Shared posts

30 Jul 16:59

Livro revela atestado de loucura do artista Bispo do Rosário e sua carreira de lutador

by Elilson Batista
Arthur Bispo do Rosário: Arte Além da Loucura

Um detalhe chama a atenção no primeiro prontuário médico escrito sobre Arthur Bispo do Rosário. Descrito como "calmo, de olhar vivo", com "ares de importância" e "fisionomia alegre", o paciente também podia associar "ideias com extravagância".

Não parece o diagnóstico de um louco, mas esse documento atestou loucura suficiente para que o artista sergipano, que morreu aos 80, em 1989, ficasse internado primeiro no hospício da Praia Vermelha e mais tarde na Colônia Juliano Moreira, no Rio.

Entre outros fatos, "Arte Além da Loucura" dá detalhes sobre o surto que levou Bispo do Rosário a ser trancafiado num hospício e sobre sua vida antes, como lutador de boxe e oficial da Marinha.

São dados que dissolvem uma série de mitos, em um momento de redescoberta da obra de Bispo do Rosário, exaltado como figura central da última Bienal de São Paulo e ocupando agora uma sala na Bienal de Veneza, com seus mantos e estandartes.

"Ele não vivia em estado permanente de delírio, sabia das coisas", diz Morais, em entrevista à Folha. "Essa ideia meio romântica da loucura não existe. Ele sabia o que estava fazendo o tempo todo e se tornou uma figura poderosa dentro do hospital. Há uma ordem interna muito forte no trabalho dele."

Mesmo que não falasse sobre o passado, detalhes de sua vida estão documentados nos estandartes que bordou: da infância numa fazenda de cacau na Bahia à ida ao Rio como marinheiro, passando por sua carreira de pugilista.

São avalanches de nomes escritos em ordem alfabética, os mais importantes bordados do lado de dentro de seu "Manto da Apresentação". Além do nome do pai, Bispo lembrou ali alguns adversários que enfrentou no ringue.


LOBO DO MAR



Não eram histórias inventadas. Jornais da época narravam de forma assídua os embates do lutador que nunca foi nocauteado e ficou conhecido como "lobo do mar", ou "marujo de bronze", dotado de "dureza granítica".

Em 1929, reportagem do "A Manhã" descreveu sua primeira luta profissional como "encarniçada", afirmando que ela "arrancou aplausos pela violência dos lutadores".

Mas depois que um bonde esmagou um osso de seu pé, Bispo deixou o ringue e foi trabalhar como empregado doméstico na casa da família Leone, uma das mais ricas e poderosas do Rio na época.

Humberto Leone, um dos herdeiros do clã, conta que Bispo era vaidoso e se vestia "com luxo", usava gravatas de seda e perfume francês.

Isso até o Natal de 1938, quando teve os três sonhos que o levaram a se apresentar num mosteiro como um enviado divino, que veio à Terra numa esteira de nuvens para impedir que o "espírito malíssimo" aqui chegasse.

Naquele primeiro prontuário, estão descritas suas alucinações, entre elas o sonho de uma "chuva de estrelas", que "explodiam fazendo barulhos incríveis", como se imaginasse o próprio destino de brilhar noutro ringue.
Fonte: www1.folha.uol.com.br/ilustrada

12 Dec 19:36

Parks, Gordon - Photography

by JG


Langston Hughes, Chicago

1941






American Gothic

1942





Ella Watson and her Grandchildren

1942





Bill Walker

1943





Duke Ellington at the Hurricane Club. New York, N.Y.

May 1943.





Two young girls at Camp Christmas Seals

1943





Dinner Time at Mr. Hercules Brown's Home, Somerville, Maine

1944





Red Jackson and Herbie Levy Study Wounds of Slain Gang Member Maurice Gaines

1948





Ingrid Bergman at Stromboli

1949





Death Room, Fort Scott

1949





Beggar Man, Paris

1950





Beggar Woman and Child, Estoril, Portugal

1950





Countess, Paris

1950





Woman Portrait

1950





Drugstore Cowboys, Blind River, Ontario

1955





Department Store, Birmingham, Alabama

1956





Chain Gang, Alabama

1956





Still Life, New York

1958





Gloria Vanderbilt, New York

1960





Flavio da Silva, Rio de Janeiro, Brazil

1961





Red Dress

Circa 1962





Malcolm X Addressing Black Muslim Rally in Chicago

1963





Nurses, Ethel Shariff in Chicago

1963





Muhammad Ali in Training, Miami, Florida

1966





Norman Jr. Reading in Bed

1967





The Fontanelle Family

Bessie and Kenneth, Little Richard, Norman Jr. and Ellen at the Poverty Board in New York City
1967





Bangkok

c. 1967





James Galanos Fashion

circa 1967





Muhammad Ali

1970





A Memory

1993





The Bridge

1995





Toward Infinity

1995





Front Cover, A Star For Noon

September 2000
.......................................................................................................
Gordon Parks, born November 30, 1912, Fort Scott, Kansas, U.S.,died March 7, 2006, New York. The son of a tenant farmer, Parks grew up in poverty. After dropping out of high school, he held a series of odd jobs, including pianist and waiter. In 1938 he bought a camera and initially made a name for himself as a portrait and fashion photographer. After moving to Chicago, he began chronicling life on the city's impoverished South Side. These photographs led to a Julius Rosenwald Fellowship, and in 1942 he became a photographer at the Farm Security Administration (FSA). While with the FSA, he took perhaps his best-known photograph, American Gothic, which featured an African American cleaning woman holding a mop and broom while standing in front of an American flag. In 1948 Parks became a staff photographer for Life magazine, the first African American to hold that position. Parks, who remained with the magazine until 1972, became known for his portrayals of ghetto life, black nationalists, and the civil rights movement. A photo-essay about a child from a Brazilian slum was expanded into a television documentary (1962) and a book with poetry (1978), both titled Flavio. Parks also was noted for his intimate portraits of such public figures as Ingrid Bergman, Barbra Streisand, Gloria Vanderbilt, and Muhammad Ali. Parks's first work of fiction was The Learning Tree (1963), a coming-of-age novel about a black adolescent in Kansas in the 1920s. He also wrote forthright autobiographies—A Choice of Weapons (1966), To Smile in Autumn (1979), and Voices in the Mirror (1990). He combined poetry and photography in A Poet and His Camera (1968), Whispers of Intimate Things (1971), In Love (1971), Moments Without Proper Names (1975), and Glimpses Toward Infinity (1996). Other works included Born Black (1971), a collection of essays, the novel Shannon (1981), and Arias in Silence (1994). In 1968 Parks became the first African American to direct a major motion picture with his film adaptation of The Learning Tree. He also produced the movie and wrote the screenplay and musical score. He next directed Shaft (1971), which centred on a black detective. A major success, it helped give rise to the genre of African American action films known as “blaxploitation.” A sequel, Shaft's Big Score, appeared in 1972. Parks later directed the comedy The Super Cops (1974) and the drama Leadbelly (1976) as well as several television films.
.....................................................................................................

Gordon Parks era filho de um jornaleiro, sendo o mais novo de 15 filhos. Cresceu em casa da irmã, em Minneapolis, até o cunhado o pôr fora aos 16 anos. Foi empregado de mesa e músico até, ao ver fotografias da Farm Security Admninistration e um jornal semanal com o fotógrafo Norma Alley, comprar uma máquina fotográfica usada e começar a tirar fotografias. Começou pela fotografia de moda e, a partir de 1942, trabalhou também para a Farm Security Admninistration. Entre 1949 e 1970, trabalhou como foto jornalista para a revista Life. Retratou a vida das pessoas no sul dos Estados Unidos e nas favelas brasileiras, bem como a de gente rica e elegantemente vestida em Nova Iorque e Washington. Retratou artistas e produziu uma reportagem comovente sobre o lider negro Maolcolm X. As suas reportagens pictóricas dos bairros pobres de Harlem, a que teve acesso por ele próprio ser negro, abriram os olhos dos americanos brancos para o país dividido em que viviam. Tornou-se muito popular graças aos seus filmes, em particular "The Learning Tree", de 1969, e às suas histórias misteriosas que tiveram pela primeira vez um negro como herói. Ao longo da sua carreira exemplar, Parks, que não pôde ser contratado por Alexei Brodovitch devido à cor da sua pele, contribuiu enormemente para o reconhecimento dos negros na vida americana. Gordon Parks nasceu em Fort Scott, Kansas, em 1912 e morreu em Nova Iorque em Março de 2006.
04 Jul 20:20

O maravilhoso mundo de Yuko Shimizu

by Eloise Martins

Você já deve ter cruzado com alguma ilustração da premiada artista Yuko Shimizu em um artigo da TIME, algumas capas da Vertigo Comics ou Rolling Stone, em inúmeras capas de livros ou mesmo navegando na web. Reunimos aqui mais de 50 desenhos deslumbrantes da grande ilustradora.

unwritten43_no_logo

A sua primeira monografia, uma compilação de um corpo de obra de 10 anos, foi lançada pela Gestalten em 2011 e você pode encontrar ela aqui.

polkadots

Shimizu também ilustrou um livro infantil, chamado Barbed Wire Baseball, publicado pela Abrams Books esse ano.

Barbed Wire Baseball

Prepare seus olhos e boa viagem!

tiger_mom

unw37_no_logo

unwritten_34.5_image_only

unwritten26

unwritten35.5_image_only

unwritten42_no_logo

unwritten44_yuko_shimizu

unwritten46_yuko_shimizu

unwritten50_fables_no_logo_yuko_shimizu

WIRED_valentines_day

0bf46e979da339269d4df5c22a689403.jpeg

2db2bd21344a4d2523091e82f9938e68

9fd1687306881b8425b2f876d4d1c5c5

25f79aa84c199a3a5b77520d34eafb05

88b3bd8f261652e2bf1200a4ee57b729.jpeg

118e7ee0f1165152651ef42fd7a7b308.jpeg

4074d8f8cc4fe287f226b95e40c2450b.jpeg

704953c410c8e48001b4ec42fdff5a25.jpeg

amarillo_poster2

bd670ac71cf02163212921703d200d79.jpeg

bear_rollover

beauty_belongs_to_flowers

blowup2

blowup3

cb3af9222403979aad913a2e5d2c3a96.jpeg

dedb9fbbb3fc669fbc5a8be181c56ecb

donzoko

ec9cbc1558889ba2390d1fa589172aca.jpeg

ffcdbf17f031d781ce824007ed438a38.jpeg

green_source2

haiti_head

hermit_crab

ku-xlarge (1)

ku-xlarge (2)

ku-xlarge

narayama_cover_yuko_shimizu

neil_gaiman

NYT_iliad_homer

op_ed_fish

progressive_calendar

pubic_jwt

red_dot_meditation

robbers

rock_you

sandalwood_death_mo_yan

spd_spots_gary

steampunk

swimming_in_fear

tea_party

tiger_face_back_layered

| fonte

04 Jul 20:28

A história visual da mágica

by Janara Lopes

taschen_magic5

O termo “magia” é etimologicamente derivado da palavra grega mageia (μαγεία). Gregos e persas estavam em estado de guerra por séculos e os sacerdotes persas, chamado de magosh, ficaram conhecidos como magoi, em grego. Que depois virou mageia, que virou magik – termo que se referia a qualquer prática e ritual heterodoxo ou ilegítimo.

taschen_magic4

A fome de magia sempre sustentou a experiência humana. A Taschen publicou em 2009 o livro Magic, que reunia imagens de 1400 a 1950. A compilação que foi relançada com um valor bem mais acessível, explora a cultura visual fascinante dos maiores mágicos da história, desde a Idade Média até a metade do século XX.

taschen_magic17

taschen_magic10

taschen_magic3

taschen_magic8

taschen_magic6

taschen_magic2

taschen_magic9

taschen_magic15

taschen_magic14

taschen_magic11

taschen_magic13

taschen_magic7

O livro tem 544 páginas e reúne raros posters vintage, fotografias, panfletos e gravuras.

01 Jul 00:48

Photo



18 Sep 23:29

o vento

by Dani Ricardo
"Assovia o vento dentro de mim. Estou despido. Dono de nada, dono de ninguém, nem mesmo dono de minhas certezas, sou minha cara contra o vento, a contravento, e sou o vento que bate em minha cara."




 


Eduardo Galeano
13 May 00:22

nascido a cada momento para a eterna novidade do mundo…

by Dani Ricardo
“O meu olhar é nítido como um girassol.
Tenho o costume de andar pelas estradas
Olhando para a direita e para a esquerda,
E de vez em quando olhando para trás…
E o que vejo a cada momento
É aquilo que nunca antes eu tinha visto,
E eu sei dar por isso muito bem…
Sei ter o pasmo essencial
Que tem uma criança se, ao nascer,
Reparasse que nascera deveras…
Sinto-me nascido a cada momento
Para a eterna novidade do Mundo…
Creio no mundo como num malmequer,
Porque o vejo.
Mas não penso nele
Porque pensar é não compreender…
O Mundo não se fez para pensarmos nele
(Pensar é estar doente dos olhos)
Mas para olharmos para ele e estarmos de acordo…
Eu não tenho filosofia; tenho sentidos..
Se falo na Natureza não é porque saiba o que ela é,
Mas porque a amo, e amo-a por isso
Porque quem ama nunca sabe o que ama
Nem sabe por que ama, nem o que é amar…
Amar é a eterna inocência,
E a única inocência não pensar…”
 


Alberto Caeiro, em “O Guardador de Rebanhos”, 8-3-1914
24 Jun 22:11

aqui, chove desde ontem

by nath

Outro dia estava assistindo a um episódio de “New Girl” em que os dois protagonistas analisavam seu relacionamento com seus respectivos melhores amigos – tendo este relacionamento há uns bons anos, mas encarando o fato de as afinidades terem minguado com o passar do tempo e só ter restado o afeto, a questão principal era: “se nos conhecêssemos hoje, seríamos amigos?”. E, fatalmente, a resposta era simples, objetiva e direta: “Não”.

Tenho passado por isso nos últimos tempos. Alguns de meus amigos mais próximos estão em minha vida há mais de 15 anos. E os amo de paixão, apesar de termos vidas muito diferentes hoje em dia. E, quando surgem conflitos mais sérios, que envolvem valores nos quais acredito fervorosamente e defendo com fúria leonina, fica um pouco mais difícil neutralizar os ânimos e se lembrar do amor que existe ali, e que resistiu a tantas mudanças, por tanto tempo.

(Pausa para um flashback de que algumas das memórias mais fortes que tenho da minha adolescência são de discussões acaloradas com meu pai durante o jantar, porque tínhamos ideologias diferentes e signos iguais. Então enfrentar de frente quem amo por algo em que acredito não é novidade, apesar de esse meu lado ter estado mais adormecido ultimamente.)

Então voltamos para o fato de que é preciso respirar muito fundo para preservar um afeto tão bonito e resistente, de uma amizade construída em anos de amor sem julgamento, de companheirismo sem poréns, de liberdade sem licença. Opiniões distantes mas carinho próximo, e lembranças infinitas de prova de amizade e diversão. Porque todo relacionamento é feito de um encontro e de muitos momentos de desencontros vindouros. Superemos.


24 Jun 19:54

humans of new york

by Dani Arrais

Humans of New York é um projeto feito por Brandon Stanton. O fotógrafo criou, em 2010, um site cujo objetivo era fazer um censo fotográfico da cidade.

Com o tempo, ele começou a colecionar frases e histórias dos nova-iorquinos. E o projeto cresceu e ficou ainda mais bonito! ♥

Ele explica:

I thought it would be really cool to create an exhaustive catalogue of the city’s inhabitants, so I set out to photograph 10,000 New Yorkers and plot their photos on a map. I worked for several months with this goal in mind. But somewhere along the way, HONY began to take on a much different character. I started collecting quotes and short stories from the people I met, and began including these snippets alongside the photographs. Taken together, these portraits and captions became the subject of a vibrant blog, which over the past two years has gained a large daily following. With nearly one million collective followers on Facebook and Tumblr, HONY now provides a worldwide audience with glimpses into the lives of strangers in New York City.

Na foto acima, o depoimento: “We went to the same high school, but weren’t really friends. He joined the Navy for ten years, and when he came home, I happened to be working in the same retirement home that his grandmother was in. We met in the lobby. He tried to tell a joke about having been all around the world while I stayed at home, but it backfired and made me cry.”

Mais em > http://www.humansofnewyork.com/

“If you could give one piece of advice to a large group of people, what would it be?”“Be kind and thoughtful.”“What’s your greatest struggle right now?”“Being kind and thoughtful. Because I’ve got some friends that are driving me freaking nuts.”

“I’m a kick boxer and I own a restaurant.”“How do those two things relate?”“They both require maintaining a calm center in the midst of chaos.”

After I took the photo, the man stuck around to give me his contact information. After a couple minutes, his wife started calling impatiently from outside. “I waited 40 years for her,” he said. “She can wait 5 minutes for me.”

“She saved my life.”

“I’m starting a blog for seniors!”

(Obrigada por compartilhar, Mariana Neri!)

19 Jun 17:26

Top10 listas para você se dar bem do início ao fim | Listas descaralhantes #18

by Fred Fagundes

O estado de espírito nada mais é que o estopim da conjunção de sentimentos responsáveis por uma decisão. Como se fosse um tipo de depósito de atitudes. Todas catalogadas, reservadas e prontas para a ação quando provocadas. Uma vez o estado iniciado, o reflexo em decisões e atos é irreversível.

A partir daí surge nossa enorme dificuldade de encontrarmos uma unanimidade – mesmo que pessoal. Música, filme, comida. Quantas vezes você já foi questionado de uma preferência absoluta e mudou de resposta periodicamente? Nem sempre a alternância é resultado de uma novidade, mas sim, uma reação ao que sua personalidade aspira naquele momento.

O lado bom – e talvez único válido – de agir de acordo com os sentimentos é a legitimidade emocional da sua obra. O “aja duas vezes antes de pensar” do Chico tem seu valor dentro da premissa passional. Assim que se é criativo: sendo fiel ao que se sente.

Mas qual o motivo desse nhenhenhein todo?

É que todas as vezes que sentei pra montar uma fita eu tava na fossa – o mais real e sincero representativo humano. Nem todas foram devidamente utilizadas para comprovar o sucesso. Porém, transmitem uma verdade cuidadosa que foi desenhada na seleção de cada banda, música e sequência. Nada foi adicionado por acaso. E tudo para um motivo: você se dar bem.

Uma fita pode ser montada de três modos: ordem cronológica vistando mensagem implícita nas composições; ano de lançamento do álbum ou ainda a temática – tema desse post. As fitas temáticas têm como grande vantagem o caráter momentâneo da utilização. Elas não são somente perfeitas para ouvir qualquer hora, elas são produzidas para rodarem no momento certo.

Logo, nada mais justo que ter uma sequência matadora para situações que envolvem desde o despertar de uma manhã até a ressaca moral de um pé na bunda.

Começar bem a porra do dia

Nada de despertador do iPhone, ringring ou galo cantando. O despertar dos campeões precisa ser algo definitivamente promissor. Daqueles que te faz acordar de pau duro e usá-lo não apenas para mijar.


Link Grooveshark

Convite

Uma fita diz muito mais que aquele buquê de flores com convite pra jantar. Essa, em especial, tem um potencial comprovado de vitória. Nem título no assunto do e-mail. Sem uma linha na mensagem.

É só mandar que hoje tem.


Link Grooveshark

Serenata

Se você é um romântico, já passou por sua cabeça a ideia de fazer uma serenata. Talvez tenha faltado cara de pau, criatividade e até um brother que toque violão.

Mas certamente não vai mais faltar repertório.


Link Grooveshark

Preparar um jantar

Especial para aqueles dias que você chega na cozinha falando francês e sai com a certeza que fez o melhor miojo dos últimos tempos.


Link Grooveshark

Ouvir durante o jantar

Quando algumas mulheres cantam, os homens choram. Essa fita tem coração. Porque ninguém canta como elas.


Link Groovershark

Strip

Você chegou até aqui. Ótimo. Se seguir os passos anteriores, vai ouvir.

– Senta lá que tenho uma surpresa pra você.

Sentá lá, cara.


Link Grooveshark

Em processo de umidificação

Essa é a única que fica com o dobro de músicas.

O dobro de tempo.


Link Grooveshark

Terminar o rolo

Eis que não era pra acontecer. Aí sabe aquela semana que você começa com vontade de terminar um relacionamento?

Aquela semana? Aquela vontade?


Link Grooveshark

Te deixou

Ou então você que não chegou nem até a oitava música do processo de umidificação.

Eu te pago um engradado.


Link Grooveshark

Pedido de desculpas

– Deixa eu falar? Deixa eu falar? Deixa? Po… Po… Posso falar? Posso falar? Presta atenção, tá?

Você sabe que eu já fui um malandro malvado. Somente estou regenerado. Mudei.

Pede mais uma chance. Arrisca.

A fita ta aí pra isso, nego.


Link Groovehellmans

Pois é, meu amigo. Gravar uma fita não é apenas gravar um fita. Não se trata de um apanhado de músicas. Mas sim, de criar uma atmosfera responsável por fazer de você uma pessoal significativa. Ou, no mínimo, ser lembrando quanto às faixas executadas.

Afinal, poucas coisas são melhores que um “lembrei de você quando ouvi aquela música”.

Seja ela qual for – e ela também.

Mecenas: Blowtex

Cada momento em um relacionamento é importante. Do início ao fim, nós sempre elegemos as melhores trilhas para estas ocasiões. E as viagens também merecem esse carinho.

Blowtex

A Blowtex está sorteando 8 viagens com acompanhante para qualquer lugar do Brasil com a promoção “Escolha seu destino com Blowtex”. É só responder “qual camisinha te leva para onde você escolher“? Vejam os detalhes no site da Blowtex para participar e ter o melhor dia dos namorados em qualquer ponto do Brasil.



04 Jun 00:52

zenpencils: A tribute to ROGER EBERT













zenpencils:

A tribute to ROGER EBERT

05 Jun 00:50

C’est l’amour

by Janara Lopes

Mx5mO

Vintage Romance

UxXNV

O5qsX

G6NAt

oVBKZ

1FpzN

n1QbE

4gpCJ

2eYLo

lEkYf

rKLjf

INCli

4evNW

b7CMD

YSe1X

dK8ev

VzQ7j

xZVz5

2ioHR

axRs1

d8bqX

565LV

mByBM

ae0e6

zRnuD

Fnngm

YOus5

4dLIL

| via

05 Jun 01:29

fuckyeahcomicsbaby: “The Ride” by Rodolphe Guenoden





















fuckyeahcomicsbaby:

“The Ride” by Rodolphe Guenoden

05 Jun 02:04

Photo



07 Jun 09:00

De volta para o futuro do presente

De-volta-para-o-futuro-do-presente.png
10 Jun 09:11

Estrelas

by Elilson Batista

10 Jun 20:43

Photo



14 Jun 23:48

Em algum ponto de ônibus em Cuiabá - MT (obrigada Lyn!)



Em algum ponto de ônibus em Cuiabá - MT (obrigada Lyn!)