Shared posts

22 Nov 21:49

constellation-funk: comicbookcovers: Superman #192, January...

Osiasjota

ah os anos 60...



constellation-funk:

comicbookcovers:

Superman #192, January 1967, cover by Curt Swan and George Klein

the ’60s, when “how do you beat a child that can’t feel pain” was an acceptable crisis for Superman to deal with 

26 Nov 04:27

"It’s funny, the stereotypes we given. Lazy, as if we ain’t build an entire country on our backs...."

Osiasjota

achei que era outra frase de Malcom X

“It’s funny, the stereotypes we given. Lazy, as if we ain’t build an entire country on our backs. Thieves, as if we wasn’t stolen from our home. Hateful, as if we was the ones that murder for dark skin. Selfish, as if we took over another people’s country and claimed they land as our own. Funny, how them stereotypes so perfectly describe the ones who done doomed us all.”

- My grandmother, talking to my brother who was recently called, “nothing but a black thug” for daring to wear a hoodie in the rain.  (via luscifers)
25 Nov 12:28

Malcolm X on "Progress"

Osiasjota

eu recomendo ler a biografia dele, é interessante por várias razões

24 Nov 01:49

Photo

Osiasjota

eles fazem isso com bitcoin também



21 Nov 23:56

Eu vivi pra ter uma tv com sistema operacional

by Osias Jota
Author: Osias Jota
Source: Facebook
Eu vivi pra ter uma tv com sistema operacional
23 Nov 20:15

Americans: Wow, that guys with the tiger from Las Vegas appeared in The Simpsons! Me: Wow, that guys...

Americans: Wow, that guys with the tiger from Las Vegas appeared in The Simpsons!

Me: Wow, that guys with the tiger from The Simpsons appeared in Las Vegas!

17 Nov 05:55

flowisaconstruct: onceuponamirror: lwyllastorch: tsundeanre: ...



flowisaconstruct:

onceuponamirror:

lwyllastorch:

tsundeanre:

thealycorn:

revstrychninetwitch:

ineffable-hufflepuff:

booksandwildthings:

backdoorteenmom:

regiinamills:

xxmickeydxx:

This is how many children that died in their Hunger Games, without even being mentioned throughout the three books. All these children were under 18. All these children had parents. All these parents’ hearts sank to their knees during their child’s reaping. All these parents saw their terrified child off at the train station. All these parents heard the sound that signified their child’s death. All these parents received their cold, dead child in a wooden box. All these parents’ lives ended there. All these parents could say or do nothing. All these parents were merely thanked that they gave up their child. Thanked.

And the media focuses on the love triangle.

All these children and all these parents aren’t real

Yeah, sure, I guess that’s true. None of these people were real.

But let’s focus on what this series, and this fact, say about our society.

In the series, the Capitol’s media focuses entirely on the ‘fun’ of the Games- the fashion, the plot twists, the favorites, the strategies, the romance. And the entire time, they completely overlook the fact that 1,678 children between the ages of 12 and 18 have died. Usually brutally murdered by other 12 to 18 year old children.

And how does our real-life media react to this story when news of a movie adaptation reaches them? They talk about the romance. This tragic story of a girl who must choose between her long-time best friend and her new love. Even if she chooses Peeta, they still must fight to the death. The star-crossed lovers of District 12. And many readers of the original novels saw the books through the same lens. You would tell them that you read/ were reading the books and their first reaction was, “Are you Team Gale or Team Peeta?”

Meanwhile, children are fighting to the death.

The fact that our media, and many every-day people reacted to the Hunger Games the same as the Capitol media scares me.

I don’t want this world to be anything like the Capitol. I don’t think any of us do.

And the fact that most of us (including myself) never really considered how many children had died in the games also scares me. But, hey, it didn’t happen now/ in the current story, so it doesn’t matter, right?

I’m not sure about that math though. I think it’s MORE.

Let’s talk about just the first 73 games, ok? Every year before Katniss and Peta. 

24 Tributes (1 girl + 1 boy x 12 districts)= 1 Victor + 23 Dead Every year

23 x 73 = 1,697

EXCEPT, the 50th games (The games Haymitch competed in) had DOUBLE the number of tributes. An extra 24 kids died that year.

1,703. 

Now, 22 kids died in Katniss and Peeta’s first game, because they both live.

1,725. 

In 74 years, the brutal, violent murders of 1,725 children aired on TV in Panem, and in both the Capitol, and on the red carpet in our world, the first question people want to ask it “Team Peeta?” Damn.

i’m not even in this fandom, but damn, that’s scary

And here we have people who GET the hunger games.

#until this moment#i didn’t realize there were still people who haven’t figured out that our reactions to media are an important indicator of our values#it doesn’t matter that they aren’t real#our reaction on a story primarily about children killing each other#was to focus on the romance#it wasn’t a romance#it’s a story about a tyrannical governemt sentencing children to death as a means of intimidating the sectors into submission#and we reacted to the games exactly the same way the capitol did

you can be as meta as you can but you can never be this meta

this is why not the media’s focus on JUST the love triangle is important—because it goes beyond that. Maybelline released a “Hunger Games” themed make up campaign. Barbie dolls were made of Katniss. T shirts. Plastic jewelry.

This is the real lesson.

The movie does a good job of using the capitol as a stand-in for the empty stupidity of some of our own current culture. That’s on purpose. The fact that someone decided to sell merchandising rights that completely subverted the message is just typical movie studio greed, and I’m sure nobody in the business of making these toys a reality cared one whit for the message of the film.

02 Oct 16:12

Nervösa personer kan få alzheimers sjukdom

by Klartext
Osiasjota

correlação não implica causação, mas sei lá, né?

via claudzim

Den som får alzheimers blir glömsk och virrig. Risken att få den sjukdomen ökar om du är nervös och stressad. Det visar en ny undersökning.

Klicka om du vill läsa mer!

De som har gjort undersökningen är forskare vid Sahlgrenska Akademin i Göteborg. Forskarna har följt en stor grupp kvinnor under närmare 40 år.

Då upptäckte forskarna att kvinnor med en nervös personlighet lättare fick alzheimers än andra. Med nervös personlighet menas de som ofta tänker att något dåligt ska hända, som oroar sig mycket och som lätt blir stressade.

Forskarna i Göteborg föreslår att nervösa personer kan söka hjälp hos vården så att de lär sig att ta det lite lugnare och tänka mer positivt. För då ökar också chansen att man slipper sjukdomen alzheimers.

22 Nov 21:23

23-09-2014

by Laerte
Osiasjota

Laerte: superior ( e posso falar assim mesmo tendo em conta sua [1] mudança de gênero)

[1] - blink, blink,


23 Nov 00:33

Nunca invada a Rússia no inverno - Quora http://t.co/0em0T9wufB http://t.co/kBAY3DcyJC

by Osias Jota
Author: Osias Jota
Source: Facebook
Nunca invada a Rússia no inverno - Quora buff.ly/1qOA0s6 fb.me/6ZG1Uc7ZV
22 Nov 07:12

Photo



22 Nov 21:21

Suzane Is The New Black: E se a história de Suzane Von Richtofen virasse filme?

by noreply@blogger.com (Bic Muller)
foto: @CuriVinicius
Suzane Von Richtofen ganhou todos os jornais após chocar o país ao ser presa por nada menos que planejar a morte dos próprios pais.

Desde então ela se encontra na Penitenciária de Tremembé, um lugar de boa gente, também habitado por Anna Carolina Jatobá, que matou a própria enteada e Elize Matsunaga, que matou e cortou o marido em pedacinhos.

Volta e meia Suzane, que ainda está presa, volta as manchetes de jornais. 


A mais marcante e bizarra até então, foi uma reportagem no Fantástico, na qual ela apareceu infantilizada e contracenando com um passarinho. A personagem mongolona, que ao que tudo indica foi criada por seu tutor na tentativa de sensibilizar o público não durou muito e na própria matéria a farsa foi desmascarada.


Recentemente, Suzane voltou a ser notícia, quando uma série realizada no presídio mostrou sua rotina de boa moça, recém convertida a Pastora Evangélica. Além de pastora, ela também estava best friend da Anna Jatobá, condenada por matar a enteada.



Tudo indicava que essa era a grande virada e Suzane ia permanecer evangelizando as presas até conseguir descolar seu regime semi-aberto até que:

A história deu uma virada digna de seriado e:

Suzane resolveu abrir mão da herança (?????????) dos pais que ela tentava há anos o direito de receber (né?????) e do regime semi-aberto para poder mudar da Ala das Evangélicas no presídio e morar numa cela com sua atual esposa, uma sequestradora chamada Sandra.

Mas isso não é tudo. Como as presas tem que assinar um documendo de união para terem direito a viver juntas na cela dos casais, Sandra teve que ficar em quarentena até poder se casar novamente.

Massss isso também não é tudo. Sandra foi anteriormente casada com Elize Matsunaga, aquela que matou e esquartejou o marido Yoki.

Massss isso também não é tudo e Sandra se separou de Matsunaga por causa de Suzane e as duas que eram amigas, romperam a amizade ao disputar o amor de Sandra.

Aliás, Suzane é considerada Dom Juan do presídio. Além de Sandra, ela já arrebatou o coração de duas carcereiras que concediam algumas regalias em nome do amor de Suzane, que tinha até acesso a internet. A vida boa só acabou porque elas foram descobertas ao brigar por causa da Sussu.

Outro suposto apaixonado foi um promotor que queria "tirá-la da vida do crime". Ela não gostou da proposta e o promotor foi punido por comportamento inadequado.

Além deles, não posso deixar de citar os irmãos Cravinhos. Daniel era seu então namorado e Cristian seu cunhado, que foram executores do plano que deu fim a vida dos pais de Suzane.

Bom, isso tudo foi pra dizer que estávamos no Twitter imaginando que logo logo essa história da Suzane vai virar um filme e ganhar Oscar de melhor roteiro adaptado e a gente já se adiantou para escalar o elenco que gostaríamos de ver nesta produção.

Com vocês:

foto: @Bianca_Alvim
Elenco:












Participação especial:



Sucesso de bilheteria sim ou óbvio?

21 Nov 23:55

a farsa da exploração do espaço http://t.co/4g4VCBJxUg http://t.co/GggJxRNKWX

by Osias Jota
Author: Osias Jota
Source: Facebook
a farsa da exploração do espaço buff.ly/1As6fAs fb.me/1RCMJM32s
21 Nov 11:32

laws and order: beyond reality

by kris

20141121-lawsorder

don’t be ashamed, mr. president. thanks to 320×200 full-color VGA technology, the line between reality and the computer world is almost impossible to detect. god help us but the door to a virtual world of crime and eroticism is wide open

have a great weekend everyone

20 Nov 12:05

Odeio palhaços mas não paro de ouvir isso http://t.co/oQogkjcCRV http://t.co/tlkH0SSJ5D

by Osias Jota
Author: Osias Jota
Source: Facebook
Odeio palhaços mas não paro de ouvir isso youtu.be/1HtrbMy4mU4?li… fb.me/3SG62sTxU
19 Nov 05:00

November 19, 2014


If you want a Science book in a hurry, they're on amazon!
20 Nov 01:39

Me: *Watching video tutorial*

Osiasjota

that's why I love gifsets

Me: *Watching video tutorial*
Person in the video: Heyyyyyyy... Everybodyy... Todayyyy I will show you how to...
Me: HURRY THE FUCK UP
21 Nov 00:39

Living with Hipstergirl and Gamergirl-144

by jagodibuja

144

21 Nov 00:37

a farsa do aquecimento global http://t.co/pyf3CVnjaG

by Osias Jota
Author: Osias Jota
Source: Facebook
a farsa do aquecimento global fb.me/7dDNSbabI
20 Nov 12:09

Um belo exemplo de infografia eficiente, eficaz e efetiva

by Clauber Silva
Como eu previa originalmente, ia chegar um momento na minha dissertação em que eu estaria ocupado demais com ela, escrevendo freneticamente, produzindo horrores e, com isso, deixaria o blog um pouco de lado.

Esse momento chegou e eu estou ocupado demais... cuidando do meu filho que nasceu. Mas eu sou brasileiro e não desisto nunca. Essa dissertação vai sair um dia.

Um dia...

Bom, vamos ao que interessa. Encontrei esse maravilhoso exemplo de infográfico que posto aqui. Ele representa bem meu momento papai e também os bons princípios de excelência gráfica propostos por Edward Tufte, nesse livro.

Para ampliá-lo, acesse o bendito aqui.
Fonte: http://atl.clicrbs.com.br/naocliqueaqui/2011/01/17/novas-tecnicas-do-manual-de-instrucoes-para-cuidar-de-bebes/

20 Nov 12:05

"Hoje é um dia bom, uma carta boa não vai melhorá-lo, e não vou deixar uma carta...

by Osias Jota
Author: Osias Jota
Source: Facebook
"Hoje é um dia bom, uma carta boa não vai melhorá-lo, e não vou deixar uma carta ruim ruim estragá-lo" Carl, the Walking Dead
20 Nov 12:05

via Clauber: Não se admire se um dia / um boi bumbá invadir / a porta de sua casa...

by Osias Jota
Author: Osias Jota
Source: Facebook
via Clauber: Não se admire se um dia / um boi bumbá invadir / a porta de sua casa / te der um coice e partir...
20 Nov 12:04

RT @raphael__prado: Foda ser velho, fiz piada na firm com a musica da poupança bamerindus...

by Osias Jota
Author: Osias Jota
Source: Twitter Web Client
RT @raphael__prado: Foda ser velho, fiz piada na firm com a musica da poupança bamerindus e o cara que nasceu em 92 não entendeu
16 Oct 01:22

sourcedumal: mysharona1987: This about sums it up. This just...



sourcedumal:

mysharona1987:

This about sums it up.

This just goes to show that misogyny is real. So real.

17 Nov 16:58

what I’ve been doing for the past three months

by villeashell


what I’ve been doing for the past three months

19 Nov 04:51

Photo



18 Nov 12:41

Nolan > Kubrick

by Osias Jota
Author: Osias Jota
Source: Facebook
Nolan > Kubrick
15 Nov 00:56

Can't win

14 Nov 15:32

An end of radio

by Seth Godin

Eight years ago, I described how city-wide wifi would destroy the business of local radio. Once you have access to a million radio stations online, why would you listen to endless commercials and the top 40?

I realized last week that this has just happened. Not via wifi, but via Bluetooth and the smart phone.

The car-sharing driver (Bluetooth equipped car, with a smart phone, of course) who picked me up the other day was listening to a local radio station. It was almost as if he was smoking a pipe or driving a buggy. With so many podcasts, free downloads and Spotify stations to listen to, why? With traffic, weather and talking maps in your pocket, why wait for the announcer to get around to telling you what you need to know?

The first people to leave the radio audience will be the ones that the advertisers want most. And it will spiral down from there.

Just as newspapers fell off a cliff, radio is about to follow. It's going to happen faster than anyone expects. And of course, it will be replaced by a new thing, a long tail of audio that's similar (but completely different) from what we were looking for from radio all along. And that audience is just waiting for you to create something worth listening to.

       
03 Oct 02:07

O Fiat, o contrabandista e a mãe de santo

by Cora
Osiasjota

dafaq

“– Sempre achei que essa história seria bem compreendida no Brasil, onde os rituais do candomblé são tão parecidos com os dos exorcistas marroquinos” — concluiu Tahir Shah (depois de contar como livrou a Casa do Califa de uma infestação de espíritos). Eu estava pronta para contestar, do alto do meu ateísmo e da minha descrença universal, quando me lembrei de um caso que me aconteceu há muitos e muitos anos, e que envolveu um Fiat 147, um contrabandista e uma mãe de santo. Eu contaria essa história agora com o maior prazer, mas como o espaço já está no fim, ela fica para a semana que vem.”

Assim terminou a crônica da semana passada. Cumpro a promessa:

O caso aconteceu há muito tempo, no começo de um ano de que não lembro mais. Eu havia passado o Réveillon no sítio, em Nova Friburgo, e já no dia primeiro estava na estrada, sozinha, a bordo do meu Fiat 147, voltando para o batente. Vinha distraída numa reta quando fui parada por um grupo de pessoas nervosas:

– Para! Para!

– Um desastre!

– Dois carros!

– Uma família inteira…

– As crianças, coitadas!

– Muito sangue!

– Uma desgraça, uma desgraça!

Todos falavam ao mesmo tempo. Ali na frente, a poucos metros, os dois veículos destruídos, uma figura que eu não sabia se estava viva ou morta no meio da estrada, mais adiante um carro branco com as portas abertas, cercado por outras pessoas.

É curioso como funcionam as nossas lembranças: eu não me lembro de ter registrado se o corpo na estrada era de homem ou de mulher, mas me lembro do carro branco em detalhes, um adesivo horizontal no vidro traseiro. Também me lembro de ter me perguntado de onde havia saído aquela gente toda, já que além dos carros envolvidos no acidente não havia nada na estrada a não ser o tal carro branco, mas logo percebi uma birosca na beira do mato e umas casinhas miúdas.

– Moça, você leva a mulher do carro, que está muito mal.

Não era uma pergunta. Também não era uma ordem. Era apenas a conclusão a que alguém havia chegado a respeito do que devia ser feito. Antes que eu pudesse responder, a porta traseira do Fiat já estava sendo aberta, e uma senhora, que sangrava muito, foi deitada no banco. Um dos homens que a havia trazido bateu a porta e me mandou correr.

– Ali adiante tem um hospital, não fica longe.

Pode até ser que ficasse perto, mas o tempo de chegar me pareceu uma eternidade. Era evidente até para mim, que nunca havia visto uma pessoa agonizante, que a pobre mulher estava morrendo: respirava em bolhas, fazendo um barulho surdo, terrível. Depois de um tempo o barulho acabou, mas o silêncio era ainda pior. No meio do caminho, um carro da polícia havia emparelhado com o meu, e sinalizado para que o seguisse. Os policiais me escoltaram até o hospital, tomaram todas as providências necessárias e me disseram que eu não precisava me preocupar com mais nada: meu nome não constaria do BO.

Cheguei ao Rio moída, as lembranças horríveis martelando na cabeça. Não consegui dormir. No dia seguinte bem cedo fui até o posto para lavar o Fiat, mas quando viram aquela sangueira toda os funcionários se recusaram a tocar no carro. Percorri os outros postos da vizinhança, e em todos encontrei a mesma reação. Finalmente voltei para casa e o porteiro cuidou do assunto.

Mas o carro ficou esquisito; algo continuava errado. Mandei lavá-lo num lavajato. Não adiantou. Levei-o ao posto que, segundo meus amigos, fazia a limpeza mais bacana da cidade. Troquei os tapetes. E nada. Passei a me sentir muito mal dentro do querido Fiat e, muito a contragosto, decidi vendê-lo.

– Mas vai vender o carro novinho, que acabou de comprar? — perguntou o My
Friend, meu amigo contrabandista. — Por que?

Contei o que havia acontecido.

– É, a energia ficou pesada, — constatou. — Liga para a Mãe Deocleciana, ela pode dar um jeito nisso.

Fazia sentido. Com quem mais eu poderia resolver um problema daqueles? De modo que, no dia seguinte, liguei para o número que ele me havia dado. Mãe Deocleciana atendeu do outro lado, muito gentil. Eu disse quem era, falei do My Friend e contei a história.

– Que coisa, minha filha. Você tem um bom advogado?

– Tenho sim.

– Perfeito, perfeito. Isso é o mais importante. Pessoa morta, sangue no carro, não se pode facilitar com essas coisas… Agora você vai levar esse carro numa encruzilhada, vai acender uma vela em cada esquina e vai queimar uma buchinha de café dentro dele, viu?

Ela me ensinou como fazer a tal buchinha e, na calada da noite, lá fui eu para uma encruzilhada no Andaraí, morta de medo de ser vista por algum amigo. Cumpri as instruções, envergonhadíssima por ter embarcado naquela bobagem.

Mas, no dia seguinte, quando peguei o carro para levá-lo à revendedora, ele estava curado: voltara a ser o meu lindo Fiat 147, com as boas vibrações de sempre. Continuamos juntos e felizes ainda por vários anos. Quando liguei para Mãe Deocleciana para agradecer e para perguntar quanto lhe devia, ela respondeu que não era nada, ora essa. E despediu-se com um conselho:

– Cuidado na estrada!

(O Globo, Segundo Caderno, 2.10.2014)