zero.

Se você inventar alguma coisa vá atrás da sua patente. Se não der certo, o máximo que pode acontecer é você aparecer em uma nova edição do ‘Patentes Patéticas’ ;)

Aproveito para convidá-los a visitar outros blogs do Science Blogs Brasil, favoritem a página inicial do Portal, aqui, e fiquem por dentro de todas as atualizações ;).

Abraço,

M.

12 Jul 22:06

               = Meus favoritos da Skinceuticals no momento = 1....

Igor Santos

Isso aí foi a coisa que mais deu trabalho de achar. E parece que nem é tão bom.



               = Meus favoritos da Skinceuticals no momento =

1. Advanced Pigment Corrector, informações sobre ele aqui. Rende muito (o meu não acaba nunca!), espalhabilidade excelente. Se colocar muito você desperdiça pois ele flocula e esfarela. Conta com ácidos elágico, hidroxifenil propriônico e salicílico. 

2. Retinol 0.3, informações sobre ele aqui. Melhor Retinol que já usei. Está estocado. Na próxima viagem vou trazer o 0,5 e o 1,0 pois decidi não usar mais o ácido retinoico (vasinhos, vasinhos…)

3. Sheer Physical UV Defense FPS 50: Ele tem a textura que lembra o Bioré branquinho. No geral é melhor do que os outros protetores ocidentais que já usei mas não chega nem aos pés do Bioré na minha opinião, pois deixa minha pele meio empoada e ressalta os poros, possivelmente porque é pouco siliconado e não foi pensado para ser primer. Sozinho não rola usar por causa do acabamento. Mas por ser 100% físico vai me ajudar a prevenir que o melasma enlouqueça no verão, pois agora estou podendo usar bases mais transparentes então preciso reforçar a proteção física e passo o Sheer Physical por cima do Bioré ou do meu Allie. Informações sobre ele aqui

4. A.G.E Eye Complex: Gostei bastante, a textura é ótima, hidrata muito, serve como primer (deixa o corretivo bem ‘soft’), mas não pretendo recomprá-lo porque o da La Roche tem um custo-benefício muitíssimo melhor e efeito até bem parecido.

5. A.G.E Interrupter (rosto): Ainda não tenho a idade indicada para usá-lo mas como não vou fazer procedimentos para evitar rugas, resolvi começar mais cedo. Tem 30% de Proxylan. Informações, aqui. Usei duas vezes por dia durante 6 meses e cai de amores por este produto. Atualmente estou no terceiro vidro e uso alternando meio aleatoriamente com o Substiane Rosto para reduzir o custo anual do tratamento.

Beijos,

M.

11 Jul 11:14

Timeghost

'Hello, Ghostbusters?' 'ooOOoooo people born years after that movie came out are having a second chiiiild right now ooOoooOoo'
07 Jul 21:29

Photo



08 Jul 16:00

imgur: the simple image sharer



imgur: the simple image sharer

07 Jul 20:00

Você conhece a Venus?

Igor Santos

Alguém chamou um táxi?

05 Jul 16:20

Seeing Voices, Oliver Sacks (1989). O preço de balcão é £8.99...



Seeing Voices, Oliver Sacks (1989). O preço de balcão é £8.99 mas comprei por £4.00 na Henry Pordes Books (fica na Charing Cross Road), uma das livrarias mais legais de Londres.Lá encontramos um livrinho infantil cujo prefácio foi escrito por um dos filhos de Charles Darwin e um volume considerável de livros de História da Medicina (fotos do dia da nossa visita lá aqui), e livros antigos muitos dos quais custam algumas centenas de pounds.

Um dos eixos do livro é a preocupação de que os surdos são impelidos a aprender os sinais não pelas ideias e ações que eles querem expressar e sim através de fonemas que eles não conseguem ouvir.

O livro trata primordialmente da surdez congênita, daí o título ‘Vendo Vozes’. Quando a criança nasce com surdez profunda cresce sem formar memória auditiva, por este motivo o seu cérebro não é capaz de construir a ilusão de som. Concordo plenamente com Oliver Sacks quando ele afirma que esta condição é sensorialmente mais limitante do que a cegueira total pois potencialmente afeta de maneira global a capacidade de receber, produzir e de compartilhar informações. Quanto mais cedo a surdez ocorre - o que torna fundamental o diagnostico rápido -, maior estímulo a criança precisa receber para ter uma vida mais próxima do que consideramos ‘normal’.

O novelista David Wright que se tornou surdo aos sete anos de idade (e portanto após conhecer os fonemas adquirir um bom vocabulário), descreve em sua autobiografia uma percepção cerebral de algo como uma ‘voz fantasma’ enquanto observa o movimento do rosto e dos lábios de seu interlocutor. Sua memória auditiva permite que o cérebro reproduza o som como fazemos quando estamos pensando ou reproduzindo uma música na cabeça, o que facilita a compreensão de um discurso. Esta diferença entre a surdez congênita e a surdez adquirida após a formação da linguagem é fundamental para quem avalia e reabilita a pessoa com surdez e por muitos anos foi desconsiderada. 

Na primeira parte do livro o autor faz uma viagem pelo mundo dos surdos e cita o caso de uma escola no início do século passado onde crianças com surdez congênita ou adquirida criaram sua linguagem própria de sinais. Essa linguagem própria é frequentemente observada entre surdos brasileiros sem acesso ao aprendizado da LIBRAS e suas famílias. De uma forma ou de outra seres humanos encontram uma forma de se comunicar, mesmo que falem línguas diferentes. Quem já acompanhou o crescimento de um bebê sabe que bebês se comunicam com sinais desde muito cedo, dão tchau, batem palminhas, dizem não ou sim com a cabeça. Nesta parte Oliver Sacks discorre ainda sobre alguns casos clínicos de aquisição tardia de linguagem e dos problemas relacionados à capacidade de abstração, bem como mostra que a aquisição da linguagem depende 100% do contato de um ser humano com o outro (o que não ocorre, por exemplo, com a aquisição de habilidades motoras).

A linguagem de sinais é considerada a linguagem fundamental do cérebro humano, por isso pode ser tida como a linguagem natural da pessoa com surdez. O livro mostra que a tentativa de escantear a surdez, desconsiderar e até proibir a linguagem de sinais como ocorreu no século XIX e colocar todo empenho da educação na oralização pode ser não só frustrante para a pessoa com surdez congênita, como pode atrasar seu desenvolvimento acadêmico. Quanto a esse fato há um episódio curioso (até um pouco decepcionante) envolvendo Graham Bell, deixo a pista para que os interessados busquem no livro.

Quem está aprendendo uma nova língua sabe como é gratificante sonhar ou pensar na língua estrangeira. A segunda parte do livro trata exatamente disso, da capacidade de pensar em sinais e da importância do sentido da visão e da observação da linguagem corporal do outro, bem como as vias neurais envolvidas no processo (sempre recheado de casos concretos).

A terceira parte, ‘The revolution of the deaf’ narra a história da ‘revolução’ ocorrida em 1988 na Gallaudet University, que embora fosse  a maior Escola de Artes para surdos, em 124 anos nunca havia tido um presidente surdo. Nesta mesma época aumentava em intensidade em todo o mundo os movimentos políticos de pessoas com deficiência em busca de tomar para si a autoridade de fazer suas próprias escolhas, o que culminou em vários direitos que visam compensar dificuldades e equiparar oportunidades. No Brasil a história do movimento é bastante bonita e pode ser vista neste documentário aqui) . 

Eu acredito que linguagem de sinais e Braile deveriam ser ensinadas nas Escolas da mesma forma que as crianças são estimuladas a aprender uma língua estrangeira. Isso não só facilita a vida das pessoas com surdez e cegueira como reduz o impacto de uma cegueira ou surdez adquiridas em qualquer momento da vida, coisa que nenhum de nós é imune, fora que não deixam de ser excelentes métodos para estimular o cérebro: ver vozes, pensar em sinais e ler com a ponta dos dedos, que coisas mais incríveis!

Beijos,

Meire

05 Jul 11:46

Photo

Igor Santos

Filme aí é tão violento que até o telefone sangra.



06 Jul 00:43

Família diz que motorista tentou salvar a filha durante queda de viaduto - 04/07/2014 - Poder - Folha de S.Paulo

Igor Santos

Os empregos que a Copa está gerando.

Bookmarked at brandizzi Delicious' sharing tag and expanded by Delicious sharing tag expander.